Diretor do Remo confirma negociação com Jobson, mas falta o aval de Givanildo

IMG-20180427-WA02451 (1)

Aos 30 anos, o atacante Jobson, que responde na Justiça do Tocantins por acusações de estupro de vulneráveis, deixou a prisão nesta sexta-feira (27). Passará a responder pelas acuações em liberdade e negocia com o Remo sua volta ao futebol. A informação foi revelada pelo site UOL, ontem. O diretor de futebol do Remo, Milton Campos, em contato com o site, revelou que as conversas com Jobson começaram em fevereiro, contando à época com o aval do técnico Ney da Matta. Agora, para concretizar o acordo, a diretoria precisa da concordância do técnico Givanildo Oliveira.

“Antes de dar prosseguimento às conversas preciso saber o que pensa o Givanildo Oliveira”, disse Campos. Ainda questionado pela reportagem do UOL sobre a possibilidade de ter um acusado de estupro no elenco profissional do Remo, o dirigente disse que ainda não existe condenação para o jogador sobre o caso.

“Se ele for julgado e condenado, vai pagar pelo crime. Mas ele não é réu confesso e está contestando a acusação. Pelo princípio da presunção de inocência, ele não é culpado”, reforçou Campos. O técnico Givanildo Oliveira é conhecido pelo perfil conservador. Há duas semanas, vetou o retorno do atacante Pimentinha ao clube.

Em campo, Jobson brilhou com a camisa do Botafogo-RJ, em 2009, despertando interesse de clubes da Europa, sendo cogitado para uma possível convocação para a seleção brasileira. Depois disso, foi apanhado em exames antidoping por consumo de cocaína. Saiu do Botafogo, voltou outras duas vezes, com o clube tentando recuperá-lo e bancando tratamento. Terminou indo jogar no futebol árabe, caiu novamente no doping e foi suspenso pela Fifa por três anos – punição terminou em março deste ano.

Jobson nasceu em Conceição do Araguaia, no interior do Pará, e responde à acusação de manter relações sexuais com adolescentes, na cidade de Couto Magalhães, no Tocantins. As menores alegam que estavam sob efeito de álcool e entorpecentes colocados na bebida. Jobson foi preso provisoriamente e solto em agosto do ano passado, quando passou a ser rastreado por tornozeleira eletrônica, até retornar à prisão em setembro.

Contra Juazeirense, Bruno Maia volta à defesa do Leão

bruno-maia-samara-miranda

O zagueiro Bruno Maia, que volta após contusão na final do Parazão, é a novidade do Remo para o jogo deste sábado contra o Juazeirense, neste sábado. Até aquela partida Bruno era titular absoluto da equipe de Givanildo Oliveira.

Um dos jogadores mais experientes do grupo, Bruno Maia está confiante na conquista de um bom resultado no interior baiano, a fim de encaminhar a busca pelo acesso, ambição maior do Remo na temporada.

“Apesar do Juazeirense não ter pontuado ainda nessas duas primeiras rodadas, sabemos que não vamos ter facilidade no jogo. Com todo respeito à equipe deles, mas o Remo precisa se impor mesmo fora de casa e ir em busca dos três pontos para subir na tabela. Temos de manter nossa pegada forte e ter toda a concentração possível para evitar erros e conquistar a vitória, que será fundamental para nossa caminhada (rumo à Série B)”, disse o defensor.

Juazeirense e Remo jogam às 19h deste sábado, no estádio Adauto Moraes, em Juazeiro (BA). O Leão entra na rodada ocupando a 4ª colocação, com três pontos. O clube baiano é o lanterna do grupo A, ainda sem pontuar.

A frase do dia

captura-de-tela-2018-03-17-as-10-55-28-1-600x340

“Passando aqui para lembrar que pro Bolsonaro todo dia é feriado há décadas. Porque ele não trabalha, jamais aprovou uma lei. E vive de mamar em dinheiro público e dar declarações fascistas, racistas e machistas! Brasil precisa de gente criativa, trabalhadora, democrática, tolerante. Para ir pra frente e não regredir para os calabouços da ditadura!”.

André Forastieri, jornalista

Papão pode ter estreias contra o Brasil-RS

perema-treino-academia

O técnico Dado Cavalcanti incluiu na relação de atletas para o jogo contra o Brasil, na tarde deste sábado, os dois novos reforços do Paissandu para a Série B: o atacante Claudinho e o meia Thomaz. Ambos podem estrear no decorrer da partida, embora não estejam cotados para compor o time titular.

Ontem à tarde, devido às chuvas, o elenco treinou na área interna do estádio da Curuzu, finalizando a preparação para o jogo de hoje. Logo após o treino, os atletas relacionados iniciaram concentração no hotel do Papão, dentro da Curuzu.

Entre os ausentes na lista de convocados para o jogo está o goleiro Marcão, que sofreu um estiramento na panturrilha. Outro que vetado é o atacante Moisés, poupado em razão de desgaste muscular. O lateral-direito Maicon Silva e o meia Danilo Pires estão recuperados de lesão, mas seguem cuidando da parte física.

A partida contra o Brasil de Pelotas começa às 16h30 deste sábado. Abaixo, a relação de atletas do PSC para o jogo:

  • Goleiros: Renan Rocha, Paulo Ricardo
  • Zagueiros: Edimar, Diego Ivo, Douglas Mendes e Perema
  • Laterais: Miller, Matheus Silva e Victor Lindenberg
  • Volantes: Lucas Geovani, Carandina, Renato Augusto e Willyam
  • Meias: Alan Calbergue, Ryan Williams e Thomaz
  • Atacantes: Cassiano, Claudinho, Magno, Mike, Renan Gorne

Ultra-direita ataca acampamento pró-Lula em Curitiba e deixa uma pessoa ferida

20180428-acampamento-marisa-leticia-neudicleia-de-oliveira (1)

A organização do acampamento Marisa Letícia, localizado na rua Padre João Wislinski, no bairro Santa Cândida, em Curitiba (PR), onde dormem integrantes da vigília Lula Livre, denunciam que o local foi atacado a tiros por volta das quatro horas da madrugada. Segundo eles, duas pessoas ficaram feridas. O caso mais grave é de Jeferson Lima de Menezes, morador de São Paulo, que foi levado para o hospital em estado grave após ser baleado no pescoço. As denúncias foram corroboradas pela presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann.

A autoria do ataque ainda não foi identificada. A reportagem ainda não conseguiu contato com as forças de segurança do Paraná. Mas, ao G1, a Polícia Militar confirmou que um homem foi levado em estado grave para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Curitiba.

Segundo pessoas que estavam no acampamento no momento do ataque, durante a madrugada ocorreu uma movimento de carros em frente ao local, com pessoas passando e gritando palavras de ordem contrárias ao PT e a favor de figuras da direita.

Manifestantes e movimentos pró-Lula realizam um acampamento em defesa do ex-presidente em Curitiba desde que ele foi preso, no dia 7 de abril. No dia 17, o acampamento trocou de local em cumprimento a uma ordem judicial que determinou que ele não pudesse ficar nas imediações da Superintendência da Polícia Federal. O acampamento foi mudado então para um local no mesmo bairro.

“Nós desmanchamos o acampamento cumprindo ordem oficial. Fizemos a opção de ir para um terreno e seria garantida a segurança. Agora o que cobramos da Secretaria de Segurança Pública é investigação, que identifique o atirador”, disse em nota Dr Rosinha, presidente do PT estadual do Paraná e integrante da coordenação da vigília. (Do Sul21)