O custo de uma trapaça

unnamed

POR GERSON NOGUEIRA

A passagem do Papão pela Copa do Brasil foi, como previsto, meteórica. Durou apenas 180 minutos, tempo suficiente para que o Santos impusesse uma vantagem agregada de 5 a 1. A experiência foi válida, sob o prisma poético de Pessoa, segundo o qual tudo vale a pena quando a alma não é pequena. Lucrativa? Até certo ponto, sim. O clube ganhou a cota de participação nas oitavas de final e obteve R$ 139 mil (valor líquido) na partida realizada no Mangueirão, faturando no total quase R$ 1,2 milhão.

Melhor que nada, dirão os mais pragmáticos. Sim, mas podia ter sido bem mais que isso, se Confederação Sul-Americana e CBF tivessem respeitado os termos do regulamento da Copa Verde vigente até o ano passado. Pelo que estava escrito, o campeão do torneio tinha direito a uma vaga na Copa Sul-Americana. Brasília e Cuiabá, campeões em 2014 e 2015, respectivamente, tiveram direito à participação.

Caso as regras fossem mantidas, o Papão – vencedor da competição em 2016 – estaria agora em plena disputa da Sul-Americana, juntamente com Corinthians, Fluminense e Cruzeiro, que foi eliminado anteontem.

Nem é preciso matutar muito para projetar a grandiosidade de uma campanha internacional, revivendo as glórias da Libertadores 2003 e galvanizando atenções da torcida. Some-se a isso o lucro que seria amealhado a partir do natural interesse dos patrocinadores pela presença alviceleste no segundo mais importante torneio de clubes das Américas.

Volto ao tema por considerá-lo ainda atual e por se constituir num dos mais descarados assaltos aos direitos de um clube brasileiro. A CBF, como representante da Conmebol no Brasil e com óbvia influência política dentro da entidade, tinha o dever de se posicionar em defesa de seu filiado, não aceitando as condições do calendário imposto garganta abaixo de clubes e federações do continente.

Ao mesmo tempo, o bom senso aconselha que não se veja surpresa no fato de a CBF, dona de um alentado currículo de decisões alopradas e danosas aos clubes paraenses, ter se mantido em conivente silêncio quando a Conmebol sinalizou que iria tomar as vagas dos campeões da Copa do Nordeste e da Copa Verde. Isso tudo acontecendo nas barbas de um dirigente paraense (e bicolor) entronizado nos altos escalões da confederação brasileira.

Por outro lado, já não é de admirar o comportamento da mídia esportiva do Sul e Sudeste frente à trapaça que golpeou PSC e Santa Cruz, o campeão nordestino. Afinal, se é sempre estridente e implacável quanto a qualquer escorregadela mais destrambelhada por parte da CBF, a imprensa sudestina é historicamente preocupada apenas com os interesses dos clubes da região, de certa forma beneficiados pela rasteira que vitimou PSC e Santa.

Até hoje, porém, persiste a surpresa pela aceitação do PSC a tal despropósito, levando-se em conta a existência de base jurídica para questionar e buscar a justa reparação do dano que lhe foi causado pelas principais entidades do futebol no continente.

É possível que questões de natureza superior tenham impedido que medidas indenizatórias fossem reivindicadas nas instâncias cabíveis. Nesse caso, fica a torcida para que tal postura tenha sido a mais sábia.

————————————————————————————————-

Trio bicolor atrai a cobiça do Peixe

Soou meio graciosa a declaração do técnico Dorival Junior à imprensa de São Paulo, ontem, rasgando elogios a Rodrigo Andrade, Bergson e Leandro Carvalho, do Papão, depois da classificação santista à próxima fase da Copa do Brasil. O treinador ficou impressionado com a atuação do trio nos dois confrontos das oitavas de final.

Dorival sugere uma parceria interessante para o Peixe e péssima para o Papão: o clube de Vila Belmiro cederia atletas que não lhe servem mais em troca dos melhores jogadores do time paraense.

Para Rodrigo e Leandro, a transferência para o Santos seria benéfica, exibindo-os na vitrine da Série A e da Libertadores, mas o negócio só será interessante também para o PSC se envolver a devida compensação financeira.

(Coluna publicada no Bola desta sexta-feira, 12)

2 comentários em “O custo de uma trapaça

  1. Se a CBF tivesse mais respeito aos regulamentos, PSC nem sequer deveria ter disputado a copa verde do ano passado, onde as vagas eram do Parauapebas e Independente. Deram uma rasteira nos dois para colocar o PSC na competição

    Se fala da trapaça do PSC, mas ninguém fala da trapaça dos dois times do interior. PSC ficou mais que no lucro indo para as oitavas e abocanhado 1,2milhão de reais, onde se fosse pela meritocracia, não receberia nenhum um centavo.

    Curtir

  2. Acho injustiça apenas no quesito renda, que daria ao PSC um bom dinheiro, mas no quesito competitividade, não. A CV não tem nível técnico suficiente para credenciar ao campeão disputar o segundo maior torneio das Américas. Acho que pro PSC seria bem melhor conseguir o acesso à elite.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s