Trajano critica ESPN por convidar Gentili

O tradicional “Linha de Passe”, da ESPN Brasil, ofereceu um momento diferente aos espectadores na noite de sexta-feira (27). Abrindo o programa, José Trajano ofereceu solidariedade às mulheres vítimas de estupro no Brasil e apoio à campanha pelo fim da “cultura do estupro”.

Em seguida, dizendo representar um grupo na ESPN, Trajano fez um protesto. “Porque o canal abrigou esta semana um personagem engraçadinho, que se porta como um sujeito que faz apologia do estupro. Em nome do humor, dizendo que no humor cabe tudo. Esse grupo ficou enojado com a presença dele”.

Embora não tenha citado o nome, a referência foi a Danilo Gentili, que na última terça-feira (24) participou do “Bate-Bola Debate”. Em um comentário que ficou famoso no Twitter, o humorista escreveu: “O cara esperou uma gostosa ficar bêbada pra transar com ela. Todos sabemos o nome que se dá pra um cara desses: Gênio”.

Segundo Trajano, Gentili foi convidado ao programa da ESPN “talvez por descuido da produção, uma produção alienada e não comprometida com o que acontece no país.” O jornalista foi diretor de jornalismo da emissora por 17 anos, até 2012. Desde então, atua como comentarista no canal. (Do UOL)

Grande Trajano. Cabra bom.

Temer e o temor de um certo grampo

temer-600x400

POR KIKO NOGUEIRA, no DCM

Michel Temer é um homem com medo. Fraco e com medo.

Além do desastre de sua temporada no poder, com ministros dando declarações estúpidas e voltando atrás, recebendo nulidades anabolizadas como Alexandre Frota, envolvidos na Lava Jato — há agora a expectativa da revelação das conversas do chefe com Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro.

Os áudios já custaram o emprego de Romero Jucá, o constrangimento de Renan e Sarney e o resto de dignidade de Aécio Neves.

Expuseram também, claro, os intestinos do golpe. A imagem do STF, que já era ruim, fica queimada por período indeterminado depois do pedido de aumento de Lewandowski a Dilma, relatado por Renan Calheiros.

A cabeça de Temer já apareceu nas gravações. Falta o resto do corpo.

Machado contou que “contribuiu” para a campanha de Gabriel Chalita a prefeito de São Paulo em 2012 a pedido de Temer. “O Michel, eu contribuí pra ele. Ajudei na campanha do menino. Até falei com ele [Michel] num lugar inapropriado”, relatou.

Não fica claro qual foi a “contribuição”, mas é difícil que não se trate de dinheiro. Chalita era o candidato preferencial de Temer, que o acompanhou no dia da votação. “Um nome correto e adequado para o PMDB”, definiu o ex-vice decorativo.

A campanha recebeu 11,7 milhões de reais, segundo a Justiça Eleitoral — dos quais 97% repassados pelo partido, um truque legal que impossibilita conhecer quem doou o dinheiro. Essa grana toda não impediu um desempenho pífio.

Embora Machado assevere que colaborou com Gabriel Chalita por causa de Temer, quem coordenou a campanha, no final, foi Eduardo Cunha. Ligue os pontinhos.

O que virá nas conversas com Temer? Aliados admitem que ele “pode ter” se encontrado Sérgio Machado nos últimos meses. A assessoria confirma, embora não haja registro na agenda oficial (alô, Marco Antonio Villa).

Por menos comprometedor que seja o teor do papo, o impacto num momento tão flagrante da incompetência será devastador. No bunker de Dilma, acredita-se que isso pode virar o jogo no Senado.

Temer já tinha dado provas de sua fraqueza de espírito. Bateu a mão na mesa numa coletiva após ser chamado de “golpista” no Congresso. Um gesto teatral antiquado e inútil, que mostra apenas descontrole emocional.

“Sabem os senhores que temos sido vítimas de agressões. Sei como funciona isso. Agressão psicológica para ver se amedronta o governo”, falou.

“Nós precisamos mais do que nunca pacificar, harmonizar o país. Não podemos permitir a guerra entre brasileiros, a disputa quase física”, prosseguiu o sujeito que conspirou, traiu e derrubou a titular de sua chapa.

É um sujeito assombrado, que vive sob a espada de Dâmocles do vazamento de um ex-aliado. Michel Temer e seus capangas ganharam, mas não levaram. O interino administra uma farsa que será ainda mais desnudada depois que seu encontro com Sérgio Machado vier a público.