Valeu pelo 1º tempo

DNMTajPWAAA_liX

POR GERSON NOGUEIRA

O jogo era decisivo para as pretensões do Papão nesta reta final de Série B. A vitória sobre o Criciúma foi conquistada com placar construído no primeiro tempo, mas o desfecho poderia ter sido bem mais tranquilo e sem tantos sustos. Com formação diferente, em função dos vários desfalques no elenco, o time entrou mais ofensivo que o normal, com Caion e Marcão no ataque, Fábio e Juninho como articuladores.

A mudança de postura seria depois relativizada pelo técnico Marquinhos Santos, que preferiu enaltecer o fato de que as peças mudaram sem descaracterizar o sistema. Faltou explicar que sistema misterioso é esse, cujo perfil ainda é indefinido, e reconhecer que a abertura da meia-cancha foi determinante para que o Papão envolvesse o Criciúma na primeira metade da partida.

Com Fábio e Juninho flutuando, a marcação imposta pelo Tigre sobre os atacantes Marcão e Caion não foi suficiente para conter o ataque paraense. Além dos meias, o volante Renato Augusto andou se aventurando e teve duas boas chances dentro da área. É que o Criciúma se mantinha tão preso ao próprio campo que os volantes do Papão ficavam livres para avançar.

O fato é que ao longo dos 45 minutos iniciais o Papão deu as cartas, controlando o jogo e impondo seu ritmo. Depois de vários jogos em que a lentidão do meio-campo comprometia as ações de ataque, o time finalmente teve mobilidade junto à área adversária, com repertório mais variado de jogadas.

Logo de cara, Marcão perdeu boa chance depois de uma falha bisonha do zagueiro Edson Borges. O chute saiu torto, mas assustou a defesa do Criciúma. O mesmo Marcão teria outra boa chance, aos 21 minutos, mas chutou fraco no centro do gol.

Aos 24 minutos, porém, a constância ofensiva surtiria efeito. Juninho caiu nas costas do lateral Giaretta e cruzou com perfeição – coisa que o lateral Ayrton não conseguiu fazer durante o jogo todo –, encontrando Fábio Matos livre na área. O meia chegou batendo de primeira, quase de voleio e mandou para as redes. A bola passou entre as mãos do goleiro Luís.

Depois do gol, o Papão não arrefeceu e chegou perto de ampliar o marcador. Marcão chutou com perigo da entrada da área, Guilherme perdeu chance clara e Renato (lançado por Juninho) ficou de cara com o goleiro. As oportunidades eram criadas pela boa dinâmica dos homens de meio-campo e pela mobilidade da dupla de ataque.

Mesmo retrancado, o Criciúma não conseguia impedir a movimentação em frente à área. Méritos do quarteto ofensivo bicolor, que provocava erros seguidos na saída de bola do adversário.

Veio o segundo tempo e o panorama mudou por completo. Aos poucos, o Criciúma foi avançando e se posicionando sempre no campo de defesa do Papão. Passou a cruzar bolas venenosas para a área, intranquilizando a defesa alviceleste.

Marcão ainda perdeu um bom lance logo aos 4’, chutando em cima dos zagueiros, mas o técnico Beto Campos botou definitivamente seu time no ataque. Trocou o volante Ricardinho pelo meia João Henrique e passou a ter mais posse de bola, obrigando o Papão a sair dando chutões pela primeira vez na partida.

Aos 25’, em bola levantada na área, Giaretta desviou no canto esquerdo de Marcão. A bola bateu no poste e saiu. Um tremendo susto nos bicolores, que a essa altura se empenhavam em segurar a vantagem, já com três volantes (Recife substituiu a Fábio Matos) à frente da zaga.

Outro momento de alto risco ocorreu aos 43’, quando João Henrique cabeceou para baixo e a bola passou rente à trave. A torcida, sentindo a queda de rendimento da equipe, passou a protestar. O Criciúma ainda insistiu, mas não havia mais tempo.

Como resultado, a vitória foi excelente, pois diminui a pressão sobre o time. Por outro lado, a brusca mudança de padrão preocupou pela insistência em priorizar a defesa em momento capital do jogo.

——————————————————————————————-

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro apresenta o programa, com participações de Saulo Zaire e deste escriba de Baião. Começa às 21h, na RBATV. Em análise, os jogos do fim de semana.

——————————————————————————————-

Quando falta “aquilo roxo” à arbitragem

A atuação do trio de arbitragem paulista no jogo PSC x Criciúma, sexta à noite, na Curuzu, quase passou despercebida. A ausência de lances polêmicos facilitou o trabalho de Flávio Rodrigues de Souza e seus assistentes.

Acontece que um incidente revelado em minúcias depois da partida acabou por manchar a atuação do árbitro. O meia Fábio Matos disse, na entrevista pós-jogo, que, ao ser advertido com ênfase pelo apitador, teria dito que ele (Flávio Rodrigues) não tinha “aquilo roxo” para expulsá-lo de campo.

Isso aconteceu quando o jogador tirou a camisa na comemoração do gol. Flávio avisou que aquele comportamento poderia levar à sua expulsão. O meia então desafiou o árbitro. Era caso para expulsão sumária. Intimidado, o árbitro aceitou a ofensa verbal.

O episódio ganhou contornos mais graves porque o atleta contou a história em tom triunfante – comportamento inadequado que merece admoestação por parte da comissão técnica alviceleste.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 29)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s