Editora Abril, em crise, fecha a revista Playboy

playboy-outubro

DO PORTAL COMUNIQUE-SE

A Editora Abril chegará a 2016 com menos títulos em seu portfólio. A empresa de comunicação anunciou na tarde desta quinta-feira, 19, que encerrará três publicações. As revistas que deixarão de circular no Brasil serão Men’s Health, Women’s Health e Playboy. No país, as três marcas são licenciadas pela companhia sediada na capital paulista.

Sem informar se a descontinuação de mais três revistas resultará em demissões, a direção da Abril garante que a decisão de diminuir a quantidade de publicações representa “uma profunda e arrojada mudança da empresa”. Para a editora, a alteração dá seguimento à “estratégia de reposicionar-se focando e dirigindo seus esforços e investimentos às necessidades dos leitores e do mercado”.

E os assinantes?
Os veículos que deixarão o mercado circulam pelas bancas do país e mantêm programas de assinaturas. Com isso, a empresa garante que o público em questão receberá normalmente os exemplares de dezembro e que, a partir de janeiro do próximo ano, terá a opção de transferir a assinatura para “outra revista do portfólio”, seja na versão impressa ou digital.

Sem explicações
Presidente da Editora Abril, o jornalista Alexandre Caldini evita, ao menos no comunicado enviado à imprensa, detalhar os fatos que levaram a companhia a decidir pelo abandono da produção de três revistas de uma só vez. Em sua declaração, ele prefere valorizar o trabalho da empresa, que, conforme avalia, segue com diversas ofertas para os leitores e anunciantes.

“Temos marcas fortes, marcas respeitadas, que pautam o país em moda, beleza, política, negócios e diversos outros temas, como o mercado automotivo, design e decoração. O que estamos ofertando ao mercado publicitário com muito sucesso é a Jornada do Consumidor”, afirma o executivo. “Nossos anunciantes acompanham seu grupo definido de consumidores nos ambientes on e offline”, prossegue Caldini.

O Pará é mesmo brega?

POR TITO BARATA (*)

É uma barbaridade tentar rotular o Pará como “terra do brega”, como vi numa entrevista por esses dias. Viramos a capital de uma música popularesca, amarfanhada, apelativa e sem qualquer rodagem estética. Nada contra a cultura de massa e os lucros dela decorrentes. Mas invocar o mau gosto e o escracho como um sentimento puro da musicalidade paraense já é demais. Isso é um horror que estão vendendo em rede nacional.

O brega foi um som marginal, cafona e sem qualquer estatura musical, que encheu os bolsos de empresários do disco e da noite, principalmente em meados dos anos 1970. Agora está “cult” e bem relacionado com as elites clássicas e modernosas de ocasião. O pior é que essa estética do atraso, do humor grosseiro, da apelação, do descompromisso e da galhofa “folclórica”, chegou aos vídeos e ao cinema.

O Pará que eu conheço tem musicalidade mesmo, embora os nossos ditos compositores de MPB tenham esquecido ou nem tenham sido apresentados à simplicidade de fazer músicas populares. Mas isso é um mal que assola o Brasil inteiro. São ótimos compositores de músicas difíceis e chatas. Investem em letras quilométricas, ritmos chochos e falsa erudição para depois concluírem que fizeram “obras-primas” que não foram reconhecidas.

Com todo respeito ao meu queridíssimo e talentosíssimo amigo Antonio Veloso Dias Veveco, poeta trovador dos bons, gostamos de música popular, mas o “meu coração não é brega”.

(*) Tito Barata é jornalista e publicitário. 

Atletas se preparam para o estadual de karatê

Cerca de 60 atletas de karatê da academia Machida foram selecionados para participar do Campeonato Paraense de Karatê Tradicional deste ano. As seletivas foram realizadas em meados de outubro, quando os atletas da Machida concorreram a uma vaga para compor a equipe de karatê que irá disputar as modalidades kata, kumitê e embu. O campeonato está marcado para ocorrer no dia 21 de novembro, no Ginásio Poliesportivo de Educação Física da Universidade do Estado do Pará (Uepa). Ao todo, 150 atletas de diferentes centros de treinamento irão competir no estadual.

O Campeonato Paraense de Karatê Tradicional 2015 ocorre no próximo dia 21 de novembro, no Ginásio Poliesportivo de Educação Física da Universidade do Estado do Pará (UEPA), localizado na Travessa Perebebuí, 2623, bairro do Marco, a partir das 8h30. A entrada é franca.

NACIONAL

Além do campeonato paraense, a academia Machida, e o estado do Pará, ainda serão representados pelo atleta faixa preta de karatê Bruno Souza Filho, medalhista de ouro no 1º Campeonato Mundial Unificado de Karatê, realizado em Koper, na Eslovênia. Bruno participará do Campeonato Brasileiro Adulto de Karatê-do Tradicional, no período de 27 a 30 de novembro, em Curitiba/PR. (Da Assessoria)

Presidente da federação sai e Jorge Sampaoli pode deixar comando da seleção chilena

Sampaoli durante o empate contra a Colômbia: de saída da seleção do Chile?

Através de um comunicado no site da ANFP (Associação Nacional de Futebol Profissional do Chile), o presidente a entidade, Sergio Jadue, anunciou que abdicou de seu cargo nesta quarta-feira. Ele estava em poder desde 2011, quando foi eleito sucessor de Harold Mayne-Nicholls, e tinha mandato até o fim deste ano.

Com isso, o técnico Jorge Sampaoli (foto), contratado em 2012 para o lugar de Claudio Borghi, pode deixar o cargo, já que havia dito que seu futuro estava vinculado ao do presidente, seu aliado. Após a derrota para o Uruguai, na terça, ele foi misterioso.

Em seu mandato como presidente, Jadue comandou o Chile na conquista da Copa América deste ano, sediada no país andino. Foi o primeiro título da história da Roja. Segundo a imprensa chilena, o motivo da renúncia é a investigação sobre supostas irregularidades nos salários de dirigentes do futebol chileno. A ANFP, porém, nega qualquer tipo de problema. (Da ESPN)

STF nega habeas corpus a Del Nero

Investigado em CPI, Del Nero é aguardado em partida em Salvador

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quinta-feira o pedido de habeas corpus para o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo del Nero, que é investigado pela CPI do Futebol. O pedido tinha como objetivo impedir sua prisão durante as investigações e lhe dar o direito de permanecer calado em futuro depoimento.

A solicitação de Del Nero foi feita há uma semana por três advogados dele, entre os quais José Roberto Batochio, Guilherme Octávio Batochio e Carlos Eugênio Lopes, este da CBF. O ministro do STF, Gilmar Mendes, foi quem julgou o pedido.

O presidente da CBF é suspeito de ser o ‘co-conspirador número 12’ de uma investigação feita pela Justiça dos Estados Unidos, por isso se resguarda. Ele não deixa o país desde maio, quando em viagem à Suíça viu de perto seu antecessor, José Maria Marín, ser preso por corrupção. Neste período, o cartola faltou em nove compromissos da seleção brasileira em que supostamente deveria estar, entre eles a Copa América do Chile.

Carolina Galan, ex-namorada de Del Nero, teve um pedido de quebra de sigilo bancáriopor suspeita de ter recebido cerca de R$ 1 milhão do mandatário enquanto estavam juntos. (Da ESPN) 

Sesc inscreve para a Meia Maratona

Termina nesta segunda (24) as inscrições para a etapa infantil/infanto juvenil (04 a 17 anos) da Meia Maratona Sesc de Revezamento. A prova acontece no dia 29/11 às 07h, na Escola Superior de Educação Física.  Já a corrida e caminhada adulto acontece no dia 13/12, nas categorias geral, amador, comerciária/dependente, equipe de revezamento (dupla e quarteto) e pessoas com deficiência e as inscrições vão até dia 04 de dezembro. Todas as inscrições serão feitas pelo sitewww.sesc-pa.com.br/meiamaratona2015.

Serviço:

Meia Maratona Sesc Revezamento

Inscrições:

Etapa Infantil / Infanto Juvenil (04 a 17 anos): até 24 de novembro

Etapa Adulto (Corrida e Caminhada): até 04 de dezembro

Através do site www.sesc-pa.com.br/meiamaratona2015

——————————–

Data da prova Infantil e Infanto Juvenil: 29/11/2015

Local: Escola Superior de Educação Física

Hora: 07h

——————————–

Data da prova adulto: 13/12/2014

Local: Largada em Frente ao Sesc Doca

Hora: 06h

——————————–

Mais informações:

(91) 4005-9528 / 9583 (Janaína Melo– Coordenadora de Esportes do Sesc). (91) 4005-9584 (Coordenação de Comunicação do Sesc no Pará)

Faltou respeito

POR GERSON NOGUEIRA

A ideia de que o futebol comporte sentimentos como gratidão ou reconhecimento é, há algum tempo já, letra morta. Não significa que as atitudes dos clubes em relação a seus empregados devam ser frias e pouco transparentes. Pelo grande trabalho executado no Remo durante a temporada, conquistando o Campeonato Paraense e garantindo o acesso à Série C, Cacaio merecia pelo menos um tratamento mais decente.

Não havia necessidade de tanta demora e mistério – que, em bom futebolês, em geral significa enrolação – para definir a situação do técnico. Se não fazia parte dos planos para 2016, os dirigentes deveriam ter deixado isso claro desde o final do Brasileiro da Série D.

unnamed

Deviam avisar Cacaio, agradecer pelos bons serviços e desejar boa sorte nos projetos futuros. Tudo conforme o figurino habitual desse tipo de desligamento. Mesmo que a decisão não fosse a mais satisfatória, o treinador certamente entenderia. E o clube ficaria livre do desgaste que o processo todo causou.

Constrangida em ter que despachar Cacaio, a cúpula dirigente do Remo começou um jogo de enganação que só causa mais irritação. Protelaram a reunião para discussão do novo contrato e, quando ela finalmente aconteceu, não houve maior esforço para superar o motivo do impasse: a duração do acordo.

O técnico, com base no que realizou no clube, reivindicou um contrato anual. A Diretoria contrapropôs seis meses e daí não arredou pé. Divergências dessa ordem são absolutamente normais, tanto no futebol como no mundo empresarial. O erro foi não deixar claro que o compromisso entre as partes acabava ali – pagando, é claro, os atrasados devidos ao treinador (em torno de R$ 80 mil, segundo fontes respeitáveis).

Entender que a torcida acolheria na boa a tese galhofeira de que “a imprensa demitiu o técnico”, como declarou ontem o presidente do clube, é acreditar em fadas e no saci pererê. Executivos do futebol precisam aprender a dar entrevistas e a esquecer o tempo em que piadinhas caíam bem diante de microfones, câmeras e gravadores.

A desculpa esfarrapada – e até desrespeitosa – apresentada pelo gestor azulino dá bem a medida da desatualização de grande parte da Diretoria atual do Remo. Em nome do clube, cabia ao seu representante abrir o jogo, explicar os motivos da não renovação com o técnico e fim de papo. Vida que segue.

Empurrar com a barriga, pilheriar ou simples desconversar não resolve o problema de fundo: a forma pouco profissional como o Remo tratou um dos heróis, talvez o mais importante, da bem-sucedida temporada dentro de campo.

————————————-

Incerteza quanto ao substituto de Cacaio 

Desde ontem, as especulações dominam o ambiente azulino quanto ao sucessor de Cacaio. A lista de nomes é extensa e cresce a cada minuto. Vai de Josué Teixeira a Marcelo Chamusca, passando por Flávio Araújo, Mazola Jr., Sidney Moraes, Marcelo Veiga e até Lecheva.

De concreto até o momento é que a Diretoria prioriza um treinador que tenha vivência e conheça a fundo o futebol nordestino. O motivo é a configuração do grupo A da Série C 2016, onde o Remo deve ter pela frente nove (ou oito) equipes nordestinas.

Marcelo Chamusca, que seria o preferido dos dirigentes, treinou o Fortaleza e fracassou na tentativa de subir à Série B. Flávio Araújo, muito citado nas últimas horas, tem a fama justificada de campeão de acessos, mas enfrenta resistências pela fraca campanha no Remo em 2013, quando decidiu dois turnos em vantagem e acabou derrotado por Papão e Paragominas.

 

Josué Teixeira (foto acima) foge ao perfil pretendido, embora tenha trabalhado no ABC de Natal nesta temporada. Marcelo Veiga, campeão da Série D com o Botafogo-SP, enfrenta as mesmas restrições sofridas por Araújo. Sidney Moraes (ex-PSC), muito ligado ao gerente Fred Gomes, corre por fora.

Mazola Jr. e Lecheva, mesmo citados, são opções improváveis. Identificado com o Papão, Mazola teve enfrentamento direto com a ex-direção do Remo em 2014. Dificilmente seria aceito pela torcida. Quanto a Lecheva há o desgaste da recusa do convite para treinar o time no Parazão deste ano.

————————————

A incômoda solidão de Neymar

A fase anda tão vasqueira que quando a Seleção de Dunga vence por 3 a 0 logo aparecem alguns afoitos aplaudindo a suposta grande atuação. Menos, menos… Contra o Peru, anteontem, a vitória era previsível contra um adversário que evoluiu muito, mas ainda padece de grande limitação técnica.

Com todos os titulares, inclusive Neymar, o Brasil não podia mesmo se embaraçar com a seleção peruana diante de 45 mil torcedores na Arena Fonte Nova. Pouco acionado e muito marcado, sempre com rispidez, o camisa 10 não brilhou. Douglas Costa apareceu bem mais, com ousadia e intensidade. Fez o gol de abertura, criou as jogadas dos outros dois e ainda mandou um belo chute na trave.

Mesmo com graves problemas de dispersão e apatia no meio-campo, o time produziu o suficiente para fazer os gols e superar o esforçado adversário. Deu pro gasto. Superou inclusive a omissão de Daniel Alves pelo lado direito e o sumiço de Elias na meia-cancha.

Mas a partida não foi inteiramente tranquila. Reservou alguns sustos à atabalhoada defensiva nacional. O primeiro aconteceu logo aos 3 minutos, quando uma bola espirrada para trás foi parar nos pés de Guerrero, que finalizou mal. Outros três sobressaltos ainda ocorreriam quase ao final do jogo. Com Farfan, Guerrero e Reyna, o Peru teve excelentes e seguidas oportunidades para marcar.

Douglas Costa, quase no mesmo nível do que joga no Bayern de Pep Guardiola, foi disparadamente o melhor da partida. Willian veio logo abaixo e Renato Augusto apareceu com algum destaque no segundo tempo. Neymar, sem companheiros que o municiem, fica inteiramente vulnerável aos pontapés adversários, sem conseguir produzir.

Algo precisa ser feito quanto a isso. Por Neymar – e pela Seleção.

———————————-

Direto do blog

“Os dirigentes esqueceram que o time só conseguiu as conquistas de 2015 porque o grupo se fechou em torno do Cacaio. Agora vai acontecer a mesma coisa de anos anteriores: traz um técnico de fora, o qual indicará ‘seus’ jogadores, que serão titulares, deixando insatisfeitos os remanescentes do grupo de 2015 e gerando um racha no grupo. Tudo isso fazendo com que o time não renda em campo. Resultado: técnico demitido, jogadores importados dispensados, mais dívidas trabalhistas e o time caindo pelas tabelas”.

Bruno Oliveira, torcedor azulino insatisfeito com a saída de Cacaio. 

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 19)