Waters posta foto de Temer e pergunta: “Essa é a vida que queremos?”

Roger-Waters-Temer-696x425

Não é segredo que a política brasileira está o mais puro caos, e isso claramente vem chamando atenção de personalidades internacionais ultimamente. Depois de Tom Morello mandar um “Fora Temer” enquanto tocava aqui no Brasil, agora o icônico Roger Waters se pronunciou sobre nosso atual presidente.

O ex-Pink Floyd  ativista declarado e sempre envolvido com estes assuntos — postou em sua página do Facebook uma montagem que traz Michel Temer sob a frase “Essa é a vida que realmente queremos?”, enquanto a postagem diz: “Brasil, é essa vida que vocês realmente querem?”.

A imagem faz clara alusão ao novo álbum de Waters, Is This the Life We Really Want?, a ser lançado no dia 2 de junho. Nos comentários da publicação, brasileiros se dividiram entre elogiar e atacar o músico.

Clique aqui para ver a postagem.

(Com informações do UOL e do TMDQA)

Com técnico ameaçado, Inter traz força máxima para enfrentar o Papão

pottkerrfd_0142

O Inter mal iniciou as andanças pela Série B, e Antônio Carlos Zago já convive com pressão para a sequência da competição nacional, com direito a protesto no Beira-Rio, após o empate frustrante em 1 a 1 com o ABC, pela 2ª rodada. Mas o comandante depara com um trunfo para a sequência de sua missão de devolver o Colorado à elite nacional, no próximo sábado, às 16h30, no Mangueirão, diante do Paissandu. Ao longo de uma semana livre para treinamentos, o treinador poderá fazer ajustes e testar alternativas – com três atacantes, ou não – com todas as principais opções à disposição pela primeira vez desde que iniciou a reformulação no elenco.

A formação do último sábado apresentou um Inter ofensivo, com três atacantes, fruto de uma explicação lógica: a estreia de William Pottker, artilheiro do Brasileirão de 2016 e do Paulistão deste ano – em suma, a principal contratação desta temporada. Mas o próprio Antônio Carlos Zago admitiu após o resultado adverso que o esquema não será uma “constante” nas demais partidas. Em especial, num duelo fora de casa que se avizinha.

Apesar do empate em casa, a atuação do último sábado, em especial na primeira etapa, também despertou elogios, a ponto de não fazer com que o esquema seja descartado totalmente. De fato, antes de cair de rendimento nos minutos finais, a equipe dominou plenamente o ABC no Beira-Rio com jogadas pelas laterais, explorando justamente a velocidade de Pottker e Cirino. Só não construiu vantagem maior do que o 1 a 0 com o camisa 99 pela falta de pontaria.

Com a manutenção do trio no ataque, Antonio Carlos teria de “quebrar a cabeça” com a fartura de opções para delinear seu meio-campo. Rodrigo Dourado deve seguir como volante mais recuado, com Felipe Gutiérrez, Edenílson e até Uendel disputando a segunda vaga do setor.

Para sábado, Antonio Carlos deve contar com Edenílson e Carlinhos. A dupla à disposição permite ao treinador retomar a formação com um tripé na primeira linha, no 4-3-2-1 que mais rendeu frutos ao Inter, após uma série de experiências no começo do ano. Com o esquema, o Colorado eliminou o Corinthians na Copa do Brasil e avançou à final do Gauchão, com derrota para o Novo Hamburgo na decisão.

A formação foi delineada com Rodrigo Dourado, Edenílson e Uendel, o que retira o espaço de um atacante na escalação colorada. Por posicionamento (e resposta dentro de campo), a tendência é de que Pottker siga aberto pela direita, com Nico centralizado na referência, antes ocupada por Brenner. D’Alessandro segue pelo meio, com uma espécie de lacuna pela esquerda, a ser preenchida pelas investidas de Uendel. Quem sobra – na teoria – é Marcelo Cirino. (Com informações do GE)

Amigo de Teixeira, ex-presidente do Barça é preso na Espanha

sandro-rosell_reuniao_barcelona_ap_47

Talvez um cartola estrangeiro nunca tenha sido tão próximo do futebol brasileiro quanto Alexandre Feliu Rosell, ou Sandro Rosell, como ele gosta de ser chamado. Rosell foi preso nesta terça-feira, na Espanha, acusado de lavagem de dinheiro e outros crimes.

Amigo íntimo do ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira (1989-2012), Rosell se hospedava nos mesmos hoteis da seleção brasileira em amistosos e competições pelo mundo. Na Copa América de 2011, disputada na Argentina, o então presidente do Barcelona andava no mesmo ônibus que transportava jogadores e comissão técnica da seleção.

Sandro Rosell foi executivo da Nike nos anos 90. Levou a empresa americana a patrocinar a CBF (num contrato que foi alvo de investigações no Brasil e nos EUA) e o Barcelona. Na condição de diretor do clube catalão, foi ele quem contratou Ronaldinho em 2003. Anos depois, já presidente, Rosell concretizou a transferência de Neymar – que até hoje motivo de diversas investigações no Brasil e na Espanha.

As suspeitas que cercam a negociação de Neymar levaram Rosell em 2014 a deixar o cargo de presidente do Barcelona, que ele ocupava desde 2010. Rosell também foi personagem decisivo na queda de Ricardo Teixeira do comando do futebol brasileiro. Os dois participaram da organização de um amistoso entre Brasil e Portugal disputado no estádio do Gama em 2008.

Uma empresa de Rosell, Ailanto Maketing, foi contratada sem licitação pelo governo do Distrito Federal para organizar a partida. Recebeu R$ 9 milhões e foi acusada pela Polícia Civil do DF de superfaturar custos com passagens áreas, hospedagens e outras despesas.

Na época, o governador do Distrito Federal era José Roberto Arruda, preso nesta quarta-feira acusado de cometer irregularidades na reforma do estádio Mané Garrincha. As prisões de Arruda e Rosell, apesar de terem sido efetuadas no mesmo dia, não estão relacionadas.

A Ailanto Maketing tinha sua sede registrada na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Por sinal, o prédio fica ao lado da atual sede da CBF. Ela foi aberta em 29 de maio de 2008, e encerrou oficialmente suas atividades no Brasil em 6 de maio de 2015. Na sala que ocupava em um prédio comercial na Zona Oeste do Rio, hoje funciona uma empresa que trabalha como locação de escritórios e salas comerciais. No local, todos dizem não conhecer o antigo ocupante.

Sandro Rosell e Ricardo Teixeira também atuaram juntos na campanha para levar a Copa do Mundo de 2022 para o Catar, campanha que foi alvo de muitas investigações sob alegação de compra de votos. (Do Globoesporte.com)

No adeus a Kid Vinil, presença do cão Cosmo emociona a todos

kid-vinil-(1)

O corpo do músico e produtor musical Kid Vinil foi velado, no sábado (20/5), na Assembleia Legislativa de São Paulo. Amigos e familiares estiveram presente para dar adeus ao famoso cantor. Mas quem roubou as atenções foi Cosmo, o Golden Retriever que estava com Kid havia 13 anos. Um amigo do músico levou o animal de estimação para se despedir do dono.

O cachorro ficou o tempo todo perto do caixão do artista e também foi erguido pelos frequentadores para chegar mais perto de Kid. A cena deixou os presentes emocionados. Kid Vinil morreu na sexta-feira (19) depois de ficar internado por mais de um mês após sofrer parada cardíaca em Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais. Amigos, artistas, bandas e músicos como Thunderbird, Roger (do Ultraje a Rigor) e Paralamas do Sucesso, lamentaram a morte do colega, nas redes sociais.

MORRE KID VINIL AOS 62 ANOS

A despedida entre o cão e seu dono teve uma cena que consternou a internet no último adeus a Kid Vinil. No velório do músico que morreu na última sexta-feira, o advogado Jaime Gaeta, de 53 anos, levou o cão Cosmo, da raça Golden Retriever, para se despedir do dono. Após o episódio, o animal de estimação voltou para o apartamento onde Kid viveu por 30 anos com Jaime, seu companheiro numa relação que nunca havia sido tornada pública até agora. Em conversa com o EXTRA, ele falou do casamento com o músico e tranquilizou os fãs preocupados com o futuro do cão.

A decisão de levar o cão de 13 anos ao velório foi do próprio Jaime. “Foi uma homenagem. Na verdade, eu já estava em negociações com o Hospital da Luz (na Vila Mariana, em São Paulo) para tentar levá-lo ao CTI, mas havia riscos de infecções, e o Kid piorou também. Cosmo ficou mais tranquilo depois de se despedir. Quando o levava à rua para passear, queria ir para longe de casa procurar o Kid, mesmo sem já enxergar muito bem”, diz.

kid3

“Cosmo é o nosso filho, o pegamos para criar com 50 dias. Ele está um pouco deprimido, com a idade avançada, mas muito bem assistido”, conta Jaime, que revela as razões de ambos manterem o casamento de anos longe dos holofotes: “Não me sentia confortável, e ele também não queria me expor. Ia ter um impacto muito grande na carreira dele, e eu também tinha uma carreira jurídica, os tempos eram outros. Optamos em abrir apenas para amigos próximos”.

Agora, com o relacionamento vindo a público, Jayme espera que a história de Kid possa ser vista de outra forma. “É triste ser retratado como uma pessoa solitária. Ele teve uma vida feliz e plena. Formamos uma família”. O companheiro de Kid continuará residindo no apartamento do casal, em Cambuci, São Paulo, com o animal de estimação que os dois criaram.

Xadrez da última aposta da Globo

DAZKHuKXcAEfg0o

POR LUIS NASSIF, no Jornal GGN

A crise política entra em um momento crítico, submetido a uma ampla entropia.

O único fio condutor da aliança – o antipetismo – esfumaçou-se. A facilidade de atribuir todos os males do país à Presidência volta-se contra o golpe. E o fato da Globo pular do barco Temer e tentar comandar o próximo barco tornam ela – e o MPF – daqui por diante, os únicos responsáveis por tudo de mal que acontecer no país.

Sem o fator de coesão, o golpe tornou-se um vale-tudo. De um lado, Temer mantem aliados comprados a peso de ouro – deputados, com cargos e emendas; imprensa, com verbas publicitárias. Mas esse jogo de interesses vale apenas até o momento em que cair a ficha de que o governo não tem mais futuro.

E se está muito perto desse momento.

Com essa investida sobre Temer, sem a blindagem do antipetismo, a Globo definitivamente virou o fio. Ela e o MPF se tornam – agora, aos olhos de todos – os grandes agentes de desestabilização do país.

Essa pode ser a grande contribuição dela, de se tornar o fator de aglutinação do que resta de bom senso no quadro político atual. E, tudo isso, poderá desembocar em eleições diretas-já.

Vamos entender um pouco melhor os desdobramentos do golpe.

MOVIMENTO 1 – O AVANÇO DO ESTADO POLICIAL

Por qualquer ângulo que se olhe, por qualquer capivara que se analise, a operação da Procuradoria Geral da República contra o presidente da República foi abusiva. Amplia-se de forma inédita o estado policial no país, com a delação e o grampo entrando por todos os poros da vida nacional, incutindo a desconfiança em todas as relações sociais e convertendo o país no paraíso dos criminosos delatores

Gravar um presidente da República – ainda que seja um desqualificado como Michel Temer –, e expô-lo ao julgamento de uma emissora de televisão é de uma gravidade extrema, típica de países doentes.

Essa conta será cobrada da Globo e do Ministério Público Federal, ao menor sinal de recomposição do poder político. Mesmo assim, não se pode varrer para baixo do tapete o que foi levantado. Trata-se do presidente mais sem noção e mais inescrupuloso da história.

MOVIMENTO 2 – DAR BAIXA NO GOVERNO TEMER

A desfaçatez de Temer, de reunir-se às escondidas, em pleno Palácio do Jaburu, com seu maior financiador, é do mesmo nível da falta de limites de sua turma, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Geddel Vieira Lima. A única coisa que os diferencia é o uso da mesóclise.

Agora, aliados antigos e eventuais, oportunistas de todas as espécies, pulam do barco: não há a menor probabilidade de sobrevivência do governo Temer.

É uma guerra inglória. Temer é uma das fichas mais sujas da República. Há um caminhão de episódios e evidências o envolvendo que, certamente, não estão restritos aos grampos praticados.

O que já se sabe sobre suas estripulias garantem um mês de cobertura diária da Globo.

A FICHA CONHECIDA DE TEMER

  1. O coronel da reserva da PM, José Antunes Sobrinho, há muitos anos conhecido como receptador de caixa 2 para Temer e cujos arquivos foram recolhidos pela operação. Há tempos sua atuação era conhecida da Lava Jato do Paraná, que nada fez para aprofundar as investigações (https://goo.gl/h1xXbC).
  2. Os esquemas com José Yunes e seu arquipélago de offshores, já levantados anteriormente (https://goo.gl/FlcCEE).
  3. O longo histórico do deputado Rodrigo Rocha Loures, um dos principais operadores de Temer, que, mesmo assim, teve o atrevimento de levá-lo para dentro do governo.
  4. Os negócios com o grupo Libra. Aliás, basta a PGR consultar a AGU (Advocacia Geral da União) sobre as pressões pessoais de Temer, para validar um acordo administrativo que livrasse a Libra de uma multa bilionária. Ou então as matérias mostrando as jogadas de Wagner Rossi (outro operador de Temer), quando presidente da Companhia Docas de Santos com Temer (leia os comentários do post https://goo.gl/7txeZh). Em nenhum momento a Lava Jato se interessou em agregar esses inquéritos em suas investigações.

AS PROVAS DA JBS

É ingenuidade supor que o PGR Rodrigo Janot e o Ministro Luiz Edson Fachin investiriam contra Aécio Neves e Temer baseados apenas nas delações. É evidente que estão ancorados em quilos de documentos.

Além disso, houve busca e apreensão de documentos e equipamentos em locais críticos para Temer, como os escritórios da Argeplan.

MOVIMENTO 3 – A GUERRA DA MÍDIA

Nenhum jornalista minimamente experiente bancaria o laudo do tal perito-corretor de imóveis. É um documento tecnicamente vergonhoso.  Tem o mesmo valor do laudo de Ricardo Molina sobre a bolinha de papel no cocuruto do José Serra. Um laudo imprestável em que o perito usa o programa Audacity, meramente indica pontos de defeito na gravação, e termina taxativo dizendo que a prova é inservível.

O Audacity é tão amador que até eu tenho no meu computador para digitalizar LPs.

O APOIO VOLÁTIL DOS JORNAIS

O apoio da Folha e do Estadão a Temer durará o tempo justo para que um próximo governo de coalizão garanta a manutenção do pacote publicitário montado pelo ínclito Eliseu Padilha.

Aliás, bastará um deputado ou senador requisitar à Secom, Petrobras e Caixa Econômica Federal os mapas de mídia e de patrocínio para minar o apoio.

O ÁLIBI DA ESTABILIDADE ECONÔMICA

Otávio Frias Filho, da Folha, abriu mão da prudência e saiu a campo defendendo Temer com um discurso sem nexo (https://goo.gl/UinykA): Temer seria um novo Campos Salles que estaria se sacrificando, preparando o terreno econômico para que o seu sucessor possa brilhar.

Um teto de despesas não-factível, reformas radicais enfiadas goela abaixo da população, com 90% de desaprovação, cortes radicais em programas sociais ao mesmo tempo em que amplia os limites das emendas parlamentares, aparelhamento geral do Estado, inclusive em áreas antes preservadas, como a Eletronuclear, comprometimento de 40% do orçamento com juros, tudo isso e uma expectativa de crescimento de menos de um ponto, depois de 8 pontos de queda, é uma preparação de terreno para o caos, não para o paraíso.

Além disso, se um dos elementos da estabilização é a previsibilidade, como pensar em estabilidade econômica, com um presidente que pode, a qualquer momento, ser denunciado, processado, condenado, apeado do poder e preso? O único ganho da Folha foi trocar a coluna semanal de Aécio por Marcos Augusto Gonçalves, que nos brindou com um artigo-lava-alma (https://goo.gl/3M6TzO).

Mais prudente foi o Estadão, jogando na conta do repórter matérias como esta (https://goo.gl/IU8hHw), na qual o aquário manda o título e o lide e o pobre repórter é obrigado a correr atrás do recheio. Sai isso, só generalidades.

MOVIMENTO 4 – O ESTADO POLICIAL DA GLOBO E DO MPF

Com a aposta na queda de Temer, a Globo e o MPF (agora, através do Procurador Geral da República) atravessam definitivamente o Rubicão. Para o seu público, não há mais o álibi do antipetismo e nem o falso salvacionismo econômico que embasou a campanha do impeachment de Dilma. Trata-se exclusivamente de uma disputa de poder, incompatível com qualquer quadro de normalidade democrática.

Ontem à noite, um evento juntou mais de 200 advogados de todas as linhas políticas – incluindo a OAB-SP – contra o arbítrio. Parte relevante integrava até outro dia o clube de aliados incondicionais da Globo e dos defensores do impeachment.

Enquanto isto, o programa Fantástico de ontem abusava do massacre. Transformou em escândalo até o fato de um funcionário do BNDES ser membro do Conselho Deliberativo da JBS (https://goo.gl/jna8Oc). Meu Deus! Qualquer repórter minimamente bem-intencionado e informado saberia que grandes acionistas de empresas – como é o caso do BNDES com a JBS – tem assentos no Conselho Deliberativo. Ele não era um agente da JBS no BNDES: era um representante oficial do BNDES na JBS. Como criminalizar assim uma pessoa, para dezenas de milhões de espectadores, com base apenas nesse fato?

O maior exemplo da perda de rumo da Globo é o comportamento de seus jornalistas. Comportam-se como caubóis bêbados em saloons de filmes de faroeste, atirando a esmo, em qualquer vulto que se mova, típico de um exército obedecendo a ordens genéricas, sem uma estratégia sequer.

MOVIMENTO 5 – DIRETAS JÁ

Diretas-já ainda é uma proposta em andamento. Não há elementos para afirmar que será vitoriosa. Dependerá de uma desarrumação ainda maior no jogo político do golpe.

Mas, de qualquer modo, há sinais de tentativas de, finalmente, discutir um pacto nacional. Até Fernando Henrique Cardoso, escorregadio como um bagre ensaboado, começa a se dar conta da loucura da campanha delenda PT.

O pacto político terá enormes desafios pela frente.

Desafio 1 – livrar o país da bancada da JBS e Odebrecht

Não é desafio trivial, mas é urgente. Teria que haver eleições gerais com mudanças na legislação eleitoral. Derrubado Temer, há o risco de Rodrigo Maia assumir.

Desafio 2 – coibir os superpoderes da Globo

Os episódios Dilma e Temer comprovam que é impossível a um país democrático conviver com o poder concentrado em uma organização jornalística como a Globo. É tarefa de todas as forças democráticas, assim que for eleito um novo presidente.

Desafio 3 – mudanças estruturais no MPF e no Judiciário

Graças aos seus penalistas, o MPF se tornou um poder ameaçador, em que pese a enorme contribuição ao país da parte dos direitos humanos e difusos. Os abusos de poder de procuradores e juízes de primeira instância arrostam princípios mínimos de direitos individuais.

O novo presidente terá que alterar as formas de escolha do Procurador Geral e de indicação do próprio Conselho Superior do Ministério Público. E empreender uma enorme discussão política, para trazer o Conselho Nacional de Justiça ao seu leito constitucional, de fiscal do Judiciário.

Há dois caminhos pela frente:

  1. A eleição indireta, visando preparar o país para as eleições de 2018.

Nesse caso, dos nomes aventados, o ex-Ministro Nelson Jobim é o favorito, por sua familiaridade com o PSDB e com o STF, com os militares e com Lula.

  1. Eleições diretas.

Haverá dos grupos em disputa: os lulistas e os antilulistas. A governabilidade só será assegurada se, antes, houver esse pacto para o fortalecimento do centro político.

Família quer delação de Fred, primo de Aécio Neves

image

A prisão de Frederico Pacheco de Medeiros, na última quinta-feira, durante a operação Patmos, da Polícia Federal, abalou a família do empresário, primo do senador afastado Aécio Neves (PSDB). Um parente revelou que o ex-desembargador Lauro Pacheco de Medeiros Júnior, pai de Frederico, está “no chão” e não para de culpar o senador tucano pelo acontecimento.

“O Laurinho está muito nervoso com o Aécio e não para de xingar. A família não tem dúvidas de que o Fred só foi parar nesta situação por culpa do Aécio, então é um sentimento de revolta, de ódio”, disse.

O familiar confirmou que há uma mobilização para que Fred auxilie e ajude a Polícia Federal e o Ministério Público Federal a esclarecer as denúncias. “Fred é uma pessoa do bem e quis ajudar um parente. Pode ter certeza que ele irá, sim, prestar ajuda no que for necessário para auxiliar as investigações”.

O ex-desembargador Lauro Pacheco postou nota no Facebook, dirigindo-se ao próprio Aécio:

DAYgp6bXoAUjZuP

 (Com informações de O Tempo, de BH)