4 comentários em “A sentença eterna

  1. Gênio…

    Essa é a única palavra que posso utilizar para Raul…
    Um cara que compõe Ouro de Tolo e Mosca na Sopa em plena a ditadura é de uma genialidade ímpar, com todo respeito a Chico, os tropicalistas e demais, todavia, Raul era de outra galaxia…

  2. Sobre a frase, hoje, tendo a oportunidade de estudar alguns filósofos classificados como pós-modernos (em que pese de muitos não gostarem de classificação), posso dizer que compreendo (e desejo ser) um pouco sobre ser maluco onde muitos desejam ser normais.

  3. De maluco, o Raulzito só tinha o rótulo, pois foi o mais lúcido de todos os artistas brasileiros.

  4. Gênio da música brasileira, ser pensante e posso até dizer, visionário. Esse era Raul Seixas. Ninguém teve a coragem que ele teve de em pleno auge da Ditadura Militar propor uma Sociedade Alternativa. Um raro caso onde as músicas se confunde com o homem. E pensar que dia 25 de agosto vai completar 25 anos que ele se foi. O Brasil nunca mais foi o mesmo sem esse cara pra quem eu tiro o chapéu e aplaudo de pé.

Deixe uma resposta