“Seria cômico se não fosse trágico”, diz funcionário do BB sobre filho de Mourão

mourao-filho-1

Por Ivan Longo, da revista Fórum

nomeação de Antonio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, para assessor especial do presidente do Banco do Brasil, causou revolta entre funcionários da estatal. Funcionário de carreira do banco há 18 anos, Rossell Mourão vinha atuando há 11 anos como assessor na área de agronegócio da instituição, ganhando cerca de R$ 12 mil mensais. Com o novo cargo, ele mais que triplicará seu salário, passando a ganhar R$ 36,3 mil por mês. A nova função equivale a um cargo de executivo.

À Fórum, o presidente do Sindicato dos Bancários do Distrito Federal, Eduardo Araújo, afirmou que esse tipo de “salto” de cargo não é comum no banco e que recebeu a notícia com estranhamento. De acordo com Araújo, a escolha do cargo de assessor especial deve ter partido do próprio Mourão como uma forma de aumentar o salário do filho sem precisar fazer justificativas de qualificações técnicas, já que a escolha de um nome para qualquer outro cargo de nível executivo precisaria ser justificada ao Banco Central.

“Ele não tem qualificação para ser nomeado em um cargo que tivesse que ser justificado, e aí tiveram que jogar para a assessoria do presidente, que não precisa justificar junto ao Banco Central. Então, encontraram uma saída meio ortodoxa pra fazer a nomeação, que deve ter sido a pedido do próprio Mourão”, revelou.

De acordo com um funcionário do Banco do Brasil ouvido pela reportagem, o clima interno é está “péssimo”. “Ele pulou muitos degraus. Isso não é uma coisa natural dentro do banco. Existe uma trilha a ser cumprida. Muitos se aposentam sem, inclusive, conseguir subir um degrau sequer. E esse cargo de assessor da presidência não é um cargo simples, demanda um tremendo conhecimento técnico”, afirmou o funcionário, que preferiu não ser identificado por conta de possíveis retaliações.

O funcionário revelou ainda que muitos dos trabalhadores do Banco do Brasil que votaram em Jair Bolsonaro estão “decepcionados”. “Sabe aquela história? Seria engraçado se não fosse trágico. O pessoal está muito decepcionado. Pessoas que votaram no cara já estão com aquele pensamento de ‘não era o que a gente esperava’. O clima é ruim. Até porque expõe o Banco do Brasil”, pontuou.

A fonte ouvida pela Fórum informou ainda que já há inúmeras manifestações e questionamentos ao presidente do banco sobre a nomeação do filho de Mourão para o cargo de assessor. Há, para funcionários, um tipo de canal de comunicação interna.

Eduardo Araújo, o presidente do Sindicato dos Bancários, disse que já há, inclusive, até aqueles que estão utilizando o canal para pedir ao presidente que a esposa de Rossel Mourão, nora do vice-presidente, não tenha a mesma “ascensão meteórica” que o marido. Atualmente ela trabalha como caixa do banco.

Novo presidente da Apex mal fala inglês e é novo mico do governo

apexbrasil

Alecxandro Carreiro, novo presidente da Apex, está sendo tratado por diplomatas de diversos níveis e servidores da empresa como mais um mico promovido pela equipe do governo Bolsonaro. Empossado há menos de uma semana, Carreiro mal fala inglês e tem um currículo sofrível. Ele é formado em Comunicação Social numa universidade abaixo da crítica e nunca teve experiência em comércio exterior.

Tempos atrás, Carreiro se aventurou como empresário, ao fundar uma consultoria para prestar assessoria a municípios. Não deu certo. No ano passado, a Receita Federal deu baixa na empresa por inaptidão.

O nome de Alecxandro Carreiro foi sugerido a Bolsonaro por Ernesto Araújo, atual ministro das Relações Exteriores.

Na Apex, quase ninguém conhecia o atual chefe, a não ser de postagens em redes sociais. Numa delas, Carreiro segura uma faixa grande (ver abaixo) em que aparecem imagens de Bolsonaro e Donald Trump com a bandeira brasileira ao fundo.

alex-carreiro-apex

Carreiro também exibe, em outra postagem, foto de uma farda do Exército com a inscrição “Alex”. O orçamento da Apex supera R$ 650 milhões por ano.

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) é uma empresa vinculada ao Itamaraty. A missão da Apex é promover as exportações dos produtos e serviços do Brasil, contribuir para a internacionalização das empresas brasileiras e atrair investimentos estrangeiros para o país.

A Apex trabalha para aumentar o número de empresas exportadoras, agregar valor à pauta de produtos exportados, consolidar a presença do país em mercados tradicionais e abrir novos mercados no exterior para os produtos e serviços nacionais. (Do Pragmatismo Político)

Gregório Duvivier e o casal da nova era

images_cms-image-000616503

O ator e humorista Gregório Duvivier não poupou o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e sua esposa Rosângela Moro. Em sua conta no Twitter, Duvivier disse, sem citar o casal, que ele é composto por um juiz que faz vista grossa para a corrupção do chefe e uma esposa chateada com as críticas, lembrando que Rosângela pediu para que as pessoas parem de criticar a gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

“O casal moderno é composto por um juiz de voz fina que faz vista grossa pra corrupção do chefe e uma esposa xatiada com as críticas”, disse Duvivier.

Em novo recuo, Bolsonaro desiste de instalar base militar americana no Brasil

bolsonaro-eua

Em mais um recuo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou que desistiu da ideia de implantar uma nova base militar dos EUA no Brasil. As informações foram publicadas no jornal Folha de S. Paulo nesta terça-feira (8). Os comandantes militares e oficiais generais da cúpula das Forças Armadas do Brasil foram informados da decisão pelo ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva.

Bolsonaro havia citado a possibilidade da instalação de uma base dos EUA, país com o qual vem travando uma aproximação agressiva desde que foi eleito, durante entrevista ao SBT na semana passada.

Seu chanceler, Ernesto Araújo, confirmou a intenção na sequência. Ela foi elogiada, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que esteve na posse do presidente no dia 1º.

A ideia de uma base militar dos EUA no Brasil não foi bem digerida pelo Alto Comando do Exército Brasileiro, que expressou seu descontentamento em conversas de seus membros.

Os EUA possuem mais de 800 bases em cerca de 80 países, mas nenhuma ativa na América do Sul. Estiveram presentes na Colômbia em acordo com o governo local, dando apoio ao combate às Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

A ideia da base dos EUA no Brasil contraria os princípios de soberania e busca de meios de autodefesa estabelecidos pela Política Nacional de Defesa e pela Estratégia Nacional de Defesa.

O Brasil só abrigou militares americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1942, o governo Getúlio Vargas cedeu áreas em Natal (RN) para operações aeronavais aliadas no Atlântico, em troca de favorecimento político e econômico.

Após acenar insistentemente aos EUA e demonstrar alguma idolatria ao presidente Donald Trump, Bolsonaro passou a ser visto internacionalmente como um capacho norte-americano. Semanas depois de vencer a eleição presidencial, Bolsonaro protagonizou uma cena cômica ao bater continência para o conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton, quando o recebeu em sua casa para um café da manhã.

Embora tenha alguma semelhança ideológica com Trump, Bolsonaro tem revelado, em seus primeiros atos de governo, que a sua política é a da liquidação do país em favor dos grandes bancos e do mercado financeiro.

BB promove filho do general Mourão

nlf__ckc

Antonio Hamilton Rossell Mourão – filho do vice-presidente da República, Hamilton Mourão – foi promovido no Banco do Brasil (BB). Deixou para trás um cargo de assessoria na diretoria de Agronegócios para assumir posto na assessoria especial da presidência da instituição financeira, comandada por Rubem Novaes, que tomou posse na segunda-feira (7). Rossell Mourão receberá salário de R$ 30 mil.

De acordo com o BB, ele está no banco há 18 anos, vai assessorar o presidente em assuntos relacionados ao agronegócio e sua nomeação não burla regras da empresa. A promoção de Antonio Mourão virou piada nos corredores do BB e grupos de mensagens dos funcionários da entidade. O presidentedo BB teve de explicar a nomeação .

Papai pode tudo… hehe

Bicolores avançam nos treinamentos da pré-temporada

dwv3aupx0aepnuj

dwv3ausxgama6iy

O elenco do Papão realizou nesta segunda-feira seu quinto dia de treinamento na fase de pré-temporada. O grupo treinou em dois períodos. Pela manhã, o grupo realizou exercícios físicos no estádio da Curuzu. À tarde, a comissão técnica comandou uma atividade com bola, no CT da Desportiva. O time ainda tem um esboço de escalação, mas o técnico João Brigatti começa a intensificar as orientações táticas.

O meia Tiago Primão, que ainda não foi oficialmente apresentado, deve ser a 18ª contratação do clube para a temporada. Além dele, a diretoria de Futebol ainda busca um lateral direito e um volante.

