Copa do Brasil: obstáculos para o trio paraense

copadobrasilForam sorteados, na última sexta-feira, os confrontos da primeira fase da Copa do Brasil de 2014. Oitenta clubes participam da fase inicial da disputa, incluindo gigantes como Corinthians, Fluminense, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo e Vasco. Os seis que vão representar o país na Taça Libertadores deste ano (Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Cruzeiro, Flamengo e Grêmio) vão entrar já nas oitavas de final, a ser disputada no segundo semestre, quando haverá um novo sorteio. A Copa do Brasil de 2014 começa no dia 12/03 e termina em 26/11.

Jogos da primeira fase:

Juazeiro (BA) x Tupi (MG)
Barbalha (CE) x Cuiabá (MT)
Caldense (MG) x Duque de Caxias (RJ)
Interporto (TO) x Sampaio Corrêa (MA)
Novo Hamburgo (RS) x Joinville (SC)
Lagarto (SE) x Santa Cruz (PE)
Brasiliense x Princesa dos Solimões (AM)
São Luiz (RS) x Nacional (AM)
Tombense (MG) x Treze (PB)
Paragominas x ASA (AL)
Maranhão (MA) x Paissandu
Goianésia (GO) x Barueri (SP)
Lajeadense (RS) x Bragantino (SP)
São Bernardo (SP) x Paraná (PR)
Santos (AP) x América (MG)
Boavista (RJ) x América (RN)
Chapecoense (SC) x vencedor de Rio Branco (AC) ou Real Noroeste (ES)
Santa Rita (AL) x Guarani (SP)
Desportiva (ES) x ABC (RN)
Naviraiense (MS) x Avaí (SC)
Brasília (DF) x Sport (PE)
Plácido de Castro (AC) x Figueirense (SC)
Londrina (PR) x Criciúma (SC)
Náutico (RR) x Ponte Preta (SP)
Villa Nova (MG) x Bahia (BA)
Flamengo (PI) x Atlético (GO)
Portiguar (RN) x Portuguesa (SP)
Parnahyba (PI) x Ceará (CE)
Sergipe (SE) x Náutico (PE)
Horizonte (CE) x Fluminense (RJ)
Remo x Internacional (RS)
Mixto (MT) x Santos (SP)
CSA (AL) x São Paulo (SP)
J. Malucelli (PR) x Vitória (BA)
Goiás (GO) x Botafogo (PB)
Vilhena (RO) x Palmeiras (SP)
Coritiba (PR) x Cene (MS)
Bahia de Feira de Santana (BA) x Corinthians (SP)
Resende (RJ) x Vasco (RJ)

Dois favoritos, vários azarões

Por Gerson Nogueira

unnamed (12)As movimentações dos clubes antes do campeonato levam a crer que o Parazão deste ano pode reeditar o enfrentamento direto entre os dois grandes rivais. Nos últimos anos, Remo e Paissandu se desacostumaram de decidir títulos. Até mesmo de turnos. Sempre há a participação de um emergente interiorano a separar as duas grandes torcidas.

Os recentes triunfos de Independente e Cametá evidenciam, mais do que evolução interiorana, a decadência da dupla Re-Pa. Algo como fadiga de material, depois de décadas de predomínio praticamente absoluto.

Para 2014, algumas mudanças são expressivas. É óbvia a preocupação dos dois titãs em assumir o protagonismo. O Paissandu, por ser o atual campeão, entra na disputa sob pressão menor que o Remo, há seis anos divorciado da conquista maior.

A única situação a incomodar a direção do Papão é a necessidade de honrar o ano do centenário com uma grande campanha. Essa preocupação tem levado a uma crescente cobrança dos torcedores, que exigem mais contratações, principalmente depois da decepção pela queda à Terceira Divisão nacional.

Mazola Junior, o técnico contratado, tem sido econômico nas avaliações do grupo sob seu comando. Conhece poucos jogadores do elenco e terá poucos e pontuais reforços, como os zagueiros Charles e João Paulo, o meia-atacante Bruninho e o centroavante Lima.

Terá que formatar um time a partir da base herdada da Série B. No setor mais importante, o meio-de-campo, todos são remanescentes da equipe rebaixada. Vânderson, Zé Antonio, Djalma e Lineker. Para piorar as coisas, paira uma grande interrogação quanto a Pikachu, destaque e principal artilheiro.

A busca por um camisa 10 para substituir Eduardo Ramos consumiu tempo, mas revelou-se infrutífera. Júnior Xuxa, o mais cobiçado, declinou da oferta e preferiu ficar no Rio Grande do Norte. Sem um organizador de ofício nas primeiras rodadas, Mazola terá problemas sérios para dar cadência e criatividade ao time.

Do outro lado da avenida Almirante Barroso, as dificuldades para o técnico Charles Guerreiro são de outra ordem. Reforços foram contratados aos montes. Athos, Eduardo Ramos, Max, Rogélio, Diogo, Rodrigo Fernandes, Leandrão, Zé Soares e Tiago Potiguar. Quase um time inteiro. Só no meio-de-campo, o elenco reúne seis armadores.

Disposto a sair da fila, o clube investiu pesado. Ousou, endividou-se, apostando tudo no Parazão. Apesar de disputar simultaneamente a Copa Verde e a Copa do Brasil, os olhos estão postos no torneio estadual, que pode garantir o esperado retorno à Série D.

Em estado de euforia pela reconstrução do estádio Evandro Almeida e pelo arrojo nas contratações, a torcida tem respondido bem aos esforços da diretoria. Dependerá muito das arquibancadas, tanto no aspecto financeiro quanto no apoio ao time, o sucesso do projeto em execução.

Com base nos preparativos, Leão e Papão despontam como favoritos ao título, embora as zebras (como em 2010 e 2012) não possam ser subestimadas.

———————————————————– 

Coadjuvantes interioranos  

Os astros da festa podem ficar na capital, mas os clubes interioranos já demonstraram que não disputam o Parazão apenas para cumprir tabela, como antigamente. Independente e Cametá quebraram a escrita e seus exemplos são citados a cada preleção dos times ditos emergentes.

Neste ano, logo abaixo de Remo e Paissandu, há um bloco intermediário, formado por Independente, Paragominas e Gavião. O PFC vem credenciado pelo vice-campeonato de 2013 e a manutenção de praticamente todo o time do ano passado, incluindo o técnico Cacaio e os principais jogadores – Aleílson, Fabrício e Adriano Miranda.

O Independente, montado por Samuel Cândido, cumpriu boa campanha na primeira fase do campeonato. Perdeu Fabrício e alguns outros valores, mas é uma equipe com padrão definido, capaz de se impor aos grandes. A não regularização do estádio de Tucuruí pode prejudicar sua caminhada no primeiro turno. Já o Gavião, que investiu também em reforços, sofre pelo fato de ser debutante. Ficou sem o artilheiro Rafael Paty, mas pode surpreender.

Cametá, São Francisco e Santa Cruz de Cuiarana estão no grupo dos franco-atiradores. Fizeram poucos investimentos e têm elencos inferiores aos do ano passado. O Santa Cruz contratou reforços, mas tem seu maior trunfo na presença de Sinomar Naves, um técnico especialista no certame estadual, respondendo pelas duas conquistas interioranas.

(Coluna publicada na edição do Guia Parazão 2014, neste domingo, 12)