Remo nega demissão de Veiga e apresenta Saci

4bbe1cad-29e5-4a6b-8357-31022c2d49eb

A diretoria do Remo desmentiu hoje à tarde os boatos sobre a demissão do técnico Marcelo Veiga. Em contato com o blog, o presidente André Cavalcante informou que houve uma reunião do departamento de futebol na tarde desta segunda-feira, mas nada ficou decidido. Nesta terça-feira, haverá uma nova reunião, desta vez com o treinador e o elenco de jogadores. Segundo André, somente ele e o vice Fábio Bentes estão autorizados a falar em nome do clube.

No estádio Evandro Almeida, à tarde, durante movimentação do time do Avaí (SC), que joga amanhã contra o Paissandu, foi apresentado oficialmente o meia Wellington Saci (foto superior), novo reforço do Remo para a Série C. (Foto: MÁRIO QUADROS)

2e264dae-31c2-43ba-9338-2361dbffec4b

Neymar é junior

Ck1p54ZVEAQo6XT

POR FERNANDO MOLICA

Ao xingar preventivamente os supostos críticos da seleção, Neymar – aquele jogador acusado de fraudes fiscais no Brasil e na Espanha – demonstra mais uma vez a razão de estampar nas camisas um “Junior” ao lado de seu nome. Ele, como ressalta o complemento, é apenas um menino mimado, cheio de si e que se acha acima de qualquer crítica ou lei. Um menino que sai em defesa dos coleguinhas que deram vexame outra vez.

Em 2014, depois do 7 a 1, o Joaquim Ferreira dos Santos fez um texto espetacular, ‘O fim de Tóis’, em que apontava a infantilidade de nossos jogadores, meninos que brincavam de jogar na seleção, que se julgavam predestinados à vitória:

“Não treinavam. Tinham a força, a espada de Grayskull, o grito de Shazan, o apito do japonês, o licor de jurubeba e o pó de pirlimpimpim. Na hora agá, resolveriam.” Como se sabe, não resolveram.

Quase todos os jogadores da seleção foram muito pobres na infância. Desde que descoberta a intimidade que tinham com a bola passaram a encarnar o sonho de rendenção de suas famílias. Foram adolescentes privados de muitos prazeres – pela falta de grana e pela necessidade de levar uma vida compatível com a de um atleta. O foco na carreira é tamanho que, de um modo geral, a escola acaba sendo tocada apenas para cumprir tabela.

Ao contrário do que ocorre em países mais decentes, e apesar das mudanças ocorridas nos últimos anos, por aqui o esporte ainda é uma das poucas alternativas capazes de fazer com que um jovem de família pobre possa ter uma vida melhor. Muitos dos poucos que conseguem jogar em grandes clubes acabam descontando, na vida adulta, as limitações que passaram na infância e na juventude. Podem, enfim, brincar – têm grana, prestígio, poder, não devem satisfações a ninguém.

Tanta grana, tanto prestígio e tanto poder acabam sendo vividos por uma perspectiva muito egocêntrica, como lhes ensinaram olheiros, empresários e dirigentes – é cada um por si, o que vale é o brilho individual, o “sou eu e mais dez”. E tome necessidade de brilhar, de aparecer, de se destacar para além do uniforme, de ressaltar que, Jesus Cristo, eu estou aqui, veja só minhas chuteiras coloridas, minhas tatuagens, meus cabelos esquisitos, minhas sobrancelhas trabalhadas, meus louvores, minha fé. Uma fé que, de tão grande, dispensa treinamentos, táticas, jogo coletivo – que há de, sozinha, remover cabeças de áreas, zagueiros e goleiros adversários. É nóis, é tóis.

Meu querido e pra lá de saudoso amigo e compadre Sérgio Costa me chamou a atenção para uma entrevista ao ‘Correio’, depois da Copa de 2014, dada pelo zagueiro Dante, então no Bayern de Munique, O repórter perguntou o que seria importante para reformular nosso futebol. Resposta:

A escolaridade é muito importante. O futebol tem tudo a ver com educação. Quando se fala de uma tática de futebol, divisão de espaço em campo… Tem muita coisa que o treinador fala que depende da clareza do jogador. Lá eles investem. Fica a grande dica.

“É fácil entender Guardiola?”, perguntou o repórter. Dante respondeu:

Ele é um professor taticamente. Ele não explica o futebol de uma forma muito fácil, muito clara. Se você não tiver clareza na cabeça, não vai entender nada. Ele explica matemática: dois contra um, três contra dois… Sempre trabalha taticamente para ter superioridade de um lado do campo. Trabalha muito com a cabeça do jogador, com a inteligência. Muito diferenciado.

Nossa tática aqui é outra, é como se o talento – com brasileiro não há quem possa – fosse suficiente para driblar tudo o que se exige de um time de primeira linha. É como se fôssemos capazes até de superar também a roubalheira profissional dos dirigentes amadores.

Cobranças são vistas como indevidas, inadmissíveis, um constrangimento aos meninos do Brasil – adoramos chamá-los de meninos. Meninos carentes precisam de pais fortes, repressores, durões – daí o Felipão, o Dunga, daí a saudade que tantos brasileiros têm dos militares, daí o desejo que muitos têm de entregar suas vidas para o Bolsonaro. Daí que técnicos brasileiros não costumam fazer carreira no exterior (na Copa América do ano passado, três das quatro seleções semifinalistas tinham técnicos argentinos).

Nossos jogadores não são diferentes da maioria de nossos jovens, são filhos de um Brasil individualista, que estuda pouco, que acredita que a fé é capaz de tapar buracos de formação, esforço e treinamento. Um Brasil infantil, que não admite ser responsabilizado por seus próprios erros.

http://www.fernandomolica.com.br 

Belém recebe tocha olímpica na quarta-feira

A capital paraense vai receber a Tocha Olímpica na próxima quarta-feira, 15. O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Esporte e Lazer (Seel), organizou uma programação especial que apresentações de danças folclóricas com o grupo os Baioaras, a partir das 8h30, no Mangueirão. O show vai anteceder a chegada da chama olímpica, que virá em comboio oficial do Aeroporto Internacional de Belém. A primeira tocha será acesa em cerimônia especial diante do público, imprensa e convidados especiais.

O lutador de MMA Lyoto Machida, ex-campeão do meio-pesado do UFC, será o primeiro condutor da tocha, percorrendo duzentos metros no anel viário externo do Mangueirão. O revezamento vai seguir por 32 quilômetros reunindo 162 condutores,entre atletas, esportistas e celebridades da capital paraense.

Belém será a 53ª cidade a receber a tocha olímpica. O principal símbolo da competição vem de Imperatriz, no Maranhão, em voo especial, e vai desembarcar na capital paraense às 9h45. Os comboios principal e avançado, que compõem a segurança da tocha, serão alinhados a partir do Mangueirão. O revezamento da tocha vai cruzar a cidade numa estimativa de tempo de sete horas. A celebração será no Portal da Amazônia.

Também participarão do revezamento da tocha olímpica em Belém o índio Nhaket Kayapó, do município de Novo Progresso; o ex-secretário de Esporte e Lazer, José Ângelo Miranda; e o maestro José Maria Vale da Silva, da Escola de Música Maestro Vale, da cidade de Vigia de Nazaré. (Da Ascom-Seel) 

Como justificativa, Dunga se apega ao gol irregular

622_6e6f8dbc-cc03-3f0a-b260-ee2affa31225

O técnico Dunga deixou claro, em várias respostas na entrevista coletiva, que o Brasil só foi eliminado da Copa América por conta do “imponderável”. No caso, o gol de mão marcado por Ruidiaz, que decretou a vitória peruana por 1 a 0 e a queda do Brasil antes da fase mata-mata. “Hoje todos viram. Não tem o que fazer. Se não tem as imagens, todo um trabalho pode ser colocado fora. Nos não podemos modificar o que todo mundo viu. O imponderável não tem o que fazer”, declarou o treinador.

Para Dunga, o Brasil teve controle da partida e que faltou apenas definir melhor para sair com os três pontos e continuar no torneio. O Peru, segundo o treinador brasileiro, jogou por uma bola e soube esperar o momento para balançar as redes. (Da ESPN)

Argentinos lembram gol irregular de Túlio para tirar sarro com a Seleção de Dunga

622_96071163-6a77-39b0-bbe1-524ce848d3db

Os argentinos têm boa memória. Quer uma prova? O diário ‘Olé’ voltou até 1995 para noticiar a eliminação do Brasil da Copa América Centenário. O gol de mão de Ruidíaz, que decretou a vitória do Peru por 1 a 0, foi comparado ao de Túlio na competição há 21 anos. Naquela ocasião, o atacante brasileiro também marcou irregularmente e empatou jogo contra a Argentina, que acabaria eliminada nos pênaltis. Depois, o jogador ainda chegou a brincar dizendo que foi o “Gol de la Virgem Maria”, ironizando a “Mano de Dios” de Diego Maradona. Como diz o ditado, “quem ri por último…”. (Da ESPN)