Papão festeja liderança, mas Brigatti evita excesso de empolgação

DxjB7BsX4AUGATM

Líder do grupo A2 do Campeonato Paraense com dez pontos, um a mais que o Paragominas, o Paissandu é o único time que ainda não perdeu no torneio. Tem três vitórias e um empate. A boa fase, confirmada com a vitória sobre o Remo no último domingo, empolgou a torcida, mas o técnico João Brigatti tratou de conter a empolgação dentro do elenco. nhum tipo de empolgação dentro do elenco.

“Conseguimos uma vitória maiúscula, mas não está nada garantido ainda. Temos que ter os pés no chão. Antes empatamos com o Castanhal. São apenas quatro jogos e não dá para esperar que o time já esteja pronto. O Paysandu está de parabéns pela humildade e pela entrega”, disse. “Vejo ainda muito a evoluir e não vamos nos empolgar. Comemoramos uma vitória sobre o maior rival, mas o trabalho continua”, disse.

O treinador bicolor não citou nomes, mas deixou claro que para o jogo de amanhã contra o Águia, na Curuzu, o time deve ter mudanças forçadas pelo desgaste do clássico, além da necessidade de rodar atletas que ainda não entraram na equipe, como o meia Tiago Primão e o atacante Paulo Henrique, que estreou no Re-Pa atuando por menos de 10 minutos.

Entre os jogadores, há a convicção de que o trabalho está no caminho certo. “A gente não teve uma pré-temporada, não teve os amistosos, então isso dificulta um pouco na parte do entrosamento. Mas a gente tem superado isso diariamente com as conversas nos treinos e vamos ter que adquirir (ritmo) durante a competição. Acredito que estamos no caminho certo, o grupo está focado, está com o mesmo intuito, fechado e creio que a gente só tem a crescer na competição”, disse o atacante Paulo Rangel, um dos mais entusiasmados com a atuação contra o Remo.

Série C: CBF divulga tabela com Re-Pa na última rodada

remo0x3psc-3

Saiu nesta terça-feira a tabela básica da Série C do Brasileiro de 2019. Já foi definida a ordem dos jogos e as datas prefixadas para as rodadas, porém os confrontos ainda serão distribuídos nos dias disponíveis. A abertura da competição será nos dias 27 e 28 de abril. Representantes do Pará, o Remo e Paysandu caíram no Grupo B e jogarão entre si na última e decisiva rodada da primeira fase.

Sobre as estreia, o Leão se deu melhor. Jogará em casa, contra o Boa Esporte. Já o Papão terá que viajar ao Rio Grande do Sul para encarar o Ypiranga-RS. A situação se inverte na segunda partida: o Remo joga contra o Juventude em território gaúcho e o Paysandu recebe os mineiros do Tombense, em Belém.

O modelo de disputa da Série C não mudou para 2019. A primeira fase será disputada em turno e retorno, com dois grupos (A e B) compostos por dez clubes cada. Remo e Paysandu farão no mínimo dois clássicos no Brasileiro: pela 9ª e 18ª rodadas, que encerrará a primeira fase. Em seguida, os quatro melhores classificados dos grupos A e B iniciam o mata-mata nas quartas de final. Os quatro semifinalistas sobem de divisão.

1ª RODADA – 27 e 28 de Abril

Remo X Boa Esporte-MG – Belém

Ypiranga-RS X Paysandu – Erechim (RS)

2ª RODADA – 4 e 5 de Maio

Paysandu X Tombense-MG – Belém

Juventude-RS X Remo – Caxias do Sul (RS)

3ª RODADA – 11 e 12 de Maio

Paysandu X Juventude-RS – Belém

Luverdense-MT X Remo – Lucas do Rio Verde (MT)

4ª RODADA – 18 e 19 de Maio

Remo X Ypiranga-RS – Belém

Volta Redonda-RJ X Paysandu – Volta Redonda (RJ)

5ª RODADA – 25 e 26 de Maio

Remo X Atlético-AC – Belém

Boa Esporte-MG X Paysandu – Varginha (MG)

6ª RODADA – 01 e 02 de Junho

Paysandu X São José-RS – Belém

Tombense-MG X Remo – Tombos (MG)

7ª RODADA – 08 e 09 de Junho

Remo X Volta Redonda-RJ – Belém

Atlético-AC X Paysandu – Rio Branco (AC)

