Archive for 10 de março de 2017

Rock na madrugada – Paul McCartney, My Brave Face

10 de março de 2017 at 23:49 Deixe um comentário

Copa BR: Corinthians derruba Luverdense

10 de março de 2017 at 12:27 6 comentários

Fogão estreia com vitória na Taça Rio

10 de março de 2017 at 12:25 Deixe um comentário

Programa Sócio Bicolor lança nova promoção

unnamed (54)

10 de março de 2017 at 10:21 21 comentários

Fé cega, faca amolada

POR GERSON NOGUEIRA

Há uma brutal diferença a separar jogos comuns de acontecimentos épicos no futebol. Nem o fato de o PSG ter se entregue de corpo e alma a uma ridícula tática defensivista diminui o tamanho do feito do Barcelona, no confronto de anteontem. Nem os erros de arbitragem reduzem a importância da façanha. Foi um jogaço, graças à aplicação e à fúria obsessiva do time espanhol.

Quando você ouvir um desses gurus da autoajuda falar em força mental procure pensar nesse time do Barcelona. Ter fé é fundamental em qualquer atividade humana. Biblicamente, a mensagem é definitiva: a fé remove montanhas. Ora, o Barça se apegou a esse princípio.

Deu certo. Nos últimos 20 minutos da decisão com o PSG, o mundo viu um time obcecado pelo gol, indo às últimas consequências para botar a bola no barbante. Daqui a algumas décadas, quando os moleques de hoje forem senhores, certamente irão recomendar que se veja o vídeo a partir dos 30 minutos do segundo tempo. É o bastante.

O futebol devia ser sempre assim. Jogado com paixão e entrega. Sem meio-termo, indo às últimas consequências. Como se não houvesse amanhã – e, na verdade, não havia.

Muitas coisas ficaram provadas no gramado do Camp Nou. A mais importante de todas é que não há resultado impossível de ser buscado. Os jogadores do Barça não hesitaram em nenhum momento. O técnico, Luis Henrique, também não. Ele, por sinal, armou um esquema todo voltado para imprensar o PSG, sem dar espaço e nem permitir sossego.

Sem laterais, mas com meias que corriam pelos lados, o Barça foi inclemente. Martelou do começo ao fim. Quando o primeiro tempo terminou, com 2 a 0 no placar, veio a impressão de que não ia dar.

Ficou ainda mais complicado quando Cavani descontou, deixando o placar em 3 a 1 e obrigando os catalães a fazerem mais três. Ora, a maioria dos times do planeta, mesmo diante de suas torcidas, iria sentir o golpe, arrefecer e entregar os pontos.

O Barça levou apenas alguns minutos para reagir. Neymar cobrou falta com perfeição e ampliou, devolvendo a sensação de que dava para chegar. Instantes depois, sofreu o pênalti e converteu, a poucos minutos do fim.

A luta contra o relógio fez com que o Barça atingisse o estágio da superação absoluta, quando há uma combinação de vontade física e de atitude mental positiva. Todos os jogadores centrados na ideia de que o sexto gol estava ali, à porta.

E começou a ser construído pelos pés de Neymar, o dono da reação, motor da sobrevivência. Mandou a bola na área, cruzada e precisa, para Sergi Roberto desviar para as redes.

Aí, por breves e intermináveis segundos, a história transpôs os limites do Camp Nou e invadiu o mundo, transformando em catarse coletiva a empolgante conquista do Barça. Tão tocante que até o frio Messi explodiu em gritos – como nunca havia feito antes – e foi comemorar com a torcida, como um Cantona reencenado.

Foi bonito. Viu-se a história acontecendo diante de todos. Como o 7 a 1 da Alemanha, no Mineirão, este é um capítulo que jamais será esquecido.

Repito: o feito suplanta até os pecados da arbitragem errática. Haverá sempre alguém a lembrar que Di Maria foi tocado na área quando o jogo estava 3 a 0, em pênalti ignorado pelo apitador. Acontece. São coisas que infelizmente o futebol se acostumou a ver, seja na Champions League, na Copa Verde ou na Lampions League.

O que não é rotineiro ocorrer foi a transfiguração de um time, obstinado a ponto de alcançar a classificação contra uma equipe igualmente forte, sem esmorecer em nenhum instante. E jogando muita bola, com passes no chão toques rápidos, sem jamais abrir mão de seu principal trunfo: a técnica refinada a serviço do resultado.

O futebol renasce sempre que alguém o homenageia dessa forma. Depois desse jogo, a temporada 2017 já pode acabar.

Importante observar que ninguém mais vai poder dizer que Neymar é pipoqueiro ou cai-cai. Tomou conta do jogo e ainda teve fibra para pegar a bola e cobrar um pênalti diante de 100 mil catalães. É preciso ter sangue nas veias para agir assim (Bebeto, nos idos de 90, refugou numa situação idêntica, em La Coruña). O craque brasileiro se agigantou e atingiu um novo patamar, só reservado aos grandes heróis.

(Coluna publicada no Bola desta sexta-feira, 10)

10 de março de 2017 at 9:43 11 comentários

CBF confirma jogo contra Alemanha

A Seleção Brasileira enfrentará a Alemanha não dia 27 de março de 2018, a três meses da Copa do Mundo da Rússia. A partida Será, realizada em Berlim, no Estádio Olímpico. O coordenador de Seleções, Edu Gaspar, pontuou a importância da partida no ano do mundial. “Jogar contra uma seleção de alto nível, como a Alemanha, será uma prova fundamental para nossos atletas e Comissão Técnica. Ainda mais por se tratar de um jogo na casa do adversário e em um ano importantíssimo para nossa Seleção”.

Tomara não aprontem mais um vexame tsunâmico.

10 de março de 2017 at 9:41 Deixe um comentário

Capa do Bola – sexta-feira, 10

unnamed (57)

10 de março de 2017 at 9:36 6 comentários

Posts antigos


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,279,669 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.713 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Antonio Oliveira em Mais que mil palavras
Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Nelson Albuquerque em Rock na madrugada – John…
Antonio Valentim em O adeus do Rei da Comédia

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: