Leão perde jogo, mas fatura uma boa grana

RemoXflamengo copa brasil-Mario Quadros (8)

Um público pagante de 20.493 torcedores proporcionou arrecadação de R$ 967.465,00 para Remo x Flamengo no Mangueirão, pela Copa do Brasil, na noite desta quarta-feira. Descontadas as despesas de R$ 283.397,19, o Leão ficou com a considerável quantia de R$ 684.067,81. (Foto: MÁRIO QUADROS/Bola) 

Manifesto em defesa da “Casa da Tuti”

Vida AntesA “Casa da Tuti”, um dos mais antigos, respeitados e reconhecidos abrigos de animais do Pará e do Brasil, pode desaparecer. Foi criada há mais de vinte anos pela funcionária pública Maria de Jesus Bentes, que luta diariamente por dignidade, medicamentos e comida para 350 cães e gatos que foram abandonados nas ruas da Grande Belém.

Todos esses animais, encontrados em situações precárias e totalmente debilitados, hoje se encontram saudáveis, recuperados e protegidos nas dependências do abrigo. Mas isso está com os dias contados. Os animais e a cuidadora do abrigo poderão ser despejados nos próximos 30 dias, em razão de uma ação judicial de “Reintegração de Posse” movida pelo proprietário do terreno onde está localizada a “Casa da Tuti”, na comunidade de Pau D’Arco, em Santa Bárbara.

O trabalho sério e corajoso da “Casa da Tuti” não é só de solidariedade, amor, carinho e respeito pelos animais, mas de saúde pública. Em mais de 20 anos de atividades, estima-se que o abrigo “Casa da Tuti”, que promove a castração dos animais abrigados, evitou o nascimento de pelo menos 5.000 outros cães que estariam abandonados nas ruas da região metropolitana de Belém.

E para que esse maravilhoso trabalho não se perca, chegou a hora de todos juntos arregaçarmos as mangas para salvar o abrigo “Casa da Tuti”. O abrigo tem uma despesa mínima mensal de R$ 12.000,00 (doze mil reais) para pagar as despesas com funcionários, manutenção e limpeza do espaço, além dos medicamentos e rações, cujo consumo é de 55 quilos diários.

A dívida com o dono do terreno onde está localizado o abrigo e cuja ordem de despejo já foi dada pela justiça é de aproximadamente R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais). Maria de Jesus é funcionária pública e ganha pouco mais de um salário mínimo por mês. Toda a sua vida, nos últimos 22 anos, foi voltada para esse trabalho de amor e de utilidade pública.

Por isso, pedimos e conclamamos pela ajuda do poder público, deputados, senadores, vereadores, prefeitos de Belém e da Região Metropolitana, do Exmo. Senhor Governador do Pará, da imprensa local e nacional, e de toda a aguerrida gente solidária que habita o solo deste imenso “País que se chama Pará”, para que juntos encontremos as soluções necessárias para evitar o despejo da “Casa da Tuti”.

COMITÊ DE SOLIDARIEDADE AOS ANIMAIS E AO ABRIGO “CASA DA TUTI”.

PARTICIPE DESSA LUTA DE AMOR E DIGNIDADE.

TELEFONE DE CONTATO: (91) 9196-8260.

Remo exagerou na afobação

RemoXflamengo copa brasil-Mario Quadros (10)

Por Gerson Nogueira

A derrota não foi um resultado anormal. Placar de 1 a 0 para o Flamengo estava dentro do esperado, como seria também se favorecesse ao Remo. Do lado da torcida paraense, a lamentar a ausência de pontaria dos atacantes remistas, que desperdiçaram pelo menos três grandes oportunidades para marcar, proporcionadas pela atrapalhada defesa rubro-negra.

Val Barreto perdeu três chances (duas delas cabeceando mal) e Leandro Cearense desperdiçou outras tantas, inclusive uma, aos 36 minutos, quando podia ter passado para Berg que entrava livre pelo lado esquerdo. Chutou prensado e sem equilíbrio, para tranquila defesa de Felipe.
Na realidade, o Remo não soube aproveitar as muitas facilidades que o Flamengo deu ao longo de toda a partida. No primeiro tempo, depois de fazer um ataque fulminante logo de cara, o visitante se encolheu e o Remo pressionou bastante, meio na valentona. Esbanjava vontade, mas errava demais nos passes e deslocamentos.
Tanto esforço rendeu dois bons momentos com Val Barreto, que incomodava os zagueiros e abria espaços para Capela e Cearense. Mas, aos poucos, a entrega foi dando lugar a um certo cansaço, notado pela dificuldade que os marcadores remistas tinham em acompanhar jogadores mais ariscos, como Rafinha, Gabriel e Rodolfo.
Sem valorizar a posse da bola, o Remo se atrapalhava sozinho, desperdiçando boas saídas de contra-ataque pela lentidão de Gerônimo e Nata, os volantes preferidos do técnico Flávio Araújo. Na marcação, ambos até cumpriam seu papel com eficiência, mas não acertavam passes curtos. O Fla recuperava a bola e saía tocando, criando problemas para o trio de zagueiros.
Por incrível que pareça, o inconstante Galhardo fez falta ontem, pois é um jogador que toma iniciativa e busca os atalhos com habilidade. Nem sempre acerta, mas é inquieto. O Remo teve ontem jogadores disciplinados e obedientes às orientações do treinador, mas de uma omissão absurda nos momentos que exigem desprendimento.
RemoXflamengo copa brasil-Mario Quadros (7)
No segundo tempo, novo sufoco do ataque remista nos primeiros minutos. O meio-de-campo entrou mais avançado, pressionando a saída de bola do Flamengo e mostrando Capela mais desenvolto. O expediente deu certo. Cearense perdeu bons lances seguidamente. O problema é que, aos poucos, como a bola não entrava, as ligações diretas voltaram a prevalecer. O time sofria também com a inoperância do ala direito Válber.
Renato Abreu, que havia substituído Léo Moura, entrou com a missão de tornar a meia-cancha rubro-negra mais atenta à marcação, liberando Rodolfo e Gabriel para acompanharem Rafinha e Hernane no ataque. De tanto roubar bolas na intermediária, o Fla acabou se impondo pela facilidade nas triangulações.
Bem vigiado do lado direito, Rafinha resolveu arriscar pela esquerda e se deu bem ao ficar no mano a mano com Zé Antonio. Balançou para um lado, gingou para o outro e foi em frente para marcar um golaço, após disparo rasteiro no canto esquerdo do goleiro Fabiano.
Não era um escore justo pelo equilíbrio reinante, mas acabou premiando a objetividade dos rubro-negros. Mesmo tímido nas investidas, o time de Jorginho foi mais efetivo e aproveitou bem um bom momento de seu ataque.
Ao Remo restou o consolo de ter evitado a eliminação precoce (com direito a embolsar toda a renda da noite) e a certeza de que o time está buscando se reencontrar com o que tinha de melhor no primeiro turno do Parazão: a disposição para lutar pelos resultados, mesmo que tecnicamente não se mostrasse habilitado para isso. Pode ser o atalho para se reerguer no campeonato nos confrontos decisivos contra o Paissandu pelas semifinais.
RemoXflamengo-Mario Quadros (4)
O pesadelo das escolhas erradas
Val Barreto, Fabiano e Carlinho Rech foram os destaques individuais do Remo. Barreto se saiu bem pela movimentação constante e o destemor diante dos beques cariocas. Fabiano mostrou segurança diante da pressão aérea do Fla. Rech foi o principal zagueiro, tanto quando ficava na espera quanto nas antecipações.
Cearense podia ter se consagrado, mas errou muito nos arremates. O técnico Flávio Araújo, que estranhamente escalou o time sem Jonathan, seu melhor volante, conseguiu se atrapalhar também nas substituições. Demorou a botar Fábio Paulista, que deveria ter entrado ainda no primeiro tempo ocupando a ala direita, onde Válber apenas fazia figuração e não aproveitava a larga avenida ali existente.
As escolhas do treinador, há muito questionadas, começam a se tornar um pesadelo para o Remo, que podia render bem mais se optasse por soluções caseiras – como Alex Ruan e Guilherme. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola) 
(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quinta-feira, 04)