Alforria no futebol

bol_dom_210118_15.ps

POR GERSON NOGUEIRA

A CBF, com significativo atraso, decide tornar obrigatória a apresentação da carteira de trabalho assinada para efeito de registro de jogadores no sistema BID (Boletim Informativo Diário). Na prática, a norma deveria vigorar há décadas, ajudando a tornar mais digno o exercício da profissão de futebolista no país, como convém a países realmente democráticos. De todo modo, vale o dito popular: antes tarde do que nunca.

As medidas recentes, que concedem salvaguardas a técnicos e atletas, já mereceram bastante festejos, mas só passaram a constar da pauta de preocupações da entidade a partir da mobilização dos próprios profissionais. No Brasil, dentro ou fora do futebol, nada se conquista sem esforço ou luta.

Os jogadores tomaram a iniciativa de reivindicar mais rigor quanto ao respeito a salários e direitos, com a consequente punição (incluindo perdas de ponto e rebaixamento) a clubes caloteiros.

Para expor o problema à sociedade, protestos pacíficos foram realizados antes e durante os jogos do Brasileiro. De início, como seria previsível, a CBF conservadora de sempre mostrou cara feia, tentou intimidar os líderes do movimento, mas teve que ceder à realidade dos fatos.

Graças a isso, hoje nenhum clube arrisca mais atrasar salários por mais de dois meses. O castigo é sério, incluindo até a perda de direitos sobre o jogador, que fica livre e desimpedido para buscar outro emprego.

A exigência da CT, anunciada na sexta-feira, vai desencadear uma verdadeira revolução nas relações trabalhistas entre atletas e clubes, notadamente aqueles das séries C e D. Significará, ainda, o fim (ou a redução) dos contratos verbais lesivos ao lado mais fraco da corda.

Com a obrigatoriedade de apresentar a carteira de trabalho para inscrição de jogadores, após período de carência, o governo garante também o recolhimento de benefícios previdenciários. Os clubes que não agiam dentro da lei terão que se ajustar rapidamente.

Ao mesmo tempo, os jogadores poderão escapar do costumeiro prejuízo – que atrapalha a vida de outros trabalhadores também – quanto à contagem de tempo para aposentadoria. Por tudo isso, a medida deve ser aplaudida pelos que lutam por respeito às leis e condições dignas de trabalho, com ou sem bola.

———————————————————————————————-

Teste de fogo para o renovado Papão em Castanhal

Com a provável entrada de Pedro Carmona, de cara ou durante o jogo, o Papão deve ter mudanças pontuais para enfrentar o Castanhal de Lecheva. O grau de dificuldade será evidentemente maior do que o da estreia, contra o Parauapebas, na Curuzu.

A curiosidade fica por conta da manutenção do sistema de três homens de frente e da composição do meio-campo, onde Cáceres e Danilo Pires tiveram boa participação nos 20 minutos finais na quarta-feira, mas dificilmente terão condições de jogar os dois tempos.

A lateral esquerda é outro mistério nos planos de Marquinhos. Pelo que mostrou na estreia, Timbó dificilmente será mantido como titular. Na direita, porém, Maicon terminou bem o jogo e tem presença certa.

————————————————————————————————–

Torcida da capital do futebol continua a encantar

“E Belém do Pará? A cidade mais apaixonada por futebol no país ficou fora das 12 sedes da Copa de 2014, mas continua lotando estádio. No último domingo, o Remo levou 30.860 pagantes ao estádio Olímpico Mangueirão na goleada por 3 a 0 sobre o Bragantino, na abertura do Campeonato Paraense. E lá não tinha nenhum Fred ou Lucas Lima para atrair o povo”. Este é o trecho da matéria escrita por Marcos Paulo Lima, na edição on-line do “Correio Braziliense” (DF), tecendo loas à força da torcida de Belém.

De quebra, a reportagem de Marcos Paulo ainda faz menção ao maior dos absurdos já perpetrados contra Belém, a capital do futebol: a exclusão da Copa do Mundo 2014, por ação direta (e confessada) do ex-presidente da Fifa João Havelange, o mesmo que anos depois seria varrido da entidade na esteira de um dos maiores escândalos de corrupção da era moderna.

Além dos milhões de dólares que embolsou na Fifa, conforme investigação do FBI, o velho capo – que foi homenageado por políticos sem miolo com o título de Cidadão Paraense, sem nunca vir pegar a comenda vira-lata – surrupiou também o legítimo direito de Belém ser palco dos jogos da Copa.

Por interesses obscuros, preferiu premiar a vizinha Manaus, cujo amor pela bola é reconhecidamente inferior à paixão pelo boi-bumbá, legando à capital baré um estádio belíssimo e caro, hoje relegado à condição de elefante branco e dispendioso. Afirmou isso com a pesporrência de sempre, assumindo a responsabilidade pelo ato de lesa-futebol.

Como nada é para sempre, não há razão para chorar sobre o leite derramado. Havelange e seu bando passaram e o torcedor paraense prova que não precisa de estímulos externos para ir a campo aplaudir seus times.

Em tempo, o público do Remo no Mangueirão foi o terceiro maior da rodada de abertura dos estaduais, perdendo apenas para o de Cruzeiro x Tupi (33.187) e de Palmeiras x Santo André (31.678).

————————————————————————————————-

Bola na Torre

A apresentação é de Guilherme Guerreiro, a partir das 21h, na RBATV. Em pauta, a segunda rodada do Campeonato Paraense. Sorteios e participação dos internautas ao longo do programa. Na bancada, Giuseppe Tommaso e este escriba de Baião.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 21)

Entidades santarenas debatem perda de direitos civis e trabalhistas

Santarém – Um grupo de sindicatos e associações e outras entidades representativas da sociedade civil organizada de Santarém realiza na próxima terça-feira (23/01) um evento intitulado “Ato pela defesa da Democracia e dos direitos civis e trabalhistas”, que terá palestras e debates sobre vários temas.

O principal palestrante do ato será o jornalista santareno Manuel Dutra, que fará uma análise da atual conjuntura política e econômica do Brasil. Além dele, a mesa de debates terá ainda a presença de Dom Flávio Giovenale, bispo da Igreja Católica e um representante da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), ainda a ser definido. Após a palestra, haverá um debate aberto a todos os presentes.

Segundo o sindicalista Narciso Senna, um dos membros do Fórum em Defesa da Democracia e dos Direitos Civis e Trabalhistas que organiza o evento, “essa é uma oportunidade de refletirmos sobre a perda de várias conquistas sociais e direitos civis do cidadão brasileiro, que parecem escorrer entre nossos dedos como grãos de areia”.

Ele diz ainda que “a atual situação do trabalhador, diante da reforma trabalhista já aprovada pelo Congresso Nacional, tende a se agravar, ainda mais, com a Reforma Previdenciária que pode ser votada este ano”.

Senna diz ainda que “o País vive um momento conturbado, onde vários direitos civis do cidadão são desrespeitados, além de vivermos um momento político confuso, às vésperas de uma eleição nacional, com um clima de intolerância nunca visto, o que prejudica o debate das grandes questões nacionais”.

Para as entidades do Fórum, segundo o sindicalista, “é preocupante, também, o que ocorre na região amazônica, da qual fazemos parte, e que está cada vez mais no epicentro dos debates por causa da implantação de projetos governamentais que podem afetar o meio ambiente e atingir as populações tradicionais, além da violência do campo e privatização de serviços públicos”.

SERVIÇO:

Evento: ATO PELA DEFESA DA DEMOCRACIA E DOS DIREITOS CIVIS E TRABALHISTAS
Data: 23/01/2018, às 19h00
Local: Auditório da OAB, na presidente Vargas ao lado do INCRA.

Pela 2ª vez na história, UNE muda sede para Porto Alegre para defender a democracia

20170614-carina-vitral

Em nota publicada nas redes sociais neste sábado (20), a União Nacional dos Estudantes do Brasil (UNE) anunciou que está mudando temporariamente a sua sede para Porto Alegre em razão do julgamento do ex-presidente Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, marcado para a próxima quarta-feira (24) em Porto Alegre. Esta é a segunda vez na história que a entidade faz a transferência simbólica de sua sede, que fica em São Paulo, sendo a primeira também para a capital gaúcha, em 1961, quando convocou os estudantes do país a participarem da campanha pela legalidade e da defesa da democracia.

“Acreditamos que os estudantes brasileiros precisam estar aonde existe luta e resistência pela democracia e pelos nossos direitos. Convocamos, pois, os estudantes de canto a canto do país para somarem-se às próximas lutas em Porto Alegre e em todo o Brasil, que serão decisivas para os rumos da democracia”, diz a nota.

A UNE também lembra que medidas tomadas pelos poderes municipais, como a aprovação da “Lei Antivandalismo” pela Câmara Municipal de Porto Alegre e o pedido do prefeito Nelson Marchezan para que o Exército e a Força Nacional atuassem no dia do julgamento, evidenciam a perseguição aos movimentos sociais e populares, o que contribuiu para que a entidade adotasse essa medida.

“No dia 24 Porto Alegre, que é sede do tribunal onde acontecerá o julgamento de Lula, será palco de grandes manifestações de resistência. A história nos mostra que em 1961 a capital gaúcha também foi palco de grandes lutas na campanha pela legalidade, para garantir que João Goulart fosse empossado presidente”, diz a UNE.

Confira a íntegra da nota:

MUDANÇA DA CASA DO PODER JOVEM 
A casa dos estudantes é onde tem luta!

Diante da realidade social e política conturbada que o Brasil vive hoje, o Estado Democrático de Direito vem sofrendo retaliações, modificações e ameaças. O Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Federal, tem usado dos seus poderes de forma arbitrária e abusiva, se sobrepondo à democracia. Estas instituições se tornaram instrumentos não da garantia das leis, mas da negação delas, sendo amparados pelo apoio e espetacularização dos oligopólios midiáticos.

A hipertrofia do Poder Judiciário – com destaque para a Operação Lava Jato – tem sido braço fundamental para a continuidade do golpe em curso no nosso país. Fica cada vez mais evidente como a condução das operações dessas instituições tem como alvo os alicerces da democracia, partidos políticos, movimentos sociais e lideranças políticas.
Nesse cenário, no dia 24 de janeiro a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que fica em Porto Alegre, julgará o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sobre a sentença do juiz Sérgio Moro. Esse é um processo marcado por perseguições e decisões parciais, sem provas consistentes, sem fundamento jurídico e fruto de tratamento seletivo.

Com apenas 30 anos de uma frágil democracia, nosso país já sofre uma nova ruptura quando a presidenta Dilma Rousseff foi afastada da Presidência da República sem crime de responsabilidade, por uma articulação de setores da elite, do parlamento, da mídia e do judiciário. O que está em jogo no país neste momento não é apenas a condenação de Lula, mas o desdobramento do golpe, um verdadeiro ataque ao estado democrático de direito. E isso não é novo na história de nosso país, ainda que com suas particularidades, o que se tenta fazer hoje em muitos aspectos se assemelha à tentativa de golpe de 1961 quando os militares tentaram impedir que João Goulart tomasse posse com a renúncia de Jânio Quadros, ao fim e ao cabo se trata da tentativa de retirar lideranças políticas da disputa do poder por meios não democráticos ou constitucionais.

Agora no caso de Lula, também querem condená-lo sem provas, com o intuito de impedir o seu direito de ser candidato. Portanto, se ousarem condená-lo provarão o caráter político de todo este processo. Se há corrupção e improbidades, que se façam as investigações cabíveis, mas em consonância com o Estado de Direito. Sendo assim, as entidades estudantis, UNE e UBES, reafirmam sua posição em defesa do direito de Lula ser candidato.

No dia 24 Porto Alegre, que é sede do tribunal onde acontecerá o julgamento de Lula, será palco de grandes manifestações de resistência. A história nos mostra que em 1961 a capital gaúcha também foi palco de grandes lutas na campanha pela legalidade, para garantir que João Goulart fosse empossado presidente. Na ocasião, a UNE transferiu a sua sede para Porto Alegre, convocando os estudantes do Brasil à se somarem nessa luta em defesa da democracia.

Vale ressaltar que a Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou nos últimos dias a “Lei Anitivandalismo” (chamada assim pelo governo), que abre brechas para que a guarda municipal possa coibir manifestações. Além disso, o prefeito da capital, Nelson Marchezan, solicitou o Exército e a Força Nacional para atuarem no dia 24 do julgamento e reprimir manifestações. Ações como essas, evidenciam a perseguição aos movimentos sociais e populares.

Diante de todos esses acontecimentos, a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), tomam novamente a decisão de transferir simbolicamente a sua sede para Porto Alegre. Acreditamos que os estudantes brasileiros precisam estar aonde existe luta e resistência pela democracia e pelos nossos direitos. Convocamos, pois, os estudantes de canto a canto do país para somarem-se às próximas lutas em Porto Alegre e em todo o Brasil, que serão decisivas para os rumos da democracia.

A história nos mostra que em 1961 a capital gaúcha também foi palco de grandes lutas na campanha pela legalidade, para garantir que João Goulart fosse empossado presidente. Na ocasião, a UNE transferiu a sua sede para Porto Alegre, convocando os estudantes do Brasil à se somarem nessa luta em defesa da democracia.