A evolução de Pikachu

DESENHOS-03

POR GERSON NOGUEIRA

Mais rápido do que se imaginava, o paraense Yago Pikachu está na rota internacional de contratações. A condição privilegiada em que se encontra deve-se, naturalmente, à excelente temporada vivida no cambaleante Vasco. Note-se: apesar dos maus passos do Almirante, Pikachu conseguiu se sair muito bem, fazendo gols (19 na temporada) e se credenciando como principal jogador do elenco.

Pikachu jogou tão bem em 2018 que rompeu até o estigma de jogador eternamente hesitante entre a lateral-direita e a posição de meia avançado. No período em que defendia o PSC, chegou a ser escalado por Lecheva na segunda linha pela direita, tendo Djalma como suporte mais recuado.

Apesar de qualidades para atuar ofensivamente, Pikachu relutava em deixar a ala direita, arriscando-se a críticas pelas dificuldades de marcação. No Vasco de Jorginho teve problemas justamente porque era escalado atrás e não rendia o suficiente para sustentar a titularidade.

Sob o comando de Zé Ricardo, Pikachu evoluiu bastante no ano passado, mas a perda do título estadual no começo de 2018 quebrou um pouco de sua ascensão. O resgate veio no Brasileiro, agora dirigido por Alberto Valentim, que soube dar ao arisco multiuso paraense a confiança necessária para jogar à vontade.

Pikachu passou então à condição de protagonista incontestável, a partir da artilharia e da utilidade que tem na equipe. A possibilidade de transferência para o exterior já era cogitada antes, mas se torna realidade agora com os interesses manifestados por Orlando City (último clube de Kaká), da Major League Soccer, nos Estados Unidos, e por clubes da China e do Japão.

Obviamente, na terra do sol nascente, Pikachu se sentiria ainda mais em casa, podendo adquirir poderes e recursos técnicos para evoluir ao estágio de Raichu. A conferir.

——————————————————————————————-

Leão anuncia reforço sem o “peso” esperado

A contratação do paraguaio Echeverría (29 anos) não teve o impacto esperado pela diretoria do Remo, anteontem. O anúncio ocorreu durante o lançamento do repaginado programa ST Nação Azul. Foi a opção encontrada pela nova diretoria azulina, assolada por dificuldades financeiras herdadas de gestões anteriores.

Apontado como “reforço de peso”, Echeverría talvez não seja o jogador que o torcedor esperava. Com passagens por equipes nordestinas de porte médio, nunca chegou a se consolidar. Seu melhor momento foi pelo ABC-RN, onde jogou maior quantidade de vezes. Ainda assim, jamais foi visto como um ídolo.

É um meia-atacante que finaliza bem, mas faz poucos gols. Tem bom arremate de média e longa distância, mas não faz o papel de organizador. Está longe de ter o perfil de camisa 10 clássico que o Remo busca desde a saída de Eduardo Ramos.

——————————————————————————————-

Tapajós ganha taça, mas corre risco no tapetão

O Tapajós, de forma surpreendente, suplantou o favorito São Francisco e levantou ontem à noite a taça da Segundinha, torneio de acesso ao Parazão 2019. Um empate em 1 a 1 garantiu a conquista tapajônica, no jogo realizado no estádio Barbalhão. No primeiro confronto, o Boto havia vencido por 1 a 0.

Apesar da festa de torcedores e jogadores, o Tapajós ainda pode ter a conquista (e o acesso) anulada por força de uma ação movida pela Tuna junto ao TJD da Federação Paraense de Futebol. Os tunantes denunciam uma suposta irregularidade envolvendo a inscrição do atleta Tiago Costa.

Mas, pelo resultado que realmente importa, dentro das quatro linhas, a equipe santarena é a legítima campeã da Segundinha paraense.

——————————————————————————————-

Ranking da CBF expõe ano ruim do futebol paraense

Reflexo da temporada pouco produtiva do futebol paraense em competições nacionais, o Ranking Nacional de Clubes 2019 traz o Papão ainda bem posicionado, em 27º lugar, com 5.239 pontos. À frente de clubes tradicionais, como Santa Cruz , Juventude, Fortaleza e Náutico, os bicolores mantêm folgada diferença em relação ao maior rival.

Apesar de haver melhorado seu posicionamento, o Remo aparece em 54º lugar, 2.014 pontos. Caso cumpra boas campanhas na próxima temporada, o Leão tem chances de saltar várias posições porque as diferenças são relativamente pequenas em relação aos times que estão logo acima.

Além da dupla Re-Pa, merece destaque a classificação do São Raimundo, 93º colocado, com 721 pontos. O Independente aparece em 110º lugar, com 530 pontos. O Águia, que já foi o segundo paraense no ranking, despencou para 116ª posição, com 497 pontos. E o São Francisco pulou para o 121º posto, com 457 pontos.

No ranking das federações, importante na partilha de vagas em divisões como a Série D, a FPF caiu para o 12º lugar, com 9.558 pontos, 1.434 pontos atrás da federação alagoana, a 11ª, com 10.992 pontos.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 06)

2 comentários em “A evolução de Pikachu

  1. Conclusão matemática: o Papão continua sendo o mais ranqueado da Amazônia. Neste ranking, é 2 X melhor que o Leão. Como diria Sir Sherlock Holmes: elementar meu caro Watson…!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s