Leão fecha com Whelton, Ezequias e Chicão

A gerência de Futebol do Remo confirmou a contratação dos seguintes jogadores: atacantes Aleilson, Welthon e Léo Paraíba; zagueiros Henrique e Ezequias; volante Chicão. O meia Juninho, ex-Parauapebas, ainda negocia com o clube, bem como o goleiro Fernando Henrique (ex-Fluminense e Ceará). O lateral-esquerdo Rairo (ASA de Arapiraca) também está na mira dos azulinos. A diretoria renovou os contratos do volante Ameixa (2 anos), do zagueiro Igor João (2 anos), do meia-atacante Edicléber (um ano) e atacante Sílvio (3 anos).

Jogadores e técnicos do ABC detonam árbitro

img_4977

A marcação do pênalti e a expulsão do zagueiro Suéliton causaram revolta ao elenco do ABC. Os lances ocorridos no jogo contra o Paysandu, que culminaram com a eliminação do Alvinegro na Copa do Brasil, deixaram o time inconformado com a atuação do árbitro paulista Guilherme Ceretta de Lima, responsável por conduzir as ações da partida. O volante Fábio Bahia detonou a marcação do pênalti a favor do Papão, que, para ele, prejudicou o rendimento dos jogadores abecedistas. Bahia tratou como “decisiva” a atuação da arbitragem.

– A arbitragem foi decisiva para a nossa eliminação e a classificação dos caras. Ele deu o pênalti e expulsou um jogador nosso. A arbitragem sempre está errando contra o nosso time. Nós fizemos o primeiro gol e estávamos pressionando para fazer o segundo (gol), e numa bola normal de jogo, ele (Guilherme Ceretta de Lima) marcou o pênalti que prejudicou a nossa classificação, prejudicou o nosso trabalho. O torcedor sai triste, nós saímos mais tristes ainda com esse resultado porque merecíamos essa classificação – criticou.

O técnico do ABC, Josué Teixeira, se mostrou bastante irritado com a arbitragem do duelo diante do Paysandu. O Alvinegro perdeu o jogo por 2 a 1, de virada, e acabou eliminado da Copa do Brasil, em pleno Estádio Frasqueirão. Após a queda, o treinador abecedista fez duras críticas ao árbitro paulista Guilherme Ceretta de Lima, responsável por conduzir as ações da partida.

O polêmico e contestado lance aconteceu aos 18 minutos do segundo tempo, quando o ABC vencia por 1 a 0, com gol marcado por Bruno Luiz no primeiro minuto da etapa final. O atacante Leandro Cearense, que fez o gol da vitória alviceleste no jogo da ida, entrou na área marcado por Suéliton e acabou caindo. Mesmo longe do lance, o árbitro Guilherme Ceretta não hesitou e apontou a marca da penalidade. Pior para o ABC, que viu Yago Pikachu converter a cobrança e ainda teve o zagueiro expulso. (Do Globoesporte/Natal)

A falta de autoridade moral de FHC

POR MARIA INÊS NASSIF, no Viomundo

O ex-presidente, que pontifica lições de boa governança para Dilma Rousseff, foi reeleito com dinheiro dos bancos e depois jogou o Brasil na crise

A crise econômica vivida pelo governo Dilma Rousseff, no primeiro ano de seu segundo mandato, nem de longe tem a gravidade da que balançou o país no primeiro ano do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso (1999-2002). A crise política enfrentada por Dilma apenas é mais intensa que a de FHC nesse primeiro ano de segundo mandato porque ele tinha uma base de apoio que, embora mais vulnerável do que a dos primeiros quatro anos, reunia elementos de coesão ideológica inexistentes na atual coalizão governista. FHC apenas tinha uma posição um pouco mais confortável do que tem Dilma agora.

957052-22042015-_tng3021No governo FHC, a aliança parlamentar se fazia do centro à direita ideológica. Assim, mesmo que houvesse discordâncias pessoais na base parlamentar e quedas-de-braço do Congresso com o Palácio do Planalto – e o então senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) fazia questão que isso acontecesse com regularidade –, nas questões fundamentais para o projeto econômico os interesses convergiam. Ajudava a constituir maiorias parlamentares o apoio dos meios de comunicação às chamadas “reformas estruturais” – e a pressão de fora para dentro do Congresso tinha o poder de resolver as disputas mais mesquinhas.

Nas gestões do PT, a diluição ideológica do apoio parlamentar – ao centro, à direita e à esquerda – tornaram a vida dos presidentes Lula e Dilma mais difícil. No governo Dilma, a exposição de uma fragilidade econômica deu à mídia oposicionista o elemento que faltava para pressionar os parlamentares, de fora para dentro do Congresso, a assumirem posições contrárias ao governo; e, junto à opinião pública, jogar elementos de insegurança e desqualificar toda a gestão anterior.

Ainda assim, e apesar da propaganda contrária ao governo Dilma, não se pode atribuir ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso qualidades morais para pontificar julgamentos sobre política econômica, ajuste fiscal, relacionamento com a base parlamentar, relações apropriadas com financiadores de campanha ou de fidelidade a promessas eleitorais da atual presidente. Se sua experiência ajudar em alguma coisa a crise de agora, é para dar o exemplo de como não fazer o ajuste fiscal, de como não se relacionar com a base parlamentar e de como não fazer política eleitoral.

No ano de 1999, segundo os jornais, o Brasil pagava a conta do governo anterior tucano, que manteve a estabilidade de preços às custas de uma âncora cambial artificial e de uma política fiscal rigorosa, que resultou numa enorme fragilidade externa, em grande desemprego, pífio crescimento econômico e, ironicamente, aumento da inflação.

A conta foi alta. Em 1998, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,4%, e em 1999, 0,5%; o dólar, que valia R$ 1,2 em 1998, saltou para R$ 1,8 no ano seguinte. A inflação foi de 8,9% em 1999; o ajuste fiscal do governo imprimiu uma inflação de 19,2% em 1999 sobre os preços monitorados (petróleo e energia). O consumo das famílias teve crescimento negativo de 0,7% em 1998 e apenas 0,4% positivo no ano seguinte. O investimento público federal caiu de 2,1% do PIB em 1998 para 1,4% em 1999; a taxa de investimento, de 17% para 15,7% do PIB; a formação bruta de capital fixo, que sofreu variação negativa de 0,2% em 1998, chegou ao fundo do poço em 1999, com queda de 8,9% em relação ao ano anterior.

As reservas internacionais, que eram de US$ 52,1 bilhões em 1997 e haviam caído para US$ 34,4 bilhões em 1998, chegaram ao perigoso nível de US$ 23,9 bilhões em 1999. O saldo da balança comercial no final do ano eleitoral de 1998 foi negativo em US$ 6,6 bilhões, e em 1999 de US$ 1,3 bilhões. Em 1998, o Brasil perdeu 36 mil postos de trabalho, e 582 mil em 1989.

Eleições caras

Em outubro de 1998, Fernando Henrique Cardoso conquistou o seu segundo mandato no primeiro turno, com a ajuda de financiadores privados de campanha que haviam sido enormemente beneficiados no seu primeiro governo e no governo Itamar Franco, quando o PSDB ocupou o comando econômico que permitiu ao partido e a FHC se credenciarem como os pais do Plano Real nas eleições de 1994.

Segundo a Folha de S. Paulo (“Bancos lideram doações para campanha de FHC”, 26/11/1998 e “Bancos lideraram contribuições a FHC”, 6/6/1999), bancos e instituições financeiras foram os principais doadores de campanha, e contribuíram com 25,7% do total de R$ 43 milhões arrecadados pelo comitê do presidente reeleito.

É o próprio jornal que lembra a razão do interesse de financiadores de campanha do mercado financeiro pelo candidato: “Em novembro de 95, o governo FHC criou o Proer, o programa de socorro a bancos em dificuldade. Já foram injetados R$ 21 bilhões para financiar fusões bancárias”, diz na material de 1998.

Na matéria publicada em 1999, o jornal afirma: “No primeiro mandato de FHC, as instituições [financeiras] viveram anos de prosperidade, segundo balanços divulgados pelo Banco Central, e escaparam dos impostos, segundo a Receita Federal. A soma do patrimônio líquido do conjunto das 223 instituições financeiras mais do que duplicou no periodo, passando de R$ 26,426 bilhões para R$ 55,653 bilhões”.

Além disso, FHC teve uma generosa contribuição de empresas com interesse direto no processo de privatização levado a termo pelo PSDB desde o governo Itamar. Figuravam entre os dez maiores financiadores da campanha de 1998 de FHC a Inepar (que participou do Consórcio Telemar), a Vale do Rio Doce (privatizada em 1997), a Companha Siderúrgica Nacional (CSN, privatizada em 1993, quando FHC era ministro de Itamar), a Copesul (privatizada em 1992) e a Copene (privatizada em 1993). A Andrade e Gutierrez, que também fez parte do Consórcio Telemar, figurava no 11º lugar entre os financiadores de campanha do tucano.