Com proposta do PSG, Neymar se isola durante voo do Barcelona

622_7f8f76fd-590d-371b-8010-082adae4089e

A “novela” da possível ida de Neymar para o Paris Saint-Germain ganha novos capítulos a cada instante. Nesta quinta-feira, o diário Sport acompanhou o embarque da equipe catalã rumo aos Estados Unidos, onde fará sua pré-temporada. A descrição do passo a passo de Neymar na viagem mostra o brasileiro “incomodado”.

Segundo a publicação, Neymar apareceu com cara de poucos amigos, com boné, óculos escuros e fones de ouvido, andando sozinho, sem conversar com ninguém. Ele foi o último a descer do ônibus, o penúltimo a entrar no saguão do aeroporto, e andou sozinho na rampa de acesso à aeronave. No voo, sentou-se ao lado de Douglas, único compatriota no avião.

Se Neymar não parecia querer conversar sobre o assunto, o presidente Josep Maria Bartomeu, que seguiu viagem com a delegação, tinha outros planos. “Com certeza vamos nos reunir com ele”, disse um executivo do clube ao jornal catalão. 

O Barcelona viajou para Nova Jersey e terá três amistosos preparatórios nos Estados Unidos. Na próxima quarta-feira, no MetLife Stadium, o adversário será a Juventus. Depois terá uma partida contra o Manchester United, em Washington, e por fim o amistoso contra o Real Madrid, em Miami. (Da ESPN) 

Realidade do futebol muda com os milionários que bancam o jogo

622_bfa187b8-06c8-3a5a-972c-8741a17a4bb5

Os tempos em que o fair play financeiro tenta controlar os gastos no futebol europeu, negócios com valores estratosféricos têm pautado o dia a dia da atual janela do mercado de transferências. Em boa parte graças aos donos bilionários de alguns dos principais clubes do continente.

Atualmente, o Milan é o que mais gastou em novos nomes: 189,5 milhões de euros. Chegaram o goleiro Antonio Donnarumma (1,5 milhão), os zagueiros Leonardo Bonucci (42 milhões) e Mateo Musacchio (18 milhões), os laterais Andrea Conti (25 milhões) e Ricardo Rodríguez (18 milhões), os volantes Lucas Biglia (17 milhões) e Frank Kessié (8 milhões – por empréstimo), o meia Hakan Calhanoglu (22 milhões) e os atacantes André Silva (38 milhões) e Fabio Borini (por empréstimo).

Na sequência, aparece o Manchester City, que desembolsou 153 milhões de euros em quatro atletas até o momento: o goleiro Ederson (40 milhões), o lateral direito Kyle Walker (51 milhões), o volante Douglas (12 milhões) e o meia-atacante Bernardo Silva (50 milhões). Ainda há a expectativa da chegada de nomes como o lateral direito Danilo, do Real Madrid, e o lateral esquerdo Benjamin Mendy, do Monaco.

No entanto, a dupla pode ser superada pelo Paris Saint-Germain, que no momento pagou apenas 16 milhões de euros para tirar o lateral esquerdo Yuri Berchiche da Real Sociedad – o lateral direito Daniel Alves chegou sem custos. O clube francês, porém, assumiria a liderança, caso pague a cláusula de rescisão de 222 milhões de euros para contratar Neymar.

O sheik Mansour bin Zayed Al Nahyan, membro da família real dos Emirados Árabes Unidos, comprou o Manchester City em 2008, por meio de sua empresa Abu Dhabi United Group. Ex-jogador de tênis e empresário, o catari Nasser Al-Khelaifi tornou-se o presidente do PSG em 2011 ao comprar o clube via sua empresa, Qatar Sports Investments.

Por fim, Silvio Berlusconi acertou a venda do Milan ao grupo chinês Sino-Europe Sports (SES) em um acordo de 740 milhões de euros em agosto de 2016, mas problemas no pagamento fizeram com que a mudança de dono só fosse oficializada em 13 de abril de 2017. O empresário chinês Li Yonghong tornou-se o novo presidente do clube. (Da ESPN)