8ª RODADA – 15 e 16 de Junho

Paysandu X Luverdense-MT – Belém

São José-RS X Remo – Porto Alegre (RS)

9ª RODADA – 22 e 23 de Junho

Remo X Paysandu – Belém

RETURNO

10ª RODADA – 29 e 30 de Junho

Paysandu X Ypiranga-RS – Belém

Boa Esporte-MG X Remo – Varginha (MG)

11ª RODADA – 06 e 07 de Julho

Remo X Juventude-RS – Belém

Tombense-MG X Paysandu – Tombos (MG)

12ª RODADA – 13 e 14 de Julho

Remo X Luverdense-MT – Belém

Juventude-RS X Paysandu – Caxias do Sul (RS)

13ª RODADA – 20 e 21 de Julho

Paysandu X Volta Redonda-RJ – Belém

Ypiranga-RS X Remo – Erechim (RS)

14ª RODADA – 27 e 28 de Julho

Paysandu X Boa Esporte-MG – Belém

Atlético-AC X Remo – Rio Branco (AC)

15ª RODADA – 03 e 04 de Agosto

Remo X Tombense-MG – Belém

São José-RS X Paysandu – Porto Alegre (RS)

16ª RODADA – 10 e 11 de Agosto

Paysandu X Atlético-AC – Belém

Volta Redonda-RJ X Remo – Volta Redonda (RJ)

17ª RODADA – 18 e 19 de Agosto

Remo X São José-RS – Belém

Luverdense-MT X Paysandu – Lucas do Rio Verde (MT)

18ª RODADA – 25 de Agosto

Paysandu X Remo – Belém

2ª FASE – MATA-MATA DO ACESSO: 01 e 08 de Setembro

SEMIFINAIS – 15 e 22 de Setembro

FINAIS – 29 de Setembro e 6 de Outubro

Em áudio vazado para Veja, Bolsonaro diz a Bebianno que Globo é inimiga

carlos-bolsonaro-bebianno

Um dia após a exoneração de Gustavo Bebianno da secretaria-geral da Presidência, o site da revista Veja trouxe nesta terça-feira (19) áudios vazados do ex-aliado com Jair Bolsonaro. Em troca ríspida de mensagens, Bolsonaro critica o agendamento de uma reunião de Bebianno com o vice-presidente de Relações Institucionais da do Grupo Globo e chama a emissora de inimiga.

“Gustavo, o que eu acho desse cara da Globo dentro do Palácio do Planalto: eu não quero ele aí dentro. Qual a mensagem que vai dar para as outras emissoras? Que nós estamos se aproximando da Globo. Então não dá para ter esse tipo de relacionamento. Agora… Inimigo passivo, sim. Agora… Trazer o inimigo para dentro de casa é outra história. Pô, cê tem que ter essa visão, pelo amor de Deus, cara. Fica complicado a gente ter um relacionamento legal dessa forma porque cê tá trazendo o maior cara que me ferrou – antes, durante, agora e após a campanha – para dentro de casa. Me desculpa. Como presidente da República: cancela, não quero esse cara aí dentro, ponto final”, declara Bolsonaro.

Paulo Tonet, que atua como uma espécie de lobista da Globo em Brasília, já teria se reunido com outros membros do núcleo duro do governo. Segundo a jornalista, Desde janeiro, Tonet já se reuniu com os generais Augusto Heleno e Santos Cruz e também com Onyx Lorenzoni. O encontro com Bebianno acabou cancelado.

Mentiras
Os áudios a que Veja teve acesso provam que, se alguém mentiu no episódio, foram o presidente e o filho. Bebianno, como se pode constatar nas gravações, falou com o presidente através de mensagens escritas e pelo menos treze mensagens de áudio. Enquanto esteve internado no Hospital Albert Einstein, após cirurgia para retirada da bolsa de colostomia, Jair Bolsonaro viu explodir o escândalo das candidaturas laranjas no PSL, que envolvem diretamente o ex-coordenador de campanha e homem que o levou ao partido. Bebiano, no entanto, negava-se a dizer que estaria com relações estremecidas com o presidente, declarando ter falado com ele. Porém, o filho de Jair, Carlos Bolsonaro (PSC/RJ) divulgou tuíte em que dizia que Bebianno teria mentido e que o pai não teria falado com o ex-ministro.