Mesmo com a chuva que caiu pela manhã, os jogadores participaram de uma movimentação dividida em duas partes. A primeira foi realizada na Academia Gabriel de Souza Castro, com treinamento funcional e atividades de musculação. Em seguida, os atletas subiram para o gramado, onde fizeram exercícios físicos com bola, interligados com sessões de corrida cronometrada.

dwv8ueoxcaahn2n

Os goleiros, por sua vez, realizaram uma série de trabalhos específicos de raciocínio e agilidade de defesas. A atividade foi comandada pelo preparador de goleiros Silvano Austrália e seu assistente, Ronaldo. Após as atividades, o grupo voltou para o hotel Antônio Diogo Couceiro. Depois do almoço, o elenco participou de palestra ministrada pelo gerente de Comunicação, Jorge Luís Totti. Em seguida, a delegação partiu para Marituba.

Vacaria se integra ao elenco do Leão

vacaria-2

Vacaria irá atuar pelo Remo em 2019. O anúncio de seu retorno ao Evandro Almeida ocorreu na sexta-feira e o jogador já se integrou ao elenco que inicia pré-temporada em Barcarena. Gaúcho de 24 anos, o volante volta após boas atuações em 2018, quando disputou a reta final da Série C pelo Remo emprestado pelo seu agora ex-clube, o Juventude. Apesar de ter disputado apenas cinco jogos pela equipe, deixou impressão positiva, principalmente junto à torcida. Segundo o volante, essa identificação pesou para a volta a Belém.

“Estou muito feliz de ter acertado com o Remo, o maior clube do Norte. Fiquei muito feliz quando aconteceu meu desligamento do Juventude e a torcida do Remo pediu a minha volta, sou muito grato por isso. Claro que isso se deve ao meu trabalho e comprometimento quando vesti essa camisa. Agora que estou tendo a oportunidade de vestir novamente, quero agarrar com unhas e dentes, como se fosse a última da minha vida”, contou Vacaria ao site oficial do Remo.

Elenco azulino:

  • Goleiro: Vinicius, Tiago e Evandro Gigante;
  • Zagueiros: Mimica, Fredson, Rafael Jensen e Kevem;
  • Laterais: Ronael, Geovane e Tiago Felix;
  • Volantes: Vacaria, Robson, Dedeco, Djalma, Welton e Lailson;
  • Meias: Echeverría, Diogo Sodré, Wallacer e Samuel;
  • Atacantes: Alex Sandro, Gustavo Ramos, Mário Sérgio, David Batista (ainda não anunciado oficialmente) e Henrique.

Entrevistas do Papão passam a ter intérprete de Libras

dwvl9drxgaebokc

Para aproximar cada vez mais o clube da sua torcida e ampliar o trabalho de inclusão já existente no calendário bicolor, as diretorias de responsabilidade social e de marketing do Paysandu decidiram inovar de novo.

A partir desta segunda-feira, todas as entrevistas coletivas concedidas no estádio da Curuzu terão tradução em Libras (língua Brasileira de Sinais), um conjunto de formas gestuais utilizada por deficientes auditivos para a comunicação entre eles e outras pessoas, sejam elas surdas ou ouvintes.

Intérprete em Libras e graduada em Artes Visuais, Danuza Grippa começou a atuar nesta segunda, quando o goleiro Afonso e o volante Yure responderam às perguntas dos jornalistas.

“Me sinto lisonjeada em poder contribuir, juntamente com o Paysandu, para a inclusão social dos surdos, levando até eles a informação, pois é um público com pouca representatividade. Fazer parte desse projeto é muito gratificante”, afirmou Danuza.

O novo diretor de responsabilidade social do clube, Marcelo Maciel, lembra que o Paysandu tem adquirido nos últimos anos destaque pelas ações voltadas para a sociedade.

“A intenção é ampliar essas ações em 2019. O clube entende que todas as diferenças devem ser consideradas e respeitadas e esse movimento tem se mostrado crescente no Brasil nos últimos anos. A gente quer seguir e estimular esse movimento”, explicou.

Várias outras atividades que beneficiam diretamente a sociedade são praticadas com frequência pelo clube, como o projeto “Dente de Lobo”, que oferece orientações sobre saúde bucal para crianças de escolas públicas, e o projeto “Paysandu, Alegria do Povo”, para torcedores de baixa renda assistam aos jogos do time de futebol profissional sem pagar ingresso. (Da ESPN)