Verdão domina a grade da TV na Libertadores

622_dab6355f-d007-3315-bfb3-49bcc45b89f6

O Palmeiras geralmente é um dos clubes que mais tem o que reclamar quando o assunto é número de jogos na TV aberta. Mas, ao menos na Libertadores, o torcedor palmeirense não deverá ter motivos para reclamações. Sem os principais rivais na disputa, o time alviverde virou o verdadeiro ‘rei’ do horário da TV aberta.

Segunda a tabela divulgada pela Conmebol na última sexta-feira, o Palmeiras terá todos os seus seis jogos no horário considerado nobre, às 21h45 (de Brasília) de quarta-feira. Assim, a tendência é que todos eles tenham transmissão da TV aberta.

O número é para lá de considerável. Ainda mais se levarmos em conta que em 2016, com o Corinthians na disputa, o Palmeiras teve apenas dois jogos no horário – contra cinco dos rivais alvinegros.

Além do Palmeiras, o Flamengo também terá seus seis jogos da fase de grupo às 21h45 de quartas-feiras. Os dois, aliás, atuam nos mesmos dias em cinco das seis rodadas, o que leva a acreditar que terão transmissões simultâneas para as duas principais praças do país (São Paulo e Rio de Janeiro).

Curiosamente, porém, quem pode ter o maior número de jogos no horário nobre é outro time. O Atlético-PR pode ter nada menos que sete jogos. Para isso, porém, precisa primeiro passar do Milionários (COL) na segunda fase prévia e depois se classificar à fase de grupos vencendo também seu confronto na terceira preliminar.

Assim, os paranaenses teriam os quatro jogos da fase prévia e ainda mais três da fase de grupos (sendo dois deles justamente contra o Flamengo), às 21h45 de quartas-feiras.

Por outro lado, o Grêmio foi completamente ‘ignorado’ e não terá nenhuma de suas partidas no ‘horário nobre’. Atlético-MG, Chapecoense e Santos têm um jogo cada. Já o Botafogo teria as suas quatro partidas da fase prévia, mas não teria mais nenhuma caso se classificasse na fase de grupo. (Da ESPN)

Título brasileiro custou R$ 100 milhões ao Palmeiras

622_e261ed1a-b796-395c-91b1-0a5a5cc387a3

O Palmeiras divulgou nos últimos dias aos seus membros do Conselho Fiscal o balancete do mês de novembro, onde é possível ver todos os gastos do clube em seus departamentos. No futebol, enquanto a equipe confirmava o título do Brasileirão depois de um jejum que durou 22 anos, os gastos ficaram em cerca de R$ 100 milhões desde a chegada do técnico Cuca.

O treinador foi o responsável por montar o time que sobrou na Série A, vencendo a competição com antecedência e larga vantagem para os demais concorrentes.

Em abril, primeiro mês de Cuca no cargo, os gastos foram de R$ 5.595.030,00 em salários de atletas, mais R$ 1.542.014,00 com ganhos da comissão técnica e R$ 3.655.729,00 em direitos de imagem.

Ainda deve se somar ao montante outros R$ 19.583,00 com marketing do futebol, R$ 112.922,00 com administração do departamento, R$ 79.927 com funcionários do CT da Barra Funda e R$ 71.055,00 com a equipe que faz assessoria de imprensa do time.

No total, portanto, o primeiro mês de Cuca no clube teve gastos salariais de R$ 11.076.604, em operação que não inclui os gastos com os profissionais das categorias de base – se incluisse, o valor teria o acréscimo de aproximadamente R$ 500 mil.

Os gastos são parecidos nos meses seguintes. Em maio, por exemplo, foram R$ 6.035.394,00 em salários de jogadores, R$ 1.491.343,00 à comissão técnica de Cuca e outros R$ 2.655.336,00 em imagem.

O mês de novembro, que teve a confirmação do título brasileiro do Palmeiras após 22 anos de jejum, teve os seguintes gastos: R$ 5.675.387 em salários de atletas, R$ 1.159.043 à comissão técnica, R$ 3.503.614 em direitos de imagem, R$ 94.571 aos funcionários do CT da Barra Funda, R$ 51.242 à assessoria de imprensa do futebol, R$ 89.989 ao setor administrativo e R$ 19.374 ao marketing, totalizando R$ 10.592.220.

De abril a dezembro, com Cuca, o Palmeiras gastou aproximadamente R$ 100 milhões apenas em salários. Mas valeu a pena: o clube voltou a gritar “campeão” no Brasileirão, fato que não acontecia desde 1994, e retornou à Copa Libertadores da América. No ano que vem, o treinador do time alviverde será Eduardo Baptista, que em 2016 treinou a Ponte Preta. (Da ESPN)

Papão estabelece teto para folha salarial no primeiro semestre de 2017

7bd049d1-1209-45f6-a7dd-5d48305ec4f3

Para encarar quatro competições em 2017, o Paissandu elaborou um planejamento financeiro que terá perfis diferentes nos dois semestres. No primeiro, quando participará do Campeonato Paraense e da Copa Verde, os investimentos no time de futebol serão bem inferiores ao segundo, quando se realizam a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão. Isso significa que o clube irá montar um time para os primeiros seis meses e outro para a segunda metade do ano.

Por enquanto, o orçamento prevê uma folha salarial com elenco e comissão técnica de R$ 600 mil mensais para o começo do ano. O presidente eleito Sérgio Serra manifesta a esperança de que as contratações para Parazão e Copa Verde sejam bem-sucedidas, o que diminuirá os encargos para a Copa do Brasil e a Série B.

A montagem do elenco para os primeiros meses do ano já seguem o planejamento delineado pela diretoria, com a aquisição de quatro jogadores regionais e valorização de atletas da base. De fora, devem ser trazidos apenas sete atletas. Os novos atletas se juntarão aos 13 que ficaram desta temporada (entre os quis, Leandro Cearense, foto acima), com contratos renovados ou em vigor até o final do ano que vem. (Com informações de Nildo Lima/Bola)