Papão perde mais dois mandos de campo

O pleno do STJD puniu na tarde desta sexta-feira o Paissandu com a perda de dois mandos de campo e multa de R$ 1 mil pelos incidentes envolvendo a torcida no jogo contra o Guarani de Sobral, no Mangueirão. O clube já havia sido punido anteriormente, pelo jogo contra o Icasa, com a perda de dois mandos, mas conseguiu efeito suspensivo até o julgamento do mérito.

Mestre Hobsbawm e 10 vantagens da feiúra

Por Xico Sá

Tudo bem, não me conformo com feiúra sem acento, mas vamos jogar o jogo do acordo transatlântico. O professor Eric Hobsbawm, que sempre amarei, morreu, e não escrevi nada sobre tal sábio. Falha quase de caráter. Agora releio “Bandidos”, livro dele que me fez, inauguralmente, amá-lo, um libelo que trata do banditismo por questão de classe, como sampleou Chico Science.

Eis que encontro outro professor, o amigo André, torcedor do Operário(MS), 3º lugar no Nacional de 1977, cabra das ciências da FGV. Ele me alerta, ali no belo caos da Mercearia São Pedro, sobre como a fealdade pode render uma grande obra. Em sua auto-biografia, Tempos Interessantes, Hobsbawm diz, desavergonhadamente, que só se dedicou aos estudos por ser o aluno mais feio da turma. Entendo muito o que falas, mestre.

A feiura é a maior vantagem de um homem sobre a terra. Relembro ai, em tua homenagem, nobre Hobsbawm, um decálogo que escrevi tempos atrás sobre o assunto. O feio e o bonito que já leram, desconsiderem, mas careço repeti-lo:

I) Saiba, amigo, que a beleza é passageira e a feiúra é para sempre, como repetia o mal-diagramado Sérge Gainsbourg –o francês que só pegava mulher fraca, como a Brigitte Bardot e a Jane Birkin, entre outros colossos. Sim, aquele mesmo francês cabra-safado autor do maior hino de motel de todos os tempos, “Je t´aime moi non plus”, claro.

II) Saiba que as mulheres, ao contrário da maioria dos homens, são demasiadamente generosas. E não me venha com aquela conversinha miolo-de-pote de que as crias das nossas costelas são interesseiras. Corta essa, meu rapaz. Se assim procedessem, os feios, sujos e lascados de pontes e viadutos não teriam as suas bondosas fêmeas nas ruas. Elas estão lá, bravas criaturas, perdendo em fidelidade apenas para os destemidos vira-latas.

III) Saiba que o feio, o mal-assombro propriamente dito, saiba também e repita um velho mantra deste cronista de costumes: homem que é homem não sabe sequer a diferença entre estria e celulite.

IV) Saiba que mulher linda até gay deseja e encara, quero ver é pegar indiscriminadamente toda e qualquer assombração e visagem que aparecer pela frente.

V) Saiba que homem que é homem não trabalha com senso estético. Ponto. Que não sabe e nunca procurou saber sequer que existe tal aparato “avaliatório’’do glorioso sexo oposto.

VI) Saiba que as ditas “feias” decoram o Kama Sutra logo no jardim da infância.

VII)  Saiba que para cada mulher mal-diagramada que pegamos, Deus nos manda duas divas logo depois de feita a caridade.

VIII)  Saiba que mulher é metonímia, parte pelo todo, até na mais assombrosa das criaturas existe uma covinha, uma saboneteira, uma omoplata, um cotovelo, um detalhe que encanta deveras.

IX) Saiba que me desculpem as muito lindas, mas um quê de feiúra é fundamental, empresta à fêmea uma humildade franciscana quase sempre traduzida em benfeitorias de primeira qualidade na alcova, como o melhor sexo oral do planeta, para não esticarmos demais a prosa.

X) Saiba, por derradeiro, irmão de feiúra, que a vida é boxe: um bonitão tenta ganhar uma mulher sempre por nocaute, a nossa luta é sempre por pontos, minando lentamente a resistência das donzelas.

Cabra bom. Quando crescer, quero escrever assim.

