Homenagem alvinegra a um grande lateral

Potiguar e ídolo da torcida do ABC, Marinho Chagas é considerado por muitos um dos grandes craques da história do futebol. Ainda hoje, aos 60 anos de idade, o melhor lateral-esquerdo da Copa do Mundo de 1974 é reverenciado por torcedores de diversos clubes. Nesta quarta-feira, inclusive, ele recebeu uma homenagem do Botafogo, que publicou em seu site oficial um perfil do ex-jogador, integrante do “Time do Século”. Marinho se mostrou orgulhoso do passado de glórias, e feliz por receber de um ex-clube o reconhecimento pelo bom serviço prestado e amor à camisa. “Para mim, é um orgulho muito grande receber uma homenagem de um clube como o Botafogo, onde eu fiz um bom trabalho como jogador e conquistei o apoio da torcida. Fico muito grato e feliz, pois tenho a consciência de que dei o meu melhor durante a minha carreira e construí uma história de sucesso”, conta.

Vítima de câncer, lateral morre aos 36 anos

O jogador Aldivan, que estava internado há várias semanas no Hospital da Beneficente Portuguesa, morreu na manhã desta quinta-feira, em consequência de um tumor maligno no cérebro. A doença foi detectada há cerca de dois meses depois que ele desmaiou em casa. Atendido inicialmente no Pronto Socorro da 14 de Março, foi depois transferido para a Beneficente, onde foi submetido a uma cirurgia. O quadro não regrediu e, nos últimos dias, Aldivan entrou em coma e respirava com ajuda de aparelhos. Natural do Maranhão, tinha 36 anos.

O lateral-esquerdo defendeu quatro clubes no futebol paraense: Paissandu, Águia, São Raimundo e Remo. Estava acertando seu retorno ao Pantera quando foi hospitalizado. Seu corpo está sendo velado na igreja dos Capuchinhos e será transferido para sepultamento no Estado do Maranhão, onde moram seus parentes.

Jogadores pressionam por salários no Paissandu

Ao contrário do que informa a coluna, a delegação do Paissandu só viaja para Paragominas na tarde desta quinta-feira. Houve uma mudança de última hora na programação, em função da cobrança pelo pagamento de salários atrasados feita pelos jogadores fez à diretoria. Apesar da interferência do técnico Lecheva, os atletas teriam se recusado a viajar ontem enquanto a questão salarial não fosse solucionada pelos dirigentes, que haviam prometido pagar até quarta-feira pelo menos um mês de salários.

Delegação só pegou a estrada (parando antes para almoço na churrascaria Tucuruvi) depois da promessa do presidente Luís Omar de pagar metade dos salários de setembro em Paragominas e a outra parte antes do segundo jogo contra o Icasa. A diretoria alega que teve dificuldades para cumprir as promessas em face de bloqueio no patrocínio da Yamada e perda da receita com bilheteria dos jogos transferidos para o interior.

Araújo reacende esperanças

Por Gerson Nogueira

Contra todo o pessimismo reinante – inclusive meu –, o Remo contratou o técnico Flávio Araújo, que desembarcou ontem em Belém cheio de ideias para ressuscitar o time. Terá trabalho árduo pela frente no processo de reconstrução do time. Enfrentará ainda um retrospecto altamente desfavorável. Nas últimas temporadas, técnicos forasteiros sempre entraram pelo cano quando dirigiram Remo e Paissandu no campeonato estadual.

Na primeira visita ao clube, deve ter observado os muitos pontos cegos existentes na estrutura do Evandro Almeida, a começar pelos alojamentos e gramado. Deu uma espiada na movimentação dos garotos do sub-19 e repetiu a ladainha de 10 entre 10 técnicos: prometeu valorizar talentos da base. Registre-se que Araújo merece crédito pelo que realizou no Sampaio Corrêa, mesclando jogadores experientes e atletas revelados no próprio clube. Fez o mesmo quando dirigiu América de Natal e Fortaleza.

