Tudo que é demais enjoa

unnamed (57)

Por Gerson Nogueira

Foi o sexto Re-Pa da temporada (média de dois por mês) e o terceiro consecutivo. Clássico demais para futebol de menos. O clima de desinteresse acabou influenciando até o torcedor, que não prestigiou o duelo. Morno, quase sem chances de gol e com excesso de marcação no meio, confronto acabou em 0 a 0, placar que retrata fielmente a produção dos times em campo. A partida marcou a estreia de Roberto Fernandes como técnico do Remo e a equipe mostrou ter assimilado algumas orientações do novo comandante. Um sinal disso foi a utilização de dois meias, Eduardo Ramos e Ratinho, escalados para pressionar desde a intermediária o setor defensivo do Paissandu.

unnamedNo primeiro tempo, o excesso de passes errados comprometeu o jogo e irritou a pequena torcida presente. Somente em dois ou três lances, os ataques conseguiram tirar a partida da letargia. O Paissandu se defendia bem, com Charles à frente, mas o Remo se mantinha no campo de ataque, embora sem muita objetividade. O zagueiro Pablo sofreu contusão logo no começo e foi substituído por Lacerda.

Rápido nas saídas para o ataque, o Remo só mostrou intranquilidade na marcação quando o Paissandu roubava a bola em seu campo e partia para o contra-ataque. Jonathan ficou encarregado de acompanhar Pikachu e isso comprometeu o setor de criação alviceleste.

unnamed (48)

Depois do intervalo, o Paissandu voltou com Marcos Paraná na meia-cancha, substituindo a Héverton, e isso deu mais agilidade e dinamismo ao setor. Lima, que praticamente não recebeu passes, começou a ser acionado. Os primeiros 15 minutos mostraram um Paissandu disposto a sair do cerco azulino e determinado a se impor no jogo.

No entanto, o Remo se recompôs com a entrada de Zé Soares e Roni, apostando na velocidade para tentar vencer o bloqueio defensivo do Papão. Apesar do esforço, porém, a equipe de Roberto Fernandes cercou a área, até ameaçou jogadas mais agudas, mas não conseguiu criar oportunidades claras de gol. O mesmo ocorreu com o Paissandu, justificando a igualdade final.

unnamed (83)

De positivo, para os remistas, apenas a constatação de que o time passa a ter um planejamento de jogo. Os jogadores, mesmo ainda pouco ensaiados, já começam a executar funções pré-determinadas. Em comparação com a produção anterior, essa providência já constitui um avanço. No Papão, o jogo mostrou que o padrão exibido até aqui no campeonato e na Copa Verde continua bem ajustado, apesar de alguns cochilos ao longo do primeiro tempo.

O empate mantém o Paissandu na liderança do returno, agora com 11 pontos. O Remo acabou perdendo uma posição, figurando agora no penúltimo lugar, com 4 pontos, embora tenha um jogo a menos. O excesso de clássicos neste ano pode se ampliar: há possibilidade de dois nas semifinais do returno e mais dois na decisão do campeonato. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola) 

54 comentários em “Tudo que é demais enjoa

  1. Muito bem observado amigo Gerson, diferentemente dos outros jogos os jogadores tiveram obediência nas funções. Antes faziam o que bem entendiam. Até o Potiguar se tivesse jogado ontem, seria menos degado.

  2. É, mas, ontem, em três ou quatro jogadas, quem prendeu a bola irritantemente até perde-la, quando havia companheiros em condições para receber a assistência, foi o Ratinho.

  3. Incrível como em 02 dois os mesmos jogadores já tiveram postura diferente, percebem a orientação tática do Remo ontem, pela primeira vez nesse ano, apesar de limitada somente pela direita com Levy.

    Em relação a defesa parabéns a todos, principalmente a dupla de zaga e ao cabeça de área André jogou muito.

    As esperanças voltaram para o Baenão. Acredito que RF utilizará ER e Athos e na frente Tiago Potiguar e Leandro Cearense (Val Barreto), Diogo Silva deve voltar a lateral direita.

    Ter técnico é isso mesmo jogadores mais a forma deles jogarem e entender o que fazer em campo é diferente.

  4. Bem observado! Jogo feio! Amarrado! Mas o Remo melhorou e o Mazola errou em manter o Improdutivo Zé Antônio no meio, aí deu no deu.

