Stan Lee inspirou parte de sua obra em líderes progressistas dos EUA

stan-lee-1-600x354

Por Pedro Zambarda de Araújo

O quadrinista Stan Lee morreu aos 95 anos no dia 12 de novembro por complicações de saúde em Los Angeles – ele já tinha sofrido com uma pneumonia recentemente. “Excelsior”, uma expressão que Lee utilizava com frequência para causar impacto, inundou as redes sociais e seu nome chegou aos Trending Topics do Twitter.

Muitos fãs da Editora Marvel de quadrinhos lembraram as criações e co-criações de Stan Lee, que começou de baixo na empresa até se tornar o seu principal executivo. Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, Vingadores, Hulk e X-Men foram muito lembrados pelos fãs.

Nascido Stanley Martin Lieber em Nova York, em 28 de dezembro de 1922, ele surgiu na chamada “Era do Ouro” das revistas (1938-50) e se consolidou na “Era de Prata” (entre 1956 e 1970). Lee subiu na Marvel até se tornar publisher após uma crise econômica e de criatividade que fechou inúmeros quadrinhos depois do boom dos super-heróis após a Segunda Guerra Mundial. Pegou o espírito da contracultura e do rock que embalou o mundo a partir de 1960.

De acordo com o livro “Marvel Comics – A História Secreta” (2012), uma das criações que teve o toque de Stan Lee com caráter mais progressista, fora do patriotismo e do conservadorismo norte-americano, é a equipe dos X-Men.

xmen-600x464

No YouTube, Stan Lee resume as origens dos mutantes que obedecem o Professor X. E disse: “Estou em dúvida se conto para vocês a verdade ou uma história interessante. Bom, vamos lá. Eu já tinha criado o Quarteto Fantástico, fiz o Homem-Aranha e criei o Hulk. Estava procurando o que fazer e o quarteto tinha sido um sucesso. Decidi então criar outro grupo de super-heróis”.

Lee então explica o processo: “Uma das coisas mais trabalhosas é explicar de onde vem o poder dos heróis. Quantas pessoas podem ser picadas por aranhas radiativas, raios gama ou raios cósmicos? Então eu tomei o caminho mais covarde e pensei ‘se disser que todos meus heróis são mutantes, que eles nasceram dessa forma, não precisarei explicar nada de qualquer forma. Tive a sorte de ter um gênio como Jack Kirby para desenhá-los e ainda recebo os créditos por isso”.

O fato é que, além de toda a equipe da Marvel que o ajudou, sua esposa Joan Lee o inspirou a criar o Quarteto em 61. A partir de 1963, inspirado por Martin Luther King e Malcoln X, Stan Lee deu início aos quadrinhos dos X-Men e aos mutantes que passaram a fundamentar todos os heróis do chamado “Universo Marvel”.

Diferente da DC Comics, sua concorrente principal que fez sucesso na Segunda Guerra, a Marvel criou personagens que partiam do cotidiano e não eram deuses ou semi-deuses, como é o caso do Super-Homem e da Mulher Maravilha (Batman é a exceção mais conhecida da concorrente). Homem-Aranha era um menino nerd, fotógrafo, que por acaso ganhava super-poderes e tinha que arcar com a responsabilidade das suas escolhas.

O Hulk era um cientista que se tornava uma criatura verde e gigante, numa releitura da obra literária “O Médico e o Monstro”. O Capitão América, embora refletisse ideais patrióticos da DC, era um personagem da Marvel que, com o tempo, passou a criticar o sistema americano.

Mas o lado mais progressista de Stan Lee está sem dúvida nos X-Men. Com diferentes formações, a liga de mutantes luta pelo futuro da humanidade que os rejeita e os odeia. Xarles Xavier, o Professor X, opta pelo conflito pacifista, imitando o militante negro Martin Luther King. Já o poderoso Magneto, judeu sobrevivente da Segunda Guerra Mundial, defende a sobrevivência dos mutantes pelo confronto, simbolizado por Malcoln X na história.

Os X-Men trazem também a representação feminina através da personagem Jean Grey e os diferentes períodos históricos no personagem Wolverine, que possui um “fator de cura” que o mantém imortal.

Numa correspondência de 1968, resgatada pelo site Daily Beast, Stan Lee defende que a luta contra o racismo só é possível “expondo os racistas”. Era uma forma de brigar contra o preconceito e o conservadorismo que já eram ativos na sociedade americana. Ele fez isso criando personagens fictícios que simbolizavam a história mundial.

O Brasil, e muitos brasileiros, tem bastante a aprender com a extensa obra de Stan Lee.

Um comentário em “Stan Lee inspirou parte de sua obra em líderes progressistas dos EUA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s