Papão busca reforço para o ataque

A baixa produção do ataque nos últimos jogos fez com que o técnico Marcelo Chamusca solicitasse à diretoria do Paissandu a contratação de um novo atacante, especialista em jogar pelos lados do campo. Apesar de não haver confirmação oficial, o clube corre contra o tempo para encontrar um jogador com esse perfil, a tempo de inscrever no Parazão – prazo se encerra nesta sexta-feira, 10.

O gerente de Futebol, Fernando Leite, não confirmou a busca por um reforço para o ataque, mas Chamusca foi firme no diagnóstico: o time precisa de um jogador rápido para o ataque. Bruno Veiga, que tem essas características, se transferiu para o Cuiabá-MT.

Na Curuzu, especula-se que o Papão poderá anunciar também a vinda de um meia de ligação, posição ainda não preenchida desde a saída de Tiago Luís no final do ano passado. No Parazão, Chamusca tem optado por jogar com três volantes, por não contar com um armador para a criação de jogadas. Diogo Oliveira e Daniel Sobralense não conseguiram convencer até o momento. (Com informações do Bola e da Rádio Clube)

Um reforço de luxo

POR GERSON NOGUEIRA

Alguns jogadores carregam certo chamariz para a polêmica, mesmo que não pretendam despertar isso. Eduardo Ramos é um exemplo.  Ídolo da torcida do Remo em 2015, quando foi decisivo na campanha de acesso à Série C, deixou o Evandro Almeida no final do ano passado, cedido por empréstimo ao Santo André. Com a ida para São Paulo, seu nome saiu do radar dos debates e arengas diárias entre as torcidas nas redes sociais.

Ontem, diante da notícia de que havia se desligado do clube paulista, surgiram logo especulações quanto ao seu futuro e pipocaram boatos em Belém. De um lado, grande parte da torcida remista aplaudindo o seu retorno por entender que acrescentará qualidade ao time de Josué Teixeira.

No outro canto do ringue, os rumores em torno de uma improvável volta do meia à Curuzu, onde persiste uma espécie de cábula com a camisa 10, e a rejeição absoluta ao seu nome, manifestada pela maioria dos bicolores.

A bronca é fácil de entender. Ramos deixou o Papão e atravessou a Almirante Barroso para vestir o figurino do projeto azulino Camisa 33. A jogada de marketing não funcionou e a festa de apresentação foi um fiasco, mas Ramos conquistou a simpatia da massa remista com boas atuações e uma inegável dedicação ao clube. Perdeu um pouco desse prestígio com o fracasso do time de Waldemar Lemos na briga pelo acesso à Série B.

A negociação salarial ainda está em marcha, mas a chegada a Belém foi confirmada para amanhã. Reuniões ainda devem acontecer hoje, entre a direção do Remo e Carlos Ramos, pai e representante legal do jogador.

Tudo faz crer que o Remo deve ser mesmo o destino de Ramos. Ele já teria concordado com a proposta do clube, faltando pouco para sacramentar seu reingresso nas hostes azulinas. A oficialização deve ocorrer até sexta-feira, quando finda o prazo para a inscrições ao Campeonato Paraense.

Em termos práticos, a chegada de um especialista na armação de jogo representa um grande alento para Josué Teixeira, que vinha tendo que improvisar em vários momentos das partidas.

Mesmo com a boa campanha no Parazão, o Remo tem sofrido com a qualidade da transição e da formulação de jogadas. Recuado para exercer a função, Flamel até teve bom desempenho, mas jogava sozinho na meia-cancha e sem substituto à altura. A volta de Ramos permitirá que avance para a posição de meia-atacante, como atuava no Águia. Com ambos, o Remo cresce em ofensividade.

Sem muitas peças de reposição no elenco, Josué passará também a contar com um organizador qualificado e experiente para dar musculatura a um time ainda em montagem, que terá desafios cada vez maiores – no Parazão, na Copa Verde e na Série C.

—————————————————–

Desafio de xadrez em gramado espanhol

Acontece hoje, no Camp Nou, um jogo muito esperado por todos que se debruçam sobre os meandros das estratégias como forma de entender o jogo. Com o encrespado desafio de bater o Paris Saint Germain pelo placar de 5 a 0 (jogo de volta das oitavas da Champions), o Barcelona já escancarou o plano de batalha. Hiper mega agressivo, como naturalmente é um time que conta com Messi, Neymar e Suarez, e mais ousado do que nunca foi no aspecto tático.

Em expediente inédito nestes tempos de futebol amarrado e pragmático, Luis Enrique decidiu sacrificar seus laterais para imprimir ainda mais poder de fogo à formidável brigada ofensiva azul-grená. O esquema tem a aparência de um 3-4-3, com o tridente MSN puxando o rolo compressor.

Que ninguém duvide da disciplina dos catalães e da eficácia da ideia. No fim de semana, o Barça testou o formato contra o Celta e goleou por 5 a 0. Claro que o time de Vigo não é o PSG, mas o Barça não costuma escolher cara para aprontar das suas.

O desenho é simples: Piqué, Alba (Mascherano) e Umtiti na zaga. Sergi Roberto como meia avançado pelo lado esquerdo, Iniesta e Busquets centralizados, Rakitic mais à direita. E o trio infernal logo à frente, abrindo as comportas francesas.

(Coluna publicada no Bola desta quarta-feira, 08)