Madrasta rica

unnamed (54)

POR GERSON NOGUEIRA

Números compilados pelo site Toró Tático sobre a renda líquida do Campeonato Paraense 2017 causaram alvoroço ontem nos meios esportivos locais, embora não sejam tão surpreendentes assim. Tabela comparativa mostra que a Federação Paraense de Futebol arrecada mais do que a maioria dos filiados, ficando atrás apenas da dupla Re-Pa, tendo embolsado até agora R$ 223.832,60.

Os dois grandes rivais ocupam as primeiras posições. O Remo faturou R$ 508.968,61. O Papão ganhou R$ 443.691,59.

Observa-se um cenário em que, sem precisar contratar um jogador ou vencer uma partida, a entidade máxima do futebol estadual posiciona-se em terceiro lugar no dinheiro obtido com as rendas dos jogos, bem à frente de São Raimundo, que arrecadou R$ 171.015,86, e São Francisco, que ficou com R$ 78.014,73.

Em relação aos demais participantes do campeonato, a vantagem da FPF é ainda mais avassaladora. Faturou sozinha mais que Castanhal, Pinheirense, Independente, Cametá, Paragominas e Águia juntos – R$ 180.291,54 foi o total arrecadado por estes clubes até a sétima rodada da competição, o que representa 19,5% a menos que o dinheiro ganho pela entidade.

O que soa esdrúxulo é que a entidade, que não tem fins lucrativos, deveria lutar para que seus filiados alcançassem a solidez financeira necessária para evitar cair na política do pires na mão a cada começo de temporada.

Na prática, a FPF é mera organizadora dos torneios oficiais no Estado, mas não atua de forma a se tornar indispensável quanto à formulação de alternativas para o futebol profissional, que possam vir a representar uma libertação do suporte financeiro dado pelo governo do Estado e que pode ser suspenso de uma hora para outra.

Não é a primeira vez que a FPF se destaca no faturamento dos torneios, superando os clubes participantes, mas o exemplo deste ano talvez marque o começo de uma tomada de consciência por parte dos clubes. Com a vantagem absurda de tirar o seu naco da renda bruta das partidas, a entidade desfruta da condição de sócia privilegiada, pois ganha mais que os demais parceiros sem correr qualquer risco de prejuízo.

O grave da história é que, em termos estatutários, a FPF deveria ser a incentivadora e executora de políticas voltadas para o desenvolvimento do futebol no Estado. A ironia é que, apesar dos ganhos auferidos, a entidade só se destaca pela falta de ideias criativas, omissão em relação aos clubes e má gestão interna – que resultou no rombo financeiro em 2016, provocado por sonegação de tributos e outras irregularidades contábeis.

——————————————————-

Leão às voltas com um franco-atirador

O Remo tem hoje à noite a missão encardida de superar o Atlético-AC para avançar na Copa Verde. Precisa vencer ou empatar sem gols. O confronto de ida, em Rio Branco, mostrou que o time acreano tem muitas limitações na zaga, mas é rápido do meio para frente e tem pelo menos um jogador a ser vigiado de perto, o meia-armador Polaco.

Sem o ala Jaquinha e o artilheiro Edgar, que vai compor o banco de reservas, o Remo terá que se acautelar no embate com um típico franco-atirador. A história recente é rica em exemplos de times modestos que surpreenderam o Leão dentro de casa. Rio Branco, Palmas e Holanda são apenas os casos mais dramáticos.

O técnico Josué Teixeira continua a apostar suas fichas no sistema com dois meias, Eduardo Ramos e Flamel, e ações ofensivas entregues a Jayme e Nano Krieger. O quarteto esteve junto, com bom rendimento, no confronto com o Pinheirense, no último domingo, pelo Parazão. Ramos terá a responsabilidade de organizar o meio e ajudar os homens de frente.

Em situação normal, o Remo seria favorito absoluto no mata-mata com o representante do Acre. Acontece que o nivelamento técnico das equipes regionais e a tradição aguerrida dos times visitantes sempre deixam no ar a possibilidade de resultados inesperados.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 16)