Para a mídia alemã, Temer é “homem das sombras”

spiegel

Via TIJOLAÇO

A chamada da Der Sipegel é precisa: o novo presidente do Brasil é um homem das sombras, dos acordos, dos conchavos, não um produto da luminosidade das ruas deste pobre país dos trópicos. “Quase nenhum brasileiro votaria nele mas, de qualquer maneira, Michel Temer é agora o presidente. Com um gabinete completamente branco, totalmente masculino, representa a velha elite. Os líderes empresariais exultam.”

dilma-Roberto-Stuckert-Filho-PR-1132x670Não é uma opinião isolada.
A Deutsche Welle, diz que “os mais importantes jornais e revistas alemãos “questionaram a legitimidade do impeachment, classificado-o com um processo com motivação política”.
Die Zeit diz que Temerconduz agora um governo que opera de maneira exatamente oposta àquilo que o povo escolheu ao eleger Dilma”.
 “Até 2018, o Brasil terá que conviver com um governo que ninguém elegeu e que chegou ao poder de maneira altamente duvidosa. A democracia brasileira mergulha numa crise de confiança da qual vai demorar a se recuperar”.
Já o importante Frankfurter Allgemeine Zeitung e o Sueddeutsche Zeitung dizem que Lula é tão vencedor deste processo, pelas possibilidade de um novo discurso antigolpista em 2018. Este último, famoso por ter descoberto o escândalo dos Panama Papers.
Dilma é uma das poucas políticas de alto escalão do país contra a qual não há acusações concretas de corrupção; e justamente o impeachment pode acabar por fortalecer o PT no futuro.
“Dilma falou repetidamente de um ‘golpe parlamentar’. Com isso, a estratégia de argumentação do PT para a próxima campanha eleitoral já está definida. Lula voltará a se candidatar […] – hoje o político mais popular e impopular do Brasil”, afirma. “Pode ser que com a destituição do governo do PT comece, ao mesmo tempo, o renascimento do partido”, conclui. 

Erundina envia carta de apoio a Dilma

Via Brasil247

“A história registrará essa farsa (do impeachment) como um golpe contra a soberania popular. A história é implacável ao julgar conspiradores, golpistas e traidores do povo”, afirma a deputada federal Luiza Erundina (Psol-SP), em uma carta em apoio a Dilma Rousseff e contra o processo de impeachment. “O povo brasileiro está de luto pelo atentado à democracia”, diz a deputada.

proxy (2)Na carta, Erundina afirmou que o impeachment foi consequência “de chantagem do deputado afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, (PMDB-RJ) e acordos com setores conservadores, políticos preocupados com os avanços das investigações de corrupção, o processo de impeachment revelou o que há de pior na política brasileira”.

“Ausência de preocupação com a democracia, apropriação da coisa pública em prol de interesses privados e desrespeito pelas instituições são alguns dos exemplos”, disse.

De acordo com a parlamentar, “um pacote neoliberal em benefício da elite política e econômica do país será colocado em prática. Os direitos de trabalhadores já estão sob risco”. “Mulheres, LGBTs, negros, indígenas estão sob ataques e assistem a tentativas de impor retrocessos em poucas conquistas alcançadas. A democracia precisa ser defendida com mais e mais afinco. Os golpistas não merecem trégua. Que o nosso luto se transforme em luta!”

Leia o texto na íntegra:

O povo brasileiro está de luto pelo atentado à democracia e inominável injustiça contra a primeira mulher presidenta da República, Dilma Rousseff, eleita democraticamente pelo povo brasileiro nas eleições presidenciais de 2014. A história registrará essa farsa como um golpe contra a soberania popular. A história é implacável ao julgar conspiradores, golpistas e traidores do povo.

Neste 31 de agosto de 2016, o Brasil está diante de um golpe de Estado. Neste dia, 61 senadores votaram pelo afastamento da presidenta Dilma Rousseff, escolhida por 54 milhões de brasileiros, consolidando um processo articulado há meses, com facetas parlamentar, jurídica, midiática.

O país assistiu a um julgamento cuja sentença estava dada antes do seu início. A sessão deixou ainda mais clara a fragilidade das acusações, com evocações a Deus e ao “conjunto da obra” do governo Dilma. A defesa apresentou e repetiu exaustivamente explicações. Por mais críticas que a gestão de Dilma Rousseff merecesse, não vimos comprovação de crime de responsabilidade que justificasse o afastamento.

Fruto de chantagem do deputado afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, (PMDB-RJ) e acordos com setores conservadores, políticos preocupados com os avanços das investigações de corrupção, o processo de impeachment revelou o que há de pior na política brasileira. Ausência de preocupação com a democracia, apropriação da coisa pública em prol de interesses privados e desrespeito pelas instituições são alguns dos exemplos.

Os resultados já são sentidos desde que Michel Temer assumiu interinamente a presidência da República, há 110 dias. Temer nomeou um ministério completamente masculino, branco, com várias denúncias de corrupção. O SUS não tem a defesa do ministro da Saúde, que é ligado aos planos de saúde. O ministro da Justiça disse que precisamos de menos pesquisas em segurança pública e de mais equipamentos bélicos. Houve intervenção na Empresa Brasil de Comunicação (EBC), desmonte do Ministério da Cultura, corte de verbas das universidades federais, descontinuidade do programa de erradicação do analfabetismo.

É apenas o início de um ciclo que nos exige resistência, força, resiliência. Um pacote neoliberal em benefício da elite política e econômica do país será colocado em prática. Os direitos de trabalhadores já estão sob risco. Mulheres, LGBTs, negros, indígenas estão sob ataques e assistem a tentativas de impor retrocessos em poucas conquistas alcançadas. A democracia precisa ser defendida com mais e mais afinco. Os golpistas não merecem trégua. Que o nosso luto se transforme em luta!

E Dilma, nós, mulheres, somos solidárias a você, renovando nosso compromisso de luta pelos nossos direitos e pelo pleno exercício da cidadania política e pela democracia no Brasil.

Luiza Erundina de Sousa

Deputada federal (PSOL-SP)