Os áudios vazados para a Veja mostramque houve uma intensa troca de mensagens escritas e de áudio, todas via WhatsApp, entre o presidente Jair Bolsonaro e Bebianno. O clima era quente e não faltaram trocas de acusações em tom ríspido.

Em um dos trechos divulgados, Bolsonaro defende Carlos, dizendo que o filho não está “incitando a saída” de Bebianno. Antes, Bebianno encaminhara cópia a Bolsonaro de uma mensagem de um jornalista (que não é identificado) dizendo que Carlos vinha conversando com deputados para derrubar o ministro.

“O caso incitando a saída é mais uma mentira. Você conhece muito bem a imprensa, melhor do que eu. Agora: você não falou comigo nenhuma vez no dia de ontem. Ele esteve comigo 24 horas por dia. Então não está mentindo, nada, nem está perseguindo ninguém”. Bebianno, então responde, acusando Carlos.

“Há várias formas de se falar. Nós trocamos mensagens ontem três vezes ao longo do dia, capitão. Falamos da questão do institucional do Globo. Falamos da questão da viagem. Falamos por escrito, capitão. Qual a relevância disso, capitão? Capitão, as coisas precisam ser analisadas de outra forma. Tira isso do lado pessoal. Ele não pode atacar um ministro dessa forma. Nem a mim nem a ninguém, capitão. Isso está errado. Por que esse ódio? Qual a relevância disso? Vir a público me chamar de mentiroso? Eu só fiz o bem, capitão. Eu só fiz o bem até aqui. Eu só estive do seu lado, você sabe disso. Será que você vai permitir que o senhor seja agredido dessa forma? Isso não está certo, não, capitão. Desculpe”, declara.

Pacificador
Em outro áudio enviado ao presidente, Bebianno lembra que é um pacificador, em contraste com a personalidade espinhosa de Carlos, e chegou a ser aceito no convívio com os militares que antes lhe rejeitavam – e volta a garantir que não faltou com a verdade. “Ontem eu falei com o senhor três vezes, sim”.

“Eu só prego a paz, o tempo inteiro. O tempo inteiro eu peço para a gente parar de bater nas pessoas. O tempo inteiro eu tento estabelecer uma boa relação com todo mundo. Minha relação é maravilhosa com todos os generais. O senhor se lembra que, no início, eu não poderia participar das reuniões de quarta-feira, porque os generais teriam restrições contra mim? Eu não entendia que restrições eram aquelas, se eles nem me conheciam. O senhor hoje pergunte para eles qual o conceito que eles têm a meu respeito, sabe, capitão? Eu sou uma pessoa limpa, correta. Infelizmente não sou eu que faço esse rebuliço, que crio essa crise. Eu não falo nada em público. Muito menos agrido ninguém em público, sabe, capitão? Então quando eu recebo esse tipo de coisa, depois de um post desse, é realmente muito desagradável. Inverta. Imagine se eu chamasse alguém de mentiroso em público. Eu não sou mentiroso. Ontem eu falei com o senhor três vezes, sim. Falamos pelo WhatsApp. O que é que tem demais? Não falamos nada demais. A relevância disso… Tanto assunto grave para a gente tratar. Tantos problemas. Eu tento proteger o senhor o tempo inteiro. Por esse tipo de ataque? Por que esse ódio? O que é que eu fiz de errado, meu Deus?”

Bolsonaro então diz que não falará mais com Bebianno.

“Ô, Gustavo, usar da… Que usou do Whatsapp para falar três vezes comigo, aí é demais da tua parte, aí é demais, e eu não vou mais responder a você. Outra coisa, eu sei que você manda lá no Antagonista, a nota (sobre Bolsonaro não atender Bebianno) foi pregada lá. Dias antes, você pregou uma nota que tentou falar comigo e não conseguiu no domingo. Eu sabia qual era a intenção, era exatamente dizer que conversou comigo e que está tudo muito bem, então faz o favor, ou você restabelece a verdade ou não tem conversa a partir daqui pra frente.”

