A despedida de Vica

unnamed (51)

unnamed

O técnico Vica se despediu do elenco e dos dirigentes do Paissandu na manhã desta segunda-feira, em Marabá, e se dirigiu ao aeroporto da cidade logo depois do café da manhã no hotel da delegação. A saída de cena do treinador foi registrada pelo fotógrafo Mário Quadros, do caderno Bola. Por constituir algo raro, a postagem se justifica. É quase sempre invisível e silencioso o desenlace entre técnicos e clubes. A imprensa não noticia normalmente a despedida do técnico, a não ser quando isso envolve algum tipo de polêmica com a torcida.

unnamed (5)

Presidente de Israel se desculpa com o Brasil

A presidenta Dilma Rousseff recebeu hoje chamada telefônica do recém-eleito presidente de Israel, Reuven Rivlin. Na conversa dos dois mandatários, o Chefe de Estado israelense apresentou desculpas pelas recentes declarações do porta-voz de sua Chancelaria em relação ao Brasil. Esclareceu que as expressões usadas por esse funcionário não correspondem aos sentimentos da população de seu país em relação ao Brasil. A Presidenta fez referência aos laços históricos que unem os dois países há várias décadas.

Na conversação dos dois dirigentes foi evocada a grave situação atual da Faixa de Gaza. O mandatário israelense afirmou que o país estava defendendo-se dos ataques com mísseis que seu território vinha sofrendo. A presidenta Dilma afirmou que o governo brasileiro condenara e condena ataques a Israel, mas que condena, igualmente, o uso desproporcional da força em Gaza, que levou à morte centenas de civis, especialmente mulheres e crianças. Reiterou a posição histórica do Brasil em todos os foros internacionais de defesa da coexistência entre Israel e Palestina, como dois Estados soberanos, viáveis economicamente e, sobretudo, seguros.

Manifestando sua esperança de que a continuidade do cessar-fogo e as negociações atuais entre as partes possam contribuir para uma solução definitiva de paz na região, a presidenta do Brasil enfatizou que a crise atual não poderá servir de pretexto para qualquer manifestação de caráter racista, seja em relação aos israelenses, seja em relação aos palestinos. (Da Secretaria de Imprensa da Presidência)

Papão confirma contratação de Mazola Jr.

A diretoria do Paissandu confirmou no final da manhã desta segunda-feira a contratação do técnico Mazola Jr. para comandar o time na Série C. Ele terá como auxiliares diretos João Brigati e Rony Silva. Mazola deixou o Papão antes da Copa do Mundo, alegando motivos de ordem pessoal e externando algum desgaste com diretores do clube. Seu retorno acontece num momento de crise, com o time em situação difícil na classificação. Substituirá a Vica, que não conseguiu vencer depois de seis partidas. O curioso é que Mazola foi demitido do Bragantino também depois de ficar seis jogos sem vitória.

Colaborador do Papão lamenta ingratidão

Por Evaldo José (evaldojb@bol.com.br)

Após ler artigo seu, no O Diário do Pará, agora mesmo em agosto, acerca do que vem acontecendo com o Paysandu Sport Club, em termos de escalação (principalmente), gostaria de ratificar: Concordo com tudo o que está na matéria, na qual o sr. “sugere” a reflexão do Clube acerca dos VALORES ESQUECIDOS (sem aspas, mesmo), pois, o clube revela o Leandro Carvalho, o Djalma e outros e, aí, novo treinador traz o que, no futebol, chamamos de “Trem da Alegria” e, todo o trabalho de Base, toda a aspiração de Bom Futuro, idealizada por NOVOS TALENTOS, é FRUSTRADA…  Acredito em que, a Comissão Técnica do Paysandu (Rogerinho e Companhia) não entregou ao técnico Vica, ou, talvez, o presidente Vandick não dê, a eles, esse IMPRESCINDÍVEL aval, uma formação, com a qual o próprio Mazola (ex-treinador) vinha trabalhando e que, inacreditavelmente, deixou o Paysandu na condição de ficar VÁRIOS JOGOS SEM PERDER, mesmo atuando nas 4 competições, no primeiro semestre (em várias dessas partidas, o Leandro Carvalho estava em campo).  A seguir, elenco algumas atuações minhas (professor Evaldo José), a título de COLABORADOR VOLUNTÁRIO E ESPONTÂNEO, que, quando percebo que o Paysandu precisa de meus Conhecimentos Científicos, de minha Experiência, vou lá e, TENHO PRODUZIDO RESULTADOS, em favor do clube:

1º .  ANO 2012 –  FINAL DA SÉRIE C, em 2012 e ACESSO À SÉRIE B, contra o Macaé/RJ

Pedi permissão ao Lecheva (técnico à época) e fui lá, ministrar Palestra Motivacional ao elenco, falei sobre temas IMPRESCINDÍVEIS, para aquela partida, como, “A importância da conscientização de honrar as cores de um Clube como o Paysandu”; “A importância de se saber vencer, empatar ou perder etc.”; “A conduta, diante da arbitragem, em momentos de tensão, no jogo” (sou ex-árbitro de futebol, e, ex-atleta do Paysandu – do Expressinho Bicolor, e, com minha experiência, o Paysandu foi lá contra o Macaé/RJ e, 3 x 2 (pra eles), mas, o ACESSO FOI GARANTIDO… pra mim, o que foi dito, após o acesso: nenhum muito obrigado (nenhum telefonema…);

2º. Ano 2013 (QUEBRA DE TABU) –   O Paysandu não vencia lá fora, há 1 ano e 3 meses. Lá fui eu de  novo, com a permissão do treinador à época, Wagner Benazi

Benazi liberou mais um encontro, o que foi noticiado nos jornais de Belém/PA (de 28 a 30 de outubro de 2014).  20 minutos de um trabalho, que foi parabenizado,  pelo próprio treinador Benazi, que disse: “Foi um sucesso ali do rapaz, que fez, em 20 minutos, coisas que já havia feito no acesso, ano passado”.  Ao final, com as palavras de FORÇA “Fé, fé; Força, força; Vitória, vitória; Vamos lá Papão, Vamos lá, Papão, Vamos lá”, pronunciadas por todos os jogadores, conseguimos a INESQUECÍVEL (pois, de lá pra cá, não lembro de outra vitória, lá fora) VITÓRIA, sobre o América/MG, gol do atacante Careca. Porém, dessa vez, não é que eu não consegui nenhum muito obrigado (após a essa vitória), é que, o “ataque, pelas costas” foi pior… o  Paysandu ainda iria encarar 6 (seis)  adversários e, se eu viesse a trabalhar, em, pelo menos, mais 1 (um) confronto, o Paysandu não teria descido a “ladeira” (rebaixado).  A ingratidão falou mais alto, mais uma vez e, deu no que deu, e está dando, no que está dando, sabe por quê? É o ponto de número 3;

3º “Eu não trabalho com esse tipo de ferramenta”, falou o ex-técnico Mazola (acerca de Palestra Motivacional). Pra mim, desprezou VALORES da Ciência e da Fé…

Mazola,  quando eu, pessoalmente, o procurei – na Curuzu, ANTES DA FINAL DO PARAENSE, e, ANTES DA FINAL DA COPA VERDE, eu quis, novamente, mostrar minha FORÇA de trabalho, voluntário, espontâneo, de graça, em favor do Paysandu, e, e…  deu no que deu! Novamente, PERDEMOS: o PARAENSE E A COPA VERDE (que eu acredito, iremos ser CAMPEÕES e, a Copa Verde, vai vir, sim, pra Belém, pro Papão).  Isto posto, gostaria

De contar com a sua cooperação e repassar este TESTEMUNHO, a quem for responsável pela pauta, na área de esporte, da TV, que eu, torcedor-professor motivacional, gostaria de contar um pouco dessa história, torná-la pública, pois, os torcedores não têm a dimensão do que acontece com quem, mesmo se empenhando em ser um torcedor, QUE NÃO INVADE CAMPO, QUE NÃO JOGA NADA PARA DENTRO DO CAMPO, mas sim, ser uma espécie de torcedor-modelo, que acontecem coisas conosco, que nos faz desgostar rum pouco em querer ajudar o Clube, que, com certeza, PRECISA MUITO MAIS DE MIM (DO TORCEDOR), DO QUE EU DELE…

Nota: tenho cópia dos vários ofícios de COLABORAÇÕES minhas, para com o Clube que, de repente, pode estar pagando um preço alto, pela INTOLERÂNCIA. Mais respeito comigo, enquanto torcedor, é isso que gostaria de tornar público, e, esse respeito a nós, está amparado no Código do Torcedor, nas Leis de Incentivo ao Esporte.

                                          Meu e-mail, para resposta: EVALDOJB @ BOL.COM.BR

Papão negocia retorno de Mazola Jr.

unnamed (51)

A diretoria do Paissandu, depois de acertar a rescisão de contrato do técnico Vica, ainda em Marabá, parte para contratar seu substituto. Segundo o próprio presidente Vandick Lima, o nome de Mazola Jr., ex-treinador do time, é o mais cotado. Depois de bom trabalho ao longo do primeiro semestre, Mazola pediu para sair desgastado com alguns diretores e alegando problemas particulares para deixar a capital paraense. Trabalhou por um mês e meio no Bragantino, de onde já foi dispensado. A diretoria já estabeleceu contato com ele, que deve responder nesta segunda-feira. Caso fracassem as negociações com Mazola, o Papão tentará trazer Flávio Araújo, que já treinou o Remo e saiu do Sampaio Corrêa recentemente. Por enquanto, o elenco fica sob o comando do auxiliar técnico Rogerinho Gameleira. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola) 

REXPA 1o da Decisao Parazao 2013-Mario Quadros (24)