Copa América: Brasil conhece primeiros adversários

B3PwnFKIMAAYu8gPeru, Colômbia e Venezuela serão os adversários do Brasil na fase de grupos da Copa América de 2015, no Chile. Será o primeiro torneio desde a volta de Dunga à seleção, que estará no Grupo C. A estreia será contra os peruanos, no dia 14 de junho.

Já o Grupo A é formado por Chile, México, Equador e Bolívia, enquanto Argentina, Paraguai, Uruguai e Jamaica estão no C. Os dois melhores de cada chave avançam à próxima fase.

Parazão: Parauapebas sobe, Águia cai

A rodada do fim de semana da primeira fase do Parazão confirmou a classificação do Parauapebas, o rebaixamento de Izabelense e Águia e deixou em aberto a situação de pelo menos mais sete times. A Chave A2 é a mais indefinida, com possibilidades de classificação para praticamente todas as equipes. Os resultados foram os seguintes: Chave A1 – Vênus 0 x 0 Parauapebas e Águia 2 x 3 Tapajós; Chave A2 – São Raimundo 1 x 1 Gavião e Bragantino 1 x 0 Tuna. Abaixo, as projeções para a rodada final de quarta-feira, que irá definir a classificação à elite do Campeonato Estadual.

CHAVE A1:

Parauapebas (classificado) com 7 pontos.

Tapajós (6 pontos) x Vênus (4 pontos):

Tapajós:Empate ou vitória, estará classificado.

Vênus: Só a vitória interessa.

Águia x Izabelense: Já estão rebaixados à segunda divisão de 2015, pois cada um tem 3 pontos e só podem chegar no máximo a 6, no caso de uma vitória.

CHAVE A2:

Castanhal (5 pontos / saldo: 3 / GP: 6) x Tuna (4 pontos / saldo: 0 / GP: 2)

Castanhal: Joga por um empate ou vitória. Pode perder até por 3 gols de diferença, contando com um empate entre Gavião e Bragantino, que também estará classificado.

Tuna Luso: Joga por uma vitória, ou até mesmo por um empate em gols, contando também com um empate entre Gavião e Bragantino.

Gavião (3 pontos) x Bragantino (3 pontos): quem vencer estará classificado para a fase de elite do Parazão 2015; o perdedor estará automaticamente rebaixado; um empate neste jogo rebaixará os dois times.

São Raimundo (5 pontos / saldo: 0 / GP: 3): realizou os seus quatro jogos e encerrou sua participação nesta fase. 1°) Torce por um empate em 0 a 0 entre Tuna e Castanhal, contando também com um empate entre Gavião e Bragantino, que estará classificado. Obs.: se acontecer um empate em 1 a 1 entre Tuna e Castanhal, o S. Raimundo perderá a vaga para a Tuna no confronto direto (1 a 0). Em caso de empate em 2 a 2 ou mais, perderá no critério de gols marcados (GP). 2°) torce por uma vitória do Castanhal e por um empate entre Gavião e Bragantino. 3°) torce por uma vitória da Tuna por 4 gols de diferença em cima do Castanhal e um empate entre Gavião e Bragantino.

(Com informações de Adilson Brasil/Rádio Clube)

Paraense ganha prata em Sul-Americano de Judô

unnamed (3)

O paraense Rodrigo Artur Liebold conquistou a medalha de prata no Campeonato Sul-americano de Judô Sub 15, realizado em Lima, no Perú, neste final de semana. O atleta conquistou o vice-campeonato na categoria – 40 kg. Ao todo, a Seleção Brasileira conseguiu trazer oito medalhas de ouro e quatro de prata, com a delegação garantindo o primeiro lugar geral da competição, deixando a Argentina em segundo e o Perú na terceira posição.

Rodrigo Liebold tem chegada prevista em Belém para a madrugada desta terça-feira e será uma das atrações em duas competições no final de semana: o Torneio de Aniversário de 40 anos da FPAJU e Copa Sejel, ambos na capital paraense. (Com informações da MMSports)

Mazola analisa temporada e discute permanência

unnamed (2)

Com o reconhecimento dos méritos do Macaé e a avaliação de que o Papão poderia ter melhor sorte caso Charles e Pablo pudessem jogar, o técnico Mazola Junior comentou a final do Brasileiro da Série C durante entrevista ao programa Bola na Torre (RBATV), na noite de domingo. Disse que as situações testadas em outros jogos não funcionaram no sábado e admitiu falhas da equipe quanto a posicionamento defensivo e passe. Voltou a afirmar que não se pode apontar culpados pelo resultado desfavorável, enfatizando que o Papão não perdeu os jogos finais – empates de 1 a 1 e 3 a 3.

