Parazão 2013 – Classificação do returno

TIMES PG J V E D GP GC SG AP
Paissandu 10 4 3 1 0 10 4 6 83.3
Remo 9 4 3 0 1 8 6 2 75.0
Tuna 6 4 2 0 2 8 5 3 50.0
Paragominas 6 4 2 0 2 8 7 1 50.0
Santa Cruz 6 4 2 0 2 5 6 -1 50.0
Águia 5 4 1 2 1 7 9 -2 41.7
Cametá 4 4 1 1 2 5 8 -3 33.3
São Francisco 0 4 0 0 4 4 10 -6 0

A goleada que podia ter sido

Por Gerson Nogueira

gerson_18-03-2013Quem olhou o jogo com os olhos da isenção percebeu que o Remo saiu no lucro. Podia, por baixo, ter sofrido cinco a seis gols. Além das três bolas que entraram, quatro chutes foram parar nas traves de Fabiano. Pelo menos, mais três contra-ataques fulminantes foram desperdiçados por ganância ou preciosismo dos atacantes do Paissandu.

Nas circunstâncias, o técnico Lecheva tinha razões de sobra para ressaltar a produção coletiva de seu time, que cumpriu sua melhor atuação no campeonato e esbanjou entrosamento, a partir de um quadrado de meio-de-campo azeitado. E, por seu turno, o técnico Flávio Araújo tinha motivos para considerar o resultado justo e sinalizar para a necessidade de correção de rumos no time azulino.

O jogo começou em ritmo acelerado, mais para rock do que para samba-canção. Ironicamente, quem mandou nos primeiros movimentos foi o Remo. Ágil na retomada de bola, o time tocava com rapidez e sempre em direção ao gol. Mobilizou seis jogadores em dois ataques fulminantes, que assustaram o setor defensivo do Paissandu e quase resultaram em gol. Leandro Cearense e Tiago Galhardo perderam chances claras.

Pode-se dizer que, até aos 14 minutos, o Remo fez o jogo certo. Atacava o tempo todo, esbanjava velocidade e determinação. Tudo que viria a lhe faltar no restante do jogo. A partir dos 15 minutos, o Paissandu assumiu as rédeas do confronto. Pikachu disparou um chute violento à meia altura, obrigando Fabiano a espalmar com dificuldade.

O Paissandu manteve a pressão e Iarley demorou a finalizar depois de receber, sozinho, uma bola na pequena área. Pela movimentação cada vez mais intensa de Eduardo Ramos, João Neto e Iarley, o time começou a confundir a marcação remista. Aos 20 minutos, em contra-ataque rápido, Ramos iniciou a jogada e Vânderson tocou para Pikachu, que entrou livre para marcar o primeiro gol.

Pikachu, como lembrado aqui na coluna de domingo, vivia uma encruzilhada. Estava na lâmina, precisando mostrar ao torcedor que 2012 não havia sido mero acaso. Mais que isso: precisava provar a si mesmo que era capaz de voltar a jogar em alto nível. Pelo desembaraço dos primeiros minutos e o gol de abertura mostrou que estava, definitivamente, de volta.

Além do resgate de Pikachu, o Paissandu apresentava outras virtudes fundamentais. A zaga, que titubeou no começo, tinha se estabilizado e os dois volantes, Capanema e Vânderson, jogavam bem próximos a Ramos e Djalma, facilitando com a aproximação a troca de passes e o bloqueio aos adversários.

Do outro lado, o Remo voltava a jogar apenas com um armador. Galhardo corria e tentava criar jogadas por ele e por Clébson, mero carimbador de bola, sem maior envolvimento com o jogo. Demonstrando estar fora de ritmo, o ex-salgueirense atravessou o samba azulino e foi peça decorativa no primeiro tempo.

Por todos esses motivos e ainda pela habitual categoria de Ramos, ajudada pelo dinamismo de Iarley, finalmente estreando de verdade, o Paissandu tornou-se absoluto. Do domínio veio a confiança para arriscar mais. E a sorte que acompanha os vencedores.

Aos 31 minutos, depois de cobrança de escanteio, a zaga remista se atrapalhou na rebatida e a bola ficou presa próximo à linha de gol. Diego Bispo e Iarley chutaram, Zé Antonio também, mas o meia-atacante saiu gritando e festejando quando a bola entrou, terminando por levar o crédito. Tendo sido o autor ou não do último toque, fez por merecer. Circulou com desenvoltura, iludiu a vigilância da zaga e foi fundamental para que o Paissandu estabelecesse forte presença ofensiva.

Depois do intervalo, além dos méritos do Paissandu, individuais e coletivos, Flávio Araújo resolveu dar uma mãozinha para completar o infortúnio azulino. Substituiu (corretamente) Clébson, mas botou o homem errado. Lançou Val Barreto quando tinha Diogo Capela no banco. Obviamente, não podia dar certo e uma arrancada infeliz de Barreto permitiu ao Paissandu o contragolpe que resultou no gol de Eduardo Ramos, após receber uma bola rebatida pelo lado direito da área.

O impacto do terceiro gol custou a ser assimilado pelo Remo. Araújo mexeu de novo, errando outra vez. Botou Nata e tirou Guerra, mas esqueceu de Capela de novo. Em meio a isso, o Paissandu mandou três bolas na trave – Raul, Pikachu e Héliton – e perdeu um balaio de oportunidades com Rafael Oliveira, que substituiu Iarley.

A única mexida certa de Araújo foi a entrada de Branco. Lúcido e aguerrido, foi dele, com raça e boa colocação, o gol que diminuiu o tamanho do prejuízo do Remo, aos 38 minutos. Já era muito tarde.

———————————————————-

Méritos ao melhor conjunto

Ao final da partida, Lecheva comentou que o Paissandu nem sempre recebe os louros quando faz grandes partidas. Queixou-se que, nessas horas, costumam enfatizar as fragilidades dos derrotados. Devia estar se referindo às duas goleadas, sobre Águia e São Francisco, e à atuação no Re-Pa que decidiu o turno. Talvez tenha razão.

A coluna, porém, mantém a posição a respeito do Paissandu e de Lecheva. É o melhor conjunto do campeonato, vários degraus acima da concorrência. E o técnico tem evoluído junto com o time, fazendo mudanças acertadas e moldando um estilo que não se amofina diante de nenhum outro adversário.

Com Eduardo Ramos a organizar as ações em campo, o Paissandu se ajusta às suas necessidades e impõe seu jogo, obrigando os adversários – todos, sem exceção – a tentar acompanhá-lo. A estratégia não falhou até agora.

———————————————————-

Em busca da pegada perdida

O Remo que passou o campeonato inteiro no 3-5-2 tinha características que compensavam os muitos defeitos: a raça e a entrega de seus jogadores. Era um time brigador, que saía em busca da bola onde ela estivesse. O novo Remo, do 4-4-2, vê a banda passar e raramente exibe lampejos da velha pegada. Jonathan, Rech, Galhardo e Cearense ainda se comportam com a mesma disposição de antes. Branco, quando entra, também. Nos poucos minutos que teve ontem, foi o mais objetivo e raçudo dos atacantes.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 18)