O Watergate do COB

Por Juca Kfouri

Ainda sem esclarecer o vexame do furto de informações do comitê de Londres-2012, e sem punir os mandantes da ação, eis que o COB se vê denunciado, com provas, em nova história cabeluda. Em dezembro do ano passado, gente do COB, comandada por seu gerente de compras, Bernardo Chamis, invadiu a sede da Confederação Brasileira de Desportos no Gelo, em um centro comercial em Copacabana.

O presidente da confederação, Eric Maleson, que faz solitária oposição a Carlos Nuzman, viu sua entidade sob intervenção do COB, recuperou seu posto na Justiça e promete agitar, amanhã, a quarta reeleição do cartola no comitê, no poder desde 1995.

Importa pouco saber quais são as verdadeiras intenções de Maleson, se purificar o ar do esporte olímpico nacional ou apenas chegar ao cume para repetir as práticas que o infelicitam desde sempre. Vale, apenas, observar os métodos, dignos de organizações mafiosas e para revirar o Barão de Coubertin em seu túmulo, que perpetuam Nuzman como dono do poder.

Como presidente do COB, Nuzman já atravessou oito anos de Fernando Henrique Cardoso na Presidência da República, mais oito de Luiz Inácio Lula da Silva e o segundo ano, em curso, de Dilma Rousseff. À custa de generosas injeções de dinheiro público na entidade, a maior parte para financiar sua administração nababesca.

Para variar, ao ser provocado pela ESPN Brasil a responder à denúncia, o COB mentiu. Informou que entrou na sede da confederação violando suas fechaduras porque era responsável pelo aluguel da sala, falsidade prontamente desmentida pela CBDG ao mostrar o contrato de sublocação feito em julho de 2011 com a assinatura de Chamis.

Como se sabe, em junho de 1972, a sede do Partido Democrata norte-americano, no Complexo de Watergate, em Washington, foi invadida por membros do Partido Republicano, de Richard Nixon, que buscava sua reeleição. A denúncia, do jornal “Washington Post”, redundou na renúncia de Nixon dois anos depois, comprovado que ele tinha conhecimento da invasão.

Esperar que aconteça o mesmo com Nuzman, no Brasil, pode ser ingenuidade, embora o STF a cada dia que passa, assim como as mais recentes pesquisas eleitorais em São Paulo, demonstra que o país, mesmo lentamente, está progredindo eticamente. A ponto de não mais surpreender se Nuzman não fizer a abertura dos Jogos Olímpicos no Rio.

Porque 2012 está com cara de ser um ano que não deveria acabar, marcado que já está pelo exílio, dourado, é verdade, de Ricardo Teixeira, fora da abertura da Copa do Mundo no Brasil.

MANO SORRI

Mais importante que a eventual atuação da seleção B do Brasil no Subclássico das Américas, que foi cancelado ontem por falta de energia no estádio, foi a de Kaká, excelente, contra o Ajax, na Copa dos Campeões. Agora só falta Ganso voltar a ser o que foi em 2010.

Livro dedura escapada de Ronaldo no Barça

O jornalista espanhol Lluís Lainz acaba de lançar o livro “De puertas adentro” (“Portas a dentro”, em tradução livre), que conta histórias inusitadas sobre os bastidores do Barcelona. Em uma das mais peculiares, Lainz conta o dia em que um dos seguranças do estádio encontrou o atacante Ronaldo, recém-chegado ao clube, numa cena de “ménage” com duas mulheres em um sofá. No auge dos 20 anos, quando brilhou no Barcelona com gols espetaculares, Ronaldo teria deixado o carro no estádio para ir jantar. No retorno, chegou acompanhado de duas mulheres e se dirigiu para o estacionamento.

“Vendo que o jogador demorava a sair, o segurança começou a se preocupar. Em um momento de responsabilidade, decidiu ver se Ronaldo tinha problemas. No estacionamento estava o carro vazio. Acreditando que o jogador tinha entrado no estádio para mostrar os vestiários as duas mulheres, teve uma surpresa gigante quando encontrou os três fazendo sexo em um dos sofás”, escreveu o Lainz.

O jornalista também contou a reação do presidente do clube à época, Josep Lluís Núñez, muito compreensivo. “Você não entende que é um garoto de 20 anos e tem idade de se divertir?”, teria comentado o mandatário ao chefe de segurança do estádio no dia seguinte do incidente.

Outras histórias curiosas dos 113 anos de Barcelona também são destaque no livro. O atual capitão Carles Puyol, símbolo de raça e do espírito catalão em campo, esteve próximo de ser dispensado das categorias de base do clube. Ronald Koeman e Oriol Tort não acreditavam no futebol do zagueiro, que se tornaria nada menos do que tricampeão da Liga dos Campeões da Europa com o Barça e campeão mundial com a seleção espanhola.

Na apresentação do livro nesta quinta-feira, o autor destacou a importância do clube da Catalunha, em um período de forte agitação pela independência política da região. “Resistiu à ditadura de Primo Rivera, ao franquismo, ao fechamento do Camp Nou e presidentes escolhidos a dedo. O Barça foi um clube aberto, democrático. E sua relação com resto da Espanha foi completa sempre, não só agora”, afirmou. (Da Gazeta Esportiva)

Duas revelações do futebol catarinense

Dois jogadores do futebol catarinense viraram sonho de consumo dos grandes clubes brasileiros. O primeiro é Lucca Brito do Criciúma. Tem 22 anos, 1,78m e pesa 63 quilos, 10 gols na Série B e passes preciosos para o artilheiro Zé Carlos, que tem 21 gols na competição. O segundo é Aloísio dos Santos, do Figueirense. Tem 24 anos, 1m76 e fez  9 gols na Série A. É bom que se diga que Lucca, lançado por Paulo Comelli, tem como suporte no meio-de-campo o nosso Marlon, ex-Remo. São Paulo, Santos, Palmeiras, Cruzeiro, Botafogo e Grêmio demonstram interesse nos dois jogadores.

A frase do dia

“Estou aliviado. Foram três anos de trabalho duro, para tentar manter a motivação e a energia para seguir em frente. (…) O momento especial obviamente foi quando o time encontrou uma opção com Lewis Hamilton, o que me ajudou a tomar essa decisão. Ainda havia espaço para mim e as negociações estavam acontecendo, mas eu não estava seguro. Às vezes, o destino decide por si mesmo e foi isso o que aconteceu”. 

De Michael Schumacher, anunciando sua aposentadoria definitiva da F-1. 

Hora da solidariedade

Um menino de cinco anos, Sérgio Gabriel Vasconcelos Cunha, que está hospitalizado no HGU da Unimed, precisa urgentemente de sangue (tipo universal). Os doadores devem se dirigir ao Instituto de Hematologia e Hemoterapia de Belém (IHEBE), que fica na travessa Mauriti, 3164, entre Almirante Barroso e João Paulo II – fone: 3246-8292. No ato da doação deve ser informado que o sangue se destina ao Sérgio Gabriel. Vamos ajudar, pessoal!!

Vote no mico da semana

Fique à vontade para escolher (e justificar) seu King Kong favorito:

1) Lambanças em cascata. Paissandu anuncia na quarta-feira contratação de Fausto Chuck Norris, atacante que jogou na Linense. Clube descobre que o jogador não poderia mais ser inscrito na Série C e presidente desmente assessor de imprensa que anunciou o negócio. 

2) Sérgio Cabeça admite intenção de tentar reeleição na presidência do Remo, apesar das críticas pela má gestão e as inúmeras ações trabalhistas (por não pagamento de salários) que o clube enfrenta desde a eliminação na Série D. 

3) Comissão técnica, diretoria e jogadores do Paissandu se reúnem numa churrascaria para um almoço reservado, que serviu de confraternização para melhorar o astral. Instada pelo presidente, Assessoria nega que tenha havido uma churrascada. 

4) Rafael Levy, ex-presidente do Remo e eleito benemérito do clube, declara que é contra a instituição de eleições diretas no clube, como exige a torcida. Para o cartola, conselheiros já exercem o papel de escolher as diretorias.