Archive for 8 de maio de 2017

Coronel Nunes recebe camisa e medalha pelo título estadual do Papão

unnamed

O vice-presidente da Federação Paraense de Futebol, Maurício Bororó, visitou nesta segunda-feira a sede da CBF no Rio de Janeiro, aproveitando para entregar ao coronel Antonio Carlos Nunes, vice-presidente da entidade, a camisa do Paissandu e a medalha de campeão estadual de 2017, conquistado no domingo. Nunes estava junto com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, que também ganhou uma camisa oficial do Papão, presenteada por Bororó. O coronel, conselheiro e grande abnegado, com bons serviços prestados ao clube, fez questão de tirar o terno para vestir a camisa alviceleste.

unnamed

8 de maio de 2017 at 19:14 11 comentários

Pois é…

C_TxzsGXcAAyu92

8 de maio de 2017 at 11:41 4 comentários

A frase do dia

C_MFuyrWAAAQWmd

8 de maio de 2017 at 9:17 1 comentário

Capa do Bola – segunda, 08

unnamed

8 de maio de 2017 at 1:47 3 comentários

Rock na madrugada – AC/DC, Gone Shootin’

8 de maio de 2017 at 1:46 Deixe um comentário

Em boas mãos

unnamed

POR GERSON NOGUEIRA

Papão e Leão fizeram uma decisão coerente com o nível geral do próprio campeonato. Emoção só nos lances capitais. Nos 90 minutos, muita transpiração e pouca criatividade. O título sorriu para o time que apresentou melhor distribuição em campo e qualidade de finalização nos pés de Bergson, o artilheiro do campeonato.

Até os 20 minutos, a partida era de um time só. O Papão foi à frente pressionando a última linha defensiva azulina, valendo-se da liberdade que Diogo Oliveira encontrava no meio e explorando as investidas de Hayner pela esquerda, com Bergson e Leandro Carvalho adiantados.

O Remo saía sempre com dificuldades, sem trabalhar a bola. Jaime, encarregado da ligação, não achava jeito de conectar o time. Em 45 minutos, Edgar recebeu dois lançamentos em ligação direta, em condições desfavoráveis contra a marcação alviceleste.

O Papão, ao contrário, era sempre mais organizado. Como no lance do primeiro gol, aos 30’. A bola saiu lá de trás e acabou nos pés do finalizador, em três toques. Depois de confusão na área bicolor, Diogo Oliveira lançou Bergson, que recebeu e bateu cruzado, abrindo o placar.

Os azulinos sentiram o impacto do gol e passaram a errar ainda mais. No final do 1º tempo, veio o lance mais polêmico do jogo, quando o árbitro Wagner Reway apontou falta inexistente sobre o goleiro Emerson, que havia saltado sobre dois atacantes do Remo. Seria o empate azulino.

Na segunda etapa, logo a 2 minutos, Alfredo teve a chance de liquidar a fatura, mas chutou mal e André Luiz evitou o gol. Para tentar dar novo gás ao time, Josué Teixeira substituiu Léo Rosa e Marquinhos por Rodrigo e Fininho. As mudanças surtiram efeito.

Fininho mandou uma bola na trave aos 12’. Três minutos depois, veio o empate. Após troca de passes na esquerda, a bola foi lançada a João Vítor no bico da área. Este cruzou para Rodrigo finalizar no segundo pau.

A empolgação pelo gol parece ter feito o Remo acreditar que dava para vencer e a partida ficou equilibrada. Marcelo Chamusca trocou Alfredo por Leandro Cearense e Carvalho por Recife. Nos 15 minutos finais, intensamente disputados, o Remo teve maior presença ofensiva.

Mas, aos 45 minutos, quando todos já estavam com a cabeça nas penalidades, a bola foi erguida por Ayrton, passou por Igor João e Cearense, chegando a Bergson, que chutou seco e rasteiro. Era o gol do título, que vai para o time que se preparou melhor, que pontuou mais e teve o artilheiro da competição.

Do lado remista, a convicção de que o grupo foi até muito longe diante de tantos atropelos internos. Acreditou e encarou a disputa com bravura, sendo golpeado por um descuido no último instante.

———————————————————————————————–

Palavras do campeão elevam o nível do debate

Ao final da partida, em meio às comemorações pela conquista, uma voz se ergueu restaurando a esperança em dias melhores para o futebol do Pará. Depois de muito tempo, um presidente campeão reservou alguns minutos para elogiar e reconhecer os méritos do adversário.

Com a taça de campeão, Sérgio Serra teve o cuidado e a grandeza de não ignorar os derrotados. Desportistas de verdade pensam assim, pois sabem que o futebol cria adversários e rivais, jamais inimigos.

————————————————————————————————

Chamusca: da desconfiança à volta por cima

O técnico Marcelo Chamusca passou as últimas semanas sob o fogo intenso das paixões bicolores. Torcedores pediam sua cabeça, embora ele tivesse levado o Papão a todas as finais possíveis neste começo de temporada.

Mesmo contestado, soube manter a calma e o resultado de ontem lhe concede carta branca para marchar rumo a outras façanhas. Santos e Luverdense que se cuidem.

(Coluna publicada no Bola desta segunda-feira, 08) 

8 de maio de 2017 at 1:46 24 comentários


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,238,828 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.636 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

celira em Remo x ASA – comentários…
lucilofilho em Remo x ASA – comentários…
blogdogersonnogueira em Remo x ASA – comentários…
blogdogersonnogueira em Remo x ASA – comentários…
blogdogersonnogueira em Remo x ASA – comentários…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: