A frase do dia

“Bolsonaro não ir a debates não é estratégia de marketing, mas de sobrevivência. Se for, vai expor não apenas a própria demência, mas também a de seu apaixonado eleitorado. Bolsonaro, apesar de tudo, tem plena consciência da besta quadrada que é.”

Leandro Fortes, jornalista

Como a Alemanha pretende usar a tecnologia para ganhar a Copa 2018

gettyimages-452132788

Da revista Época Negócios

A poucos dias do início da Copa do Mundo de 2018, a atual campeã Alemanha renovou suas armas pra buscar um novo título. Ainda com o 7×1 sobre o Brasil e a vitória por 1×0 sobre a Argentina na final frescos na memória, a seleção germânica tem, na busca de seu pentacampeonato, não só um elenco de atletas ainda forte, mas também o apoio tecnológico provavelmente mais avançado que o de qualquer outra seleção do mundial.
A federação alemã mantém uma parceria já de longa data com a SAP, gigante de tecnologia do país, que mostrou parte desse trabalho durante o Foot&Tech, evento realizado pelo InovraBra Habitat, estação de coworking e inovação do Bradesco, para mostrar iniciativas que unem futebol e inovação. Com uma série de soluções, que fazem desde o estudo de cobranças de pênalti até a avaliação completa da movimentação de jogadores durante treinos e jogos, o pacote da SAP dá à comissão técnica liderada pelo técnico Joachim Low acesso a um aparto tecnológico.
A estrela do time de inovações é o Match Insights, um software que trabalha principalmente via captação de imagens e é utilizado pela seleção alemã desde a Copa de 2014. O sistema capta a movimentação dos jogadores, traça linhas entre eles, grava o histórico da área percorrida no campo e permite entender com maior facilidade, por exemplo, em que situação um lateral deixa muito espaço em suas costas ao subir para o ataque.

O programa conta também com um sistema de mensagens instantâneas e uma central de mídia que fica na nuvem, permitindo que jogadores e comissão técnica interajam. “Se o técnico teve uma ideia com base numa movimentação do zagueiro, pode mandar pra ele um rápido vídeo mostrando o que fazer quando estiver de frente quando o Cristiano Ronaldo estiver na frente dele”, diz Mateus Grings, um dos engenheiros da SAP Latin America Labs que fizeram a apresentação no Foot&Tech.

Pacote renovado
O Match Insights marcou o início da parceria entre SAP e DFB (a federação alemã de futebol), e seu sucesso motivou a expansão da iniciativa. Desde a Eurocopa de 2016, a seleção conta também com o Penalty Insights, feito especificamente para compreender o padrão de cobrança de penalidade de cada jogador – o programa conta com o registro histórico de todos os pênaltis batidos por Messi ou Neymar em toda a carreira, por exemplo.
Já o Challenger Insights, também adicionado mais recentemente, consolida características técnicas e táticas dos adversários. Assim, se a Alemanha enfrentar o Brasil novamente, poderá checar no mesmo ambiente virtual como atuam os nossos jogadores, suas principais jogadas, e conferir vídeos específicos para cada um deles.
E, para cuidar do desenvolvimento de seus próprios jogadores, o Performance Insights e o Player Fitness oferecem uma rica base de dados individuais. Enquanto o primeiro grava as informações técnicas do desempenho dos jogadores ao longo das partidas, o segundo cuida de sua parte física, medindo nível de fadiga, tratamentos utilizados e histórico de lesões, e é utilizado pela equipe médica. “Normalmente, quando um médico sai de uma equipe, todo o histórico é perdido. Com esse programa, as informações ficam em poder da administração”, explica Grings.

Disponível no mercado

O investimento da SAP em soluções esportivas foi iniciado sob confidencialidade com a seleção alemã. Com o tempo e o sucesso, entretanto, a empresa logo pôde se aproveitar comercialmente de sua base de conhecimentos, e hoje congrega todos os softwares citados (e mais alguns) sob o nome SAP Sports One.
Há ferramentas específicas para clubes, como a de gerenciamento de scout (prospecção de jogadores), para identificar atletas no mercado que possam ser contratados e suprir carências do time. E também foram desenvolvidos programas específicos para outros esportes, como futebol americano, tênis, golfe e até hipismo.
Segundo os representantes da SAP, houve conversas com a CBF para a adoção de algumas das tecnologias da empresa pela seleção brasileira, mas o time canarinho preferiu utilizar uma opção de concorrentes.
Resta esperar que o aparato brasileiro seja completo como o alemão.

Fernando Morais, biógrafo de Lula, discute com Moro durante depoimento

fernando-morais-840x577

Da revista Fórum

O escritor Fernando Morais e o juiz Sergio Moro, conforme informações da coluna Radar, da Veja, trocaram farpas na manhã desta segunda (11). Morais, que escreve uma biografia de Luiz Inácio Lula da Silva, depôs como testemunha do ex-presidente na ação penal que investiga o sítio de Atibaia.

Na ocasião, o escritor disse que o acompanha desde 2010. Afirmou ainda, de acordo com a coluna, que, nesses oito anos, Lula sempre esteve disponível a todos os seus questionamentos.

Quando Fernando Morais contou ter ouvido de Bono Vox, cantor do U2, que Lula é uma espécie de Nelson Mandela, pois tem o poder de unir todas as raças, Moro o repreendeu.

“Aqui não é lugar para propaganda”, disse o juiz, pedindo para que o diálogo não entrasse para os autos do processo.

A interrupção foi questionada pelo advogado de Lula, Cristiano Zanin:

“Mas é importante, porque faz parte da história do Lula”.

Indignado, Fernando Morais rebateu:

“Não faço propaganda, faço jornalismo dos meus biografados”.

A biografia

A biografia de Lula foi anunciada por Morais em 2011, logo após o fim do segundo mandato do político como presidente. A ideia inicial do escritor era contar a trajetória do petista até a chegada à presidência. Em 2015, no aniversário de 70 anos de Lula, o autor chegou a falar, em um vídeo em que parabenizava o amigo, que “o livro está prontinho, só falta escrever”. Fernando Morais é amigo pessoal de Lula e é o autor de “A Ilha”, livro-reportagem sobre Cuba lançado em 1976, além das biografias “Olga”, de Olga Benário, “Chatô – O Rei do Brasil”, de Assis Chateaubriand, e “O Mago”, de Paulo Coelho.

Ufopa promove ciclo de palestras para discutir o golpe

99ddfbae71db7becc3f35dead1583aca_UhaZoSr

O Curso de História da Universidade Federal do Oeste do Pará promove o Ciclo de Palestras “Os Golpes na História e o ano de 2016”, destinado aos alunos do Curso de História da Ufopa, e aberto à comunidade acadêmica e à sociedade em geral. A programação ocorrerá nas tardes dos dias 11, 13 e 15 de junho no auditório HA1 do Instituto das Ciências da Educação (Iced), das 14h às 18h, em Santarém.

O evento tem como objetivo discutir a ideia de golpe numa perspectiva histórica e historiográfica, abordando contextos específicos.

No dia 11 de junho, a professora doutora Lorena Lopes da Costa apresentará “Os Golpes na Grécia Antiga”. No dia 13 de junho, será a vez do professor dr. Gefferson Ramos Rodrigues, com a palestra “Os Golpes no Antigo Regime e o Brasil Colônia”. Para concluir o ciclo, o professor dr. André Dioney Fonseca falará especificamente sobre “O Golpe de 2016”.

Brasil que vai às urnas é um país dividido

20180611-brasilia-dividida_abr

Por Marcio Pochmann

Neste ano, o Brasil realizará a oitava eleição presidencial que tende a ser a mais importante para o futuro do país de todas as realizadas desde a retomada do regime democrático na segunda metade da década de 1980. Tal como na eleição presidencial de 1930, quando a nação se dividiu em dois polos distintos, a de 2018 também aponta para a necessidade de profundas mudanças de rota política, econômica e social.

Destaca-se que no passado distante, a Grande Depressão iniciada pela quebra da Bolsa de Valores, em 1929, terminou por desmontar a política do café com leite vigente por 32 anos entre os governos de Campos Salles (1898-1902) e de Washington Luiz (1929-1930). Apesar disso, o candidato à presidência da República Júlio Prestes, que representava a concentração conservadora, buscou atenuar a sangria da crise defendendo que a laranja substituiria o café com a manutenção da política econômica liberal e, assim, a postergação da velha e arcaica sociedade agrária.

Por outro lado, o candidato Getúlio Vargas, ainda que herdeiro do antigo agrarismo, apresentou-se impulsionado por novas ideias da sociedade urbana e industrial, protagonizado por aliança política que mudou radicalmente o curso do Brasil em apenas três décadas. No ano de 1960, por exemplo, o país havia se transformado em sociedade urbana, profundamente diferente do primitivismo vigente na longeva sociedade agrária.

Em 2018, os sinais de transição para a nova sociedade de serviços são evidentes, porém ainda desconectados plenamente do mundo da política e da economia que segue contaminado pelo padrão prevalecente da sociedade urbana e industrial. De um lado, o bloco conservador fundado nas candidaturas presidenciais atraídas pelo discurso de defesa do estancamento da sangria fiscal em torno do discurso e programa de continuidades do receituário neoliberal, como uma espécie de prolongamento do governo Temer.

Em geral, a prevalência de políticas econômicas e sociais que desconstroem o sistema produtivo e a estrutura de classes herdadas da sociedade urbana e industrial, ao mesmo tempo em que generalizam o pânico frente ao visível rebaixamento das condições de vida da maioria da população. O candidato presidencial mais competitivo no interior do conjunto e variado bloco político conservador é o que se assemelha ao de delegado policial a defender a ordem a qualquer preço, mesmo que distante de qualquer alternativa de progresso econômico e social, pois depositório do programa neoliberal.

De outro lado, o bloco político de oposição, cujo discurso e programa apontam para a salvação da sociedade urbana e industrial, ainda sem muita conexão com a própria necessidade da reconfiguração política, econômica e social da nova sociedade de serviços no Brasil. Destaca-se que desde as eleições de 2014, a quantidade de eleitores com 60 anos e mais de idade supera a do segmento de 18 a 24 anos de idade, enquanto em 2002, por exemplo, havia 2 eleitores jovens para cada um idoso.

Somente esse fato recoloca importantes temas presentes na agenda da sociedade de serviços. Uma população com idade mais longeva, a relação da vida com a sociabilidade, a educação, o trabalho entre outros aspectos tendem a se alterar profunda e dramaticamente.

Diante do desconhecido rumo da nova sociedade de serviços, o país se polariza entre o conservadorismo do programa neoliberal com a versão do medo a valorizar a retórica velha da ordem a qualquer preço e a esperança a buscar na segurança do progresso e do conforto material em oposição ao desmonte da sociedade urbana e industrial.

Seleção desfruta do conforto de resort de luxo no balneário de Sochi

20180611100223201484o

Depois de golear a Áustria por 3 a 0, nesse domingo, em Viena, no último teste antes da Copa do Mundo, a Seleção Brasileira terá, a partir de desta segunda-feira, a tranquilidade de um luxuoso resort às margens do Mar Negro para se preparar para a estreia contra a Suíça, no próximo domingo, às 15h (de Brasília), em Rostov do Don – distante cerca de 550 quilômetros de Sochi. Os brasileiros desembarcaram na madrugada desta segunda-feira na cidade balneário (por volta de 22h, no Brasil) e só saem de lá sexta-feira, quando viajam para a primeira partida.
O Brasil ficará hospedado no Swissotel Sochi Kamelia, um resort cinco estrelas, que decorou a entrada com uma faixa com os dizeres “orgulhoso anfitrião da Seleção Brasileira”, em inglês. O hotel é cercado de área verde e as varandas dos quartos ficam de frente para o mar e para a piscina. Uma escadaria, ladeada por estátuas e flores bem cuidadas levam os hóspedes para uma praia privativa que fica logo depois de atravessar um túnel abaixo da linha de trem.

Cada jogador vai ocupar um quarto. A suíte presidencial servirá como departamento médico. Todo o hotel foi vistoriada por cães farejadores, que é procedimento padrão da Fifa, no último sábado.
O hotel fica a cerca de 300m dos dois campos que servirão de centro de treinamento para o time brasileiro durante o Mundial. Ontem, os campos passavam pelos últimos retoques. Os dois campos já estão decorados com as cores do Brasil e com a frase “Torcida e Seleção. Gigantes por natureza”, em português e russo. A Seleção terá folga nesta segunda e fará treino aberto na terça, às 4h (de Brasília), 10h no horário local, no Complexo Yug Sport. (Do Estado de Minas)

20180611103140661039i