Jornal espanhol ironiza medo de médicos cubanos

O jornal Público, da Espanha, ironiza o comportamento da oposição, da mídia e das entidades médicas brasileiras com a chegada dos médicos cubanos. A “zoação” já começa pelo título: Os “escravos” cubanos deixam nervosos os médicos brasileiros.

cubapublicoDiz que setores da oposição afirmam que “Brasília e Havana sujeitam os médicos ao ‘trabalho escravo’”.
Mas lembra que os US$ 1.600 que os cubanos receberão de seu Governo, são “um monte de dinheiro” numa país onde a cesta básica de uma família anda em tono de US$ 100.
“O Conselho Federal de Medicina do Brasil afirma que a chegada  dos médicos cubanos “expõe a saúde da população a risco.” No entanto, apenas mil médicos brasileiros concordaram em trabalhar em algumas das centenas de vilarejos em que nunca houve um médico. Parece estranho dizer que para quem sofre dessas regiões é melhor viver sem cuidados de saúde de que a presença de médicos cubanos.”
A publicação espanhola critica ainda as entidades brasileiras por dizerem que “a formação de seus colegas da ilha é pobre”.
“No entanto, são os médicos “pau pra toda obra”, dispostos a morarem nas áreas mais inóspitas, capazes de trabalhar com o mínimo de recursos, prontos para campanhas preventivas de saúde, e muito experiente no diagnóstico clínico, indispensáveis ​​em locais onde não há ou equipamento de laboratório”.
E conta que em  muitos países “as faculdades de medicina dificultam a validação dos títulos de escolas médicas cubanas”, embora aos poucos venham tendo de que ceder.
“Durante sua visita a Cuba, o presidente uruguaio, Pepe Mujica, disse-nos (ao jornal) que em seu país  já reconhece a maioria dos títulos. A resistência só é mantida em algumas especialidades, as que dão o mais dinheiro  para os médicos e que custam mais caro aos pacientes, falou com alguma amargura.”
Público afirma que, “para além das simpatias políticas, o governo brasileiro não tinha escolha, pois seu  o plano para ampliar a cobertura de saúde para todo o país precisa de 54 mil médicos”.
“Esta semana chegam 244 profissionais de Portugal, Espanha, Argentina e Uruguai, mas que escolheram  de trabalhar somente nas cidades. Cuba é o único país capaz de enviar, em um tempo muito curto, um contingente de milhares de médicos nas áreas mais carentes. Um “luxo”  a que a ilha pode se dar, porque tem quase 80 mil graduados em medicina, um para cada 150 habitantes, a melhor taxa do mundo.” (Por Fernando Brito) 

Papão afasta Vero, que investe contra Arturzinho

PSC Artuzinho-Mario Quadros (2)

Em entrevista ao programa Bola na Torre, na madrugada desta segunda-feira, o técnico Arturzinho confirmou ter recebido um telefonema do ex-preparador físico do Paissandu, Wellington Vero, no último domingo. Vero, que havia sido dispensado pela diretoria, proferiu uma série de xingamentos “e impropérios” contra o técnico, que, segundo suas próprias palavras, respondeu à altura e disse que preferia ter esse tipo de discussão pessoalmente. Indicou ainda a Vero o endereço onde poderia ser encontrado. O preparador estava furioso pela demissão e culpou Arturzinho pelo ato da diretoria, que também afastou o gerente Oscar Yamato. Nas redes sociais, ao despedir-se da torcida do Papão, Vera criticou os “safados” e que “uma vez safado, sempre safado”, sem mencionar os destinatários da mensagem.

MACAEXPSC serie C-Mario Quadros (21)

O certo é que os dirigentes decidiram fazer mudanças na área do futebol logo depois da derrota frente ao Icasa, na Curuzu, no sábado à noite. O condicionamento físico deficiente, que se reflete em queda de rendimento no segundo tempo das partidas, teria sido o principal motivo da queda de Vero, que foi trazido para o Paissandu em 2012 na campanha da Série C quando Givanildo Oliveira era o treinador. O preparador já esteve no clube em outras ocasiões, sempre com Givanildo. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola)

 

Paissandu toma providências contra torcedor turbulento

O Paissandu vai protocolar no inicio da tarde desta segunda-feira (26), na Federação Paraense de Futebol – FPF, uma via do Termo Circunstanciado de Ocorrência – TCO realizado contra o torcedor que atirou uma garrafa de água em direção ao árbitro, no fim da partida entre Paissandu x Icasa/CE, realizada no último sábado (24). O torcedor agora irá responder no 4º Juizado Criminal da Capital e quando for julgado poderá ser impedido de freqüentar o estádio de três meses a três anos, devendo se apresentar no Comando de Policiamento da Capital – CPC, 2 horas antes e sairá 2 horas após o termino da partida em que o Papão for mandante. O departamento jurídico do clube irá solicitar à FPF que este procedimento policial seja encaminhado para a CBF, para ser anexada à súmula do jogo, demonstrando desta forma que o clube tomou providências contra a atitude do torcedor, livrando o Paissandu do risco de perda de mando de campo ou multa. (Com informações da Ascom/PSC) 

Nem sal grosso resolve

PSCXICASA serie B-MQuadros (13)

Por Gerson Nogueira

Podia escrever numerosas laudas sobre os crônicos problemas defensivos, a falta de aproximação dos setores, os passes errados, a pouca participação dos laterais, as falhas infantis da zaga, os erros de posicionamento etc. etc. Acontece que as razões da má campanha do Paissandu não se restringem ao comportamento do time e aos (muitos) pecados do técnico.

GERSON_26-08-2013Há, acima de tudo, uma fragilidade de gestão. A melhor diretoria que o clube podia ter na realidade atual está cometendo erros primários na gestão do futebol e comprometendo perigosamente sua imagem perante torcedores e sócios. É uma pena que a decepcionante campanha exponha o presidente Vandick Lima, uma instituição do clube, de maneira tão cruel.

É visível o fato de que a diretoria – ou grande parte dela – tem as melhores intenções, busca acertar e trabalha para evitar o rebaixamento, esboçado desde as primeiras rodadas da Série B e cada vez mais provável.

O problema é que de boas intenções o mundo está cheio e o futebol brasileiro atual, por tão complexo em suas entranhas administrativas, não permite hesitações ou critérios desfocados. É preciso atenção permanente e capacidade de observação para não comprar gato por lebre, gastando em excesso o pouco dinheiro existente.

Pelo modelo abraçado pela diretoria, o Paissandu já torrou uma nota preta em contratações que só causaram prejuízos ao clube. A infelicidade nas escolhas legou um saldo extremamente negativo quanto aos atletas trazidos. Apenas Fábio Sanches e Marcelo Nicácio podem ser considerados reforços. Os demais são atletas meia-bomba, quase todos descartados sem saudades por outros clubes.

Refiro-me às escolhas porque elas são determinantes para os passos que o Paissandu dá na Série B. Caso tivesse, por exemplo, resolvido a questão do meio-campo o time teria outro rendimento, inclusive quanto à produção ofensiva, cada vez mais anêmica.

Além de critérios técnicos, a diretoria deveria ter levado em conta outros aspectos para definir as contratações. Jogadores fora de forma ou a caminho da aposentadoria não cabem em projetos vitoriosos. Aliás, atletas nessas condições não deveriam ser considerados profissionais de fato. O Paissandu está povoado de boleiros nessa situação, sendo que os menos culpados são os empregados.

A apatia que domina a equipe na maioria das partidas é o ponto que mais incomoda e irrita a torcida. Vários jogos exprimem bem esse descompromisso. Contra ASA, ABC, Boa Esporte, América-MG, Oeste e Icasa pode-se dizer que o Paissandu não esteve representado, de fato. Havia em campo um arremedo de time. Falta fibra, não há sinal de alma.

Um cálculo em cima da tabela de classificação, com projeção dos jogos que restam, indica que há possibilidades de o Paissandu escapar à degola. O que não existe é indicação de que o time tenha disposição e vontade de reagir em campo.

Sem esses ingredientes fundamentais em qualquer tipo de atividade, nem sal grosso (como fez o São Paulo ontem) pode salvar o Papão na Segundona.

————————————————————————–

Adeus ao homem da palavra forte

Nonato Santos, o da palavra forte, nos deixou ontem. Partiu cedo, era um sujeito cheio de vida e de projetos. A voz de trovão escondia uma personalidade amável, de boa índole. Bom profissional, amigo dos amigos, participou comigo de algumas passagens interessantes na cobertura do futebol paraense.

Estávamos juntos na cabine de imprensa do Canindé quando o célebre árbitro Bianca operou o Remo de Agnaldo diante da Portuguesa de Dênis, mas, mesmo assim, não impediu a classificação azulina.

Diante da fúria de um grupelho de torcedores e sócios da Lusa, que tentavam invadir nosso espaço no estádio, Nonato muniu-se de uma cadeira e enfrentou corajosamente a turba. Até hoje não sei se foi valentia ou maluquice. Importa mesmo é o gesto, simbólico do grande camarada. Deixa saudades.

————————————————————————-

Adeus a dois símbolos da glória

Por justiça, a coluna deve render homenagens a outras duas personalidades do esporte. Gilmar dos Santos Neves, goleiro titular, e De Sordi, lateral-direito que jogou quase todas as partidas na Suécia, morreram neste fim de semana, desfalcando ainda mais a galeria dos heróis do nosso primeiro título mundial.

A seleção de Vicente Feola começava justamente por eles. Ambos foram decisivos para a caminhada vitoriosa, que expurgou das nossas vidas a pecha de emergentes do futebol e fulminou o complexo de vira-lata que havia se estabelecido no Maracanazo de 1950. Dois grandes boleiros que partem para reforçar o timaço que já está lá por cima há algum tempo.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 26)