Qual a utilidade da polícia-ostentação?

policiais-rogerio157-1-840x440

POR SIDNEY REZENDE

É compreensível que se tenha orgulho do trabalho bem feito. Isto vale para todos os setores. Fazer com paixão seu ofício é bom motivo para júbilo. É razoável até que se faça alguma publicidade quando o objetivo alcançado foi fruto do esforço diante do obstáculo alcançado. No entanto, quando o que seria legítimo dá lugar à vaidade vulgar, à soberba, à galhofa e à fanfarronice, logo se avizinha o desastre sob todos os aspectos. Temos uma história que ilustra bem a tragédia do excesso.

A delinquência é uma lástima, concordamos. O crime é coibido para que se chegue mais rápido ao convívio civilizatório entre as pessoas. A segurança pública é princípio básico para que os mais fortes e armados não imponham sua superioridade diante dos ditos mais fracos e menos poderosos. O respeito ao direito humano de viver se contrapõe à prática comum do bandido subjugar o lado mais frágil da sociedade. É comum se pisar no pescoço dos pobres.

Dito isto, criminosos não são artistas que devamos ter orgulho, celebridades que abrilhantam e valorizam nossas redes sociais, referências que nos inspiram. Negativo. Aqueles que matam, roubam, agridem, aleijam e humilham famílias, às vezes comunidades inteiras, precisam ser detidos em nome da justiça. Polícia para quem precisa de polícia.

A liberdade é atacada quando alguém estupra, esfola, julga e mata inocentes. Isto é um crime, muitas vezes hediondo.

A prisão do chefe do tráfico da Rocinha, Rogério 157, se enquadra no que escrevemos nas primeiras linhas: “trabalho bem feito”. Um esforço tremendo do pessoal da inteligência, equipe de segurança do Rio de Janeiro, que merece ser valorizado. Eis que, nem tudo é perfeito. E a lambança não demorou. Parte do grupo chefiado pelo delegado Gabriel Ferrando, titular da 12ª DP (Copacabana), que se empenhou em deter o traficante entendeu que – ao prendê-lo – era o momento de ter seus 15 minutos de fama e espocaram cliques e mais cliques, selfies e mais selfies com 157. Lamentável. Vergonha alheia.

Via-se o estarrecimento nos olhos de 157 sendo obrigado a posar ao lado de agentes. Ele parecia saber que era coadjuvante de um papel ridículo. Um escracho. As fotos já ganharam as variadas plataformas de comunicação do planeta. Não são o retrato do mundo moderno. É o registro da desordem, da falta de comando, da demonstração do desmoronamento da autoridade. Da bagunça institucionalizada, enfim.

A Corregedoria da Polícia Civil do Rio de Janeiro diz que abriu uma investigação interna sobre a conduta de agentes que celebraram estas selfies sorridentes após a ação na Favela do Arará, em Benfica. Dado o histórico do “vamos investigar”, “seremos rigorosos”, “vamos apurar”… fica difícil acreditar. Tudo indica que ninguém vai investigar nada, e, provavelmente, a aberração desta quarta (6) cairá no esquecimento já nos próximos dias.

3 comentários em “Qual a utilidade da polícia-ostentação?

  1. Se verdadeiras barbaridades (tanto de ação, quanto de omissão) em todo o Brasil cometidas pela polícia caem no esquecimento, imagine se também não cairá este caso de “ostentação”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s