Naça x Papão será no estádio da Colina, em Manaus

estadio_da_colina_joel-anthus-agecom-7A CBF autorizou a mudança de local do jogo Nacional-AM x Paissandu pela segunda fase da Copa Verde, marcado para o próximo dia 22 de março. A partida, que aconteceria na Arena da Amazônia, será realizada no revitalizado estádio da Colina (foto).

O Nacional anunciou, na noite deste domingo, a transferência da partida para o estádio Ismael Benigno, a Colina. O jogo está marcado para as 17h30 (horário local). Na tarde desta segunda-feira, a CBF atendeu o pleito nacionalino e confirmou o jogo para a Colina.

O estádio escolhido é o mesmo que recebeu Princesa do Solimões e Remo, na última semana. A capacidade é de 10 mil pessoas, e a carga de ingressos para a partida será máxima, sendo 6 mil de entrada inteira, a R$ 40,00, e 4 mil ingressos de meia-entrada, ao preço de R$ 20,00.

No jogo de ida, realizado no estádio da Curuzu, o Papão goleou por 4 a 1 e deixou o Naça em situação difícil na disputa. Para garantir a classificação, o Leão da Vila Municipal precisa vencer por três gols de diferença ou mais.

Eleitor de Dilma não foi às ruas neste domingo

POR LEONARDO AVRITZER

As manifestações de rua que temos visto na última semana contra o governo e principalmente as manifestações que ocorreram hoje, em São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Brasília, entre outras cidades, são a expressão de um fenômeno que começou em junho de 2013: a pluralização e posterior polarização da mobilização social no Brasil.

Mais de um milhão de pessoas estão se manifestando neste domingo, dia 15, e elas parecem querer coisas diferentes: alguns querem o impeachment da presidente ainda que não entendam que o impeachment no presidencialismo é um ato administrativo em punição a malfeitos; alguns expressam indignação contra a corrupção; e outros querem sinceramente que o governo melhore a sua performance, principalmente, no campo da economia.

CAMe-yxUIAAFaNA

Mas a pergunta central que merece ser feita hoje é: por que a classe média está se mobilizando e por que ela está polarizando a sociedade brasileira? Desde junho de 2013 estamos vendo uma ativação da mobilização de classe média no Brasil. As manifestações de então foram um divisor de águas na política brasileira. Convocadas inicialmente pelo Movimento Passe Livre elas cumpriram o papel de reabrir o campo da mobilização social no Brasil.

Se tomarmos os dados dos institutos de pesquisa sobre as manifestações de junho, foi a classe média quem delas participou, já que 43% dos manifestantes tinham ensino superior completo e 23% deles tinham renda superior a 10 salários mínimos, perfazendo um perfil típico de classe média.

Foi esta classe média, especialmente o seu setor de renda mais alta, que derrotou Dilma nas principais capitais do Sudeste, nos dois turnos da eleição – se tomamos os dados da pesquisa Datafolha de 10 de Outubro do ano passado que mostrou apoio de 67% ao candidato da oposição Aécio Neves por parte da classe média alta.

É essa mesma classe média que se manifestou hoje, a se julgar pelos locais e pelas cidades onde as manifestações ocorreram. Os protestos ocorreram em Copacabana, na praça da Liberdade, em BH, e na Esplanada, em Brasília, com forte presença dos atores acima mencionados. Ou seja, a classe média brasileira está se manifestando e ocupando o espaço do protesto social, um fato a princípio positivo. No entanto, a pluralização da participação social está se tornando rapidamente uma polarização da participação social, e esse fato é preocupante para todos os que prezam a democracia no Brasil.

Há claramente uma agenda negativa nas manifestações da classe média. Esta agenda implica em se manifestar contra setores da população brasileira, ou contra parte do eleitorado ou contra a maior parte das instituições em especial, a presidente.

Não tenho dúvidas que a presidente cometeu erros nos primeiros sessenta dias do seu governo, principalmente por não ter pactuado, comunicado ou negociado com os seus apoiadores e eleitores a mudança na política econômica. Apesar de ter anunciado, ainda durante a campanha eleitoral, a saída de seu ministro da Fazenda, Dilma não sinalizou para o seu eleitorado a mudança de curso na política econômica, algo feito quase imediatamente depois da vitória.

Concentração da insatisfação

Ao deixar de fazê-lo, ela tornou insatisfeitos os seus apoiadores e não conseguiu atrair os seus opositores, como ficou bastante claro hoje. Assim, a população brasileira tem fortes motivos para estar insatisfeita, mas ainda assim cabem três perguntas que podem nos ajudar a calibrar a relação entre os erros da presidente e os objetivos dos manifestantes.

A primeira pergunta é: qual é o perfil dos manifestantes que foram a rua hoje? A segunda é se foi o eleitor da Dilma quem se manifestou hoje.  E a terceira é se as manifestações e a insatisfação em relação ao governo justificam um pedido de impeachment. Ainda é cedo para avaliar quem foi as ruas no Brasil hoje, mas é possível fazer duas observações. A primeira é que, apesar de existir uma insatisfação ampla com a presidente, existe claramente um polo de concentração desta insatisfação no Estado e na cidade de São Paulo.

O tamanho das manifestações ficou entre 20 mil a 50 mil pessoas nas principais cidades do Sudeste e em Curitiba, mas elas adquiriram uma dimensão diferente na cidade de São Paulo, onde 1 milhão de pessoas segundo a PM  (210 mil segundo o Datafolha) se manifestaram, e no interior do Estado.

Desde 2013, há uma indisposição em relação ao governo e ao Partido dos Trabalhadores que se acentuou na cidade de São Paulo durante as eleições e continua até hoje. Esta intensidade de opinião negativa contra o governo atingiu o seu auge hoje, mas ela não se expressa da mesma maneira nas outras capitais do Sudeste, como Belo Horizonte e o Rio de Janeiro, onde as manifestações foram significativamente menores e não alcançaram 1% do eleitorado.

A segunda resposta é: parece não haver nenhuma evidência que o eleitor da presidente Dilma no último dia 26 de outubro tenha se manifestado neste domingo. Pelo perfil do manifestante de classe média que foi possível perceber nas manifestações, pelas regiões das cidades onde houve manifestações e pela concentração regional em São Paulo, todas as evidências indicam que o eleitor da Dilma não se manifestou.

As manifestações foram também muito pequenas nas principais capitais do Nordeste, como Salvador, Recife e Fortaleza, onde a presidente venceu as eleições com folga. Assim, sem diminuir a importância das manifestações, cabe ressaltar que elas são de uma classe média insatisfeita com o governo – centrada em São Paulo que votou majoritariamente na oposição. Nesse sentido, elas foram a manifestação de uma parte da sociedade brasileira.

A resposta para a terceira pergunta é a mais importante já que os manifestantes de hoje não apresentaram ao país nenhuma agenda. Eles querem a saída da presidente. Obviamente que não há nenhuma justificativa para o impeachment porque ele seria uma ruptura institucional que mudaria as regras do presidencialismo brasileiro, na medida em que poria na ordem do dia o impedimento de qualquer presidente mal avaliado daqui em diante.

Alguns países, como a Venezuela ou o Equador, introduziram essa lógica na sua democracia e ela se mostrou altamente perversa, porque se o impeachment pode ser um instrumento de oposição, ele passa a fazer parte do jogo político ou da política normal, o que é deletério para a democracia.

Como pensar então a democracia e a política brasileira após as manifestações deste domingo? Na minha opinião, é urgente uma agenda positiva por parte do governo, da oposição e dos manifestantes. No caso do governo, a presidente precisa utilizar urgentemente dos instrumentos públicos que o governo tem, principalmente, o CDES – conhecido como “conselhão” – para comunicar e pactuar tanto com a sua base, mas também com a maior parte do empresariado, as mudanças na economia.

Ampliar a base social de apoio para estas mudanças e pactuar os seus principais elementos e os seus limites temporais parecem ser os principais desafio do governo hoje. No caso da oposição e dos manifestantes, eles estão no dever de propor uma agenda institucional de mudanças que esteja centrada no combate à corrupção, que é uma necessidade e em uma preocupação com a melhoria da qualidade do sistema político.

A alternativa a uma agenda positiva é uma agenda de escalada das mobilizações pelos diferentes atores políticos que poderá jogar a democracia brasileira em uma dinâmica de desinstitucionalização muito perigosa. Este não é um presente que a democracia brasileira mereça no dia em que a retirada dos militares e a devolução do poder aos civis completou 30 anos.

(*) Leonardo Avritzer é cientista político, da UFMG.

Sufoco azulino em jogo empolgante

unnamed (54)

unnamed (54)

POR GERSON NOGUEIRA

Audacioso esse Tapajós. Estreante no campeonato, mas tinhoso que só ele. Não tomou conhecimento do Remo, partiu para fazer gol desde o início, apostando tudo nas trapalhadas da defesa remista. Deu certo. Chegou a estar vencendo por 4 a 2, cedeu o empate e a virada, mas acabou fechando o placar em 5 a 5. Valentia, acima de tudo, contribuindo para o jogo mais vibrante do campeonato até aqui.

O Remo saiu na frente, em pênalti convertido por Eduardo Ramos logo aos 4 minutos. Tiago Costa empatou aos 6 minutos, mostrando as armas do Boto. Aos 11, Ramos desempatou outra vez, novamente cobrando penal. Aí outro ex-bicolor, Moisés, deixou tudo igual, aos 33. Uma partida nervosa, disputada em campo pesado e com marcação ríspida na maior parte do tempo.

unnamed (45)A pressão exercida pelo Tapajós sobre o sistema defensivo do Remo surtia efeito, pois Ilaílson e Alberto tinham dificuldades para cobrir os laterais em confronto com os velozes Welton e Moisés. O meio-de-campo azulino dependia dos espasmos criativos de Eduardo Ramos. Até Bismarck, normalmente dinâmico, parecia travado.

Veio o segundo tempo, com mais chuva e mais gols. Logo aos 4 minutos, em belíssimo voleio, Welton desempatou para o Tapajós, calando a galera remista. Não houve nem tempo para reação. Quatro minutos depois, Helder ampliou e o inferno azulino se desenhava em cores límpidas no horizonte do Bengui.

A partida ganhou em eletricidade com a entrada de Rafael Paty no ataque azulino, substituindo a Caça Rato. O Remo foi todo à frente e diminuiu aos 12, mais na vontade do que na inspiração. Aos 22 minutos, um golaço de Alberto iguala tudo de novo.

O esquecido Val Barreto já estava em campo, como salvador da pátria ante o desastre iminente. E foi o próprio Barreto que tratou de virar o placar, aos 29 minutos, em jogada típica de centroavante. Aí o Remo se empolgou e passou a apertar de vez, buscando ampliar a vantagem. Roni, Barreto e Bismarck quase marcaram.

unnamed (66)

Ocorre que o Boto não estava morto, no máximo fingia sossego. Bastaram duas investidas em cima de Ciro Sena para que a casa azulina voltasse a ruir. Cobrando pênalti, Welton deu números finais à batalha.

Entre mortos e feridos, safaram-se todos, inclusive o Remo, que conseguiu terminar a rodada em primeiro lugar na chave A1 – pelo saldo de gols.

No Remo, Alberto, Ramos e Alex Ruan foram os mais produtivos. No Tapajós, Welton, Helder, Moisés e Jader brilharam.

unnamed (66)

————————————————–

Uma parada decidida na transpiração

O jogo começou animado em Castanhal. Fernando Sá, estreante, incomodava a zaga do Papão com deslocamentos constantes. Em contrapartida, o ataque bicolor mostrava apetite ainda maior. Antes dos 10 minutos, três chances com Carlinhos Madureira (duas vezes) e Bruno Veiga, levando a difíceis intervenções do goleiro André Luís.

unnamed (66)

Aos 16, saiu o gol. Cobrança de falta pela direita, Carlinhos põe a bola na cabeça de Pablo, daí para as redes do Castanhal. O gol empolgou o Papão, que permaneceu em cima e quase fez o segundo aos 19, com Veiga.

Depois da pressão inicial, veio a calmaria. Os bicolores passaram a tocar a bola no meio-campo, esperando o Castanhal sair. Com isso, o jogo mergulhou no marasmo até quase os 30, quando só então o Japiim voltou a ameaçar, em cabeceio perigoso de Fernando Sá.

No intervalo, desabou um pampeiro amazônico sobre o estádio Maximino Porpino e aí o que era futebol virou disputa para escapar do lamaçal. O Papão se manteve atrás principalmente depois que Giovani empurrou a bola para as redes, em gol anulado por Dewson Freitas, alegando falta sobre o goleiro Emerson. O susto redobrou as cautelas do time de Dado Cavalcanti, que não conseguia mais sair com facilidade de seu campo.

Para segurar a correria do Castanhal, Jonathan e Radamés postaram-se ao lado de Capanema e em frente à zaga, formando uma espécie de barreira de marcação. Ricardo Estrade lançou então o velocista Luquinha (no lugar de Lineker) e o jogo pegou fogo a partir dos 20 minutos. Aumentou sua força ofensiva com Clayton Boca substituindo a Fernando Sá.

Dos 30 minutos em diante, o Castanhal teve pelo menos quatro boas chances. Só Clayton Rato desperdiçou três. Mandou por cima ao tentar encobrir Emerson. Cabeceou forte no canto direito, mas o goleiro espalmou e a trave salvou o Papão. Depois, mandou outro tiro forte, mas a bola desviou e foi por cima.

unnamed (54)

O Papão fazia o jogo da espera, avaliando que poderia roubar uma bola em seu campo e organizar um contra-ataque fulminante. Não conseguiu fazer isso principalmente porque Carlinhos, cansado, cedeu lugar a Elanardo, que pouco acrescentou.

Só por volta dos 40 minutos, em jogada rápida puxada por Leleu (substituto de Radamés), o Papão voltou a ameaçar. Jonathan recebeu na entrada da área e chutou colocado, mas um desvio na zaga impediu o que seria o segundo gol. E ficou nisso.

Um jogo disputado em dois campos diferentes, antes e depois da chuva, com domínios invertidos. Papão melhor no primeiro tempo, Castanhal superior no segundo. Levou vantagem quem teve competência para fazer o gol.

unnamed (66)

Carlinhos, Jonathan, Bruno Veiga e Pablo, nesta ordem, foram os destaques no Papão. Luquinha, André Luís, Fernando Sá e Billy se sobressaíram no Castanhal. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola)

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 16)