Cartola do Cruzeiro revela suborno e pode ser punido

A polêmica declaração do supervisor de futebol do Cruzeiro, Benecy Queiroz, pode o afastar do futebol definitivamente. O procurador-geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt, informou que já está analisando o caso e deve oferecer denúncia ao dirigente. Benecy pode responder aos artigos 237 e 241 do CBJD, e 42 e 62 do Código Disciplinar da FIFA, pegando penas que podem ir de multa de R$ 100 a afastamento definitivo das atividades no futebol – incluindo proibição de acesso a estádios.

960_019feb0c-607c-39ba-8746-fe0914ba9dd0

Em entrevista ao programa “Meio de Campo”, da Rede Minas, o dirigente comentou já ter ‘comprado’ um juiz, durante a passagem do ex-treinador Ênio Andrade (falecido em 1997) pelo Cruzeiro. A ocasião ainda é desconhecida, já que o comandante esteve à frente do clube em cinco ocasiões (1989, 1990, 1991/92, 1994 e 1995).

“Só vou citar um caso específico, não falo o nome, aqui em Minas Gerais. O treinador era Ênio Andrade. E nós, através de indicação de uma pessoa, achamos que compramos um juiz. E o juiz falou: ‘olha, fique tranquilo que o time do adversário não sai do meio-de-campo’. Então, nos 45 primeiros minutos, ele deu muita falta só no meio-de-campo. Então, falei com ele: ‘é, o negócio, acho que vai dar certo’. Só que, por azar nosso, o adversário chutou uma bola do meio-de-campo, o goleiro, eu posso falar o nome, Vitor, no ângulo e gol. E o juiz, então, o que foi que ele fez? Continuou dando falta só no meio. Só no meio. Só no meio. E uma hora, antigamente podia entrar dentro de campo, eu falei: ‘velho, eu paguei você, vê se você dá o pênalti’. Ele falou assim: ‘manda o seu time lá para frente que eu dou o pênalti’. Aí falei com o capitão: ‘olha, manda todo mundo para frente, temos que empatar o jogo’. Aí foi para frente, toda bola ele dava falta contra o Cruzeiro. Eu cheguei à conclusão de que eu empreguei um dinheiro errado”, comentou Benecy.

O Tribunal entende que ele pode ser classificado no artigo 237 – Dar ou prometer vantagem indevida a quem exerça cargo ou função, remunerados ou não, em qualquer entidade desportiva ou órgão da Justiça Desportiva, para que pratique, omita ou retarde ato de ofício ou, ainda, para que o faça contra disposição expressa de norma desportiva – e também no 241, que diz: dar ou prometer qualquer vantagem a árbitro ou auxiliar de arbitragem para que influa no resultado da partida, prova ou equivalente.

Ainda de acordo com o STJD, o CBJD determina um tempo de prescrição de 20 anos – casos anteriores a 1996 não seriam denunciados. No entanto, o artigo 42 do Código Disciplinar da Fifa informa que não existe tal limite em caso de corrupção.

Também no código da Fifa, Benecy seria denunciado no artigo 42, o mais “pesado” de todos: “Qualquer pessoa que oferece, promete ou concede uma vantagem injustificada a um corpo da FIFA, um jogo oficial, um jogador ou um funcionária em nome próprio ou de terceiros, em uma tentativa de incitá-lo a violar os regulamentos da FIFA será sancionado: a) com uma multa de pelo menos 10.000 Francos suíços; b) com a proibição de tomar parte em qualquer atividade relacionada com o futebol, e c) com a proibição de entrar em qualquer estádio. 2. Corrupção passiva (solicitar, sendo prometido ou aceitar uma vantagem injustificada) será sancionado da mesma maneira. 3. Em casos graves e no caso de repetição, pode ser pronunciado para a vida. 4. Em qualquer caso, o corpo vai ordenar o confisco dos envolvidos ativos na infração. Esses ativos serão utilizados para o futebol e programas de desenvolvimento”. (Do UOL Esporte) 

20 comentários em “Cartola do Cruzeiro revela suborno e pode ser punido

  1. Já teve um caso aqui em Belém de um demente com dor de cotovelo.. Não deve ser levado a sério o dito, mas a conduta sim.

    Curtir

  2. Agora aquele do Liga/desliga nem precisa investigar, O breu em vários jogos no Baelama é confissão sem necessidade de delação premiada.

    Curtir

  3. kKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAAKAKAAKAKAKAK
    KAKAKAKAKAKAKKAKAKAKAKAKAKAKAAKKKAKAKAKK

    Eu estou rindo tanto desse relato que para mim é um filme de comédia esse dirigente e o que ele relatou. Porém pela graça poderá lhe custar o fim no futebol, mesmo ele não tenha sido beneficiado em nada pelo dito juiz. kakak Me parece muito semelhante a entrevista que dizem que o Pinho deu ao C Ferreira a uns 10 anos atrás, a qual eu jamais me perdi tempo em ver, onde a diferença é que esse cartola cruzeirense citou nomes dos envolvidos , período, como fez o “suborno” muito diferente do Pinho que não citou ninguém, nem como, nem onde, nem o que comprou e nem por quanto comprou, o que equivale dizer que se essa revelação do Cruzeirense é uma pura comédia , a do pinho é filme L M de ficção científica que muitos remolezas levam ainda á serio. putz
    kakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakak
    kakakakakakakakakakakakaka

    Curtir

  4. Claro, Edson, o remo é acostumado a comprar juiz, olha só :

    A revelação do esquema de arbitragem na edição do Campeonato Brasileiro deste ano, trás a tona um novo caso do futebol nacional, com as conquistas do Paysandu nas edições da Série B do Brasileiro de 1991 e 2001 além da conquista do Paraense de 2000.

    Voltamos então a edição do Jornal O Liberal, do dia 12 de novembro de 2003 na matéria “Cartola revela esquema de suborno”, para relembrar as denúncias feitas pelo ex-presidente do Paysandu, Miguel Alexandre Pinho, que falou como o esquema foi realizado para beneficiar o Papão em algumas competições.

    Durante muito tempo, as pessoas suspeitavam e chegavam a comentar em mesa de bar, mas não havia confirmação. Agora é diferente. De forma surpreendente e estarrecedora, Miguel Alexandre Pinho, ex-presidente, grande benemérito e integrante da diretoria de futebol do Paysandu em vários mandatos, confirmou que o clube bicolor subornou árbitros para conquistar o Campeonato Paraense de 2000 e os brasileiros da Segunda Divisão de 1991 e 2001.

    Na Série B do Brasileiro de 1991, o Papão era presidido por Asdrúbal Bentes, Miguel Pinho era o vice-presidente de futebol e Antônio Carlos Nunes de Lima, hoje presidente da Federação Paraense de Futebol (FPF), o diretor de futebol. Em 2000, o clube alvi-azul era presidido por Joaquim Ramos, mas quem dava as cartas no futebol profissional era o presidente do conselho deliberativo, Arthur Tourinho. Em 2001, Arthur Tourinho presidia o Papão e também comandava diretamente o futebol profissional.

    Miguel Pinho disse ao colunista Carlos Ferreira, de O LIBERAL, que participou da entrevista concedida pelo cartola na Mais TV, que o árbitro envolvido no “esquema do Parazão de 2000” foi Wagner Tardelli, que dirigiu a decisão contra o Castanhal.

    O cartola acrescentou ter havido esquema também para beneficiar o Paysandu no clássico contra o Remo, que precisava vencer por dois gols e ganhou por 1 x 0, mas teve um gol legítimo de Robinho anulado pelo bandeirinha que era vizinho do jogador bicolor Da Silva, em São Paulo.

    O ex-presidente do Paysandu disse ainda que “ninguém é santo” no futebol, e desconhece um clube que nunca tenha se beneficiado de esquema de bastidores – suborno a árbitros, jogadores e treinadores de equipes adversárias. “Não basta você formar um time competitivo. Para ser campeão você tem que fazer esquema. E o torcedor quer saber é do título. Não interessa o que aconteceu”, justificou Miguel Pinho.

    O ex-presidente do Paysandu se incluiu entre os cartolas que praticavam suborno. Ele revelou que tentou subornar Mário Fernando, ex-goleiro de Paysandu, Remo e Tuna, quando o jogador atuava por um time pequeno (Sport Belém ou Pinheirense), mas não teve êxito. Segundo Pinho, Mário Fernando não quis conversa.

    Títulos

    Sobre os dois títulos da Série B conquistados pelo Paysandu em 1991 e 2001, Miguel Pinho afirmou comum todas as letras que o clube bicolor se beneficiou de fortes esquemas. Citou o árbitro baiano Manoel Serapião Filho, referindo-se a ele como “Serapapão”. Serapião foi o árbitro do jogo entre Paysandu e ABC, de Natal, no qual caiu o muro do estádio Leônidas Castro que fica para a travessa Curuzu, e da final, contra o Guarani, no Mangueirão.

    No jogo contra o ABC, Serapião realmente “fez chover”. Anulou um gol legalíssimo do ABC, marcado por Rildon, e, de quebra, permitiu que o jogo chegasse ao final sem o mínimo de segurança. “Existem dois tipos de torcida, a pacífica e a aguerrida. A do Paysandu é pacífica”, justificou Serapião, para dar continuidade à partida, vencida pelo Paysandu por 3 a 1. O ABC era comandado pelo técnico Givanildo Oliveira, hoje no Remo.

    No título paraense conquistado sobre o Castanhal, Miguel Pinho foi mais direto ao se referir a Wagner Tardelli. Disse que o árbitro carioca entrou no esquema montado para o primeiro jogo da decisão do Parazão, contra o Castanhal. O Papão venceu por 1 x 0 com um gol de pênalti, nos acréscimos. No lance seguinte Edil quase empatou, carimbando a trave. Tardelli teria dito a Miguel que se fosse gol ele teria anulado.

    O ex-cartola bicolor prosseguiu assegurando que o Paysandu continuou se beneficiando das arbitragens de Wagner Tardelli. E que ele, Miguel, foi quem colocou o árbitro carioca na vida do Papão.

    Fonte: Futeboldonorte.com/Jornal O Liberal – See more at: http://www.futeboldonorte.com/noticias_materia.php?id=8865#sthash.SsGJINoR.dpuf

    Curtir

  5. Imagina se a FIFSA fica sabendo disso…Vão ser eliminados pra sempre do futebol…kkkkkk

    A revelação do esquema de arbitragem na edição do Campeonato Brasileiro deste ano, trás a tona um novo caso do futebol nacional, com as conquistas do Paysandu nas edições da Série B do Brasileiro de 1991 e 2001 além da conquista do Paraense de 2000.
    Voltamos então a edição do Jornal O Liberal, do dia 12 de novembro de 2003 na matéria “Cartola revela esquema de suborno”, para relembrar as denúncias feitas pelo ex-presidente do Paysandu, Miguel Alexandre Pinho, que falou como o esquema foi realizado para beneficiar o Papão em algumas competições.
    Durante muito tempo, as pessoas suspeitavam e chegavam a comentar em mesa de bar, mas não havia confirmação. Agora é diferente. De forma surpreendente e estarrecedora, Miguel Alexandre Pinho, ex-presidente, grande benemérito e integrante da diretoria de futebol do Paysandu em vários mandatos, confirmou que o clube bicolor subornou árbitros para conquistar o Campeonato Paraense de 2000 e os brasileiros da Segunda Divisão de 1991 e 2001.
    Na Série B do Brasileiro de 1991, o Papão era presidido por Asdrúbal Bentes, Miguel Pinho era o vice-presidente de futebol e Antônio Carlos Nunes de Lima, hoje presidente da Federação Paraense de Futebol (FPF), o diretor de futebol. Em 2000, o clube alvi-azul era presidido por Joaquim Ramos, mas quem dava as cartas no futebol profissional era o presidente do conselho deliberativo, Arthur Tourinho. Em 2001, Arthur Tourinho presidia o Papão e também comandava diretamente o futebol profissional.
    Miguel Pinho disse ao colunista Carlos Ferreira, de O LIBERAL, que participou da entrevista concedida pelo cartola na Mais TV, que o árbitro envolvido no “esquema do Parazão de 2000” foi Wagner Tardelli, que dirigiu a decisão contra o Castanhal.
    O cartola acrescentou ter havido esquema também para beneficiar o Paysandu no clássico contra o Remo, que precisava vencer por dois gols e ganhou por 1 x 0, mas teve um gol legítimo de Robinho anulado pelo bandeirinha que era vizinho do jogador bicolor Da Silva, em São Paulo.
    O ex-presidente do Paysandu disse ainda que “ninguém é santo” no futebol, e desconhece um clube que nunca tenha se beneficiado de esquema de bastidores – suborno a árbitros, jogadores e treinadores de equipes adversárias. “Não basta você formar um time competitivo. Para ser campeão você tem que fazer esquema. E o torcedor quer saber é do título. Não interessa o que aconteceu”, justificou Miguel Pinho.
    O ex-presidente do Paysandu se incluiu entre os cartolas que praticavam suborno. Ele revelou que tentou subornar Mário Fernando, ex-goleiro de Paysandu, Remo e Tuna, quando o jogador atuava por um time pequeno (Sport Belém ou Pinheirense), mas não teve êxito. Segundo Pinho, Mário Fernando não quis conversa.
    Títulos
    dar continuidade à partida, vencida pelo Paysandu por 3 a 1. O ABC era comandado pelo técnico Givanildo Oliveira, hoje no Remo.
    No título paraense conquistado sobre o Castanhal, Miguel Sobre os dois títulos da Série B conquistados pelo Paysandu em 1991 e 2001, Miguel Pinho afirmou comum todas as letras que o clube bicolor se beneficiou de fortes esquemas. Citou o árbitro baiano Manoel Serapião Filho, referindo-se a ele como “Serapapão”. Serapião foi o árbitro do jogo entre Paysandu e ABC, de Natal, no qual caiu o muro do estádio Leônidas Castro que fica para a travessa Curuzu, e da final, contra o Guarani, no Mangueirão.
    No jogo contra o ABC, Serapião realmente “fez chover”. Anulou um gol legalíssimo do ABC, marcado por Rildon, e, de quebra, permitiu que o jogo chegasse ao final sem o mínimo de segurança. “Existem dois tipos de torcida, a pacífica e a aguerrida. A do Paysandu é pacífica”, justificou Serapião, para Pinho foi mais direto ao se referir a Wagner Tardelli. Disse que o árbitro carioca entrou no esquema montado para o primeiro jogo da decisão do Parazão, contra o Castanhal. O Papão venceu por 1 x 0 com um gol de pênalti, nos acréscimos. No lance seguinte Edil quase empatou, carimbando a trave. Tardelli teria dito a Miguel que se fosse gol ele teria anulado.
    O ex-cartola bicolor prosseguiu assegurando que o Paysandu continuou se beneficiando das arbitragens de Wagner Tardelli. E que ele, Miguel, foi quem colocou o árbitro carioca na vida do Papão.

    Curtir

  6. Claro, Edson,o remo é o capeta e o Paysandu só ganha na bola:
    Esquema de Suborno
    Segundo ex-presidente do Paysandu, Miguel Alexandre Pinho, o bicolor foi beneficiado num esquema de suborno no Estadual de 2000 e nos Brasileiros de 1991 e 2001

    A revelação do esquema de arbitragem na edição do Campeonato Brasileiro deste ano, trás a tona um novo caso do futebol nacional, com as conquistas do Paysandu nas edições da Série B do Brasileiro de 1991 e 2001 além da conquista do Paraense de 2000.

    Voltamos então a edição do Jornal O Liberal, do dia 12 de novembro de 2003 na matéria “Cartola revela esquema de suborno”, para relembrar as denúncias feitas pelo ex-presidente do Paysandu, Miguel Alexandre Pinho, que falou como o esquema foi realizado para beneficiar o Papão em algumas competições.

    Durante muito tempo, as pessoas suspeitavam e chegavam a comentar em mesa de bar, mas não havia confirmação. Agora é diferente. De forma surpreendente e estarrecedora, Miguel Alexandre Pinho, ex-presidente, grande benemérito e integrante da diretoria de futebol do Paysandu em vários mandatos, confirmou que o clube bicolor subornou árbitros para conquistar o Campeonato Paraense de 2000 e os brasileiros da Segunda Divisão de 1991 e 2001.

    Na Série B do Brasileiro de 1991, o Papão era presidido por Asdrúbal Bentes, Miguel Pinho era o vice-presidente de futebol e Antônio Carlos Nunes de Lima, hoje presidente da Federação Paraense de Futebol (FPF), o diretor de futebol. Em 2000, o clube alvi-azul era presidido por Joaquim Ramos, mas quem dava as cartas no futebol profissional era o presidente do conselho deliberativo, Arthur Tourinho. Em 2001, Arthur Tourinho presidia o Papão e também comandava diretamente o futebol profissional.

    Miguel Pinho disse ao colunista Carlos Ferreira, de O LIBERAL, que participou da entrevista concedida pelo cartola na Mais TV, que o árbitro envolvido no “esquema do Parazão de 2000” foi Wagner Tardelli, que dirigiu a decisão contra o Castanhal.

    O cartola acrescentou ter havido esquema também para beneficiar o Paysandu no clássico contra o Remo, que precisava vencer por dois gols e ganhou por 1 x 0, mas teve um gol legítimo de Robinho anulado pelo bandeirinha que era vizinho do jogador bicolor Da Silva, em São Paulo.

    O ex-presidente do Paysandu disse ainda que “ninguém é santo” no futebol, e desconhece um clube que nunca tenha se beneficiado de esquema de bastidores – suborno a árbitros, jogadores e treinadores de equipes adversárias. “Não basta você formar um time competitivo. Para ser campeão você tem que fazer esquema. E o torcedor quer saber é do título. Não interessa o que aconteceu”, justificou Miguel Pinho.

    O ex-presidente do Paysandu se incluiu entre os cartolas que praticavam suborno. Ele revelou que tentou subornar Mário Fernando, ex-goleiro de Paysandu, Remo e Tuna, quando o jogador atuava por um time pequeno (Sport Belém ou Pinheirense), mas não teve êxito. Segundo Pinho, Mário Fernando não quis conversa.

    Títulos

    Sobre os dois títulos da Série B conquistados pelo Paysandu em 1991 e 2001, Miguel Pinho afirmou comum todas as letras que o clube bicolor se beneficiou de fortes esquemas. Citou o árbitro baiano Manoel Serapião Filho, referindo-se a ele como “Serapapão”. Serapião foi o árbitro do jogo entre Paysandu e ABC, de Natal, no qual caiu o muro do estádio Leônidas Castro que fica para a travessa Curuzu, e da final, contra o Guarani, no Mangueirão.

    No jogo contra o ABC, Serapião realmente “fez chover”. Anulou um gol legalíssimo do ABC, marcado por Rildon, e, de quebra, permitiu que o jogo chegasse ao final sem o mínimo de segurança. “Existem dois tipos de torcida, a pacífica e a aguerrida. A do Paysandu é pacífica”, justificou Serapião, para dar continuidade à partida, vencida pelo Paysandu por 3 a 1. O ABC era comandado pelo técnico Givanildo Oliveira, hoje no Remo.

    No título paraense conquistado sobre o Castanhal, Miguel Pinho foi mais direto ao se referir a Wagner Tardelli. Disse que o árbitro carioca entrou no esquema montado para o primeiro jogo da decisão do Parazão, contra o Castanhal. O Papão venceu por 1 x 0 com um gol de pênalti, nos acréscimos. No lance seguinte Edil quase empatou, carimbando a trave. Tardelli teria dito a Miguel que se fosse gol ele teria anulado.

    O ex-cartola bicolor prosseguiu assegurando que o Paysandu continuou se beneficiando das arbitragens de Wagner Tardelli. E que ele, Miguel, foi quem colocou o árbitro carioca na vida do Papão.

    Fonte: Futeboldonorte.com/Jornal O Liberal – See more at: http://www.futeboldonorte.com/noticias_materia.php?id=8865#sthash.SsGJINoR.dpuf

    Curtir

  7. Claro, Edson, o remo é o capeta e o Paysandu só ganha na bola, honestamente:

    Esquema de Suborno

    Segundo ex-presidente do Paysandu, Miguel Alexandre Pinho, o bicolor foi beneficiado num esquema de suborno no Estadual de 2000 e nos Brasileiros de 1991 e 2001
    28.09.2005 – 15:41 – Pará
    A revelação do esquema de arbitragem na edição do Campeonato Brasileiro deste ano, trás a tona um novo caso do futebol nacional, com as conquistas do Paysandu nas edições da Série B do Brasileiro de 1991 e 2001 além da conquista do Paraense de 2000.

    Voltamos então a edição do Jornal O Liberal, do dia 12 de novembro de 2003 na matéria “Cartola revela esquema de suborno”, para relembrar as denúncias feitas pelo ex-presidente do Paysandu, Miguel Alexandre Pinho, que falou como o esquema foi realizado para beneficiar o Papão em algumas competições.

    Durante muito tempo, as pessoas suspeitavam e chegavam a comentar em mesa de bar, mas não havia confirmação. Agora é diferente. De forma surpreendente e estarrecedora, Miguel Alexandre Pinho, ex-presidente, grande benemérito e integrante da diretoria de futebol do Paysandu em vários mandatos, confirmou que o clube bicolor subornou árbitros para conquistar o Campeonato Paraense de 2000 e os brasileiros da Segunda Divisão de 1991 e 2001.

    Na Série B do Brasileiro de 1991, o Papão era presidido por Asdrúbal Bentes, Miguel Pinho era o vice-presidente de futebol e Antônio Carlos Nunes de Lima, hoje presidente da Federação Paraense de Futebol (FPF), o diretor de futebol. Em 2000, o clube alvi-azul era presidido por Joaquim Ramos, mas quem dava as cartas no futebol profissional era o presidente do conselho deliberativo, Arthur Tourinho. Em 2001, Arthur Tourinho presidia o Papão e também comandava diretamente o futebol profissional.

    Miguel Pinho disse ao colunista Carlos Ferreira, de O LIBERAL, que participou da entrevista concedida pelo cartola na Mais TV, que o árbitro envolvido no “esquema do Parazão de 2000” foi Wagner Tardelli, que dirigiu a decisão contra o Castanhal.

    O cartola acrescentou ter havido esquema também para beneficiar o Paysandu no clássico contra o Remo, que precisava vencer por dois gols e ganhou por 1 x 0, mas teve um gol legítimo de Robinho anulado pelo bandeirinha que era vizinho do jogador bicolor Da Silva, em São Paulo.

    O ex-presidente do Paysandu disse ainda que “ninguém é santo” no futebol, e desconhece um clube que nunca tenha se beneficiado de esquema de bastidores – suborno a árbitros, jogadores e treinadores de equipes adversárias. “Não basta você formar um time competitivo. Para ser campeão você tem que fazer esquema. E o torcedor quer saber é do título. Não interessa o que aconteceu”, justificou Miguel Pinho.

    O ex-presidente do Paysandu se incluiu entre os cartolas que praticavam suborno. Ele revelou que tentou subornar Mário Fernando, ex-goleiro de Paysandu, Remo e Tuna, quando o jogador atuava por um time pequeno (Sport Belém ou Pinheirense), mas não teve êxito. Segundo Pinho, Mário Fernando não quis conversa.

    Títulos

    Sobre os dois títulos da Série B conquistados pelo Paysandu em 1991 e 2001, Miguel Pinho afirmou comum todas as letras que o clube bicolor se beneficiou de fortes esquemas. Citou o árbitro baiano Manoel Serapião Filho, referindo-se a ele como “Serapapão”. Serapião foi o árbitro do jogo entre Paysandu e ABC, de Natal, no qual caiu o muro do estádio Leônidas Castro que fica para a travessa Curuzu, e da final, contra o Guarani, no Mangueirão.

    No jogo contra o ABC, Serapião realmente “fez chover”. Anulou um gol legalíssimo do ABC, marcado por Rildon, e, de quebra, permitiu que o jogo chegasse ao final sem o mínimo de segurança. “Existem dois tipos de torcida, a pacífica e a aguerrida. A do Paysandu é pacífica”, justificou Serapião, para dar continuidade à partida, vencida pelo Paysandu por 3 a 1. O ABC era comandado pelo técnico Givanildo Oliveira, hoje no Remo.

    No título paraense conquistado sobre o Castanhal, Miguel Pinho foi mais direto ao se referir a Wagner Tardelli. Disse que o árbitro carioca entrou no esquema montado para o primeiro jogo da decisão do Parazão, contra o Castanhal. O Papão venceu por 1 x 0 com um gol de pênalti, nos acréscimos. No lance seguinte Edil quase empatou, carimbando a trave. Tardelli teria dito a Miguel que se fosse gol ele teria anulado.

    O ex-cartola bicolor prosseguiu assegurando que o Paysandu continuou se beneficiando das arbitragens de Wagner Tardelli. E que ele, Miguel, foi quem colocou o árbitro carioca na vida do Papão.

    Fonte: Futeboldonorte.com/Jornal O Liberal – See more at: http://www.futeboldonorte.com/noticias_materia.php?id=8865#sthash.SsGJINoR.dpuf

    Curtir

  8. E o daqui? Ah sim, confessou antes de morrer e não vai pegar nada pra ele kkkkkkkk morreu de consciência limpa, tá perdoado kkkkkkkkk te contar!

    Curtir

  9. Imagina quando os caras da FIFA souberem disso

    A revelação do esquema de arbitragem na edição do Campeonato Brasileiro deste ano, trás a tona um novo caso do futebol nacional, com as conquistas do Paysandu nas edições da Série B do Brasileiro de 1991 e 2001 além da conquista do Paraense de 2000.
    Voltamos então a edição do Jornal O Liberal, do dia 12 de novembro de 2003 na matéria “Cartola revela esquema de suborno”, para relembrar as denúncias feitas pelo ex-presidente do Paysandu, Miguel Alexandre Pinho, que falou como o esquema foi realizado para beneficiar o Papão em algumas competições.
    Durante muito tempo, as pessoas suspeitavam e chegavam a comentar em mesa de bar, mas não havia confirmação. Agora é diferente. De forma surpreendente e estarrecedora, Miguel Alexandre Pinho, ex-presidente, grande benemérito e integrante da diretoria de futebol do Paysandu em vários mandatos, confirmou que o clube bicolor subornou árbitros para conquistar o Campeonato Paraense de 2000 e os brasileiros da Segunda Divisão de 1991 e 2001.
    Na Série B do Brasileiro de 1991, o Papão era presidido por Asdrúbal Bentes, Miguel Pinho era o vice-presidente de futebol e Antônio Carlos Nunes de Lima, hoje presidente da Federação Paraense de Futebol (FPF), o diretor de futebol. Em 2000, o clube alvi-azul era presidido por Joaquim Ramos, mas quem dava as cartas no futebol profissional era o presidente do conselho deliberativo, Arthur Tourinho. Em 2001, Arthur Tourinho presidia o Papão e também comandava diretamente o futebol profissional.
    Miguel Pinho disse ao colunista Carlos Ferreira, de O LIBERAL, que participou da entrevista concedida pelo cartola na Mais TV, que o árbitro envolvido no “esquema do Parazão de 2000” foi Wagner Tardelli, que dirigiu a decisão contra o Castanhal.
    O cartola acrescentou ter havido esquema também para beneficiar o Paysandu no clássico contra o Remo, que precisava vencer por dois gols e ganhou por 1 x 0, mas teve um gol legítimo de Robinho anulado pelo bandeirinha que era vizinho do jogador bicolor Da Silva, em São Paulo.
    O ex-presidente do Paysandu disse ainda que “ninguém é santo” no futebol, e desconhece um clube que nunca tenha se beneficiado de esquema de bastidores – suborno a árbitros, jogadores e treinadores de equipes adversárias. “Não basta você formar um time competitivo. Para ser campeão você tem que fazer esquema. E o torcedor quer saber é do título. Não interessa o que aconteceu”, justificou Miguel Pinho.
    O ex-presidente do Paysandu se incluiu entre os cartolas que praticavam suborno. Ele revelou que tentou subornar Mário Fernando, ex-goleiro de Paysandu, Remo e Tuna, quando o jogador atuava por um time pequeno (Sport Belém ou Pinheirense), mas não teve êxito. Segundo Pinho, Mário Fernando não quis conversa.
    Títulos
    dar continuidade à partida, vencida pelo Paysandu por 3 a 1. O ABC era comandado pelo técnico Givanildo Oliveira, hoje no Remo.
    No título paraense conquistado sobre o Castanhal, Miguel Sobre os dois títulos da Série B conquistados pelo Paysandu em 1991 e 2001, Miguel Pinho afirmou comum todas as letras que o clube bicolor se beneficiou de fortes esquemas. Citou o árbitro baiano Manoel Serapião Filho, referindo-se a ele como “Serapapão”. Serapião foi o árbitro do jogo entre Paysandu e ABC, de Natal, no qual caiu o muro do estádio Leônidas Castro que fica para a travessa Curuzu, e da final, contra o Guarani, no Mangueirão.
    No jogo contra o ABC, Serapião realmente “fez chover”. Anulou um gol legalíssimo do ABC, marcado por Rildon, e, de quebra, permitiu que o jogo chegasse ao final sem o mínimo de segurança. “Existem dois tipos de torcida, a pacífica e a aguerrida. A do Paysandu é pacífica”, justificou Serapião, para Pinho foi mais direto ao se referir a Wagner Tardelli. Disse que o árbitro carioca entrou no esquema montado para o primeiro jogo da decisão do Parazão, contra o Castanhal. O Papão venceu por 1 x 0 com um gol de pênalti, nos acréscimos. No lance seguinte Edil quase empatou, carimbando a trave. Tardelli teria dito a Miguel que se fosse gol ele teria anulado.
    O ex-cartola bicolor prosseguiu assegurando que o Paysandu continuou se beneficiando das arbitragens de Wagner Tardelli. E que ele, Miguel, foi quem colocou o árbitro carioca na vida do Papão.

    Curtir

  10. “Durante muito tempo, as pessoas suspeitavam e chegavam a comentar em mesa de bar, mas não havia confirmação. Agora é diferente. De forma surpreendente e estarrecedora, Miguel Alexandre Pinho, ex-presidente, grande benemérito e integrante da diretoria de futebol do Paysandú em vários mandatos, confirmou que o clube bicolor subornou árbitros para o Campeonato Paraense de 2000 e os campeonatos brasileiros da segunda divisão de 1991 e 2001.

    Na Série B do Brasileiro de 1991, o Papão era presidido por Asdrúbal Bentes, Miguel Pinho era o vice-presidente de futebol e Antônio Carlos Nunes de Lima, hoje presidente da Federação Paraense de Futebol (FPF), o diretor de futebol. Em 2000, o clube alvi-azul era presidido por Joaquim Ramos, mas quem dava as cartas no futebol profissional era o presidente do conselho deliberativo, Arthur Tourinho. Em 2001, Arthur Tourinho presidia o Papão e também comandava diretamente o futebol profissional.

    Miguel Pinho disse ao colunista Carlos Ferreira, de O Liberal, que participou da entrevista concedida pelo cartola na Mais TV, que o árbitro envolvido no “esquema do Parazão 2000” foi Wagner Tardelli, que dirigiu a decisão contra o Castanhal.

    Curtir

  11. Com essa notícia tem time de merda ladrão de vaga com o c* na não kkkkkkkkk, eu choro kkkkkkkk por falar em trambique, já prenderam o Roubagol, já devolveram o dinheiro da SUDAM? Time trambiqueiro do carvalho! Raimundinho, não vai usar a minha cueca q eu esqueci lá na casa da tua mãe!

    Curtir

  12. A propósito, enquanto viveu, o Homem do Sapato Branco, dia sim, dia não, desafiava os dois árbitros denunciados a entrarem com ação contra ele. Ele dizia que teria a maior satisfação em provar o que dizia. Nem um, nem outro, tomou qualquer iniciativa. Aliás, o próprio Clube listrado, através de seus diretores da época, também foram desafiados. E o Homem do Sapato Branco, antes de deitar para o sono eterno (que Deus o tenha), esperou sentado e ninguém o processou. Com ele, justiça se faça, não tinha descarrego. Valia o que ele tivesse escrito. E o repórter investigativo da época, Carlos Ferreira, tá aí mesmo pra confirmar.

    Curtir

  13. As revelações do Miguel Pinho foram feitas no intervalo de um programa da antiga TV Filme (hoje Sky), que era apresentado pelo saudoso Paulo Cecim e tinha o amigo Ferreira como um dos entrevistadores.

    Curtir

  14. Antonio, o que vc acha do Pirão mesmo sendo apenas candidato, ter pago o tapumão do baelama
    Pra mim, deslealdade com os demais candidatos.

    Imagine ele eleito kkkkkk

    Curtir

  15. Edson, sobre este candidato já expressei minha opinião, a qual não foi nada boa. Se dependesse de mim, ele não colocava um centavo no Mais Querido. Se é que ele algum dia já colocou mesmo algum que não tenha pego de volta ou não pretenda pegar.

    Curtir

  16. Nos dois casos aqui por demais comentado, essa delação gratuita acontece após dezenas de anos e observando o sembante destes a confiabilidade passa longe.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s