A paixão tão necessária

12 de outubro de 2017 at 1:22 7 comentários

x201710102214127943.jpg-GLA3ELFEU.1.jpg.pagespeed.ic.2L8XQqNMq4

POR GERSON NOGUEIRA

O brasileiro é, acima de tudo, um passional desvairado quando o assunto é futebol. Aliás, o velho Nelson Rodrigues, que conhecia a alma nacional como poucos, pregava que sem paixão não dá nem para chupar picolé. Pois o que mais faltou ao time do Brasil contra o Chile, anteontem, na rodada final das Eliminatórias, foi paixão. Por sorte, em alguns poucos minutos de inspiração, o time salvou a noite e garantiu a vitória.

É sempre preocupante quando há descompasso entre a atitude dos jogadores em campo e o fervor apaixonado da torcida. Na terça à noite foi possível ver isso em vários instantes. O quadro é mais aflitivo ainda quando se está a sete meses da Copa do Mundo.

O jogo terminou com um placar irrepreensível (3 a 0). O cidadão de bem há de pensar que exageramos nas expectativas. Nem tanto assim. Os primeiros 45 minutos foram terríveis de assistir, com raras jogadas trabalhadas e apenas um lance de real perigo, com Neymar entrando na área e chutando para a defesa parcial do goleiro Bravo.

Era visível o desligamento dos jogadores, que pareciam entediados e loucos para que o jogo acabasse. O Chile, pressionado pela obrigação de não perder, ficava no meio-termo entre ir à frente e guarnecer a defesa, e se perdia em erros na saída de bola.

Nem isso despertava o instinto predador da Seleção. Neymar, Gabriel Jesus e Phillipe Coutinho jogavam burocraticamente, trocando passes e forçando dribles impossíveis. Foi nesse clima de quermesse que os times desceram para os vestiários.

Logo aos 9 minutos da etapa final, veio o gol que salvou o jogo e dignificou o encerramento da campanha brasileira. Daniel Alves mandou um tiro longo e Bravo bateu roupa. Paulinho aproveitou o rebote, abrindo o placar. Dois minutos depois, com a zaga chilena ainda zonza, Coutinho lançou Neymar, que tocou para Gabriel ampliar.

A partir daí, as coisas ganharam outra feição. O Brasil desleixado do 1º tempo passou a correr mais e o placar foi ampliado nos minutos finais em contra-ataque fulminante iniciado por um lançamento de Willian, de 40 metros, que encontrou Gabriel livre para entrar com bola e tudo.

Com a vitória, o ufanismo brotou e houve até quem apressadamente avaliasse como perfeito o desempenho da Seleção. O placar, sim, foi irrepreensível, mas a atuação foi apenas razoável.

Acontece que ao torcedor brasileiro não basta vencer, é preciso vencer com esmero. É lícito esperar excelência de um time que terá na Copa a missão de reabilitar e lavar a honra do futebol pentacampeão do mundo.

A campanha foi maravilhosa desde que Tite assumiu: 10 triunfos e dois empates. O receio vem do fato de que, nas últimas apresentações, a Seleção se comportou perigosamente como nas Copas de 2006 e 2010, vexames que desembocariam na tragédia de 2014.

Que a chama da paixão esteja guardada para os gramados da velha Rússia.

———————————————————————-

Messi e o milagre da multiplicação

O extremo oposto aconteceu com os rivais. Lionel Messi, habitualmente frio e contido, comandou a apresentação argentina contra o Equador. Lembrou até o Romário decisivo de 1993 no triunfo final que colocou o Brasil na Copa dos Estados Unidos.

A zaga vacilou logo de cara, permitindo o gol equatoriano. Ficou no ar a impressão de que se desenhava um roteiro de tango lacrimoso, com a possível eliminação do time de Sampaoli. Ledo engano.

Messi emergiu como grande regente, papel que ainda não havia assumido na competição. Aos craques cabe a responsabilidade maior na hora do aperreio. Consciente de sua importância, o camisa 10 se multiplicou em campo e fez os gols que conduziram a Argentina à classificação.

Calou seus críticos e comemorou com a paixão desenfreada que caracteriza a torcida argentina. Enfim, um Messi humanizado, poucas vezes visto a extravazar com a camisa de sua seleção. Sinal de que vai à Rússia com ânimo redobrado em busca do único troféu que não tem.

———————————————————————

Leão adia decisão e atrasa agenda do futebol

O Remo brinca perigosamente com o próprio futuro. Às voltas com as discussões sobre a gestão de Manoel Ribeiro, o clube está perdendo um tempo precioso no futebol profissional. Há necessidade de sanear débitos e urgência em montar um novo time para 2018.

A temporada vai começar mais cedo com a mudança de datas no calendário nacional. O certame estadual, primeira competição do ano, começa a 17 de janeiro, obrigando os clubes a se organizarem a partir de novembro. Essa necessidade é ainda maior para o Remo, que sofreu um desmanche de elenco ao final da Série C.

Sem técnico definido e com poucas sinalizações quanto a jogadores, o futebol fica à mercê das decisões políticas. O Condel reuniu na terça-feira e tomou a pior das medidas: empurrou com a barriga a decisão sobre as contas da gestão atual.

Ao adiar uma definição, o Conselho contribui para atrapalhar ainda mais a agenda do futebol, que é o principal departamento do clube, inclusive no aspecto financeiro.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 12)

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – Legião Urbana, O Teatro dos Vampiros Rock na madrugada – Titãs, Isso

7 Comentários Add your own

  • 1. Adauto Moura  |  12 de outubro de 2017 às 10:03

    SOMENTE A MASSA AZULINA PODE E NECESSITA GRITAR EM UNÍSSONA : “FORA TODOS ELES!”

    PODEMOS RESUMIR ESSA REUNIÃO EM UMA ÚNICA PALAVRA SOBRE A “LAMA, PÂNTANO, LIMBO” EM QUE SE ENCONTRA O CLUBE. PALAVRA ESTA DE UMA TESE QUE PERMEIA ULTIMAMENTE (E POR QUE NÃO HISTORICAMENTE ?) OS ALICERÇES DA INSTITUIÇÃO CLUBE DO REMO, PREDOMINANTEMENTE O SETOR DE FUTEBOL “PROFISSIONAL”. TESE ASSIM COMPROVADA EM APARELHAMENTO, AMADORISMO CRÔNICO, CORPORATIVISMO, PATRIMONIALISMO, FISIOLOGISMO E CORRUPÇÃO. A PALAVRA : CONDEL = BORDEL!…OU AINDA, ANACRONISMO!

    Curtir

  • 2. Antonio Oliveira  |  12 de outubro de 2017 às 11:51

    Seleção padeceu da vantagem de já estar classificada nas últimas partidas. Aí faltou o ímpeto natural. Todavia, se é verdade que joga bem mais do que apresentou diante do frágil Chile, bom não esquecer que este ‘bem mais’ ainda é pouco, para o tanto que vai precisar, para fazer uma boa figura na copa.

    Curtir

  • 3. 09751  |  12 de outubro de 2017 às 14:42

    Coisas do futebol. O Chile ganhou duas edições da Copa América em cima da Argentina, onde o Messi foi chamado de pipoqueiro e mesmo assim ficou fora do Mundial, já os argentinos se classificaram. No final das contas, a Argentina não sofreu tanto. Não foi nem de longe o Uruguai, que sempre se classificou ou foi eliminado via repescagem.
    O bom é que todos os grandes craques sul-americanos estarão jogando na Rússia: Neymar, Cavani, Suáres, Messi, além do Falcao García e do James Rodríguez.

    Curtir

  • 4. Jorge Paz Amorim  |  12 de outubro de 2017 às 15:25

    Acho até que nem cabem as comparações com os exemplos das copas anteriores. A de 2006 o time estava tão fora de órbita que o debate principal era a respeito da silhueta daquele que depois passou a ser alcunhado de ‘Ronalducho’; a de 2010 era um time formado com atletas já vislumbrando o fim da carreira profissional e ainda contou com a adversidade de perder dois dos seus mais importantes jogadores do elenco: Ramires e Elano, diante do que até fez um bom papel; e 2014 a euforia provinciana de Felipão nos fez estacionar no resultado da Copa América e não precisa falar mais nada pra não citar novamente o trauma.
    Tite faz a diferença, continua aprendendo e interagindo com o que há de mais atual na Europa e recolocou a seleção na liderança do ranking. Por isso, como bem lembra Antônio, o time padeceu da vantagem de já estar classificada, daí a última partida não servir de parâmetro de avaliação..

    Curtir

  • 5. Mauricio Carneiro  |  12 de outubro de 2017 às 17:16

    Também coloco fé na seleção. Tite além de ser excelente técnico é lider nato, entusiasmado pelo trabalho, do tipo que combate salto alto e acomodação e desenvolve como poucos o jogo coletivo. Penso também que sua comitiva multidisciplinar lhe dá muito suporte nos bastidores e que cada adversário, equipes e atletas individualmente já está sendo minuciosamente estudado e decifrado.

    Curtir

  • 6. Jorge Paz Amorim  |  12 de outubro de 2017 às 18:05

    Perfeito, Maurício

    Curtir

  • 7. toninho  |  13 de outubro de 2017 às 9:10

    axo natural a ação tanto da seleção brasileira qnt da seleção argentina.
    uma precisando desesperadamente do resultado (argentina) enquanto que a outra (Brasil) já estando classificado.
    Brasil pegou uma seleção que precisava de resultado enquanto a argentina pegou um cachorro morto !!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,361,070 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.886 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Jaime (Atlanta, EUA) em Turba reacionária ataca Poleng…
Acácio F B Elleres -… em Turba reacionária ataca Poleng…
José FERNANDO PINA A… em Turba reacionária ataca Poleng…
José FERNANDO PINA A… em STF decide que terras quilombo…
José FERNANDO PINA A… em Trabalho escravo: nova norma s…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

NO TWITTER

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: