Um exercício de paciência

felipemarques

POR GERSON NOGUEIRA

O Remo voltou a apresentar erros que caracterizavam o time durante a passagem do técnico Ney da Matta pelo Evandro Almeida. Contra o São Raimundo, na quinta-feira, a apresentação pecou pela saída excessivamente lenta, a falta de criatividade no meio e a inoperância no comando do ataque. Hoje, no Mangueirão, o time de Givanildo Oliveira precisará de muita concentração e disciplina para tentar reverter a situação.

Perdeu o jogo apenas por 1 a 0 porque o alvinegro santareno se acomodou depois de marcar seu gol. Com um a menos (Cleiton foi expulso), o SR limitou-se a bloquear a entrada da área, tarefa facilitada porque meias, laterais e centroavante do Remo pareciam desplugados.

Desde que Givanildo desembarcou no Baenão, o Remo não tinha feito partida tão apática. Mesmo contra um time limitado e com apenas 10 atletas em boa parte do tempo, os remistas foram inofensivos e não souberam – como adoram falar os técnicos – propor o jogo. A posse de bola era toda azulina, sem que isso resultasse em vantagem efetiva.

Para superar o SR no Mangueirão, amanhã, será necessário ao Remo mostrar um plano de jogo mais ágil e capaz de surpreender a previsível força de marcação do visitante. Caso Isac permaneça sem mobilidade, o time terá sérias dificuldades para construir o placar que garante a classificação – vitória por dois gols de diferença.

Depois que perdeu o penal contra o Manaus, Isac nunca mais foi o mesmo. Apesar de esforçado e lutador, falta-lhe a confiança necessária para aproveitar as oportunidades que surgem. Outro sério problema existente no time, desde a era Da Matta, é o vazio de ideias no setor de meio-campo. Nenhum dos meias tem dado conta do recado.

Para o comando do ataque, a alternativa seria Marcelo, que também não deslanchou. Jayme ainda está fora. A improvisação de Adenilson no setor poderia ser uma opção interessante, pois permitiria mudar a dinâmica de jogo ofensivo do Remo, tendo Elielton e Felipe Marques alguém com quem tabelar às proximidades da área.

O incentivo dado pela apaixonada torcida santarena no Barbalho deve ser proporcionado pela galera azulina no Mangueirão, mas as desconfianças crescentes quanto à qualidade do time inibem o torcedor. Ocorre que o campeonato alcançou a reta final e este é o momento de manifestar apoio num jogo que vai exigir dos remistas paciência e força mental.

Do lado santareno, o técnico Vladimir de Jesus – uma das boas surpresas deste campeonato – não projeta esquema cauteloso, mas obviamente vem pronto para explorar a ansiedade dos azulinos. Jefferson Monte Alegre é o ponto de equilíbrio da equipe, mas o grande trunfo está na combatividade do setor de meia-cancha. Remo tem um leve favoritismo, mas o jogo se desenha difícil e brigado.

—————————————————————————————-

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro apresenta o programa, com as participações de Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião. Em análise, a definição dos finalistas do Parazão 2018, com os gols das semifinais.

Começa às 21h, na RBATV.

—————————————————————————————-

Vinícius Jr.: exemplo clássico dos poderes do marketing

Vinícius Jr., jovem atacante do Flamengo, é um caso a ser estudado à luz das mais modernas técnicas do marketing esportivo pela ousadia e sucesso do empreendimento. Com direitos vendidos ao Real Madri por algo em torno de 40 milhões de euros, o garoto surgiu do nada, com reportagens laudatórias na TV a valorizar um histórico igualmente inexiste.

Matérias insistentes na imprensa carioca clamam agora por sua presença no grupo de jogadores relacionados por Tite para a Copa do Mundo. De brilho razoável em alguns jogos, mostra-se apagado em outros, como tantos outros boleiros de sua idade. Nenhuma excepcionalidade.

Há quem o compare com Neymar e Ganso na Copa de 2010, rechaçados pela teimosia de Dunga. Ora, nem há margem de comparação possível. Os dois jogadores voavam baixo, eram figuras centrais daquele time do Santos, encantando o Brasil e tornando-se unanimidade. Vinícius não é unanimidade nem entre os rubro-negros.

A turbinar ainda mais a campanha “Vinícius Jr. é Seleção”, eis que um ranking tabajara da revista World Soccer põe o rubro-negro entre os 500 jogadores mais importantes do mundo. Paulinho, do Vasco, tem jogado muito mais e nem é citado na tal lista.

O oba-oba em torno de VJr. só confirma que a influência da mídia rubro-negra é capaz de mover o mundo.

—————————————————————————————-

Sob a marca da irresponsabilidade

O Mangueirão não foi cedido para o jogo Papão x Bragantino, como recomendou a Polícia Militar, por um motivo singelo: foi alugado para jogos de futebol americano. Nada contra o esporte da bola oval, mas o principal estádio da cidade deve ter como prioridade o Campeonato Estadual, ainda mais quando a competição entra em sua fase decisiva.

Seel e FPF seguem ensinando ao mundo como avacalhar futebol e frustrar o torcedor que sonha com bons espetáculos. E, como se sabe, bom futebol depende de praças esportivas adequadas.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 25)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s