MPT defende rejeição integral ao projeto que regula trabalho rural

O Ministério Público do Trabalho (MPT) divulgou nesta quinta-feira (5), nota técnica sobre o projeto de lei que institui normas reguladoras do Trabalho Rural (PL 6442/16), de autoria do deputado Nilson Leitão (PSDB-MT). Na avaliação do MPT, o projeto que tramita na Câmara dos Deputados viola princípios constitucionais, convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e trará profundo prejuízo às relações de trabalho no meio rural, representando um grande retrocesso social. A nota defende a rejeição total do projeto.

De acordo com o estudo feito, o projeto de lei acarreta amplas e graves consequências, com repercussões diretas nas condições de saúde e de segurança no trabalho desenvolvido no meio rural. Se aprovado, poderá levar a um aumento exponencial da precarização das relações laborais nesse importante segmento, que abrange parcela expressiva dos trabalhadores em âmbito nacional.

Um dos pontos mais graves é o que permite a remuneração dos trabalhadores pelo fornecimento de alimentação e moradia. O projeto desobriga o pagamento de salário em tais condições.

A nota ainda condena outros pontos da proposta, tais como a extinção do direito às chamadas “horas in itinere” (tempo despedindo pelo empregado até o local de trabalho e para o seu retorno quando o empregador fornece o transporte); a autorização para a venda integral de férias regulares; autorização para prorrogação da jornada diária normal por até quatro horas, nas hipóteses de “necessidade imperiosa ou em face de motivo de força maior, causas acidentais, ou ainda para atender a realização ou conclusão de serviços inadiáveis, ou cuja inexecução possa acarretar prejuízos manifestos; o a autorização para o trabalho aos domingos e feriados sem qualquer condicionante, entre outros pontos.

Galeria do rock

original_resize_720_360

O Queen no auge do sucesso, em 1978: Freddie Mercury, John Deacon, Brian May e Roger Taylor. Banda inglesa surgiu em 1970, influenciada por Beatles e Led Zeppelin. Produziu em duas décadas uma sequência impressionante de hits, com êxito em escala mundial. A performance de Mercury nos shows era o grande destaque do grupo. O grande momento da banda foi em 1977, com o lançamento do álbum “News of the World”, que continha o clássico “We Are The Champions”.

A partir de 1980, com o uso intenso de sintetizadores, o Queen perdeu majestade, começou a colecionar críticas mais duras e perdeu fãs roqueiros, embora ainda criando grandes canções, como “Radio Ga Ga” e “I Want To Break Free”. Com a morte de Mercury, vítima da Aids, a banda perdeu sua principal identidade, embora ainda se reúna esporadicamente com Brian May e Roger Taylor ao lado de Paul Rodgers e Adam Lambert.

1975-queen

Record é condenada a indenizar jornalista demitido por justa causa

A Record TV de Minais Gerais foi condenada a indenizar o jornalista e editor João Lucas Salgado Machado, que foi demitido em março de 2016 por justa causa. A juíza responsável pelo caso levou em consideração que o profissional desempenhava bem suas funções e que o ambiente de trabalho na redação da emissora “era estranho”. As informações são do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG).

De acordo com as informações da entidade, o jornalista foi dispensado por justa causa depois de 13 anos de empresa. A causa teria sido uma discussão e falta de respeito com o chefe. A situação, entretanto, não lhe rendeu nenhum tipo de suspensão. A juíza ainda observou a afirmação da advogada da Record, que disse que o editor “desempenhava suas atividades de forma primorosa, sendo referencial para seus colegas”.

Sobre a briga que teria motivado a demissão, a juíza achou estranho que no ambiente de redação as pessoas teriam agido com frieza inusitada diante da situação. “Chama a atenção o comportamento dos colegas de trabalho em seguida ao início da discussão e nos seus primeiros 5 a 6 minutos. Ao menos cinco colegas ocupando suas mesas bem próximas ao do reclamante e ao espaço físico do setor onde ocorria o conflito. Mantiveram-se inertes, do início ao fim da discussão; ninguém fez nada; continuaram nas suas mesas, na execução dos seus afazeres como se nada tivesse acontecendo”.

Em contato com o sindicato, Machado afirmou que está aliviado com a decisão e ainda explicou que no período em que foi demitido estava doente, sofrendo de depressão. “Não somos máquinas. Todos têm problemas e as empresas precisam humanizar o trato com os colaboradores. Um dia ruim não pode ser motivo de demissão por justa causa depois de tantos anos de trabalho. Não é justo”.

Diretor executivo da Record TV Minas, Gustavo Paulus afirmou que a empresa vai recorrer. (Do Comunique-se)

O preço do sucesso

POR GERSON NOGUEIRA

Às voltas com três decisões nos próximos 12 dias, o Papão encara o dilema de ter que eleger prioridades, se é que isso é possível para um clube de massa. No futebol, como em qualquer outra competição, é legítimo e natural querer ganhar tudo. O problema é que determinadas circunstâncias podem conspirar contra, fazendo com que não se conquiste nada.

No confronto que abre a final da Copa Verde, hoje à noite, em Cuiabá, o Papão deve apresentar um time quase alternativo, que lembra um pouco o que enfrentou o São Francisco (3 a 0) e o Independente (1 a 0) na etapa classificatória do Parazão. A experiência funcionou bem, tanto é verdade que alguns nomes passaram a efetivos.

Em meio à maratona provocada pela chegada às finais do Estadual e da CV, mais a briga pela classificação na Copa do Brasil, a comissão técnica se vê obrigada a poupar peças de olho nos próximos duelos (Remo no domingo, 7; Santos na quarta-feira, 10, e Luverdense, dia 16).

É o chamado preço do sucesso. Caso tivesse ido mal das pernas, nem tivesse um mínimo de sorte, o Papão estaria livre das decisões e da sobrecarga proveniente de tantos jogos em sequência.

O terrível dilema está nos riscos dessa tomada de decisão. Afinal, cabe poupar titulares num confronto que pode comprometer a luta pelo bicampeonato da CV¿ A título de não precipitar lesões mais sérias, o técnico optou por não levar a Cuiabá o artilheiro Bergson, o zagueiro Gilvan e o volante Wesley, titulares absolutos da equipe.

A sorte está lançada. Na hipótese de resultado insatisfatório, surgirão críticas pela prioridade dada ao Campeonato Estadual. Se, ao contrário, o time tiver bom desempenho frente ao Luverdense, Chamusca será aclamado pela estratégia inteligente. Como se sabe, muitas vezes a diferença entre gênio e bestial é apenas uma questão de circunstância.

Não se pode esquecer que, para chegar à terceira final de Copa Verde, o time não encontrou facilidades, apesar do nível técnico dos adversários nas fases classificatórias. Precisou de nervos de aço contra o modesto Galvez do Acre, passou com certa dificuldade pelo Águia e se classificou superando o Santos do Amapá em dois jogos complicados. Cabe observar que, em nenhum desses cruzamentos, passou confiança absoluta.

Em meio a isso, Chamusca continua a ser questionado por grande parte da torcida, mesmo exibindo números interessantes. Até o jogo contra o Santos na Vila Belmiro, mantinha invencibilidade de 15 partidas. No Parazão, não perde há nove jogos.

Paga o preço da ausência de peças qualificadas nos setores vitais da equipe, a começar pela meia-cancha, onde Diogo Oliveira e Daniel Sobralense não vingaram. Sem um centroavante que convença, o ataque sobrevive da rapidez e do oportunismo de Bergson, o que é muito pouco. Deu para o gasto até aqui, mas é temerário garantir que vai continuar a dar certo.

A sorte está lançada. Na hipótese de resultado insatisfatório, surgirão críticas pela prioridade dada ao Estadual, obviamente em nome da rivalidade histórica. Se, ao contrário, o time se sair bem frente ao Luverdense, Chamusca será aclamado pela estratégia inteligente.

Como se sabe, muitas vezes a diferença entre gênio e burro é apenas uma questão de circunstância ou ponto de vista. A conferir.

————————————————————————————————

Uma nova oportunidade para Magno

A boa participação no Campeonato Paraense, defendendo o Independente, pode valer a Magno a chance de disputar a Série B. Está na mira do Papão e, segundo informações vindas de Tucuruí, interessa também ao Vila Nova-GO. Pelo desempenho em certames regionais, o atacante tem plenas condições de aparecer bem na competição nacional.

Teve curta passagem pelo Remo, sem merecer oportunidades para se estabilizar. Sofreu com a inconstância e o desconhecimento dos treinadores sobre o seu futebol. Com Léo Goiano, voltou a mostrar o que sabe. E o interesse de outros clubes confirma a boa fase.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 04)

Papão treina e Chamusca mantém mistério sobre escalação

unnamed

unnamed

O time do Paissandu desembarcou nesta quarta-feira em Cuiabá para enfrentar o Luverdense amanhã à noite, 20h30, pela decisão da Copa Verde. O técnico Marcelo Chamusca comandou um treino leve e continuou sem divulgar a escalação do time.

Pelos últimos coletivos, a tendência é que o Papão entre em campo com a seguinte formação: Emerson; Ayrton, Lombardi, Pablo e Willian Simões; Augusto Recife, Capanema, Rodrigo Andrade e Jonathan (Diogo Oliveira); Alfredo (Cearense) e Leandro Carvalho. (Fotos: FERNANDO TORRES/Ascom-PSC)

unnamed