Chances e lamentações

7 de setembro de 2017 at 13:37 1 comentário

POR GERSON NOGUEIRA

As chances de classificação existem, embora sejam escassas consideradas as circunstâncias. O Remo permanece no G4, mas não depende mais apenas de suas forças, pois perdeu essa condição ao ser derrotado em casa frente para o Sampaio. Com cinco times na disputa por duas vagas, a disputa é das mais imprevisíveis. Óbvio que, se todos empatarem na rodada, o Remo estará dentro, mas basta que dois dos competidores diretos vençam seus jogos para que caia por terra essa possibilidade.

Até o Fortaleza, com 24 pontos e melhor situado na tabela entre os cinco que buscam se classificar, corre riscos ante o desesperado Moto Clube, que tenta escapar do rebaixamento e pode até – numa combinação possível – ficar com uma das vagas em jogo.

A Série C tradicionalmente tem apresentado esse tipo de desfecho emocionante, tanto na parte de cima como na de baixo, onde normalmente é renhida a luta contra a degola. Tem sido assim nos últimos quatro anos, incluindo 2014, quando o Papão entrou nas rodadas finais em situação bastante desfavorável e alcançou a classificação graças a uma série de bons resultados envolvendo os demais aspirantes à vaga.

É claro que não dá para se fiar no exemplo feliz do rival, pois histórias assim raramente se repetem. Cabe ao time de Léo Goiano lutar para vencer seu jogo e torcer para que os demais resultados ajudem. Pouco importa, a essa altura, se o ASA vai todo despedaçado para o jogo contra o Confiança, após liberar seus principais jogadores. Em primeiro lugar, o Remo precisa fazer sua parte. O resto é consequência.

A Terceira Divisão tem uma disputa complicada e os remistas sabiam, desde o começo, que não podiam chegar à última rodada dependendo de outros para obter passagem à próxima fase. Neste momento, surgem as lamentações pelos muitos tropeços em casa, pontos preciosos atirados pela janela de forma quase sempre irrecuperável.

Torneios de muito equilíbrio não permitem erros caseiros. Léo Goiano, que assumiu o barco já no segundo turno da etapa de classificação, poderia ter sido bem mais útil se fosse – como muitos defendiam – o técnico escolhido para a disputa da Série C.

Além do bom trabalho desenvolvido, ele acertou nas escolhas. Num elenco recheado de apostas erradas, suas poucas indicações não decepcionaram. Martony virou titular absoluto na zaga e Dudu (avalizado por ele) também vingou no meio-campo. O goleiro Evandro Gigante ainda não chegou a estrear. Por isso mesmo, se o Remo porventura não classificar, o técnico é um dos poucos que não pode ser apontado como culpado.

—————————————————————–

Seleção lidera com folga, mas tem problemas

O Brasil, classificado com sobras, já não demonstra a mesma voracidade por vitórias nas Eliminatórias Sul-Americanas. A acomodação é absolutamente normal e acomete quase todo time que abre grande vantagem. O perigo está na desaceleração a nove meses da Copa do Mundo.

O empate obtido contra o vice-líder da competição não foi desonroso ou frustrante, embora tenha quebrado a sensacional (e inédita) sequência de vitórias. Em termos de produção coletiva, o Brasil jogou até com mais aplicação do que na partida anterior contra o Equador, disputada em Porto Alegre. Não foi possível, porém, disfarçar um certo enfado por parte das principais estrelas do escrete.

Tite armou uma equipe mesclada de reservas para enfrentar a forte Colômbia em Barranquilla, anteontem. O que deveria ser uma experiência natural a essa altura da competição terminou por desnudar alguns sérios problemas da atual Seleção Brasileira, o que não deixa de ser altamente positivo para o treinador, que tem tempo para as devidas correções.

O principal problema, sem dúvida, é o desnível acentuado entre titulares e reservas. Filipe Luís, por exemplo, não consegue chegar perto da produtividade ofensiva de Marcelo. O mesmo ocorre na marcação, onde o inconstante Fernandinho também fica muito abaixo de Casemiro.

Na defesa, Tiago Silva não passou a segurança do titular Miranda. Pior ainda quando se mostrou necessária a entrada de outro suplente, Rodrigo Caio, zagueiro jovem e ainda pouco consistente.

Na frente, o limitado Firmino é cada vez mais uma escolha difícil de explicar para a suplência de Gabriel Jesus. Com ele em campo, inseguro e pouco participativo, todos os demais jogadores de linha são afetados negativamente. Por sorte, Willian fez um golaço e teve boa atuação num setor que é normalmente ocupado (e bem) por Phillipe Coutinho.