Viagem à Amazônia
Em outro momento da troca de mensagens, Bebianno envia ao presidente uma nota que informa que ele e mais dois ministros – Ricardo Salles, do Meio Ambiente, e Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos – viajariam para o Pará para discutir projetos para a Amazônia com líderes locais. Bolsonaro desautoriza o ministro, de forma irritadiça. “Gustavo, uma pergunta: “Jair Bolsonaro decidiu enviar para a Amazônia”? Não tô entendendo. Quem tá patrocinando essa ida para a Amazônia? Quem tá sendo o cabeça dessa viagem à Amazônia?”

Bolsonaro, então liga para Damares e Salles, e retorna para Bebianno. “Ô, Bebianno. Essa missão não vai ser realizada. Conversei com o Ricardo Salles. Ele tava chateado que tinha muita coisa para fazer e está entendendo como missão minha. Conversei com a Damares. A mesma coisa. Agora: eu não quero que vocês viajem porque… Vocês criam a expectativa de uma obra. Daí vai ficar o povo todo me cobrando. Isso pode ser feito quando nós acharmos que vai ter recurso, o orçamento é nosso, vai ser aprovado etc. Então essa viagem não se realizará, tá OK?”.

Acabou o amor?

bebianno-metralhadora

Menos de 24 horas após o anúncio de sua exoneração, o ex-secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno (PSL), mostra que – conforme prometido – pretende revidar três vezes mais as ameaças a que sofreu durante o processo de fritura no governo Jair Bolsonaro.

Nesta terça-feira (19), após divulgação pela Veja de áudios de trocas de conservas entre Bolsonaro e o ex-ministro, Bebianno trocou sua foto na rede social Instagram. Ele retirou a foto que mantinha com Bolsonaro e, no lugar, colocou uma foto carregando uma metralhadora.

Considerado homem forte da campanha vitoriosa de Bolsonaro nas eleições, Bebianno se tornou o centro de uma crise instalada no Palácio do Planalto depois que a Folha revelou a existência de um esquema de candidaturas de laranjas do PSL para desviar verba pública eleitoral.

O partido foi presidido por ele durante as eleições de 2018, em campanha de Bolsonaro marcada por um discurso de ética e de combate à corrupção.

O sumiço misterioso de 8 funcionários do filho de Jair amigo das milícias

FLÁVIO-EMBOLSONARO-min (1)

Por Alex Solnik, no Et Urbs Magna

O que no início parecia ser apenas um assunto financeiro já tem desdobramentos para se transformar num caso policial. Já tinha, dadas as ligações dos dois envolvidos, o ex-PM Fabrício Queiróz e o então deputado estadual Flávio Bolsonaro com milicianos do Escritório do Crime, o segundo empregando parentes de um dos chefes, o ex-capitão Airton Magalhães, indicados pelo primeiro, em seu gabinete, o que já era um escândalo federal.

Agora os laços se estreitam mais ainda com a notícia de que todos os oito funcionários que depositaram parte do salário na conta do colega de gabinete Queiróz tomaram chá de sumiço. Todos. Inclusive a mãe do miliciano, Raimunda Veras Magalhães.

Sumiram sem deixar novo endereço. Trancaram as casas. Uma operação com todas as evidências de ter sido orquestrada. Uma operação que indica que se trata de um grupo que trabalha unido. Operação típica de uma quadrilha.

Não é difícil adivinhar de quem teria partido a ordem de se escafederem. Basta indagar a quem interessava o sumiço. Fazer desaparecer as testemunhas é clara obstrução à Justiça. Sem seus depoimentos fundamentais o processo fica manco.

Sumir assim, de um dia para o outro, deixando emprego, família, amigos, responsabilidades não é para qualquer um. Requer dinheiro, infraestrutura e um motivo de extrema relevância. Só se faz isso em último caso. Quando não há outro jeito.

Mudaram de cidade, de estado, de país? Não se sabe. Mas é certeza que alguém os financiou e ainda os financia. Para comprar o seu silêncio.

Dados os novos ingredientes da trama, que a cada dia lembra mais as novelas de Agatha Cristie não é mais admissível que o caso seja investigado apenas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Ele já transcendeu a esfera estadual. É um caso federal. E que está dentro do gabinete do presidente da República, amigo de Queiróz, pai de Flávio, admirador de milicianos.

Um caso a exigir uma investigação mais profunda, da Polícia Federal. Eventualmente, da Interpol. As oito testemunhas têm que estar em algum lugar do mundo.

