Nos bastidores do rock

O produtor Brendan O’Brien, conhecido por seu trabalho em bandas como Pearl Jam, Stone Temple Pilots, Soundgarden e Audioslave, falou sobre Chris Cornell em novas notas para o álbum retrospectivo da carreira do falecido cantor grunge – via PearlJamOnline. “Chris Cornell e eu nos conhecemos em 1993, depois que me pediram para me encontrar com o Soundgarden para discutirmos a mixagem do disco ‘Superunknown’ (4º álbum, 1994), que o grupo tinha acabado de gravar em Seattle. Eu já era fã da banda e embora animado para trabalhar com eles, conhecer Chris foi um pouco intimidante…”

1546529816_706593010154449

“Ele era um grande cantor, alto, pensativo e um pouco distante, mas era uma pessoa razoavelmente sensata que particularmente não tolerava muito bem os tolos. Ele era profissional, esperto e nossa conversa durou uns 10 minutos, antes de eu sugerir que falar sobre mixagem não era algo que eu soubesse me expressar em palavras, e então, pedi para darmos início ao processo. Ele e o resto dos caras da banda se sentiram aliviados comigo e nos tornamos amigos imediatamente.

Eu trabalhei com Chris muitas vezes ao longo dos anos e a minha impressão sobre ele era sempre a mesma: um músico verdadeiramente aberto e comprometido que estava disposto a fazer o que fosse necessário para transmitir a sua música. Ele sempre foi fácil de trabalhar, embora eu tenha ficado chateado com ele quando resolveu sair do Audioslave, principalmente por motivos egoístas – logo depois que terminamos o último álbum da banda, ‘Revelations’ (3º disco, 2006).

No entanto, quando ele me ligou há alguns anos para ajudá-lo com algumas músicas novas, fiquei feliz por estar envolvido. Como você pode dizer não a um cara com esse tipo de voz e que é muito divertido em estar por perto? O disco solo de Chris, ‘Higher Truth’, foi um álbum divertido de se fazer.

Na maioria das vezes, éramos apenas nós dois mexendo na música lá no estúdio, sabe? Na carreira solo, eu me refiro… Eu me senti honrado que ele queria dessa maneira. O cara parecia maior do que a vida na cabine vocal de gravação e na maioria das vezes eu estava apenas feliz por estar na sala junto com ele.

Passamos muito tempo rindo, conversando sobre carros, filmes e programas obscuros de TV. Coisas importantes também, como a música e as suas performances ficaram cada vez melhores desde o lançamento do 1º disco solo… ‘Euphoria Morning’ é um belo disco que ele fez com Alain Johannes e a falecida Natasha Shneider (esposa de Alain). Como artista solo, Chris foi um músico à vontade com a realização de uma abordagem mais despojada, com canções íntimas e instrumentação mínima de um cantor fazendo o que ele faz de melhor.

Sem dúvida, Chris é mais conhecido pelo seu trabalho com o Soundgarden e o Audioslave. Ele era um titã entre os cantores que poderiam convocar o seu eu interior e seus conflitos de uma forma poderosa, feroz e incrível, fazendo o tempo todo parecer fácil. No entanto, ele também foi capaz de cantar um pouco acima de um sussurro com apenas um violão na sua carreira solo – a propósito, um guitarrista muito subestimado – e dar-lhe a mesma emoção, poder e vulnerabilidade. Mais uma vez, fazendo com que pareça fácil”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s