Outro sinal de alerta diz respeito ao baixo rendimento de Neymar. O camisa 10 está longe de seus melhores momentos sob o comando de Tite. O desgaste com a saída traumática do Barcelona e o processo de adaptação podem ser as causas da queda técnica, mas Tite precisa ficar atento. De nada adiantará nadar de braçada nas Eliminatórias se a Seleção chegar à Rússia com o seu melhor jogador em fase descendente.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 07) 

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – Franz Ferdinand, Walk Away Leão pode entrar com um time quase caseiro no sábado

1 Comentário Add your own

  • 1. Nelio( O Paysandu nunca levou 6 gols em Belem de nenhum time do mundo kkkakakakakakak)  |  7 de setembro de 2017 às 20:21

    A minha maior preocupação para a Copa da Russia não é Neymar, nem banco de reservas que não estão altura dos titulares. Me preocupo é com a injustiça do Tite em relação ao técnico campeão olímpico inédito e centenário Rogerio Micale, o qual mais que ninguém merecia uma cargo nessa seleção, seja de auxiliar técnico ou outro cargo, mas pela proeza que fez não podia nunca estar fora, esquecido da seleção titular. A injustiça é pecado capital e não perdoa. Certamente muitos desses atletas titulares que hoje estão brilhando na seleção e no futebol mundial, devem muito a boa fase ao Micale e com certeza são gratos a ele, inclusive o Neymar que teve o bom futebol resgatado nas Olimpíadas. Nada contra o conhecimento do Tite, o qual sempre achei que merecia há muito tempo chance na seleção, mas queria ver ele ser o que é hoje se tivesse pegado essa seleção titular como Micale pegou a seleção Olímpica em 2016, desmotivada e decadência em queda livre. Se voltarmos ao triste passado de 2014, após o pavoroso 7×1, saberemos que a Seleção Canarinho ficou reduzida a seleção pequena e alvos das maiores chacotas já vistas nas história de nosso futebol. para piorar, além de escândalos tenebrosos envolvendo a CBF e seus dirigentes, a seleção foi entregue novamente nas mãos do ex Capitão Dunga, sem dúvida um homem de boa vontade e patriota com sonhos de reerguer a seleção, mas de conhecimento técnico insuficiente para comandar o nosso glorioso escrete. E além disso, Dunga foi muito prejudicado pelos fase da seleção e bastidores pós 7×1, e nada dava certo, onde muitos, inclusive eu, já davam a seleção como fora da Copa da Russia. A selão chegou a cair 10 pos. no ranking. Mas felizmente em 2016, o desconhecido Micale, contra tudo e todos, trabalhando calado e sério, montou uma seleção olímpica desconhecida, onde achávamos que seria outro fiasco na competição que podia ser a chance fenomenal de resgatar muito a Moral do Nosso futebol. Deu chance para estrelas como Neymar que estava esquecido e alvo de críticas severas. Para a felicidade geral da nação brasileira, a seleção começou razoável as Olimpíadas, Neymar se soltando aos poucos, e a seleção chegou na final contra nosso maior algoz da história, a Alemanha. Vencer o ouro olímpico que nem nosso Rei Pelé e outros monstros sagrados de nosso futebol não conseguiram, já seria voltar ao apogeu. Vencer em cima de nossos algozes seria a redenção total. Sempre disse isso aqui. E não deu outra. O Brasil de Rogerio Micale venceu o ouro em cima dos alemães, baixou boa parte do peso dos ombros e crise e ainda revelou jovens e grandes talentos que hoje brilham no futebol, mundial. Só faltava a titular engrenar nas eliminatórias onde estava claudicante com Dunga , mas aí já tinha como motivo a insuficiência de conhecimento do ex Capitão. Foi aí que entrou Tite, nas 13 últimas rodadas, precisando só mostrar seu conhecimento técnico porque a poeira da discórdia já tinha baixado bastante por Micale nos jogos Olímpicos. Graças ao Tite, mas também a Micale, a seleção hoje voltou ao apogeu, assumiu o ranking, é badalada e já uma das favoritas à Copa para a qual já classificou antecipadamente. Mas o agradecimento ao Micale, foi darem uma seleção sub 20 nas mãos dele, e após fracasso no mundial de juniores, deram-lhe um pontapé no trazeiro, o deixando esquecido da seleção principal, onde hoje muita gente não lembra mais que foi ele o treinador vencedor do ouro olímpico centenário e inédito em cima dos Alemães. Essa injustiça é que me deixa muito preocupado para Copa da Rússia. E não costumo errar palpite, cuidado Tite.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,321,356 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.816 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

setembro 2017
S T Q Q S S D
« ago    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: