A frase do dia

“Tenho muitas críticas ao governo do PT, da Dilma, no que diz respeito à Reforma Agrária, aos direitos das minorias, à política econômica, que são públicas. Mas não admito a possibilidade de um retrocesso que eu entendo que possa haver com um governo tucano. Independente do que o partido vier a decidir, eu vou votar na Dilma no segundo turno”.

marcelo_freixo_psol_vota_dilma

Arquibancada a R$ 40,00 para o jogo PSC x Tupi

A diretoria do Paissandu definiu nesta manhã de segunda-feira os preços dos ingressos para o jogo contra o Tupi-MG pelo mata-mata da Série C, marcado para domingo, 19 de outubro, no estádio Jornalista Edgar Proença. A arquibancada custará R$ 40,00 e a cadeira, R$ 80,00. Diretoria avalia que o clube precisa fazer caixa nessa partida para ganhar um certo fôlego de caixa, depois de uma campanha inteiramente deficitária na Série C.

Agora é esquerda vs direita

BzOySpnIUAAc2ca

Por Paulo Nogueira, do DCM

Agora Aécio e aliados vão dizer que é mudança versus continuidade.

Mas não é.

Agora é esquerda versus direita. Ou centro-esquerda versus centro-direita.

Com Marina no segundo turno, se poderia levar razoavelmente a sério a hipótese da mudança.

Mas com Aécio, não.

O Aécio real, o de Armínio Fraga, tem um programa econômico que é uma réplica do thatcherismo dos anos 1980.

Thatcher, para quem não lembra, foi a real inspiração de FHC – a começar pela fé cega em que privatizações e desregulamentações eram a receita sagrada para dinamizar uma economia.

Na verdade, como o tempo mostrou em todos os países que adotaram o thatcherismo, era uma fórmula para concentrar renda e favorecer uma pequena elite que seria apelidada posteriormente de o “1%”.

No Brasil, a concentração só não foi maior porque um efeito colateral da estabilização favoreceu os pobres, que não tinham refúgio nos bancos para se proteger da inflação.

Fosse o Brasil, na era FHC, um país estável, como a Inglaterra de Thatcher, hoje provavelmente ele seria amaldiçoado como é, entre os britânicos, a Dama de Ferro.

Enxergar com clareza a oposição entre direita e esquerda vai ajudar muita gente indecisa a tomar uma posição, quer para um lado ou para outro.

A alta votação de Aécio surpreendeu, mas nem tanto assim. Muita gente antipetista se bandeara para Marina por entender que ela era a chance real de bater Dilma.

Quando, às vésperas da eleição, Aécio começou a aparecer na frente de Marina, os marinistas de ocasião voltaram para seu favorito.

Ficaram com ela, essencialmente, as mesmas pessoas que votaram nela em 2010. São eleitores que gostam de sua trajetória, e enxergam nela uma espécie de Lula de saias, com colheradas de sustentabilidade.

É difícil acreditar que a maior parte desses eleitores opte por Aécio, ainda que a própria Marina o apoie.

Também não devem ser subestimados os mais de 2 milhões de votos que tiveram, conjuntamente, Luciana Genro e Eduardo Jorge.

Os que os escolheram – tipicamente jovens idealistas – tenderão a ficar com Dilma diante do bloco de direita que se comporá em torno de Aécio.

Passada a ressaca, fica claro que parte da euforia tucana – e da mídia que apoia o PSDB — é fruto de uma estratégia de marketing destinada a convencer indecisos de que a vitória está próxima e intimidar os adversários.

É o chamado otimismo de conveniência.

Nunca, nos embates entre PT e PSDB, foi tão nítida a diferença entre as visões de mundo que os comandam.

Isso pode ser demonstrado pela opção que terão os simpatizantes de quatro candidatos com propostas opostas, Pastor Everaldo e Levy Fidelix, de um lado, e Luciana Genro e Eduardo Jorge, de outro.

Os eleitores de Everaldo e Fidelix cravarão certamente Aécio. Os de Luciana Genro e Eduardo Jorge, muito provavelmente, Dilma.

Isso conta, se não tudo, muito da escolha que os brasileiros terão que fazer em 26 de outubro.

Diga-me quem apoia você e eu direi quem você é: esta é uma frase que ajuda a entender o que está em jogo agora.

Papão otimista quanto a vitória no tapetão

unnamed (7)

O diretor Ulisses Sereni, fazendo coro com a opinião de outros dirigentes do Papão, acredita em desfecho favorável ao clube no embate jurídico com o Brasíla-DF pela Copa Verde. “Para muitas pessoas o pedido de vistas do processo, feito pelo presidente do STJD (Caio Rocha), levantou suspeitas, mas não podemos duvidar da idoneidade daqueles que estão lá no tribunal julgando”, opina Ulisses, procurando descaracterizar qualquer suspeita em relação aos membros do tribunal. Sereni destaca a importância que o título terá para o Papão, pela projeção nacional e internacional do clube e o provável lucro financeiro. “Primeiro por se tratar de uma conquista nacional e, depois, por garantir a participação do clube em um torneio internacional, que paga boa premiação”, argumenta.

Para Ulisses, o otimismo é justificado pela vitória parcial no Pleno do STJD, cuja sessão terminou com o recurso do Papão vencendo por 2 votos a um. Segundo ele, é improvável que o tribunal contrarie as normas da própria Confederação Brasileira de Futebol (CBF), apesar de precedentes em contrário. “Não é possível que o STJD vá de encontro às regras fixadas pela CBF. Como já ficou provado e comprovado, o Brasília utilizou os jogadores de forma irregular”, afirma o diretor alviceleste.

Além da bilheterias dos jogos, a presença na competição promovida pela Conmebol pode carrear para os cofres bicolores a quanta de R$ 4.984.050, caso o clube seja o campeão do torneio continental. O valor é acumulativo, dividido pelas cinco fases da Sul-Americana, que começa com a disputa direta entre equipes dos países participantes do torneio. Só a fase brasileira tem premiação garantida de US$ 150 mil (R$ 334,5 mil) para os clubes que avançarem até as oitavas de final. O modelo se assemelha ao da Copa do Brasil, que este ano pagará ao campeão o prêmio de R$ 6.190.000. (Com informações do caderno Bola e da Rádio Clube/foto: MÁRIO QUADROS/Bola)

Tupi de Juiz de Fora é o próximo adversário

Encerrada a primeira fase do Campeonato Brasileiro da Série C, as quartas-de-finais serão disputadas nos próximos fins de semanas para definir os quatro classificados à Série B 2015. Na nova fase os grupos se cruzarão. O primeiro de uma chave vai encarar o quarto colocado da outra, enquanto os segundos vão enfrentar os terceiros. Quem teve melhor campanha tem a vantagem de decidir em casa. Para desempate será utilizado o critério de gol qualificado fora de casa. Os quatro classificados garantem o acesso e passam às semifinais. Se passar pelo Tupi, o Papão vai pegar o vencedor do duelo entre Mogi Mirim e Salgueiro. A expectativa é de que, nesta segunda-feira, a CBF divulgue as datas e horários dos confrontos.

Os confrontos da quartas:

Fortaleza x Macaé

CRB x Madureira

Mogi Mirim x Salgueiro

Tupi (MG) x Paissandu

Delegação do Papão é recebida com festa pela torcida

20141006_002904destaqueUma grande quantidade de torcedores do Paissandu foi ao aeroporto de Val-de-Cans neste domingo para recepcionar a delegação depois da conquista da vaga à segunda fase da Série C. O grupo desembarcou em Belém às 15h30 e foi recebido festivamente no saguão do aeroporto. Todos os jogadores foram aplaudidos no desembarque, mas Pikachu e Bruno Veiga foram os mais festejados. O técnico Mazola Jr. também foi alvo de homenagens. Bem ao seu estilo, o treinador agradeceu pela confiança da torcida, mas lembrou que o time ainda tem objetivos a alcançar e que por enquanto não conquistou nada. O Papão vai enfrentar o Tupo de Juiz de Fora-MG na próxima etapa da competição. Caso supere o adversário, estará automaticamente classificado à Série B 2015. O registro negativo da recepção dos torcedores ao time no aeroporto foi o furto do celular (smartphone) do zagueiro Charles em meio à confusão.

Vitoriosa, Dilma anuncia mudanças

10509745_684801461588857_2475515773545316383_n

A presidenta Dilma Rousseff afirmou neste domingo (5) que fará em seu próximo governo todas as mudanças que forem necessárias para melhorar a vida dos brasileiros. O pronunciamento ocorreu por volta das 22h, num hotel em Brasília, quando faltava menos de um por cento das urnas para serem apuradas. A candidata do PT obteve 41,58% dos votos e disputará o segundo turno com Aécio Neves (PSDB), que recebeu 33,56%.  Marina Silva (PSB) obteve 21,32 da votação e está fora da disputa. “A luta continua”, afirmou a presidenta, em tom bem humorado.

A presidenta agradeceu a participação e o empenho de todos os que lhe concederam a vitória neste primeiro turno da disputa e afirmou que o Brasil não quer retrocessos. Sem citar nomes, ela criticou a gestão do PSDB na Presidência da República. Lembrou que os tucanos tentaram privatizar estatais como o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e as Centrais Elétricas de Furnas e que estão dispostos a implantar medidas impopulares, caso assumam a administração e que deram de ombros para as políticas sociais.

“O povo brasileiro não quer de volta o que nós podemos chamar de fantasmas do passado, que quebraram esse País três vezes, com juros que chegaram a 45%, desemprego massivo, arrocho salarial e jamais promoveram quando tiveram a oportunidade, políticas de inclusão social e redução da desigualdade”, disse.

Novas  ideias – Dilma reafirmou o compromisso com o uso dos recursos do pré-sal no financiamento à Educação, garantiu que se empenhará na realização de uma reforma política com consulta popular e com a manutenção das políticas sociais e de correção do salário mínimo. Dilma afirmou que sua nova administração se baseará em novos projetos que servirão para resolver problemas, como os enfrentados na saúde, educação, segurança, economia e políticas sociais.

“Ideias novas também para fazer o Brasil entrar para o novo ciclo de desenvolvimento, um Brasil mais inclusivo, mais produtivo e mais competitivo, garantindo um crescimento que vai assegurar um imenso avanço na nossa sociedade e na vida do nosso povo”, enfatizou. Dilma também garantiu um combate “sem tréguas” à corrupção. “Precisamos fazer a reforma política, que é a mãe de todas as reformas”, explicou.

“Vamos fazer tudo que estiver no nosso alcance para que haja possibilidade e a certeza de transformar essa reforma em realidade. O primeiro passo, sabemos qual é, mobilizar a população num plebiscito popular”, disse.

A presidenta agradeceu o envolvimento da militância do PT e dos partidos aliados em sua campanha, à sua equipe e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ela também fez uma homenagem especial às populações de Minas Gerais e Rio Grande do Sul, unidades da Federação onde ela obteve expressiva votação.

“Muito obrigada por tudo e vamos à luta, porque ela é a nossa forma, nosso meio e o Brasil precisa de cada um de nós, precisa de vocês”, afirmou.

Sorte ajuda a quem merece

Por Gerson Nogueira

unnamed (57)As projeções matemáticas eram desanimadoras. O Papão precisava vencer e contar com pelo menos dois outros resultados favoráveis. Pois aconteceu exatamente assim. O time paraense se impôs sobre o Crac em Catalão, vencendo por 3 a 0, e os demais resultados do grupo lhe favoreceram ao final da rodada. A luta pela classificação à próxima fase da Série C teve contornos dramáticos, dependeu de boa dose de sorte, mas terminou festivamente.

O que mais se questionava antes da última rodada era o potencial do Papão para vencer fora de casa. Há anos que o time tem dificuldade para superar adversários quando joga longe de sua torcida. Desta vez, porém, não houve hesitação. A equipe entrou de maneira determinada, sufocando e buscando o gol desde os primeiros movimentos. Foi premiada logo aos 8 minutos, com o gol de Pikachu, finalizando livre na pequena área, após boa jogada de Djalma e Zé Antonio.

Logo depois, o Crac partiu para o ataque, chegando a criar algumas situações de perigo, quase alcançando o empate. Ao mesmo tempo, abria espaços e permitia a chegada do ataque paraense. Em belíssima jogada, aos 45 minutos, Bruno Veiga driblou dois marcadores e mandou um chute sem defesa no ângulo esquerdo da trave do Crac. O gol consolidava a vantagem do Papão em campo e frustrava as poucas esperanças do time goiano.

unnamed (15)Depois do intervalo, mais tranquilo pela vantagem parcial, o Papão se fechou no meio-de-campo para evitar surpresas. Dedicou-se a explorar o contra-ataque e quase ampliou logo no começo, de novo com Bruno Veiga. Instantes depois, em contragolpe fulminante, a bola foi cruzada na área e o zagueiro Luciano se precipitou, tocando para as redes do Crac. A partida ainda reservaria uma grande oportunidade para Ruan, que errou no arremate final.

Uma vitória sem contestações do time mais qualificado e emocionalmente mais motivado. Talvez tenha sido a melhor atuação do Papão desde o retorno de Mazola Junior à Curuzu. O placar de 3 a 0 de certa forma esconde as dificuldades criadas pelo adversário, que mesmo já rebaixado parecia disposto a fechar sua participação com um bom resultado em casa.

Apesar do rendimento satisfatório em todos os setores do time, Pikachu, Djalma e Bruno Veiga se destacaram na partida. Além deles, é claro, o Papão deve render homenagens a Mazola, que teve papel fundamental na recuperação do time, superando as muitas limitações técnicas do elenco para chegar ao G4 com méritos.

————————————————————-

Leão de volta à estaca zero

Caso precisasse ser avaliado pela atuação no sábado à tarde em Taguatinga (DF), o Remo certamente receberia uma excelente nota. O time atuou bem, com desembaraço e determinação. Não venceu porque perdeu pelo menos quatro grandes oportunidades. Uma delas logo aos 5 minutos, quando Roni entrou sozinho e chutou a bola contra o travessão.

O fundamento do chute parece não ter sido bem treinado no Baenão ao longo da Série D. O time deixou escapar vitórias importantes por não saber aproveitar as chances que criava.

unnamed (74)Contra o Brasiliense, ainda no primeiro jogo em Belém, o placar não retratou a produção ofensiva azulina. O confronto de volta mostrou situação bem parecida, com o Remo agredindo e o anfitrião se defendendo como podia.

Com Potiguar no meio-de-campo, o time entrou mais arrumado na criação e isso se refletiu na facilidade com que chegava à intermediária do Brasiliense. A proposta do técnico Roberto Fernandes de atacar com o maior número possível de jogadores foi cumprida com afinco.

Nem o gol de Claudecir aos 13 minutos, em cochilo da linha de zagueiros, fez o Remo mudar sua forma de atuar. A bem da verdade, só no primeiro tempo, caso tivesse sido mais eficaz no aproveitamento, o Remo poderia ter saído em vantagem.

Ao contrário da partida realizada no Mangueirão, Fernandes reforçou a marcação sobre os meio-campistas e atacantes do Brasiliense. Ao lado de Reis, Potiguar auxiliava no bloqueio na meia cancha e saía rápido quando tinha a posse da bola. No segundo tempo, esse desenho mostrou-se ainda mais positivo, pois o time do Brasiliense demonstrava cansaço e permitia espaços para Levy e Roni jogarem quase à vontade pelo lado direito.

Como resultado dessa boa movimentação, o Remo chegou ao gol depois de um cruzamento de Levy que Val Barreto desviou para Leandro Cearense finalizar para as redes. Logo em seguida, em cobrança de escanteio, o Remo chegou ao desempate, mas o árbitro anulou a jogada. As imagens mostradas pela TV revelam que o lance transcorreu normalmente.

Ao final, apesar de todo o esforço do time, o resultado desclassificou o Leão, que volta ao ponto de partida. Como nos anos anteriores, precisará garantir no Campeonato Paraense a vaga para disputar a Série D. Ironicamente, a equipe acabou alijada da disputa depois de se mostrar superior ao adversário nos dois jogos do mata-mata.

Acontece que jogos eliminatórios exigem eficiência e objetividade. O Remo se conduziu bem, teve maior posse de bola, mas não fez os gols necessários para seguir em frente.

Depois da partida, o técnico lamentou o desperdício de chances, enquanto os dirigentes começavam a fazer os planos de preparação para o Parazão. Muitas coisas devem mudar no clube, a começar pela redução do elenco atual, a fim de deixar a folha mais enxuta. Uma espinha dorsal será mantida e um novo técnico deverá ser contratado. O mais importante é que o Remo tem a chance de mesclar remanescentes da campanha na Série D e com jogadores da base montada por Walter Lima no sub-20.

———————————————————–

João Galvão e a ressurreição do Águia

AguiaXPSC 2a fase Parazao2013-Mario Quadros (16)O Águia chegou à última rodada com a corda no pescoço, pois brigava diretamente com o Treze-PB pela vaga restante na Série C. Para piorar, o time paraibano disparou 3 a 0 sobre o Salgueiro e deixou os marabaenses – cujo jogo havia sofrido um atraso de 30 minutos – com um tremendo abacaxi para resolver dentro do Zinho Oliveira contra outro representante paraibano.

Aleilson havia feito 1 a 0 ainda no primeiro tempo, mas Lúcio Curió empatou aos 27 minutos da segunda etapa, reabrindo os temores quanto ao rebaixamento. Valente, o time de João Galvão se lançou ao ataque e foi premiado com o gol de Luís Fernando aos 30 minutos.

O Águia se garantiu com a vitória sobre o Botafogo e ajudou diretamente o Paissandu, eliminando um dos times que brigava pela classificação no G4. Se há um nome a ser destacado na bela recuperação do Águia este é João Galvão, que voltou ao comando quando o barco ameava ir a pique.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 06)