Chegadas & partidas

POR GERSON NOGUEIRA

O futebol profissional já deveria ter aprendido a conviver melhor com os rompimentos e despedidas. Como ocorre com os casamentos convencionais, é natural que jogadores e técnicos se divorciem de clubes com os quais pareciam ter um pacto de relação permanente.

Movido pela paixão que afeta milhões de pessoas, o futebol nem sempre sabe assimilar bem as separações. Algumas vezes, ruídos e mágoas acabam por abalar o que deveria ser um ritual pacífico e civilizado. Os canais abertos pela internet amplificam esses amuos.

Acompanho há dias uma batalha entre torcedores e dirigentes do Botafogo em torno da saída do volante Aírton, que repentinamente passou a contar com uma legião de fãs inconformados com o desfecho de suas negociações com o clube.

No mundo corporativo, esse tipo de conflito nem chega a existir, tamanha é a frieza e o tecnicismo dos processos de desligamento. Na área futebolística, o fanatismo pode ditar as regras e aí ninguém se entende.

No caso específico de Aírton, trata-se de um jogador comum, que está há várias temporadas no Botafogo sem produzir nada de significativo, com o aspecto negativo de passar mais tempo lesionado do que jogando.

Para os torcedores, que enaltecem conceitos como “raça” e “sangue”, Aírton deveria ter estátua na frente do estádio Nilton Santos e seu contrato renovado com o clube em nome de um reconhecimento sem razão lógica.

Vá entender cabeça de torcedor…

Outro episódio significativo da relação atribulada entre clubes e ex-atletas. Quarta-feira passada, no tradicional jogo de final de temporada promovido por Zico, a torcida carioca reencontrou antigos ídolos. Adriano, que ainda alimenta o sonho de voltar a jogar, foi o mais aplaudido.

Curiosamente, Léo Moura, lateral que defendeu o Flamengo por anos e hoje está no Grêmio, foi vaiado sem piedade. Tudo porque teria se referido ao ex-clube com alguns xavecos depois da conquista da Libertadores.

Aqui mesmo no Pará, com suas incongruências bem conhecidas, boa parte da torcida bicolor não concordou com a saída do goleiro Emerson, tido por alguns como ídolo da Fiel torcida. É fato que o goleiro, de performances decisivas em 2016, não foi o mesmo em 2017, ficando ausente por muito tempo e atuando mal em alguns jogos.

O clube fez a avaliação fria e sensata, pesando custo-benefício, mas o torcedor, com sua alma eternamente em chamas, não deglutiu a ideia. Até hoje é possível ouvir resmungos, lamentando a partida do goleiro.

A apaixonada torcida do Atlético-MG vive momentos de extrema atribulação com a saída do artilheiro Fred, que simplesmente atravessou em direção ao Cruzeiro. Pior que o abandono é a troca pelo arquirrival. Para completar, o jogador apagou das redes sociais todos os vestígios de ligação com o antigo clube.

Coisas desses tempos desalmados, quando o jogador alcançou um nível profissional que o torcedor jamais entenderá. O conflito entre paixão e profissionalismo é um dos grandes dilemas da humanidade.

Simplesmente não há como resolver e voltamos aos tempos de antanho, quando já se sabia que a dor dos que ficam será sempre mais aguda que a saudade dos que partem.

—————————————————————————————-

Bola na Torre

O último programa da temporada vai ao ar hoje, às 20h30, na RBATV. Guilherme Guerreiro apresenta, com participações de João Cunha e deste escriba de Baião. Em pauta, os preparativos e contratações da dupla Re-Pa para a temporada que está começando.

—————————————————————————————

Lista de reforços faz torcida recuperar confiança

A contratação de Cáceres, Mike, Cassiano e Pedro Carmona deu ao torcedor do Papão um alento no final da temporada. O primeiro lote de contratações, que consistiu de goleiro e defensores, não chegou a entusiasmar o torcedor mais exigente.

Com o anúncio de nomes conhecidos, como Cáceres e Cassiano, veio a aprovação às escolhas da comissão técnica e do executivo de Futebol. Se os reforços irão vingar já é outra história, depende de fatores diversos, mas está claro que o caminho trilhado é o mais correto.

A possibilidade de um acerto com Moisés, bom atacante do Vila Nova-GO no último Brasileiro da Série B, pode fechar o pacote com chave de ouro.

—————————————————————————————-

Que 2018 restitua nossas esperanças perdidas 

A última coluna do ano é dedicada aos meus amados pais, Benedita e José, que seguem firmes e fortes lá em Baião, na mesma casa em que nasci, tendo por perto quase todos os mesmos amigos de sete décadas.

Com eles, aprendi que a vida é sempre melhor quando a brisa chega tranquila e o barulho maior vem das folhagens.

De minha parte, torço para que 2018 seja menos inclemente que este duríssimo 2017 que termina. Que os corações e mentes se abram para as necessidades do mundo e das pessoas.

Continuo convencido de que a esperança é nosso último refúgio.

Feliz ano novo!

(Coluna publicada no Bola de domingo, 31, e segunda-feira, 01)

8 comentários em “Chegadas & partidas

  1. Valeu, amigo Jaime. Felicidade e muita saúde. Tenho certeza que a saudade que você sente logo será regiamente compensada. Abraços

    Curtir

  2. Felicidades pra você em 2018, e sempre, caro Gerson. Sua coluna é leitura obrigatória diária não somente sobre o esporte, onde o comentário isento nos dá a confiança e a certeza daquilo que absorvemos e aprendemos em seus comentários. Mas, especialmente, seu posiciosamente lucido e coerente sobre os rumos que nosso País tem experimentado e onde registra sua posicão democrática nesta incansável luta por um País mais justo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s