‘Vermelho Russo’ chega aos cinemas com proposta diferente

22 de maio de 2017 at 17:25 Deixe um comentário

18601521_10155190203288930_1301038700_n

POR DANIEL FEIX, no ZH

Em 2009, as atrizes Maria Manoella e Martha Nowill foram a Moscou estudar o método de atuação do russo Constantin Stanislavski (1863 – 1938). A empreitada gerou um texto publicado na revista Piauí e, oito anos depois, um longa-metragem que recria seus passos equilibrando-se entre o registro documental e a reinvenção ficcional.

O filme tem direção do carioca Charly Braun, do bom Além da Estrada (2011), road movie rodado no Uruguai que igualmente buscava a potência das imagens que se conformam na fricção entre o real e sua representação. Mas Vermelho Russo é diferente. Além de envolver a memória, opera na fronteira entre o que as atrizes vivenciam em territórios duplamente inóspitos: a cidade fria, desconhecida, com seu idioma indecifrável, e o palco no qual ensaiam textos de Tchecov (1860 – 1904), como A Gaivota e Tio Vânia, sob o olhar de um exigente encenador (Vladimir Poglazov).

23250152

A sensação de deslocamento se abate sobre elas. Talvez fosse intenção de Braun que esse impacto se desse na convivência pessoal e, ao mesmo tempo, quando elas se caracterizassem como personagens do grande autor russo, brincando sobre essas transformações forçadas pelas quais passam. O jogo de cena se estabelece, porém, não com a riqueza que essa premissa sugere.

As relações que elas e o amigo Tatu (Esteban Feune de Colombi, protagonista de Além da Estrada) firmam com pessoas que conhecem por lá, como a porteira de seu prédio (Svetlana Murashova) e um ator local (Mihail Trojnik), são exploradas como alívios em meio ao seu drama. O estranhamento também tem graça, Braun parece ressaltar, à maneira de Sofia Coppola em Encontros e Desencontros (2003). Não só isso. A presença de Tatu, que com uma câmera na mão filma o cotidiano das duas, impondo outra camada a esse jogo cênico, indica que o que interessa, em Vermelho Russo, é menos o estranhamento em si e mais o retrato desse estranhamento.

Intercalando imagens do próprio filme com as dessa câmera de Tatu, Braun provoca o espectador a pensar sobre essa dualidade. O problema, aqui, são as diferenças entre as imagens dessas duas fontes, que não são tão marcantes a ponto de promover uma quebra brusca de registro nem tão sutis de modo que possam passar despercebidas.

A despeito da irregularidade do resultado, Braun e suas protagonistas – espécies de coautoras do projeto – encontraram o que talvez seja mais difícil neste momento de profusão dos dramas realizados com um pé na ficção e outro no documentário: autenticidade. Foi como, refletindo sobre a encenação, o trio conseguiu refletir sobre o próprio cinema.

VERMELHO RUSSO

De Charly Braun – Brasil, 2016, 90 min.

Em Belém, pode ser visto de quarta-feira (24) até sábado (27), no Cine Líbero Luxardo.

Entry filed under: Uncategorized.

Leão confirma jogo contra o Cuiabá às 19h de domingo Torcedores colorados organizam recepção para o Inter em Belém

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,192,362 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 19.825 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

camiloferreira em Remo x Moto – comentário…
blogdogersonnogueira em Remo x Moto – comentário…
Edson do Leão - meu… em No sufoco, Remo vira e vence o…
Antonio Oliveira em Remo x Moto – comentário…
Anônimo em A frase do dia

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: