Atacante chega ao Leão e nega fama de farrista

A Diretoria do Remo apresentou nesta quinta-feira o último reforço para a disputa do Parazão e da Copa Verde. É o atacante Edgar, 30 anos, cedido pelo Sampaio Corrêa (MA). Curiosamente, Edgar iniciou carreira no futebol paraense, defendendo o Ananindeua, em 2008. Na entrevista de apresentação ele disse conhecer bem a torcida azulina: “Você entra ali no Mangueirão, vê aquela torcida e se arrepia. Aquilo me deu mais motivação para vir para cá. O professor Josué (Teixeira, técnico do Remo) ligou para eu vir para cá e falei que vinha para cá ajudar ele. Nesse período que eu vou ficar, vou me dedicar ao máximo para ajudar a equipe com muitas vitórias”.

O Remo joga com o Sampaio no dia 12 de janeiro, no Souza, e Edgar pretende entrar na partida. “O presidente Sérgio Frota (Sampaio) ligou para o Josué dizendo para ele não me colocar nesse jogo. Mas eu vou treinar e quero jogar, quero pegar ritmo o mais rápido possível”, disse.

Sobre a fama de farrista, Edgar negou categoricamente. “Isso é conversa de pessoas que não gostam do jogador. No Sampaio, eu fiz por onde. Às vezes, o cara perde um treino por doença, e pensam que a o cara está na vagabundagem. E a torcida vai ver que sou um jogador diferente e não sou nada disse que falaram”, explicou. (Com informações de Café Pinheiro/Bola) 

Papão é eliminado da Copinha com gol nos acréscimos

Um gol no final da partida, como na estreia frente ao Paraná, eliminou o Paissandu da Copa São Paulo de Futebol Junior, na tarde desta quinta-feira. Jogando contra a Penapolense-SP, os bicolores até fizeram um jogo bem equilibrado, mas falhas individuais levaram à derrota. Os paulistas abriram o placar aos 38 minutos do segundo tempo, com Adriano. Aos 44 minutos, Ramonzinho empatou para o Papão. Mas, aos 48 minutos, deu números finais à partida, aproveitando vacilo da marcação bicolor. Como havia sido derrotado na estreia, o Papão foi eliminado antecipadamente da disputa. Cumprirá tabela na terceira rodada jogando contra o Volta Redonda-RJ.

Ganso sofre no futebol espanhol

paulo-henrique-ganso-na-partida-do-sevilla-contra-o-alaves-pelo-campeonato-espanhol-1475346191264_956x500

POR LUIZ ANTÔNIO PRÓSPERI

Paulo Henrique Ganso deixou o São Paulo negociado ao Sevilla por 10 milhões de euros, em junho de 2016. Convenceu dirigentes do clube paulista do seu desejo de jogar no futebol europeu. Carregou com a sua transferência o sonho de se destacar no time de Jorge Sampaoli e dali pular para um gigante, quem sabe um Real Madrid, um Barcelona, reatar a parceria com Neymar. Seis meses depois, Ganso sofre duras críticas e pouco aparece em campo. Quando joga, vira alvo de pedradas da imprensa local.

Sua desastrosa atuação na derrota (3 a 0) do Sevilla para o Real Madrid nesta quarta-feira (04/01), na Copa do Rei, durou apenas 45 minutos. Sacado no intervalo, viu seu nome ser escorraçado nos jornais espanhóis.

“O ritmo de Ganso o impende de jogar contra uma equipe tão exigente como o Real Madrid. A dura realidade é que ele não divide nenhuma bola, observa as jogadas passivamente do semicírculo da área central, por exemplo. Ele tem capacidade de fazer algo diferente, mas atualmente é um a menos em campo”, disse o Diário de Sevilla.

“O brasileiro deixou claro que seu ritmo vale para países de menos nível. Na Espanha, foram apenas flashes. Durou apenas 45 minutos (contra o Real Madrid). Sampaoli, seu principal patrocinador no Sevilla, teve que retirá-lo porque os adversários não encontravam qualquer oposição ali. O técnico argentino acha que pode tirar de Ganso o futebol que há lá dentro, mas a desvantagem é que a qualidade dele não está acompanhada de velocidade e sacrifício, como se espera no futebol espanhol”, relatou o Marca.

Aos torcedores e imprensa espanhola o prazo de Ganso venceu. Sampaoli, por enquanto, é seu único defensor. Até por isso, o jogador brasileiro tem ainda esperança de voltar a atuar em alto nível.

O problema é que falta mobilidade. Desde que seus joelhos foram avariados por lesões e cirurgias, Ganso não emenda uma boa temporada na outra. Futebol ele tem de sobra. Resta saber se vai atender às exigências da bola que se joga na Europa. O tempo escorre e seu talento não consegue convencer os críticos.

Por enquanto, sua volta ao futebol brasileiro está descartada. Nem mesmo uma transferência dentro do futebol europeu é cogitada nesta janela do mercado em janeiro.