Portal da Transparência é arma para o voto consciente

Uma ótima fonte de pesquisa para os eleitores avaliarem principalmente os candidatos à reeleição é o Portal da Transparência. Mas, para isso, é indispensável que a ferramenta esteja realmente atendendo às exigências estabelecidas pela Lei de Acesso à Informação (nº 12.527/2011). Ou seja, que o eleitor tenha condições de identificar com facilidade e clareza nos sites das Prefeituras e das Câmaras Municipais como o dinheiro arrecadado foi utilizado pelas administrações, se bem gasto ou não em benfeitorias à população.

“O Portal da Transparência pode até existir, mas nem sempre cumpre com todas as suas obrigações. Pode-se pecar pela falta de atualização das informações, por não responder a algumas solicitações dentro do prazo determinado pela Lei ou até mesmo por omissão”, diz Douglas Rodrigues Caetano, diretor da Conam – Consultoria em Administração Municipal, que atende a mais de 120 entidades governamentais entre Prefeituras, Autarquias, Fundações e Câmaras Municipais nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

“O Portal reflete o empoderamento do cidadão, que agora pode fiscalizar e contribuir com a administração local”, acredita Caetano. “O eleitor pode saber como votou cada vereador nas pautas da Câmara, verificar se o seu candidato está atendendo ou não suas expectativas, se está de fato representando seus interesses. Esse acompanhamento permite à população avaliar o desempenho do seu candidato, se mereceu e se merece novamente o seu voto”, conclui o especialista.

Sobre a Conam – No mercado há 37 anos, a Conam – Consultoria em Administração Municipal conta com uma equipe de mais de 150 colaboradores e profissionais altamente qualificados. A empresa atende atualmente a mais de 120 entidades governamentais entre Prefeituras, Autarquias, Fundações e Câmaras Municipais nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

Segredo está na ousadia

POR GERSON NOGUEIRA

Quem viu o Papão jogar na segunda à noite saiu com a convicção de que, com um mínimo de organização e ousadia, o time podia estar agora em situação muito melhor na Série B. Talvez não brigando pelo acesso, mas seguramente sem os aperreios e aflições vividos até aqui, sempre às voltas com o risco de ficar na zona da degola.

unnamedBastou que o meio-de-campo e o ataque jogassem em sintonia, dividindo responsabilidades e abrindo espaços para o aproveitamento de jogadas ofensivas, para que a vitória fosse construída sem maiores atropelos.

É verdade que o primeiro tempo foi pouco produtivo, ainda refém de velhas práticas, como a lentidão excessiva na transição, o baixo rendimento dos laterais e a postura muito recuada de Tiago Luís. Em certos momentos, ficou a impressão de que a escalação não tinha sido suficientemente treinada. Erros de cobertura se repetiram e quase permitiram ao Bragantino chegar ao gol.

Depois do intervalo, o time se transfigurou. O trio de meio-campistas – Jonathan, Rodrigo Andrade e Rafael Costa – passou a se movimentar com mais rapidez e Tiago Luís apareceu mais avançado, dividindo tarefas com Leandro Cearense e o estreante Jobinho.

Foi o suficiente para demolir a retranca de Marcelo Veiga. O primeiro dos três gols foi um primor de jogada coletiva. Tiago Luís lançou Jonathan no chamado ponto futuro. Este cruzou nos pés de Jobinho, que só teve o trabalho de mandar para as redes e sair comemorando. O terceiro também foi exemplar do trabalho de equipe: Tiago recebeu cruzamento de Cearense e tocou de peito para Jonathan marcar.

E, ainda sobre a questão inicial, pela postura determinada de anteontem – mesmo com um time montado sem vários titulares –, soa esquisita e inquietante a trajetória desenvolvida pelo Papão no campeonato. Quando os jogadores certos são usados, com um objetivo bem delineado, as coisas acontecem.

Dado Cavalcanti usou um meio-campo inteiramente reformulado e, ainda que Rafael Costa tenha errado muitos passes, obteve uma dinâmica muito melhor do que com o quarteto de volantes usado no Recife. Jonathan e Rodrigo deram conta da marcação e da saída. No lado esquerdo, João continuou ineficiente, mas o ataque compensou isso com agilidade e deslocamentos inteligentes.

Jogos assim reafirmam a necessidade de uma atitude sempre destemida dentro de casa e pragmática (sem ser medrosa) como visitante. Com o vasto elenco que tem à sua disposição, incluindo jogadores que ainda nem estrearam, Dado pode formular diversas alternativas e sistemas, quase todos voltados para a ofensividade. Basta ter ousadia.

—————————————————

Leão tem primeiro revés na tentativa de voltar à Série C

O STJD deu uma esfriada nas pretensões azulinas quanto ao retorno à Série C. O tribunal não aceitou o pedido de paralisação do campeonato até que o mérito do recurso azulino seja julgado. Foi um pequeno triunfo político do Botafogo-PB, cuja diretoria vem alardeando que conta com o apoio de ninguém menos que Marco Polo Del Nero.

Falta, porém, a parte mais importante do caso. A pauta de amanhã do STJD pode incluir a análise e julgamento do processo. Caso o Remo (e o América) seja bem sucedido, cria-se uma situação nova e um tremendo transtorno, pois a fase de mata-mata está prevista para começar na sexta, 30.

No Evandro Almeida, há outra preocupação. Com os acordos firmados com vários jogadores, o elenco sofreu um começo de desmanche, que pode deixar o técnico Waldemar Lemos em maus lençóis para a hipótese de ter que disputar a segunda etapa do torneio. Seria a chance também para que alguns renegados pudessem mostrar serviço. Magno, Edcléber, Tsunâmi, Héricles, Lucas, Chicão e Sílvio certamente teriam vez.

—————————————————-

Direto do blog

“Ao ver os melhores momentos, e levando em conta as observações dos analistas, é significativo ressaltar a destacada atuação do Jonathan, que estava posicionado como um atacante e deu o passe para o primeiro gol. No segundo, passe do Pelezinho para o Leandro Cearense e, no terceiro, gol do Jonathan, posicionado como verdadeiro centroavante. Assim, vê-se que volantes com maior movimentação fizeram a diferença no jogo, principalmente num time em que vários chinelinhos contratados como solução para a ausência de criatividade no meio de campo nunca conseguiram sequer se sustentar na equipe. Agora, é torcer para que o Dado seja um pouco menos medroso e tente fazer esse time jogar e conseguir chegar aos 45 pontos para garantir um 2017 na Série B, além do Paraense, Copa Verde, Copa do Brasil e Sul-Americana.”

José Eiró Alves, mais esperançoso após a vitória sobre o Bragantino

(Coluna publicada no Bola desta quarta-feira, 28)