Fifa define sedes da Copa das Confederações

A Fifa confirmou hoje que a Copa das Confederações terá seis sedes: Rio, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Fortaleza e Recife. Avisou também que não há plano B caso algum estádio não fique pronto. O torneio será entre os dias 15 e 30 de junho de 2013. O Rio receberá três partidas, incluindo a final. Belo Horizonte e Fortaleza terão duas partidas. Fonte Nova e Arena Pernambuco sediarão três confrontos cada. Brasília só terá a partida de abertura.

O “grande” negócio dos clubes com o contrato da TV

Por Erich Beting

Um dos grandes argumentos usados pelos clubes brasileiros quando assinaram o contrato individual de televisão com a Globo foi o valor recorde alcançado na negociação. Mesmo que os números não sejam divulgados, os clubes praticamente triplicaram o que recebiam da TV no contrato anterior. Já falei longamente aqui no blog sobre a visão apequenada da negociação individual dos clubes com a TV e, também, de como o mercado de televisão está em mutação no Brasil. Os valores maiores a cada um dos clubes significa, também, disparidades maiores no que um recebe e no que outro recebe. Flamengo e Corinthians, por exemplo, hoje recebem 66% a mais do que o Coritiba da TV. Antes, a diferença era de 50%.

Agora, com os clubes renovando esse vínculo com a Globo até 2018, o problema mostra-se ainda maior. Não apenas pela possibilidade que temos de aumentar o abismo entre os clubes, mas pela visão tacanha sobre o mercado de televisão no Brasil que é demonstrada pelos dirigentes do esporte. No último dia 24 de outubro, a Anatel publicou o levantamento sobre o número de assinantes da TV paga no país. Setembro registrou um aumento de 1,84% nas assinaturas em relação a agosto e, na comparação anual, tivemos 29,5% de aumento no número de assinantes da TV paga.

Num Brasil que vive a era do pleno emprego e da queda nos preços de produtos tecnológicos e mídia digital, o mercado de TV paga e internet são os que sofrem maior alteração. E isso traz impacto direto, também, na TV aberta. Só para se ter uma ideia, em 2007 eram 5,3 milhões de domicílios com TV paga no Brasil. Hoje, são 15 milhões. O quanto valorizou o contrato de TV fechada para os clubes? De que forma eles enxergam o futuro das transmissões? A internet não seria uma forma de rentabilizar ainda mais o negócio dos direitos de transmissão, com a venda de pay-per-view para o mundo todo? Essas são apenas algumas questões que vêm à tona numa análise superficial dos números do mercado de televisão no Brasil.

Mas em busca do dinheiro de curto prazo, os clubes comprometem sua receita, sem variação, pelos próximos seis anos. Caso o mercado de TV fechada cresça na proporção que foi desde 2007, teremos pelo menos mais 10 milhões de lares (ou 33 milhões de pessoas, nas contas da Anatel) equipados com TV a cabo.

Isso tudo terá um impacto enorme na forma como as pessoas consomem a mídia, seja ela a TV aberta (cada vez com menor audiência), a fechada (crescendo bastante) ou a internet (o meio em maior expansão). Isso sem falar no impacto que a Copa de 2014 trará para o mercado de consumo de evento ao vivo a partir da melhoria dos estádios. Talvez somente daqui a três anos os clubes comecem a perceber o “grande” negócio que fizeram com o contrato de TV. E, aí, talvez seja tarde demais para voltarmos ao óbvio…

Vitória do Celtic faz velho roqueiro chorar

Aos 67 anos, o veterano rockstar Rod Stewart não resistiu à emoção e chorou como um garoto de escola quando o Celtic, seu time do coração, surpreendeu o mundo ao vencer o todo-poderoso Barcelona na quarta-feira, pela Liga dos Campeões. Nascido em Londres, filho de pai escocês, Stewart estava na arquibancada do Celtic Park e não se conteve diante da mais importante vitória do time de Glasgow na história recente. O clube completou um século e um quarto nesta semana, aniversário coroado com o triunfo (por 2 a 1) inesperado sobre o melhor time do mundo. Foi a primeira derrota do Barça na fase de grupos da Liga dos Campeões nos últimos três anos. O gol de Lionel Messi no minuto final não foi suficiente para impedir o resultado histórico. Os escoceses já haviam marcado duas vezes com Victor Wanyama e o jovem Tony Watt, em sua estreia na Liga. (Do UOL Esporte) 

Por um ranking mais realista

Por Gerson Nogueira

Além da importância óbvia quanto ao mérito de clubes, ranking é e sempre será tema de muita discussão entre torcedores. O da CBF vai passar por alterações no critério de aferição de pontos para os clubes brasileiros. A simples menção à mudança já deixou a torcida paraense em alvoroço. A do Paissandu festeja, por antecipação, a ascensão do Papão e a previsível queda do Remo em relação ao antigo ranking.

De fato, levando em conta as cinco últimas temporadas, conforme definido pela entidade, o ranking deve trazer o tradicional clube de Antonio Baena no rabo da fila, atrás de Paissandu, Águia e São Raimundo. Até o leãozinho de pedra lá do estádio Evandro Almeida sabe que o Remo tem pouco a ostentar desde 2008.

Como é, reconhecidamente, um dos períodos mais áridos da história do Remo, a atualização do ranking deve expor as mazelas do clube com crueza e realismo. E a distância em relação aos demais clubes paraenses só não será mais acentuada porque, de maneira geral, o futebol nativo anda em baixa, desde que o Paissandu perdeu vaga na Série A.

Embora não tenha sido ainda publicada a nova classificação, a notícia já inspira aplausos e queixumes, dividindo opiniões. Por um lado, permitirá observar com mais atualidade a evolução dos clubes, fazendo justiça a resultados recentes, o ranking da CBF tem tudo para deixar muitas torcidas abespinhadas.

É o caso, por exemplo, das históricas conquistas do Paissandu, como a Copa dos Campeões (2002) e participação na Taça Libertadores (2003). Pelo critério de tempo adotado, esses dois feitos não serão computados para elaboração deste novo levantamento. A lamentar, ainda mais, porque foi instituída uma bonificação extra para os times que disputarem o principal torneio sul-americano.

Em termos nacionais, o sistema de pontuação vai acentuar diferenças entre os principais clubes. Quanto mais recente for o feito esportivo, maior será a recompensa no ranking. O peso será decrescente entre 2012 e os anos anteriores. Além disso, a CBF estabelece 160 pontos entre primeiros e segundo colocados, a fim de destacar os títulos.

Além dos remistas, que lideravam o ranking regional há anos, outras torcidas terão sérias razões para detestar a modificação. Antes, a lista dos melhores era encabeçada por Santos, Palmeiras, Vasco, Grêmio e Flamengo. A partir de agora, a hegemonia se transfere para Corinthians, Fluminense e São Paulo, que se destacaram mais a partir de 2008.

————————————————————–

Uma ausência lamentada

Saiu a lista dos relacionados para a batalha de Macaé e senti falta de Héliton, sempre esquecido nesses momentos. O melhor puxador de contra-ataque do nosso futebol aos poucos vai caindo no ostracismo total. A não ser que tenha algum problema físico, seria presença certa no grupo que vai a Macaé em busca do acesso à Série B.

Sob o comando de Lecheva, no primeiro semestre, Héliton foi um dos artífices da estupenda vitória sobre o Sport, na Ilha do Retiro. Jogando bem aberto e explorando a habilidade que tem, ao lado de Pikachu e Rafael Oliveira, ele foi decisivo no jogo – reconhecidamente o melhor do Paissandu nesta temporada.

A situação em Macaé se assemelha ao daquela noite no Recife. O adversário virá no ataque, como o Sport, a fim de descontar a diferença do primeiro confronto. Naquela partida, Lecheva posicionou o Paissandu para explorar as subidas e o desespero do oponente. Deu certo.

O triunfo nasceu da velocidade na saída para o ataque. Imaginava que esse fato seria levado em conta e que Héliton seria lembrado, pelo menos como alternativa para o segundo tempo. Aparentemente, perdeu a vaga para Moisés. Uma pena.

————————————————————–

Bravatas marqueteiras

Sobre a polêmica criada por um político, tendo como alvo a presidência da Federação Paraense de Futebol, não creio que mereça ser levada a sério. Aos que pedem minha opinião a respeito, respondo com base no que conheço dos envolvidos. Quem denuncia carece de credibilidade e não apresentou provas. Por isso, fica a impressão de pura bravata, destinada a chamar atenção, obter espaço midiático e engabelar incautos.

Por isso mesmo, prefiro não gastar mais que dez linhas deste precioso espaço com tema tão vazio. É claro que a FPF tem problemas, e não são poucos, mas, seguramente, a solução não virá de atitude isolada e marqueteira.

————————————————————–

Parado no tempo

Enquanto os dirigentes asseveram que o técnico Flávio Araújo (ex-Sampaio) está fechado para dirigir o Remo no Campeonato Estadual, a notícia mais importante surgida no clube foi a desistência de Sérgio Cabeça do projeto de reeleição. A pressão exercida por seus pares no Conselho Deliberativo surtiu efeito e o presidente se livrou de um desgaste desnecessário.

Com sua saída do quadro eleitoral, resta a candidatura de Roberto Macedo. O grupo situacionista, porém, ainda trabalha no sentido de lançar uma candidatura, sendo que Rafael Levy ainda é o nome mais forte. Enquanto isso, o tempo passa…

————————————————————–

Direto da web:

Frase certeira postada num sítio qualquer da grande rede: “Barcelona e Real Madri também perdem. Que bom!”.

(Coluna publicada na