Depois de ter construído a fama de justiceiro ao condenar a 9 anos de prisão o ex-presidente Lula por supostamente receber imóvel no valor de R$1 milhão, sem provas, por convicção, o atual ministro da Justiça tem o dever e a obrigação de mandar a Polícia Federal, que atua sob suas asas abrir uma investigação para apurar o sumiço das oito testemunhas.

Se não mandar investigar dará a entender que participa da Operação Abafa. O que vai pegar muito mal para um ministro que acabou de apresentar um pacote de combate ao crime organizado.

Eis a oportunidade de combater o crime organizado na prática.

Medellín: da cidade mais violenta para a mais inovadora do mundo

Medellín

Por Isabella Carvalho, no StartSe

Você já deve ter ouvido falar de Medellín, na Colômbia. Em 2013, a cidade foi eleita a mais inovadora do mundo pelo concurso City Of The Year, realizado pelo Wall Street Journal em parceria com o Citigroup. Mas um detalhe chama atenção: ela também já foi considerada a mais violenta do mundo.

Nos anos 90, os habitantes de Medellín viveram um período marcado pela violência, narcotráfico, desaceleração econômica e outros conflitos. A taxa de homicídio na cidade chegou a quase 7 mil pessoas por ano. “Durante muito tempo, as notícias envolveram medo, drogas, bombas e corrupção”, disse Carlos Jaramillo, que está à frente do Ruta N, Centro de Inovação e Negócios de Medellín, durante o encontro LIDE Next sobre Cidades Inteligentes.

Para mudar esse cenário e melhorar a qualidade de vida da população, algumas iniciativas foram tomadas. Uma delas foi a criação de um teleférico para transporte dos bairros menos favorecidos. O sistema entrou em operação em 2004 e hoje é composto por diversas linhas ligadas ao metrô e outros pontos. Medellín foi a primeira cidade da América Latina a utilizar teleférico como meio de transporte de massa.

“Esse projeto foi um marco, beneficiando aproximadamente 400 mil pessoas. A partir disso, a cidade se transformou e se tornou referência. Envolver os cidadãos nos processos de criação de novas iniciativas foi essencial”, explicou Jaramillo. No mesmo período foram feitos investimentos em segurança e em projetos tecnológicos, pedagógicos e culturais. “Começamos a pensar em uma cidade inovadora com uma economia baseada em conhecimento. Tínhamos que formar as pessoas e criar uma cultura empreendedora”, disse Carlos.

Teleférico-Medellín

Com o passar dos anos, o cenário se transformou. Atualmente, a cidade possui um comitê que reúne todos os meses líderes e as principais companhias para definir as políticas públicas que serão implementadas. Medellín também abriga um Distrito da Inovação com mais de 172 hectares composto por três bairros (Jesús Nazareno, Sevilla e Chagualo).

O local permitiu a chegada de 154 novas empresas à cidade e a geração de mais de 2.900 empregos. “A ideia é que esse território se torne cada vez mais inteligente e que as empresas possam encontrar tudo que precisam a uma distância a pé”, disse Jaramillo.

Com o conjunto de iniciativas, as desigualdades econômicas e sociais da cidade diminuíram, assim como o índice de homicídios, que caiu 80%. Segundo Jaramillo, a criação de novas políticas públicas aliada à um trabalho estruturado foram fundamentais neste processo. “Por meio dessas iniciativas conseguimos estabelecer projetos de longo prazo”, disse.

A cidade se desenvolveu tanto que em janeiro, durante um encontro do Fórum Econômico Mundial (FEM) em Davos (Suíça), o presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciou que Medellín será uma das sedes do Centro da Quarta Revolução Industrial. A princípio, ela terá como foco o desenvolvimento de inteligência artificial, internet das coisas e blockchain.

Indústria 4.0: entenda o que é a quarta revolução industrial

A iniciativa faz parte de um plano que também envolve outros países, como Israel e Emirados Árabes. Hoje, Estados Unidos, Japão, China e Índia já possuem Centros criados. Com a notícia, Medellín se prepara para dar mais um passo na jornada que iniciou há dez anos. “Criamos o nosso próprio ecossistema de inovação. Agora, abrigaremos o único Centro da América Latina”, afirmou Jaramillo.