Observou, ainda, que sob seu comando o Papão disputou “seis finais”, incluindo as decisões de turno do Parazão e as eliminatórias da Série C. O acesso à Série B foi apontado como o ponto alto do trabalho. “Fico orgulhoso por tudo que fizemos por este clube gigantesco, cuja torcida merecia essa volta à Série B”, disse o técnico.

Mazola adiantou que iria reunir nesta segunda-feira com o presidente eleito do clube, Alberto Maia, para definir sua situação no clube. A princípio, segundo Mazola, não deve haver dificuldade para um acordo, mas admitiu que precisa conhecer os planos do novo mandatário para as próximas duas temporadas. “Precisamos ver se eu me encaixo nesse projeto”, destacou.

Na entrevista, não poupou críticas à maneira como a base é tratada pelos clubes paraenses. “O problema da base no Pará é que não existe base”, afirmou, explicando que falta estrutura para que os jovens atletas recebam a formação adequada. Citou exemplos de jogadores do elenco do Paissandu com problemas dentários e deficiências de massa muscular. Citou as contusões seguidas de Pablo e Djalma como exemplos dessa situação.

Aproveitou para voltar a um tema que sempre aborda em entrevistas. Mazola defende que comentaristas e jornalistas esportivos acompanhem os treinamentos dos times a fim de balizar melhor suas análises. Reconheceu que nem todo técnico admite essa presença, mas disse achar que a avaliação dos treinos permitiria comentários mais precisos, evitando a crítica pós-jogo. (Foto: MÁRIO QUADROS/Bola)

Felipão e as preferências de Dona CBF

1reproducao27

Por Cosme Rímoli

“Já estão escolhidas as equipes que estão na Libertadores.”

Essa foi a frase, sem retoques, de Luiz Felipe Scolari, logo após a derrota do Grêmio para o Corinthians. O que poderia ser apenas mais um treinador desviando o foco de seu fracasso, fica mais preocupante na boca de Felipão. Ele estava revoltado com a bola que Fábio Santos desviou com o braço, pênalti. Mas suas frases foram além de uma simples reclamação contra um lance não marcado por um juiz.

Se existe alguém que conhece intimamente a CBF, José Maria Marin e a cúpula da TV Globo é ele. Conviveu e participou de várias reuniões com os representantes do comando do futebol neste país. Foi o treinador da Seleção Brasileira de novembro de 2012 até julho de 2014. Um ano e sete meses de reuniões, planos e trabalho junto a quem decide tudo o que acontece ou deixa de acontecer.

Para alguém que já foi treinador do Brasil em duas Copas, Felipão sabe muito bem o que diz. Ele, que é um mestre em meias palavras, decidiu escancarar. Falar tudo o que acredita. Principalmente o quanto acredita que desejam o time de Mano Menezes na competição mais atraente para a televisão na América do Sul.

Não deixou dúvidas sobre o que pensa. Duvida até do resultado do julgamento do recurso do Grêmio pelo Corinthians ter colocado Petros irregularmente para jogar. Situação assumida pela Federação Paulista de Futebol, que colocou a culpa na senhora Teresa dos Santos, funcionária há 30 anos da entidade. Desmoraliza o STJD.

“E tu acredita em alguma coisa nesse julgamento? O Corinthians vai ganhar quatro pontos, não perder. Se esse julgamento fosse o correto, eram 21 pontos, igual o América-MG, ou seis. Quando a Federação assumiu, já acertou tudo. Não tem jogo, isso aí é bobagem.”

1gazetapress6

O que pode parecer galhofa aqui no Brasil, seria muito sério fora daqui. Digno de uma investigação profunda. Com as autoridades como Polícia Federal, Ministério Público envolvidos. Há manipulação no Campeonato Brasileiro? O ex-treinador da Seleção Brasileira garante que os ‘times que vão disputar a Libertadores já estão escolhidos’. E que um clube deveria perder 21 pontos ou seis no principal tribunal esportivo no país. Mas não vai porque a federação de seu estado assumiu a culpa.

Não há como se esquecer da entrevista do vice-presidente do Grêmio, Nestor Hein. No final de outubro, ele fez acusações pesadíssimas. E não foram rebatidas, investigadas. Simplesmente as pessoas atingidas se calaram.

“O STJD é um câncer incurável de grau quatro. Muita gente diz: “como é que os clubes elegem por unanimidade o presidente da CBF”? Elegem porque se não eleger o sujeito fica marcado. (…) Você entra no STJD já sabendo o resultado do que vai acontecer. Nós advogados vivemos da surpresa e de acreditar que o nosso talento, nosso poder de convencimento possa fazer prevalecer o Direito. Agora ali na hora você já sabe que o cadafalso vai te pegar.

(…) A televisão que é hoje um fator de faturamento, fundamental, sem o qual os clubes não sobrevivem…A rede que dá publicidade aos jogos, transmite os jogos (TV Globo)…O diretor mais importante dela disse o seguinte: Corinthians e Flamengo são times. O resto é merrrrrda (forçando o sotaque carioca).”

Hein fez essas acusações logo após o julgamento do STJD que inocentou o Corinthians em relação ao caso Petros. O tribunal aceitou a alegação da FPF que o erro foi de dona Teresa. A cúpula gremista viu uma nítida proteção ao clube paulista de maior torcida no país.

“Não é interessante para o futebol brasileiro ter dois clubes do Rio Grande do Sul na Libertadores e dois de Minas. É bom que tenha um de Minas Gerais, dois de São Paulo, e quem sabe um do Rio Grande do Sul. Quem sabe…”, voltou à carga Felipão.

A quem não interessa ter na Libertadores Internacional, Grêmio, Cruzeiro e Atlético Mineiro? Quem deseja dois times paulistas? Além do Corinthians, o São Paulo também é protegido? Aqui no Brasil, as palavras são jogadas ao vento. Por pessoas importantíssimas no contexto do futebol. Acusações são feitas e não merecem o mínimo de investigação. Nada é levado a sério. Ninguém prova nada.

Mas as suspeitas do homem que conviveu intimamente tanto com José Maria Marin e com Marco Polo del Nero, não. Merecem respeito. Assim também como as de um vice-presidente do Grêmio. Afinal, há interesses maiores que fazem um árbitro errar a favor ou contra uma equipe?

A Polícia Federal e o Ministério Público deveriam começar a agir. E convocar Felipão para depor. Ele precisa falar claramente tudo o que sabe. Mas inacreditavelmente não há interesse. Todos se fazem de surdos. Morasse aqui e estivesse vivo, José Saramago escreveria o Ensaio sobre a Surdez Oportuna.

Agora algo que o Corinthians tentará escapar é da punição pelos uso de sinalizadores. Sua torcida outra vez os usou no estádio. A fumaça que soltaram fez com que a partida contra o Grêmio ficasse paralisada por cinco minutos. Vale lembrar que foi um sinalizador que matou o garoto Kevin Spada na Libertadores de 2013. Ele partiu das organizadas corintianas que estavam na Bolívia. Ninguém pagou por essa morte.

O árbitro Ricardo Marques Ribeiro relatou os sinalizadores e também uma faixa na torcida corintiana. Os dizeres não poderiam ser mais diretos. “CBF e Rede Globo, o câncer do futebol”. O que alivia a situação é que os três torcedores que dispararam os sinalizadores foram presos. O que é um enorme atenuante. O Corinthians é responsável pela segurança da partida que acontece no seu estádio. Como qualquer equipe que joga em casa. E esses vândalos conseguiram entrar no Itaquerão com os sinalizadores. Assim, deverá haver a denúncia e acontecer novo julgamento no STJD, o ‘câncer incurável de grau quatro’, nas palavras do vice gremista…

 

 

Artilheiro ganha beijaço depois do título

B3Nr39uIUAAmTLZ

Imbatível em campo, o Cruzeiro sagrou-se tetracampeão do Campeonato Brasileiro neste domingo, com duas rodadas de antecedência. Após a vitória por 2 a 1 em cima do Goiás, os jogadores foram comemorar mais um título ao lado de suas mulheres e namoradas. Felizes com o desempenho dos amados, as belas fizeram homenagens e se declararam aos craques.

A jovem Diane Goulart, mulher do artilheiro Ricardo Goulart, publicou fotos românticas do casal logo após a conquista. O meia tem 15 gols no Brasileiro, mesmo número que Herique, e foi um dos atletas decisivos do Cruzeiro na conquista do título. A mulher do meia postou uma foto de um beijão entre eles.

“Te Amo tanto que chega a doer.. Parabéns por mais essa conquista, pela sua determinação, seu comprometimento! Só eu posso dizer o que realmente passamos nesse ano para estarmos vivendo esse momento! Que papai do céu continue te iluminando e conservando esse coração puro ! Não tenha dúvidas de que serei a pessoa que mais torcerá por você. A sua felicidade é a minha! Tão orgulhosa e com um oração cheio de gratidão a Deus!”, escreveu Diane Goulart, casada há cinco anos.

ricardo-goulart-campeao-cruzeiro-2

Outra que não perdeu a chance de elogiar o amado foi Marilisy Antonelli. A gaúcha, de 24 anos, posou com o marido, o boliviano Marcelo Moreno, e a réplica da taça de campeão.

“Essa é a fidelidade de Deus nas nossas vidas!!!!! Obrigada, Senhor!!! Minha vida, meu orgulho, mesmo estando encharcada na foto, não poderia deixar de te homenagear e te dizer que sou tua fã número um, que mesmo nos momentos difíceis que passamos, nunca deixei de acreditar em ti! Tu é merecedor de tudo isso e muito mais Deus te ungiu, te escolheu e te separou para ser campeão!!! Ele é contigo!!!! Parabéns torcida!!!!!!!! É tetra!!!!!!!!!! #GoleadordoSenhor #Ungidoparadecidir #Deusébomotempotodo #Artilheirodocruzeiro”, escreveu a ex-musa do Grêmio, casada há três anos com o atacante. (Do jornal Extra)

Uma final eletrizante

 

unnamed (33)

Por Gerson Nogueira

Foi um duelo vibrante, como deve ser uma verdadeira decisão de campeonato. Um dos melhores jogos da temporada em Belém. Emoção do começo ao fim. Basta dizer que o Papão esteve com o título nas mãos por quatro vezes (0 a 0, 1 a 0, 2 a 1 e 3 a 2) no jogo, mas o Macaé soube buscar o empate que lhe interessava. Ao Papão cabe valorizar a conquista do acesso, galardão mais importante até do que a taça de campeão.

unnamed (80)Contra a aplicação bicolor, o time fluminense usou doses pontuais de eficiência, organização e valentia. O técnico Josué Teixeira parece ter estudado bem o Papão. Percebeu, como poucos nesta Série C, que Pikachu não pode dispor de um corredor aberto à sua frente.

Além de limitar os passos do mais talentoso jogador do Papão, adiantou seu meio-campo para reduzir a movimentação dos volantes paraenses. O expediente deu certo e duas belas chances foram criadas antes dos 15 minutos.

Com objetividade e o entusiasmo transmitido pelos 38 mil torcedores, o Papão conseguiu superar as dificuldades iniciais e aproveitou a única chance que teve no primeiro tempo. Aírton escapou pela esquerda, o lado mais desprotegido da zaga do Macaé, para cruzar no ponto futuro. A bola foi encontrar Zé Antonio. O cabeceio fulminante abriu o placar aos 17 minutos e deu a ilusão de que metade da batalha estava vencida.

unnamed (68)

O Macaé não se abalou. Errava poucos passes e envolvia seguidamente a marcação no meio-campo. Josué manteve a mesma distribuição de jogo e deu tempo ao tempo. O time mandou uma bola na trave, com Marquinhos, e perdeu um gol incrível com Juba, mas conseguiu empatar aos 44 minutos. Em cobrança de escanteio pela esquerda, João Carlos cabeceou para empatar.

Quando o jogo recomeçou no segundo tempo, a energia positiva do torcedor voltou a funcionar. O Paissandu avançou suas linhas e voltou a ficar em vantagem logo aos 7 minutos. Ruan trocou passes com Bruno Vieira e avançou até a área, de onde bateu forte e cruzado. Milton Rafael pulou atrasado e a bola entrou. O gol incendiou o Mangueirão.

Frio e calculista, fisicamente mais forte, o Macaé mantinha suas esperanças e seguia fazendo o seu jogo particular, de toques curtos e tentativas pelas extremas. Quando Mazola tirou Lenine e lançou Rômulo, o time ficou com apenas dois volantes. Josué não perdeu tempo: deslocou Diego para a meia-cancha, para ficar ao lado de Marquinhos. Acertou em cheio. Aos 13 minutos, em jogada de ambos, a bola foi à linha de fundo e depois cruzada para a finalização certeira de João Carlos.

unnamed (2)

Pela primeira vez o silêncio caiu sobre o estádio. A conquista do título estava ameaçada e Mazola botou Djalma no lugar de Ricardo Capanema, para aumentar o poder de fogo do time. E seria o próprio Rômulo o responsável por nova explosão da torcida no Mangueirão. Aos 23 minutos, em jogada de Pikachu pela direita, Rômulo recebeu o passe entre os zagueiros e tocou de letra, surpreendendo a todo mundo. Um golaço.

Ninguém se sentia tranquilo, apesar da vantagem. O jogo era tão tenso que qualquer coisa podia acontecer. E aconteceu. De repente, uma escapada rápida pela direita, envolvendo Juba, Marquinhos e Diego, pegou desprevenida a defesa paraense. Diego avançou livre e bateu rasteiro na saída de Paulo Rafael. A bola passou por baixo do goleiro, aos 33 minutos, decretando o empate em 3 a 3.

unnamed (19)

A partir daí, entregue ao desespero, o Papão lançou-se à frente. Mas a pressão era toda através de chutões e ligações diretas, facilitando o bloqueio da alta zaga do Macaé. As últimas oportunidades de gol pertenceram ao visitante, que quase marcou o quarto gol em cobrança de falta que acertou o travessão de Paulo Rafael, aos 47.

O empate foi justo, nas circunstâncias, e a conquista do Macaé é inquestionável. Depois do apito final, a torcida reconheceu os méritos do visitante, aplaudindo os campeões. Gesto que atesta a evolução do torcedor paraense.

————————————————————

unnamed (15)

Baixas afetaram o desempenho bicolor

No fim das contas, ficou a sensação de que a sorte que foi parceira do Papão desde a classificação na primeira fase decidiu abandoná-lo no momento decisivo. Sem dois jogadores fundamentais – Charles e Pablo – também foi infeliz nas substituições durante a final. Na comparação direta com Djalma, Lenine não devia ser o titular, mas entrou jogando e pouco contribuiu no jogo.

Pelo Macaé, Josué Teixeira driblou a perda de jogadores também importantes (Romário e Jonathan) sabendo usar bem as peças disponíveis. Gedeil, que desfalcou a equipe na primeira partida, reapareceu dando consistência ao setor de proteção.

Dos grandes nomes da final, João Carlos foi o maior. Seus companheiros Diego, Douglas Assis e Marquinhos também se destacaram.

No Papão, Zé Antonio foi o melhor. Paulo Rafael, Lenine e Reiniê ficaram devendo. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola)

———————————————————–

unnamed (19)

Cinco observações sobre a final

1) Balbúrdia no trânsito, avacalhação na entrada do estádio, desespero dos torcedores. Até o presidente eleito do Papão, Alberto Maia, observou, alarmado, que a Semob não deu as caras. Belém, como se sabe, não tem governo, nem ordem. Um evento de grande porte não pode prescindir do trabalho e da atenção dos órgãos municipais.

2) Falta de batedores para o ônibus da delegação do Macaé foi falha inadmissível. O futebol requer organização e, principalmente, mais respeito pelos visitantes. Por conta disso, o jogo sofreu atraso de 30 minutos.

3) O técnico Josué Teixeira mostrou qualidades. Instigou positivamente seus jogadores a partir do episódio do atraso e foi preciso nas mexidas, superando o desmanche parcial do seu elenco.

4) A informação oficial é de que no Mangueirão só estavam 38 mil torcedores. Ou venderam mais ingressos do que o permitido ou as arquibancadas sofreram encolhimento drástico. Estádio estava apinhado de gente.

5) Alguns bons valores do time campeão encaixariam bem nos nossos dois grandes: Lucas, Gedeil, Marquinhos, Diego e João Carlos.

unnamed (15)

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 24)