Direto do Twitter

“99.99% daqueles que atribuem a culpa pela execução às próprias vítimas, querendo linchá-las depois de mortas, possuem nos perfis frases do tipo: ‘Deus acima de tudo’, ‘Só Jesus Cristo salva’, ‘Temente a Deus’, ‘Deus acima de tudo’, ‘Família Tradicional Cristã’ etc. Coerência, né?”.

Keplen Johann

Quase sem suspense

adenilson_elielton_felipemarques_dudu_brunomaia

POR GERSON NOGUEIRA

Como os quatro semifinalistas já são conhecidos, a rodada desta tarde perdeu o caráter emocionante que poderia ter. A principal indefinição, que reinou até três dias atrás, dizia respeito ao local e dia do jogo entre Cametá x Remo, finalmente confirmado para o Parque do Bacurau no mesmo horário dos demais.

A outra questão em aberto é a definição da vaga ao rebaixamento no grupo A2, entre Parauapebas e Paragominas. Ambos têm a tarefa inglória de decidir a sorte fora de casa, contra Bragantino e PSC, respectivamente, os dois melhores do grupo A1.

Nos demais jogos, resta a expectativa do São Raimundo em relação ao 1º  lugar de seu grupo. Três pontos atrás do Remo, com uma vitória a menos e saldo de gols inferior (7 a 4), o Pantera pode inverter as posições caso vença o Castanhal por mais de dois gols de diferença e os azulinos percam em Cametá.

De maneira geral, porém, a 10ª rodada terá times modificados pelas circunstâncias e a antecipação de desmanche de alguns elencos, como ocorre com o Independente. No caso do PSC, por exemplo, Dado Cavalcanti poderá poupar alguns titulares já observando as batalhas da semifinal, além de ter a chance de observar alguns reservas.

No Bragantino, adversário bicolor na próxima fase, a chance de uma reviravolta na classificação da chave – que permitiria o segundo jogo em Bragança – é praticamente impossível, visto que tem uma vitória a menos que o Papão e uma expressiva desvantagem no saldo de gols, 9 a 1.

Daí surgir a perspectiva de Arthur Oliveira experimentar um time com eventuais substitutos de Paulo Ricardo, Alan Calberg e Aslen, atletas emprestados pelo PSC e que estão impedidos (pelo velho e questionável “acordo de cavalheiros”) de enfrentar o clube de origem.

——————————————————————————————–

Boa prosa e simplicidade: segredos de Walter

Walter tem encantado a torcida do Papão pela franqueza até ingênua de suas declarações. O jeitão simplório é cativante, remete a lembranças de jogadores carismáticos que passaram há anos pela Curuzu – Fio Maravilha e Rei Dadá, principalmente. Suas primeiras entrevistas, concedidas logo que desembarcou em Belém, confirmaram a natureza inteiramente diferente em comparação com boleiros de sua geração.

Aborda sem rodeios a dificuldade para lidar com comida, mostra-se tranquilo quanto às gozações sobre sua forma física. Reclamou em tom ameno, com toda razão, da carestia em Belém em conversa com o repórter Dinho Menezes. Admitiu, sem tergiversar, a falha óbvia de marcação ocorrida no lance do gol remista no clássico de domingo passado.

As afirmações de Walter são quase inacreditáveis no cenário das entrevistas sem sal que o futebol dito moderno oferece ao distinto público. Hoje, jogadores são extremamente preocupados em tornar inofensivas suas falas, a fim de evitar qualquer tipo de embaraço ou polêmica.

Por isso mesmo, ouvir um boleiro falando sobre o jogo ou o próprio ofício virou um subgênero do humor involuntário. Há sempre um desfile de obviedades, com o carimbo do discurso bem ensaiado.

Talvez a empatia despertada por Walter junto ao torcedor tenha origem nessa pureza d’alma, tão fora de moda e ao mesmo tempo tão bem-vinda. De certo modo, lembra um jogador saído diretamente de uma janela qualquer entre os anos 60 e 70, quando o físico não era tão determinante para resultados em campo e as prosas eram mais francas e sinceras.

É cedo ainda, mas, caso venha a exibir em campo pelo menos parte da boa técnica já mostrada em outros clubes, Walter tem condições de se instalar como ídolo alviceleste, cargo desocupado há pelo menos 15 anos, desde que Vandick saiu de cena.

——————————————————————————————–

Um mineiro faz bonito no Parazão

O Campeonato Estadual está chegando às fases decisivas e ainda há tempo de fazer justiça ao bom trabalho de Vladimir de Jesus, mineiro que dirige o São Raimundo de Santarém e que chegou aqui sem nenhum cartaz. Seu trabalho mais conhecido tinha sido no modesto Parnahyba na Série D 2017, além de passagens pelo Flamengo-PI, Uniclic e Ferroviário.

Depois de um começo hesitante, com alguns tropeços inesperados, o Pantera se estabilizou como mandante e partiu para a classificação, sempre amparado no estilo agressivo de jogar dentro do Barbalhão e na qualidade de jogadores como Jefferson Monte Alegre e Felipe.

Discretíssimo, como convém a um mineiro, Vladimir é dos menos badalados treinadores do Parazão, mas se coloca hoje – junto com Arthur Oliveira, do Bragantino – como bem-vindo sopro de novidade no torneio que viu murcharem alguns nomes até então muito festejados.

——————————————————————————————-

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro comanda a atração, a partir das 21h, na RBATV. Tommaso e Valmir Rodrigues participam dos debates. Na agenda, análise e gols da rodada, além de sorteios e interatividade.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 18)