  5. Bom dia Gerson Nogueira & Amigos do Blog;
    O jogo, foi aquele típico 3X, Xôxo, Xué e Xexelento, mas, valeu pela disposição tática do time e pela manutenção da liderança do segundo turno; nada de diferente neste jogo de estréia do RF, então, já conhecemos o enredo, podemos, portanto, deduzir o desfecho.
    Quanto à overdose de Clássicos, penso, pelo andar da carruagem, que só teremos + 1 este ano, o da decisão do Parazão, isso se o Grande Bicolor Celeste Amazônico vencer o segundo turno, que ficou muitíssimo mais difícil, com as recuperações do Independente e S. Francisco.

  6. Gerson e amigos, confesso que diferentemente de vocês, não vi a disciplina tática que vocês tem propagado.

    O que vi, por parte do Remo, foi a boa e velha disposição (ja tínhamos visto isso no segundo RexPa com o Remo criando muito mais dificuldade do que ontem), onde o técnico determina aos jogadores para realizarem marcação homem a homem (no caso de Jonathan e Yago) e estes a executam.

    No futebol, diferentemente do Basquete, marcar é mais fácil que atacar, logo não posso ver isso como avanço, ja que, contra o Paissandu (tirando o primeiro jogo do primeiro turno) o Remo tem tido uma boa postura defensiva.

    Inversamente proporcional ao seu meio e ataque que pouco criaram (Eduardo continua sendo um peso no meio e o ataque do rival é risonho) e tem uma aproximação precária com pouca movimentação.

    Bom dia!!!

  7. Sobre o Paissandu, penso que o problema na transição meio e ataque persiste, prejudicando Lima qur tem que sair da área para receber a bola.

    Além deste aspecto, é preciso destacar a insistência do PSC em correr com a bola ao invés Mazola pee fazer a bola correr, se em um gramado com qualidade quem tem que correr é a bola, imagine em um gramado de pessima qualidade… correr com a bola tem sido um pecado grande do Papão

    Sobre os jogadores, penso que Yago, que é um bom jogador, encontra-se perdido no ataque e no meio, consequentemente, comprometendo o que ele faz de melhor, entrada em diagonal e ser o homen surpresa para o arremate.

    Heverton (que merece uma reserva), tem feito muito lentamente a transição, muitas vezes arrapalhando contra golpes que poderiam ser perigosos.

    Antes de terminar, digo que ontem era um jogo interessante para experimentar padrões táticos (variações). Poderia e deveria ter entrado com Marcos Paraná (Djalma), Jô (Heverton) e Billy (no lugar de Recife) – Yago voltaria a direita- Mazola não fez. Perdeu uma grande oportunidade.

  8. O Sobre o Paissandu, penso que o problema na transição meio e ataque persiste, prejudicando Lima que tem que sair da área para receber a bola.

    Além deste aspecto, é preciso destacar a insistência do PSC em correr com a bola ao de fazer a bola correr, se em um gramado com qualidade quem tem que correr é a bola, imagine em um gramado de pessima qualidade… correr com a bola tem sido um pecado grande do Papão

    Sobre os jogadores, penso que Yago, que é um bom jogador, encontra-se perdido no ataque e no meio, consequentemente, comprometendo o que ele faz de melhor, entrada em diagonal e ser o homen surpresa para o arremate.

    Heverton (que merece uma reserva), tem feito muito lentamente a transição, muitas vezes arrapalhando contra golpes que poderiam ser perigosos.

    Antes de terminar, digo que ontem era um jogo interessante para experimentar padrões táticos (variações). Poderia e deveria ter entrado com Marcos Paraná (Djalma), Jô (Heverton) e Billy (no lugar de Recife) – Yago voltaria a direita- Mazola não fez. Perdeu uma grande oportunidade.

  9. Parafraseando o eterno Chaves: Seria melhor ter ido ver o filme do Pelé!
    Discordo. Se dependesse da imprensa futibulista, haveria Re-Pa todo domingo e o estadual voltaria a ter o famigerado sistema de antes da interiorização do campeonato. O resultado salta aos olhos: de todas as edições do estadual, apenas três não tiveram PSC ou CR campeão. Se houvesse um vencedor, a coluna cantaria em prosa e verso o Clássico Rei da Amazônia.

  10. Foi um jogo muito tático, ontem, principalmente por parte do Remo, por isso o jogo ficou feio… Papão, ontem, não conseguiu impor seu jogo, face a boa marcação do Remo atrás, mostrando que, pra se fazer uma boa marcação, não precisa ter 3 volantes.. Nos instantes finais, Remo esteve muito próximo de fazer o gol, com Ratinho e Jhonnatan… Papão só jogou ontem, quando o Remo afrouxou a marcação.. Fora isso, não existiu… Uma coisa, pelo que vi ontem, mesmo com jogadores debilitados em campo, como o Ratinho, por exemplo, é que se deixarem o Remo chegar nessa semi final, existe grandes possibilidades de ganhar o título, direto… RF deu um pequeno traço no Mazola ontem, que mesmo com as mexidas, não conseguiu impor seu jogo..

    Remo, terá que vencer as 3 partidas restantes e torcer para Cametá, SF ou Independente, percam pontos em um de seus jogs restantes. No caso do Independente, que perca 2 jogos.. Papão só precisa de uma vitória pra garantir a classificação..

    É a minha opinião.

  11. “Remo, terá que vencer as 3 partidas restantes e torcer para Cametá, SF ou Independente, percam pontos em um de seus jogs restantes.”
    Fácil né? Pra quem não vence a 10 jogos! Te contar!

  12. Estamos na final garoto o que vier é lucro, as organizadas do remo não entraram pois todas estão fazendo um protesto de publico zero, um dos motivos foi a contratação de um tecnico e saida de Leandrão do elenco.

  13. Pirão acreditando na empolgação da torcida com as contratações realizadas, anula acordo de divisão de renda nos clássicos, Wandick aceita. Depois dos 2 clássicos da Copa Verde onde o Paysandu levou mais torcedores, no jogo de ontem o presidente azulino quis voltar ao acordo que era antes, Wandick não aceitou, vende o teu que eu vendo o meu.

    Pirão tá pagando caro por tudo que fez em 2014, começou o ano querendo humilhar o Papão lançando camisa 33 e tirando o Eduardo Brahma da curuzu, deu uma entrevista dizendo que o remo ía ganhar tudo em 2014, armou em Salinas em tirar Picachu do Papão em acordo com o empresário Luís Henrique Oliveira.

    Enquanto isso Wandick caladinho trabalhando, não caiu na provocação de lançar a camisa 7×0, realizou boas contratações, Curuzu em reforma, Hotel-concentração na Curuzu se tornando realidade, etc…

  14. O Mazola vai ter quebrar a cabeça pra num próximo Re-Pa saber como vai ordenar o time em campo.

    Os 3 volantes são improdutivos, estão alí pra fazer o time se tornar forte na marcação e defesa da área, pra poder os laterais avançarem.

    O problema é que o RF bloqueou a ida dos nossos laterais e o nosso meio ficou congestionado e sem poder de criação, tanto que muitas jogadas do papão foram criadas pelo chutão de abafa do zagueiro Charles.

    Neste caso, pra poder dar certo o único meia de criação, Heverton é quem deveria dar vida ofensiva ao time, mas como vemos, faz tempo que ele não finaliza bem e ainda passa erradamente a última bola.

    Gostei da movimentaçãpdo Paraná, tem um bom passe e uma boa visão de jogo.

    Já o Lima, se a bola não chegar nele, morre nossa esperança de gols, as que estavam chegando, ele recebia quase todas de costa, até matar no peito e virar ou servir de pivô pra quem vem de trás a defesa do rival já se organizava melhor.

    O Jô ao que parece tremeu no Re-Pa, uma figura apagada.

    Vamos ver o que o Mazola fará daqui pra frente, o certo é o que me alenta é que o papão jogou o pior possível ontem, e não há como esperar que tenhamos uma atuação tão bisonha de novo.

  15. Andreia, no comentário 13, só faltou dar o crédito pro José Maria Trindade. Olha que ele tem dito cobras e lagartos de um cronista da Clube por este, supostamente estar usando as matérias do TT sem dar o devido crédito.

  16. Ramiro, ontem contando com o ST, que deve ser contado sim, o papão levou quase o dobro do rival, algo em torno de 8 mil x 5 mil.

    E pelas contas de um colunista de jornal, o Paysandu nos 6 clássicos disputados, levou 62 mil contra 61 mil do rival

    Sempre disse que somos maiores no quesito torcedor, só que é iludido pelo Caxiado, crê ao contrário

    Vira virou, a Fiel é bicolor kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  17. Cláudio, confesso que não vi este jogo tão tático que falaste. Vi um jogo de muita marcação e pouca aproximação no ataque dos clubes.

    O PSC por que conduzia a bola demais, facilitando a marcação, e o Remo por desorganização no ataque com os Leandros ocupando a mesma zona… Com a entrada de Zé Soares o time piorou, pois ele tem feito pouco, o badalado Rony fez apenas uma jogada em vinte minutos que teve, muito pouco…

  18. Tem sentido seu comentário Celira,assim que penso.Iria até falar que o Cláudio,mesmo sendo um bom analista,dessa vez ficou devendo.Como é que um cidadão chega as vésperas de um jogo importante,pela rivalidade dos oponentes,sem conhecer praticamente nada,aplica nó tático no adversário.É querer demais. Vi sim,o técnico azulinio,,desesperado o tempo todo.Toda hora reclamando.Dizer que o remo não deixou o Campeão jogar,por que foi tática ou dedo do treinador,dá licença amigo,é acreditar em Papai Noel.A sorte do remo é que o papão infelizmente,tem chances e não gosta de massacrar o adversário.Ontem foi diferente,pois como ocorre com qualquer time,foi um fiasco.Não jogou nada pra sorte do adversário !

  19. Eh bem da verdade que o Paysandu nao jogou bem ontem, agora o que ninguem consegue responder eh: Por que jogou mal? “Ah, por que sim, acontece…” Isso sim eh acreditar em Papai Noel!!

  20. KKKKKKK verdade Antonio Oliveira , mas a opinião sobre os presidentes de Paysandu e remo foi tão iqual como eu penso , que não tinha como eu não dividir essa opinião com os amigos do blog

  21. Se o remo não e um bom time, porque o Paissandu não consegue se sobressair sobre o remo. São seis jogos diretos, ganhou dois jogos no placar minimo que poderia também terminar empatado. Nos jogos entre os dois não vi superioridade de nenhum. O Paissandu também não e essa maravilha q falam.

  22. Cláudio, me referia ao Remo mesmo. Não vi toda essa dinâmica de jogo. Vi a marcação forte (como foi no primeiro RexPa da Copa Verde). Todavia um poder ofensivo (apesar dos dois meias) diminuto, Matheus, por exemplo, foi apenas um espectador (como Fabiano).

    Charles foi o melhor, pois manteve a regularidade. Mad o Remo pouco exigiu da defensiva do Paissandu.

  23. Andreia, a respeito do dirigente azulino, de cuja gestão e respectivo comportamento já tenho opinião formada, subscrevo quase tudo o que foi dito pelo JMT. Quanto ao Vandick prefiro aguardar para opinar um pouco mais pra frente. Por ora, me limito a dizer que me causou boa impressão o fato de mais de uma vez ele, o Vandick, ter assumido publicamente toda a responsabilidade que lhe cabia pelo fracasso no campeonato brasileiro do ano passado, culminado pelo rebaixamento.

  24. Onde andará o Rocil6o que disse que neste ano seu clube ganharia todos os jogos do papinhadu?

    Volta Rocil6o, você alegra este espaço com seus causos!

  25. Se o Charles foi o melhor jogador em campo então é sinal que o Remo tentou chegar, mesmo que de maneira desorganizada.
    Penso que o jogo de ontem não deu para avaliar nada em decorrência do comportamento da equipe, principalmente o novo técnico remista.

  26. Heverton ja havia cogitado encerrar a carreira. Resolveu vir para o Papão. Mas a pressão da mídia, mesmo ele estando em um clube que disputará a série C, é muito grande.

    Heverton não vinha jogando bem os últimos jogos. Mas foi decisivo com seus gols em RexPa. De modo especial o gol no primeiro RexPa da semifinal que deu a classificação para o Papão. Penso que o Papão perde um bom jogador.

  27. Max e charles são os melhores zagueiros do campeonato. Por outro lado, Leandrão é o pior e Remo entra sempre com dez devido a isso. Não entendo porque o Val Barreto não é titular.

  28. O Heverton encerrou a carreira devido o caso Lusa? Não vejo relação entre os dois fatos que justifiquem tal atitude do jogador.

  29. Celira, acaso se confirme a disposição do jogador, fica a perplexidade. Afinal, se ele não tem nenhuma responsabilidade no evento, não há motivo para ceder à pressão, por maior que seja ela, e encerrar a carreira. Fico surpreso, eis que até jogadores afastados por doping comprovadamente ocorridos ou outras questões mais graves, não desistem da profissão. Será que tá faltando apoio, orientação, ou coisa que o valha ao atleta?

  30. A notícia é manchete no globoesporte.com. Tem algo cheirando mal nessa história, será que levou algum trocado do Fluminense?

  31. Antônio, tem uma reportagem antiga no UOL que fala que o jogador estava pensando em aposentar-se depois dessa situação con a Portuguesa.

    Creio que faltou o PSC dar um apoio psicológico ao jogador, todavia, o PSC não espera esse tipo de problema em um jogador experiente.

    Triste ver um jogador novo encerrar a carreira tão prematuramente. ..

  32. Pode até ser Gerson, mas ouvi da voz do Vandick. E tem essa reportagem na UOL que é antiga… Não duvido de nada… tem cara que não aguenta a pressão.

  33. Notei que o rendimento do Heverton foi muito ruim.
    Mas, jogando ou não, sempre aparecerá alguém para tocar no assunto.
    Fico muito triste ppis nas entrevistas o rapaz parece ser gente boa!

  34. Poucos dias passados, o Héverton em entrevista a um programa esportivo domingueiro, falou do apoio jurídico e psicológico que até então recebera da diretoria do Grande Bicolor Celeste Amazônico, logo, não se admite conjecturar sobre falta de apoio ao atleta, mormente aos itens citados; também entendo essa notícia como um pré-primeiro de abril.
    Quanto ao jogo de ontem, penso que doravante, o Mazolla, terá que abrir mão do sistema de três volantes, afinal, esse já está bem treinado e assimilado, deverá ser usado apenas para segurar resultado favorável; vejo essa mudança pela necessidade de vencermos o 2º turno; como agora temos o Marcos Paraná, muito bom articulador e o Jô, muito bom pelas beiradas como se diz, talvez, a meiúca do Bicolor seja Capanema, Recife, Pikachú (Djalma) e Paraná, o ataque com Leandro Carvalho (Jô) e Lima.
    Perceberam como já temos um plantel com algumas boas alternativas? prá terceirona, bastam mais ums 3 ou 4, além da reposição de possíveis perdas, haja vista, o público interesse da Chap, pelo Lima e da ponte Preta pelo Chjarles.

  35. Pois é, Celira, mas que pressão? Ele não era responsável pelo monitoramento das punições disciplinares dos jogadores. Ele nao era responsavel pela elaboração da lista dos jogadores que ficav disponiveis para os jogos. Ele não era responsável pela escalação dos jogadores titulares e nem pela substituição destes pelos reservas. Enfim, a perda dos pontos deu-se pela inclusão do nome dele entre os jogadores disponíveis para o jogo e/ou escalação para efetivamente jogar. Então, salvo alguma coisa que ainda não veio à tona, ele não tem motivos para receber pressão, tampouco para ceder a ela assim tao radicalmente a ponto de encerrar a carreira. Sera que não e primeiro de abril mesmo?

  36. Não sei Amigo Antônio. Sei que o mesmo, em São Paulo, chegou a ser ameaçado e tem essa reportagem da UOl antes do mesmo vir para o Papao. Bem, cada indivíduo reage de menira diferente a pressão (entrevistas, depoimentos e etc)… O tempo revelará a verdade. ..

  37. Pior que não, amigo Oliveira. O Papelim veio e comunicou o fato.
    Só acho muito estranha a fraqueza do Héverton já que ele é jogador e não poderia jamais ser responsabilizado pelo ocorrido.
    Mas nada como um dia atrás do outro. A vida que segue!

  38. Silas, com todo o respeito, a conjectura não e despropositada. Afinal, um jogador com 28 anos, em aparente boas condições físicas e de boa qualidade tecnica não desiste de sua profissão assim tao simplesmente. E o fato dele dizer que esta recendo apoio por si so não significa que esteja recebendo o apoio de que efetivamente precisa ou que ainda esteja recebendo o apoio que estava recebendo até o dia em que deu a entrevista a que te referiste. Afinal, as coisas mudam de uma hora para outra, principalmente no futebol.

  39. Caso se confirme a saída do Héverton, abre-se espaço para a contratação de outro meia, que bem poderia ser o Fabrício pé de anjo, ou ainda a promoção do garoto Márcio que é lateral direito, da base, liberando Pikachu para atuar definitivamente na meiúca, ao lado do Paraná.

Deixe uma resposta