Juiz do TSE mostra os crimes que Moro e procuradores escondem

14 de março de 2017 at 7:51 3 comentários

images-cms-image-000537382

POR JEFERSON MIOLA – no Brasil247

A divulgação dos depoimentos prestados por Marcelo Odebrecht e três ex-diretores da empreiteira na ação do TSE que julga o pedido de cassação da chapa Dilma/Temer é outra prova incontestável de que Moro, Janot e os procuradores da Lava Jato sempre escondem os fatos que debilitam o governo Temer e atingem o bloco golpista.

Num intervalo de apenas 10 dias, o juiz do TSE que relata o processo contra a chapa Dilma/Temer, Herman Benjamim, colheu depoimentos de delatores da Lava Jato e promoveu acareação entre os depoentes para esclarecer contradições sobre detalhes do envolvimento de Michel Temer no recebimento de R$ 10 milhões de propinas da Odebrecht.

As apurações no TSE trouxeram à tona informações detalhadas sobre o rateio da propina no PMDB, a tarefa de cada um no esquema e, inclusive, os códigos e senhas [sic] combinados para o recebimento do dinheiro.

A apuração é devastadora para o governo golpista; incrimina Michel Temer e Eliseu Padilha e desnuda a mecânica da corrupção operada por Eduardo Cunha e seus sócios.

Mais grave, contudo, é que tais fatos são do conhecimento da Lava Jato há muitos meses, quando colheram os depoimentos destes mesmos delatores da Odebrecht que ofereceram essas mesmas informações, mas foram ocultados pelo juiz Moro e procuradores da república.

Não é a primeira vez que crimes e fatos desfavoráveis ao bloco golpista são acobertados e só posteriormente descobertos. Esta é uma prática constante da força-tarefa da Lava Jato.

São notórias as circunstâncias, por exemplo, em que Moro age não como juiz, mas como advogado de defesa do presidente usurpador, como na anulação das perguntas que Cunha endereçou ao Temer sobre o autodenominado “mula” do Padilha, José Yunes.

O modus operandi do Moro e procuradores é bastante conhecido: escolhem o que investigam, e selecionam o que e quando divulgam.

A Lava Jato, lamentavelmente, foi transformada num tribunal de exceção para demolir o PT e impedir a candidatura do ex-presidente Lula à presidência do Brasil.

Os juízes, policiais federais e procuradores da Lava Jato, sempre que descumprem o dever de funcionário público, também deixam de cumprir os deveres constitucionais e legais exigíveis dos operadores da justiça. Isso diminui cada vez mais a credibilidade e a confiança da força-tarefa.

É fundamental que haja transparência nas investigações e monitoramento externo à força-tarefa. O controle exclusivo destes processos por funcionários públicos de duvidosa ética e isenção, poderá colocar toda a Operação sob suspeita e perpetuar a estratégia de investigação seletiva e enviesada.

À medida em que se aguarda o indiciamento de centenas de políticos, além de outras centenas de pessoas envolvidas em crimes de corrupção, é ainda mais imperioso assegurar transparência plena à Operação.

A opacidade e o segredo interessam unicamente a quem quer manipular, controlar e instrumentalizar a Lava Jato para atingir inimigos políticos e ideológicos.

O levantamento imediato do sigilo dos processos da Lava Jato, para que a sociedade possa conhecer os fatos apurados em sua extensão completa, é a exigência mínima para garantir alguma decência e lisura nas investigações.

Entry filed under: Uncategorized.

É hoje! Depois do golpe, Justiça agora fala em preservar estabilidade

3 Comentários Add your own

  • 1. Antonio Oliveira  |  14 de março de 2017 às 9:18

    Levantamento do sigilo, já!!!

    Curtir

  • 2. Jorge Paz Amorim  |  14 de março de 2017 às 10:12

    A Lava Jato transformou-se prematuramente na degeneração da sua musa inspiradora, a ‘Mãos Limpas’. E olha que esta já foi um ponto fora da curva jurídica com todas as suas arbitrariedades que cometeu, causando a decadência econômica daquele país, além de criar um monstro chamado Silvio Berlusconi.
    No entanto, o famigerado similar tupiniquim nasceu fadado ao fracasso não só pela inversão teratológica de princípios do direito, prendeu pra depois investigar e puniu sem provas impondo o ônus dessas ao acusado, mas pela escolha infeliz dos ‘justiceiros’ que a conduzem: um juiz com notórias ligações políticas e passado nebuloso no abafar malfeitos de simpatizantes e procuradores movidos por convicções pessoais na mesma proporção do desprezo que nutrem pelos direitos individuais.
    Deu nisso que aí está. À margem de um país quebrado por conta da paralisia econômica, muito vitimado pela quebra de empresas, todavia, principalmente pela excessiva leniência com facínoras do tipo Alberto Youssef, Paulo Roberto Costa Sérgio Machado todos soltos soltos apenas porque falaram aquilo que esses verdugos togados queriam ouvir.
    Sem contar aqueles casos que pedem flagrantemente abertura de investigação, mas que esses bacamartes curitibanos acham não vir ao caso.

    Curtido por 1 pessoa

  • 3. lopesjunior  |  14 de março de 2017 às 19:18

    Verdade, caro Amorim, a Lava-Jato não transformou-se em operação política, mas já nasceu política, encomendada para liquidar o PT. Só não enxerga quem acompanha o caso pela Rede Globo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,426,145 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 13.033 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: