Inflação oficial fecha 2018 com alta de 4,32%

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) fechou a última semana do ano (23 a 31 de dezembro) com alta de 0,29%, resultado 0,19 ponto percentual superior ao da semana de 16 a 22. Com o resultado, o IPC-S encerrou 2018 com alta acumulada de 4,32%.

Os dados foram divulgados hoje (2), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre FGV) e refletem alta de preços em cinco das oito classes de despesas.

Guru de Bolsonaro defende expulsão de jornalistas estrangeiros

olavo-de-carvalho-1024x614-c

Um dia depois da posse de Jair Bolsonaro, em que a imprensa atuante no Brasil sofreu a maior humilhação de sua história, Olavo de Carvalho, guru do presidente, propôs a expulsão dos correspondentes estrangeiros do país. Olavo traçou uma linha divisória entre “palpites” e “noticiar fatos” sem esclarecer quem estabelecerá tal linha para, em seguida, decretar que os jornalistas que a ultrapassarem “deveriam ser banidos do território nacional”.

Os representantes de órgãos de mídia estrangeiros que só vão ao Brasil para dar palpites em vez de noticiar os fatos deveriam ser banidos do território nacional.
— Olavo de Carvalho (@OlavoOpressor) 2 de janeiro de 2019

A conclamação de Olavo de Carvalho pela expulsão de correspondentes estrangeiros, algo que nem na ditadura militar ocorreu, acontece um dia depois de jornalistas brasileiros e da imprensa internacional terem sido praticamente impedidos de trabalhar na cobertura da posse de Jair Bolsonaro, tamanhos os cerceamentos e ameaças que sofreram. Jornalistas franceses e chineses abandonaram a cobertura em protesto contra as restrições estabelecidas pelo novo governo.

Ontem, dia da posse (1), os relatos dos jornalistas foram impressionantes:

“Não se trata cachorro como os jornalistas são tratados na posse de Bolsonaro. Não tem água, precisa de autorização pra ir ao banheiro, não pode circular pra lugar nenhum, jornada de 14 horas, fomos revistados duas vezes e nos alertaram que há risco de levar bala dos atiradores”, afirmou a jornalista Amanda Audi, do Intercept.

Vicente Nunes, veterano jornalista do Correio Braziliense, registrou que correspondentes da China e da França decidiram abandonar a cobertura: “Jornalistas da França e da China se rebelam e abandonam sala onde estavam confinados no Itamaraty. Disseram que não aceitariam ficar em cárcere privado até às 17h, quando seriam liberados para fazer registros da posse de Bolsonaro. Essa rebelião deveria ser geral”.