Entre os dirigentes, mesmo aqueles preocupados com o preço do investimento no técnico campeão da Série D, prevalece avaliação positiva sobre os primeiros contatos com Araújo. De estilo discreto, até tímido nas declarações, o treinador deixou a impressão de que passa longe do jeitão chucro de Edson Gaúcho e do temperamento dado a explosões de Flávio Campos.

A preocupação em fechar com a diretoria um plano de trabalho a ser executado nas próximas semanas foi outro ponto destacado pelos interlocutores de Araújo. Há, contudo, a consciência de que será muito difícil montar um elenco de bom nível até pelo pouquíssimo tempo restante até o começo do Parazão e, principalmente, pelas sérias limitações financeiras do Remo.

Por fim, Araújo parece devidamente vacinado para a pressão que precisará encarar no comando de um time que está há tanto tempo sem levantar o título estadual e amarga hoje a condição de sem-divisão. A referência ao Sampaio, pelo planejamento executado , é o item mais respeitável da agenda do novo técnico no Baenão.

A direção do Remo só precisa entender que, no Maranhão, foi dado a Araújo um mínimo de condições para estruturar o elenco, que venceria o certame estadual e depois iria brilhar na Quarta Divisão. Sem isso, o esforço para contratá-lo se revelará um gesto inútil.

————————————————————–

Todo poder aos sócios

Torcedores que integram o grupo “O Remo é Meu!” decidiram criar a Associação de Sócios do Clube do Remo (Assoremo), com estatuto e sede próprios, com vida independente do clube. Pretendem, a partir da união, mudar os destinos do clube, fazendo valer seus direitos e vontades.

Acima de tudo, sonham em acabar com a ditadura dos “donos” do Remo. No papel, a meta é interessante. Outra história, bem diferente, é a aplicação prática desses princípios.

————————————————————–

Lua-de-mel com a galera

O Paissandu chega com antecedência a Paragominas para o período de adaptação e as perspectivas são as melhores possíveis. Em lua-de-mel com o torcedor paraense após garantir o acesso, o time de Lecheva certamente desfrutará de total apoio nesse primeiro embate das semifinais da Série C.

O trabalho deve ser facilitado pelo ensaio de um motim no adversário. Jogadores do Icasa ameaçavam não viajar ao Pará, aborrecidos com a demora no pagamento de salários. A história é mais ou menos igual por aqui, mas a diferença é que o elenco alviceleste está realmente focado no objetivo de conquistar o título.

Nem mesmo a frase inadequada de Vânderson, relativizando a importância da conquista da Série C, deve influir no ânimo da rapaziada. Como é natural, os mais novos, incluindo Tiago Costa – que volta ao time substituindo a Marcus Vinícius –, estão loucos para levantar uma taça. Por isso mesmo, é zero o risco de um esmorecimento a essa altura.

————————————————————–

Teste excelente, jogo razoável

A seleção de Mano Menezes se notabilizou em 2012 por amistosos risíveis, contra adversários fracotes. Uma exceção é a Colômbia de Falcão Garcia, que ontem pôs em xeque as condições de segurança da zaga nacional. Triangulações rápidas, jogadas em profundidade e ataques sempre perigosos obrigaram Tiago Silva e Davi Luiz a se desdobrarem, mas o Brasil se saiu muito bem do teste.

O quadrado de meio-campo não esteve tão afinado, mas foi sempre insinuante quando Ramires, Paulinho e Kaká se aproximavam de Neymar. Oscar e Tiago Neves, errando muito, destoaram.

Empate final retratou bem o equilíbrio do confronto, mas o Brasil podia até ter saído vitorioso contra uma das mais sólidas equipes do continente e integrante do Top 10 da Fifa. O penal (inexistente) que Neymar mandou na estratosfera garantiria o triunfo, mas o placar ficou de bom tamanho para a produção dos times em campo.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quinta-feira, 15)