Neymar mais uma vez foi eleito o terceiro melhor do mundo, atrás de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi. Mas já há quem o vejo acima do português e do argentino. O problema para ele é que essa parcela segue limitada à ‘periferia da bola’.

Desta vez, o brasileiro foi colocado em primeiro por seis capitães (Andorra, Brasil, Equador, Hungria St. Lucia e Tanzânia), seis treinadores (Argélia, Ilhas Virgens Britânicas, Camboja, Jamaica, Madagascar e Ilhas Maurício) e três jornalistas (Djibouti, Eritreia e Ilhas Salomão).

Chama a atenção que Neymar não foi eleito o melhor do mundo nem por Tite e nem por Paulo Vinícius Coelho, o técnico e o jornalista brasileiro, respectivamente. Tite o colocou como segundo melhor, atrás de Ronaldo. PVC nem o citou em sua lista, com Marcelo, em 3º, compondo o trio com o português e o argentino.

Amigo de Neymar, Messi também não votou nele como melhor, apesar de ter adotado o ‘corporativismo’ de só votar em jogadores do Barcelona. O deixou em terceiro, atrás de Luis Suárez e Andrés Iniesta. No total, o atacante brasileiro foi lembrado em 138 votos: 15 como melhor do mundo, 50 como segundo e 73 como terceiro.

Vale lembrar como a eleição funciona: os capitães, os técnicos e os jornalistas (um por país, mas não de todos) votam nos três melhores do mundo. O voto em primeiro vale 5 pontos, em segundo, 3, e em terceiro, 1. (Da ESPN)