Um ataque reforçado

20 de julho de 2017 at 2:38 5 comentários

POR GERSON NOGUEIRA

A chegada do centroavante Anselmo, de 36 anos, significa de imediato a ampliação do leque de opções ofensivas do técnico Marquinhos Santos e deve ampliar a competitividade saudável por vagas no ataque do Papão. Coincidência ou não, Marcão voltou a ser anteontem contra o Náutico o centroavante brigador e incansável na área, abrindo possibilidades para os companheiros de ataque – embora sem reciprocidade – e foi fundamental para a vitória, ao cavar o penal a dez minutos do final da partida.

Ante a necessidade premente de ganhar jogos para recuperar a pontuação desperdiçada nas 9 rodadas sem vitórias, o técnico utiliza três homens na frente: Marcão, Magno (um pouco mais recuado) e Bergson flutuando.

Anselmo vem para reforçar o elenco e, apesar do bom currículo e da larga experiência (quase 20 anos nos gramados), suas chances dependerão de agarrar a primeira oportunidade como substituto de Marcão, hoje titular da camisa 9. A passagem pelo Fortaleza, na Série C do ano passado, foi o melhor momento do centroavante, que marcou 23 gols e fechou a temporada como o terceiro maior goleador do país.

Pesa contra ele o fator idade (36 anos) numa competição estafante como a Série B, situação agravada pelo histórico recente com veteranos. Souza Caveirão, investimento equivocado de dois anos atrás, é sempre citado como exemplo negativo. Alexandro, mais jovem que Anselmo e Souza, também teve passagem apagada em 2016.

O futebol, porém, é rico em surpresas e retomadas. O próprio Papão tem para contar experiências exitosas com outros atletas da mesma faixa etária – Chico Spina, Dario, Robson e Vandick, todos contratados na fase descendente da carreira – que justificam plenamente a aposta em Anselmo.

————————————————————————————————

Da imprecisão que tanto atrapalha o jogo

O amigo Edyr Augusto Proença, sempre observando o futebol com os olhos do grande escritor que é, fez comentário adicional à coluna de domingo. Por oportuno e refinado, divido com vocês:

“A questão do trivial é que nossos craques são imprecisos. Esses como Diego, Everton Ribeiro, Geuvânio, só para citar os do Flamengo, são jogadores que tiveram pouco brilho na Europa, mas aqui ainda são considerados. Mas eles são imprecisos. Em pequenos espaços, há sempre um erro aqui e ali e pronto, bola pro adversário. A diferença é um Messi, Neymar, Coutinho, que partem da ponta, onde enfrentam dois adversários para o meio, buscando tabelas curtas, driblando, quebrando o esquema e espaços reduzidos. Hoje só vejo esse Luan, do Grêmio, um centroavante que se desloca na frente dos zagueiros e atrás dos meio-campistas. Alto, magro e muito maleável, ele desconcerta os planos do rival. Outra coisa é que, apesar de Corinthians, Flamengo, Grêmio e Palmeiras, para citar aqueles da outra postagem conseguirem adiantar a marcação, às vezes com três jogadores em cima de quem segurou demais a bola, os zagueiros, muitas vezes, menos que antes, ainda se colocam sobre a linha da grande área, abrindo espaço para um Luan, por exemplo. Repare: a bola é lançada na área e o beque rebate. Se ela cai em poder do adversário, os zagueiros postam-se sobre a linha. Ao contrário, alguém corre para abafar o adversário, de maneira a que não trabalhe com outro que vá na contramão da defesa e a estes zagueiros precisam sair para diminuir novamente o espaço, como que agredindo o outro, diminuindo o campo de jogo. Falta-nos também aquele jogador que vira o jogo com facilidade, o melhor deles, tirando Gerson, o canhotinha, foi o Beckham. Desafogar um lado lotado, abrir espaço para nova jogada. Mas, de maneira geral, acho que estamos avançando e melhorando. Nada a ver com o futebol jogado por nossos clubes aqui do Pará. Estes, praticam outro esporte, infelizmente. É duro assistir. Um festival de erros. Os goals surgem dos erros, não de acertos. As faltas são constantes. Jogo mais parado que jogado. E o passe? Quanto tempo nossos jogadores levam para dominar a bola, a partir de um passe que não veio rasteiro, na velocidade correta?”.

————————————————————————————————

O Remo, o Carrossel e a área do Vaticano

Outro amigo querido, Ronaldo Passarinho, se manifesta a respeito de boatos sobre uma suposta proposta de compra da área do Carrossel.

“Soube que o clube tem uma avaliação da área no valor de R$ 18 milhões. O pior é que a JT, criada para proteger os trabalhadores, hoje em dia favorece demasiado os endinheirados. Explico: se o Carrossel for vendido será por 20% de entrada e o restante em 10 meses, sem juros. Assim aconteceu com a sede campestre, com área maior que a do Vaticano, vendida por R$ 3 milhões (600 mil de entrada e 10 vezes de R$ 240 mil)”.

E conclui: “Se o Carrossel for vendido se confirmará o que afirmei na exposição enviada ao clube em novembro de 2012: se o Remo continuasse a política suicida de contratações irresponsáveis, teria patrocínios e rendas bloqueados, e perderia patrimônio. Gritei e preguei no deserto. Como você é testemunha, só tive recepção na sua coluna e no blog”.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 20)

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – R.E.M., Orange Crush Insucesso na busca de provas leva Moro ao descontrole, diz Janio

5 Comentários Add your own

  • 1. Mauricio Carneiro  |  20 de julho de 2017 às 9:16

    Seria apenas coincidência o PSC ter contratado vários atletas e melhorado em campo após a renúncia do Serra? Será que ele estava se sentindo isolado e o episódio da violência (um tanto mal contado, encomendado? forjado?) foi apenas a gota d’água? Essa renúncia toma ares mais estranhos ainda quando de imediato chamam Aguillera e Maia, este inclusive brigado com SS, de volta, como que estivessem já interferindo no clube, ou ao menos dando palpites e quem sabe até minando o ex-presidente. Imagino que SS era contrário a onerar a folha e que a volta de Aguillera tem a ver com as contratações. A tal estrutura (até que ponto profissional?) do PSC, ainda deve estar longe de se sustentar sem depender de bilheteria e a volta do Aguillera na minha opinião é sintoma disso. Tem que ter muita calma e inteligência pra não fazer ruir num piscar de olhos o que foi conseguido nos últimos anos. Há que se encontrar o meio termo. Nem tanto o conservadorismo de Serra, nem tanto eventuais aventuras de Maia e Aguillera.

    Curtir

  • 2. celira  |  20 de julho de 2017 às 13:05

    Amigo Maurício,

    Não vou me ater a teorias conspiratórias, como as que levantaste em forma de questionamento.

    Mas, a parte final do seu comentário é exemplar.

    Isto pois, destaca o fato de Serra prender-se a um engessamento financeiro que não funciona no futebol e mesmo em empresas, já que, crescer exige determinados riscos.

    Logo, dizer que vai manter um orçamento cainda nas tabelas e, por conseguinte, perdendo receita, é um verdadeiro tiro no coração, afinal, cair para série C é muito mais danoso que mudar os investimentos para manter-se na B.

    Mas, o inverso também é verdadeiro, pois, gastar a esmo (e as Novos Rumos até o momento contrata mal) significa perder o necessário equilíbrio entre receita real, receita esperada e gastos.

    Curtir

  • 3. camiloferreira  |  20 de julho de 2017 às 18:24

    Eu lembro desse episódio da sede campestre e do comentário do Dr. Ronaldo Passarinho inclusive publicado pelo amigo colunista.

    Curtir

  • 4. Jorge Paz Amorim  |  20 de julho de 2017 às 19:26

    Meu caro Celira, gostaria de saber, se é que há, a definição do contratar mal. Pela via perpendicular da lógica, caso haja a de ‘contratar mal’, deve existir a do contratar bem. Qual será essa?
    Internacional e Goiás, por exemplo, estariam em qual coluna, a do bem ou a do mal?
    No caso do Goiás, há o exemplo do Thiago Luís, que ano passado agradou em cheio por aqui, saiu porque queria ganhar uma fortuna e foi pro time goiano ganhando uma nota. O retorno compensa o gasto?
    Nesse momento, em que o time do Papão dá pinta que pode engrenar e brigar lá em cima, é válido generalizar uma avaliação de reprovação geral dos componentes do elenco?
    Além disso, vendo o CRB do Edson Ratinho, o Londrina do Celsinho e o Juventude do Domingues brigarem lá em cima, talvez seja hora de ter cautela e evitar sentenças definitivas a respeito de jogadores que demonstram ter valor, mas que aqui não vingaram. Portanto, nesses momentos a melhor conselheira é a cautela.

    Curtir

  • 5. Daniel Leite  |  21 de julho de 2017 às 10:17

    Gerson, li e ouvi diversas reportagens sobre a diminuição da dívida do Remo no TRT que passou para pouco mais de 2 milhões. Porém lendo algumas matérias com os nomes dos credores, percebi que alguns não foram citados: Waldemar Lemos, Charles Guerreiro, Fabiano (goleiro), Fernando Henrique, Fernandinho, Leandrão – isso dos que lembrei rapidamente. Pergunto: esses processos não foram citados por esquecimento ou as dívidas já estão quitadas?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,361,673 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.889 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: